1. ArchDaily
  2. História

História: O mais recente de arquitetura e notícia

Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa

Os Países Baixos são conhecidos internacionamente como uma nação que busca inovação em larga escala, desenvolvendo sistemas estatais para proteger suas terras e aprimorar a qualidade de vida de seus cidadãos. As propostas ousadas de arquitetos e urbanistas como Gerrit Rietveld, Piet Blom, Rem Koolhaas e o Office for Metropolitan Architecture (OMA) têm impacto global, desafiando as formas tradicionais de prática.

Ainda assim, o país enfrenta desafios tanto esperados quanto inesperados, desde uma grave escassez de habitação até a crescente preocupação em relação às alterações climáticas e à evolução das ideias sobre ecologia. Nas palavras da curadora Suzanne Mulder, o país está "mais uma vez na prancheta", à medida que arquitetos, urbanistas e designers retomam as conversas sobre o futuro, olhando para as lições do passado. Para auxiliá-los nesse processo, o Nieuwe Instituut de Roterdã está organizando a exposição "Projetando os Países Baixos: 100 anos de Futuros Passados e Presentes".

Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 1 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 2 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 3 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 4 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Mais Imagens+ 29

Enfrentando o legado racista das rodovias urbanas

Rodovias, em seu estado inanimado, não podem ser racistas. No entanto, as forças que as criaram e as consequências de sua localização estão profundamente ligadas à questão racial. Deborah Archer, professora de direito e advogada de direitos civis, aprofunda essa noção: "As rodovias foram construídas através e ao redor de comunidades negras para solidificar a desigualdade racial e proteger espaços e privilégios brancos."

No novo livro, Justice and the Interstates: The Racist Truth About Urban Highways, os editores Ryan Reft, Amanda Phillips du Lucas e Rebecca Retzlaff exploram a injustiça racial e o sistema de rodovias interestaduais. Eles reúnem ensaios que abordam o deslocamento causado pelas rodovias interestaduais. O livro surgiu a partir de uma série de artigos na Metropole, uma publicação da Urban History Association.

Museu das Migrações em Roterdã contará as histórias dos fluxos migratórios globais

O Museu FENIX, projetado por MAD Architects, está previsto para inaugurar em 2025 no porto da cidade de Roterdã. O espaço pretende contar as histórias das migrações globais através do encontro entre arte, arquitetura, fotografia e história. O museu começou a ser construído em 2020, quando as primeiras imagens do projeto foram divulgadas. A MAD Architects está também colaborando com o Bureau Polderman para restaurar um armazém histórico de 1932, que será a base e o ponto inicial da experiência museológica.

Museu das Migrações em Roterdã contará as histórias dos fluxos migratórios globais - Image 1 of 4Museu das Migrações em Roterdã contará as histórias dos fluxos migratórios globais - Imagem de DestaqueMuseu das Migrações em Roterdã contará as histórias dos fluxos migratórios globais - Image 2 of 4Museu das Migrações em Roterdã contará as histórias dos fluxos migratórios globais - Image 3 of 4Museu das Migrações em Roterdã contará as histórias dos fluxos migratórios globais - Mais Imagens+ 2

Por que o tempo é um problema para os arquitetos?

Este artigo foi originalmente publicado no Common Edge.

Desde o surgimento do modernismo, os arquitetos têm enfrentado um dilema ao lidar com a realidade do tempo. Isso se torna um problema, pois o tempo e a gravidade são duas forças universais. Os arquitetos são extremamente bons em lidar com a gravidade — ela está presente em tudo o que projetamos e realiza uma dança simbiótica com a estrutura. Não importa o quanto um projeto simule a ausência de peso, sua massa não pode ser negada. Os arquitetos devem enfrentar a gravidade, seja nas varandas da Casa da Cascata de Frank Lloyd Wright, ou nos edifícios paramétricos potencializados pelos softwares da atualidade.

Arquiteto e teórico Anthony Vidler morre aos 82 anos

O arquiteto, pesquisador e teórico da arquitetura Anthony Vidler morreu na noite de ontem para hoje, 20 de outubro, aos 82 anos, informou a Escola de Arquitetura da Universidade de Princeton. Vidler teve uma carreira sólida na prestigiada instituição, onde atuou como o primeiro diretor do programa de Doutorado em História e Teoria. Seu interesse pela arquitetura, cultivado em Essex, Inglaterra, o levou a obter um diploma graduação e mestrado em arquitetura na Universidade de Cambridge e, posteriormente, um doutorado em História e Teoria da Arquitetura na Universidade de Tecnologia de Delft. Sua carreira influente se estendeu por mais de 50 anos, deixando uma marca profunda na pesquisa e educação arquitetônica.

"Ensamble": arquiteturas chilotes fundacionais de Magalhães

Chiloé como ponto de partida. Desde lá, seus fenômenos translocais, principalmente mobilizados por via marítima, foram o início para que o cone sul patagônico, tanto em área chilena como argentina, fosse um território esculpido em tempos coloniais pela mão chilota. Um povo híbrido, de origem indígena e europeia, que a partir de sua condição de isolamento, tanto geográfico como político-administrativo, teve que se valer da autoconstrução de seus povoados, do plantio e colheita de seus alimentos e da confecção de suas roupas, tudo isso a partir da disponibilidade dos recursos arquipelágicos. Assim foi concebida a inquestionável engenhosidade chilota, um perfil muito desejável para os territórios que, no período colonial, se desenvolviam à mercê do Estado chileno, de modo que não é difícil reconhecer a mão criativa dos chilotes na arquitetura dos assentamentos mais ao sul.

O que é "rewilding" na arquitetura? Conceitos, aplicações e exemplos

Em uma época em que o impacto negativo da humanidade sobre o meio ambiente tem se tornado cada vez mais evidente, o conceito de rewilding (renaturalização) está surgindo como uma abordagem poderosa para a conservação e a restauração ecológica. Em consonância com a crescente atenção dada à arquitetura paisagística nos últimos anos, a ideia de remover a intervenção humana de nossos ambientes naturais para restaurar um equilíbrio estável parece oferecer uma maneira relativamente simples de corrigir erros climáticos fundamentais. Mas será que a ausência de interferência na natureza é realmente tudo o que prega o rewilding? Como ele se relaciona com a arquitetura e o design? Neste artigo, analisamos seus principais conceitos, aplicações e exemplos.

O que é "rewilding" na arquitetura? Conceitos, aplicações e exemplos - Image 1 of 4O que é "rewilding" na arquitetura? Conceitos, aplicações e exemplos - Image 2 of 4O que é "rewilding" na arquitetura? Conceitos, aplicações e exemplos - Image 3 of 4O que é "rewilding" na arquitetura? Conceitos, aplicações e exemplos - Image 4 of 4O que é rewilding na arquitetura? Conceitos, aplicações e exemplos - Mais Imagens+ 3

Websérie apresenta uma viagem pela história da arquitetura de Curitiba

A websérie Atemporal ‑ A arquitetura permanece apresenta uma compilação de 9 episódios que retratam os diversos movimentos arquitetônicos que marcaram a história de Curitiba. Iniciado em 2020, o projeto abrange desde os primeiros impactos da arquitetura na cidade, durante a era colonial e a influência dos imigrantes, até a arquitetura eclética, passando pelo art decó e os primeiros vislumbres do modernismo, culminando em uma verticalização mais densa e um plano urbano internacionalmente reconhecido.

O Pelourinho em Salvador: da arquitetura colonial ao Olodum

O Pelourinho, localizado no Centro Histórico de Salvador, Bahia, é uma das imagens e cartões-postais mais conhecidos, divulgados e visitados da capital baiana. Possuindo um acervo colonial urbano e arquitetônico de grande importância cultural, recebeu o título de Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, em 1985. Com mais de quatro séculos de história, a região já abrigou as mais diversas atividades, funções e dinâmicas, e sua trajetória se imbrica à da própria cidade. Atualmente, é um dos principais pontos turísticos soteropolitanos e, além de seu próprio acervo colonial, concentra uma série de equipamentos do setor como hotéis, restaurantes e museus.

O Pelourinho em Salvador: da arquitetura colonial ao Olodum - Image 1 of 4O Pelourinho em Salvador: da arquitetura colonial ao Olodum - Image 2 of 4O Pelourinho em Salvador: da arquitetura colonial ao Olodum - Image 3 of 4O Pelourinho em Salvador: da arquitetura colonial ao Olodum - Image 4 of 4O Pelourinho em Salvador: da arquitetura colonial ao Olodum - Mais Imagens+ 3

A história do calçadão de Copacabana: da origem portuguesa ao Burle Marx

Um dos maiores símbolos cariocas, a calçada de Copacabana é um marco na deslumbrante paisagem do Rio de Janeiro. O que nem todos sabem é que sua história (e desenho) precede a intervenção de Roberto Burle Marx na década de 1970. A origem do desenho é, assim como suas pedras, portuguesa.

A história do calçadão de Copacabana: da origem portuguesa ao Burle Marx - Image 1 of 4A história do calçadão de Copacabana: da origem portuguesa ao Burle Marx - Image 2 of 4A história do calçadão de Copacabana: da origem portuguesa ao Burle Marx - Image 3 of 4A história do calçadão de Copacabana: da origem portuguesa ao Burle Marx - Image 4 of 4A história do calçadão de Copacabana: da origem portuguesa ao Burle Marx - Mais Imagens+ 1

Iphan lança repositório digital dos Bens Culturais Registrados

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia federal vinculada ao Ministério da Cultura (Minc), disponibiliza aos cidadãos um novo e moderno repositório digital dos Bens Culturais Registrados (BCR). O portal online é fruto de parceria com o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) e dá acesso à sociedade brasileira informações sobre cada um dos bens culturais imateriais registrados como Patrimônio Cultural do Brasil.

O legado de Jane Drew: uma pioneira para mulheres na arquitetura

Em 1950, Le Corbusier foi convidado a projetar a nova capital do estado indiano de Punjab, a cidade de Chandigarh, após sua separação e recente independência. A oportunidade de criar uma nova utopia foi inigualável e agora é vista como uma das maiores experiências urbanas da história do planejamento e da arquitetura. A cidade foi formada por padrões viários em retícula ortogonal, de estilo europeu, e edifícios em concreto aparente — o auge dos ideais de Corbusier ao longo de sua carreira. Mas o que é menos conhecido sobre a concepção e realização de Chandigarh foi a mulher que trouxe para o projeto sua experiência em projetar habitações sociais em toda a África. Por três anos, trabalhando ao lado de Corbusier e ajudando-o a projetar alguns dos edifícios mais conhecidos de Chandigarh, esteve Jane Drew.

Uma breve história do Estilo Internacional

Quando as pessoas descrevem o movimento modernista em sua totalidade, fazem ampla referência aos arranha-céus de aço e vidro que marcam presença no horizonte de muitas cidades, ou mais especificamente, ao Estilo Internacional que surgiu na Europa após a Primeira Guerra Mundial. O Estilo Internacional representou o progresso tecnológico e industrial e um renascimento das construções sociais que influenciariam para sempre a maneira como pensamos sobre o uso do espaço em todas as escalas. Muitas vezes projetados como edifícios politicamente carregados, procurando fazer uma declaração aos governos totalitários, muitos arquitetos que influenciaram o estilo mudaram-se para os Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial, abrindo caminho para alguns dos edifícios e arranha-céus mais icônicos construídos no século XX.

Uma breve história dos mapas e seu papel no desenvolvimento urbano

A cartografia teve um papel importante na representação de conceitos espaciais por milhares de anos. Enquanto as primeiras formas de mapas exibiam informações geográficas esculpidas em tabuletas de argila ou gravadas nas paredes das cavernas, os mapas que usamos hoje evoluíram significativamente para mostrar de maneira criativa uma variedade de informações diferentes. Essas peças visuais mostram dados populacionais, eventos históricos, mudanças culturais e padrões climáticos para nos ajudar a entender mais sobre nosso mundo e como o impactamos.

Iphan lança exposição “7 Povos – Retratos de um Território” em formato digital

A partir de agora, o público poderá ter a experiência de visitar a exposição itinerante 7 Povos – Retratos de um Território na versão virtual. Trata-se de uma remontagem da mostra que já aconteceu de forma presencial em três locais do país: Memorial do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre (RS); Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo, em São Miguel das Missões (RS); e no Centro Cultural do Patrimônio Paço Imperial (CCPPI), no Rio de Janeiro (RJ). Com o lançamento na versão online, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tem o objetivo de levar à mostra a um público ainda mais amplo, não apenas do Brasil, mas também internacional.