Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Noticias de Arquitetura

Noticias de Arquitetura

Centros comunitários para populações deslocadas: 10 projetos no mundo

© Thomas Noceto Integrated Community Center. Imagem © Rizvi Hassan Cortesia de Laura Katharina Strähle & Ellen Rouwendal Naidi Community Hall. Imagem © Katie Edwards + 16

Ao longo dos últimos meses, a interdependência entre interação social e saúde mental nunca esteve tão evidente e manifesta. Entretanto, se isso parece tão óbvio visto desde dentro da nossa própria casa, imagine para aquelas pessoas que não tem onde morar – comunidades forçadas a abandonarem sua pátria para poder sobreviver ou em busca de uma vida melhor e mais segura. Estima-se que atualmente mais de 70 milhões de pessoas, das quais 25 milhões são refugiados, enfrentam traumas e problemas de saúde mental por estarem longe de casa, ou pela falta de um lugar seguro para viver.

Dicas para aproveitar a água da chuva nos projetos de arquitetura

A quantidade total de água em nosso planeta é, teoricamente, a mesma desde sua formação. É possível que aquele copo de água tomado mais cedo contenha partículas que já correram pelo Rio Ganges, algumas que passaram pelo sistema digestivo de um dinossauro e outras que resfriaram um reator nuclear. Claro, antes de matar a sua sede, ela evaporou e caiu como chuva milhões de vezes. A água pode ser poluída, desrespeitada, mal usada, mas nunca criada ou destruída. Segundo um estudo da UNESCO, estima-se que a Terra contenha cerca de 1386 milhões de quilômetros cúbicos de água. No entanto, 97,5% deste montante são águas salinas e apenas 2,5%, água doce. Desse tanto, a maior parte (68,7%) está na forma de gelo e neve permanente na Antártida, Ártico e em regiões montanhosas. Em seguida, 29,9% existem como águas subterrâneas. Apenas 0,26% da quantidade total de água doce da Terra está disponível nos lagos, reservatórios e bacias hidrográficas, mais facilmente acessíveis para as necessidades econômicas e vitais do mundo. Com o aumento populacional, sobretudo em áreas urbanas, diversos países já apresentam severos problemas a ofertar a quantidade de água potável a suas populações.

ONU lança publicação online sobre parques urbanos com perspectiva de gênero

Desenvolvido pelo Instituto Semeia e pelo Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), Parques para Todas e Todos é uma ferramenta para inspirar a construção de espaços mais diversos a partir da inserção da perspectiva de gênero em parques urbanos em sua implantação ou gestão. Nele podem ser encontradas diretrizes, sugestões e ideias para começar a pensar em parques que considerem as necessidades de todas e todos.

Domino Park em Nova Iorque introduz círculos no chão para garantir distanciamento

Enquanto muitos espaços públicos ao redor do mundo buscam inovar ao implementar medidas de segurança para reabrir durante a pandemia de coronavírus, o Domino Park, em Nova Iorque, introduziu uma série de círculos desenhados no chão para garantir o distanciamento social. Esta singela intervenção visa garantir que as pessoas “sigam os procedimentos apropriados de distanciamento social" recomendados pela OMS.

© Marcella Winograd © Marcella Winograd © Marcella Winograd © Marcella Winograd + 9

Perkins and Will lança manual estratégico para um retorno seguro aos escritórios

Seguindo as orientações das principais agencias de saúde pública, a Perkins and Will acaba de lançar um conjunto de estratégias de orientação voltadas aos empregadores, fornecendo uma série de informações úteis a serem consideradas à medida que as restrições impostas aos locais de trabalho – em razão da atual crise sanitária mundial – vão sendo aliviadas, delineando soluções e critérios adequados para que as empresas possam reabrir as portas de suas empresas de forma segura.

5 Organizações que usam a arquitetura como resposta a emergências

A arquitetura pode ser uma ferramenta de transformação social, e a crença nesta afirmação é o que motiva o trabalho de muitas ONGs dedicadas à construção de moradias em comunidades carentes, promovendo a qualidade de vida e o desenvolvimento econômico além de proporcionar uma maior resiliência destas pessoas e comunidades. Essas organizações costumam operar em duas grandes fretes: assistência em situações emergenciais e estratégias de desenvolvimento sócio-econômico – sendo que muitas delas procuram atuar em ambas frentes. Neste artigo procuramos elencar algumas das principais fundações que têm se dedicado à arquitetura de emergência ao longo dos últimos anos, destacando seu papel em recentes crises humanitárias assim como de que maneira podemos colaborar para fortalecer estas rede de assistência humanitária em tempos de crise.

Jardins, parques e bulevares: tipologias de áreas verdes em imagens de satélite

Os conhecidos benefícios climáticos e ambientais proporcionados pela presença de áreas verdes nos centros urbanos – como controle da poluição, regulação de temperaturas e manutenção da biodiversidade – reverberam também no âmbito social. Como áreas de convívio comum, usados para práticas recreativas e esportivas, os espaços verdes impactam diretamente na saúde e bem estar dos habitantes de quadras, bairros e cidades nos quais estão inseridos.

Berna, Suíça. © Daily Overview Bruxelas, Bélgica. © Daily Overview Golden Gate Park, São francisco, Estados Unidos. © Daily Overview Brasília, Brasil. © Daily Overview + 16

Arquitetura e economia circular na era dos espaços compartilhados

A economia circular tem sido um modelo também aplicado no setor de arquitetura e construção com objetivo de produzir projetos de edificações mais eficientes, funcionais e sustentáveis. Os 3R’s (Reduzir, Reutilizar e Reciclar) utilizados como estratégias da economia circular já estão famosos, sendo que o primeiro R, “Reduzir", deve ser o item inicial buscado nos projetos. Nessa ótica, um dos itens mais eficientes para reduzir o consumo de materiais, recursos naturais e custos nos projetos de edificações é a diminuição do tamanho dos ambientes ocupados e da área construída (isto é, mantendo os níveis adequados de qualidade do espaço, como acessibilidade, ventilação e iluminação natural, compatibilidade com o layout, etc.).

Espaços biofílicos, com uso de ventilação e iluminação natural.  Imagem © Hirouyki Oki Uso de painéis fotovoltaicos. Imagem © Ivar Kvaal Divisórias de madeira. Imagem: © Haruo Mikami Área comum no WeWork em Londres. Imagem © WeWork + 9

Restaurante em Amsterdã recebe clientes em estufas privativas para garantir isolamento

Renovado recentemente, o Mediamatic ETEN, restaurante do Art Center Mediamatic em Amsterdã, passou a oferecer uma nova experiência de jantar segura chamada Serres Séparées, que leva em consideração as medidas de distanciamento social necessárias. Na prática, trata-se de uma série de estufas privativas dentro das quais os clientes podem jantar em segurança.

© Willem Velthoven para Mediamatic Amsterdam Cortesia de Mediamatic Amsterdam © Anne Lakeman para Mediamatic Amsterdam © Willem Velthoven para Mediamatic Amsterdam + 14

NACTO lança manual com diretrizes para adaptação de ruas durante pandemia

A National Association of City Transportation Officials (NACTO) divulgou diretrizes e estratégias a serem usadas por autoridades municipais "para redesenhar e adaptar suas ruas para novos usos, tanto durante a crise do COVID-19 quanto na recuperação". O documento destaca as abordagens projetuais mais atuais empregadas em ruas de todo o mundo.

Indivisível: quadrinho narra a história negra e oriental do bairro da Liberdade em São Paulo

Indivisível é o título da história em quadrinhos elaborada por Marília Marz como Trabalho de Conclusão na Escola da Cidade – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. O trabalho tem como objetivo identificar e analisar as possibilidades narrativas intrínsecas a elementos arquitetônicos e urbanísticos do bairro da Liberdade, em São Paulo, em dois períodos históricos distintos.

Três banheiros, três danças: experimentações do corpo na arquitetura

Este artigo é um excerto originalmente publicado na Revista Cadernos de Pesquisa #7 da Associação Escola da Cidade. Trata-se de uma publicação proveniente do trabalho final de graduação “Três banheiros, três danças”, de autoria de Manuella Ferreira Leboreiro, realizado na Escola da Cidade em 2018, sob a orientação do professor Yuri Fomim Quevedo. Este ensiaio também integrou a seleção de trabalhos expostos no CCSP como parte da 12ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo.

São 12:11 do dia 7 de novembro (de 2018). Um "S" na porta indica a quem supostamente se destina esse banheiro. Estou em um banheiro localizado em um predinho que o Vilanova Artigas, arquiteto modernista brasileiro, projetou na década de 1950 no bairro de Santa Cecília. É a segunda vez que entro nele e para mim ainda é um espaço que vai se revelando. De primeira, o que chamou muito a atenção foi o azul quase roxo causado pela luz negra que faz com que todos os tons do banheiro tendam para essa cor. Traz um sentimento de muita serenidade durante o dia.

© Manuella Ferreira Leboreiro © Manuella Ferreira Leboreiro © Manuella Ferreira Leboreiro © Manuella Ferreira Leboreiro + 10

Londres implementa ruas sem carros com a redução da quarentena

Depois de Milão e Paris, Londres anunciou seus planos de transformar grandes áreas da cidade, convertendo ruas em zonas livres de carros, à medida que a quarentena diminui. Retomando a cidade para as pessoas, Londres pretende evoluir com a pandemia, apoiando uma recuperação sustentável e com baixa emissão de carbono. Os trabalhos já começaram e devem ser concluídos em seis semanas.

Arquitetura residencial texana: herança modernista e paisagens exuberantes

Poucas cidades do mundo têm uma cultura de design tão vibrante como Austin, Texas. Considerada por muitos como um dos melhores lugares para se viver nos Estados Unidos, Austin vem passando por um enorme crescimento ao longo dos últimos anos, impulsionado sobretudo pela indústria da construção civil. Como uma continuidade do legado modernista na região, os projetos de arquitetura contemporânea construídos recentemente no Texas abrangem uma grande variedade de estilos arquitetônicos. Enfatizando materiais locais e um cuidado com os detalhes, os projetos que apresentaremos à seguir exploram volumetrias e formas simples ao mesmo tempo que procuram integrar-se à exuberante paisagem natural, suas montanhas, lagos e florestas.

© Casey Dunn © Casey Dunn © Brian Mihealsick © Casey Dunn + 11

De cenário a protagonista: o papel da arquitetura no design de videogames

Recentemente, perguntamos aos nossos leitores qual cenário de videogame os impressionava mais em termos de imagem ou visualização e por quê. Recebemos centenas de respostas, as quais apontavam nas mais variadas direções, deixando claro que não há um consenso ou um elemento unânime responsável pelo sucesso de um jogo entre os nossos leitores. Fato é que, o ambiente virtual é a chave para o sucesso ou o fracasso de um sistema de simulação baseado na experiência do usuário.

A arquitetura de um ambiente virtual, representa muito mais do que um mero pano de fundo de uma cidade imaginária ou a representação de um cenário existente, ela é, na verdade, um componente fundamental capaz de transportar os usuários para dentro do jogo, transcendendo os limites entre realidade e virtualidade – e adicionando uma dose extra de adrenalina.

(CUIDADO: os vídeos e imagens apresentados neste artigo podem provocar convulsões em pessoas com epilepsia fotossensível)

Arquitetura de madeira para crianças: projetando espaços aconchegantes e divertidos

Geometrical Space for a Two Kid Family / Atelier D+Y Blue and Glue / HAO Design Podgorje TimeShare Kindergarten and School / Arhitektura Jure Kotnik MRN Kindergarten and Nursery / HIBINOSEKKEI + Youji no Shiro + 71

O ambiente em que habitamos nos influencia diretamente. Quando pensamos nas crianças, é sempre desejável que consideremos que este ambiente seja seguro, acessível e, ao mesmo tempo estimulante, para que eles possam se mover e se desenvolver livremente sem colocar sua integridade física em perigo. Já falamos em outra oportunidade sobre como criar playgrounds dentro de casa, mas hoje, decidimos reunir uma série de exemplos que usam o calor e a versatilidade da madeira para criar interiores interativos, criativos e divertidos para as crianças.

Enfrentando inundações urbanas: 7 soluções para cidades-esponja

A infraestrutura de drenagem urbana existente em grande parte das cidades, principalmente as brasileiras, já se encontram obsoletas, sendo assim, necessário sua expansão e adequação. Mas para isso, é preciso pensar em um novo modelo de gestão dessas águas, que considere aspectos que há muito tempo foram esquecidos, como aqueles ligados à ecologia. Nos últimos anos, o termo ecologia urbana ganhou espaço como uma forma de produzir cidades regenerativas e mais resilientes. Essas cidades têm sido chamadas de cidades ecológicas ou biocidades. Termos semelhantes, mas que variam de autor para autor, e têm em comum o fato de terem como principal linha de condução o uso de soluções baseadas na natureza e nas relações ecológicas. 

Exemplo de cobertura verde. Foto © DJANDYW.COM/Flickr. Licença CC Jardim de Chuva do Centro Cultural Fundição Progresso – Rio de Janeiro. Imagem © Luiz Franco Plantação na fachada com cabos de aço, Imagem © Carlo Baroni Ilhas artificias que purificam cursos d’água na Filipinas. Cortesia de Biomatrix + 10

O que são decibéis? (Ou como os ruídos afetam nossa saúde)

Ambientes ruidosos trazem efeitos extremamente negativos ao nosso organismo e são um grande vilão para a concentração, aprendizado e produtividade em salas de aula e escritórios. Dores de cabeça são sintomas momentâneos. Mas permanecermos expostos a locais muito ruidosos pode trazer problemas como a perda auditiva, afetar a concentração, a pressão arterial e até a digestão. Também pode desencadear altos níveis de estresse, distúrbios do sono, alterações do humor, aumento da frequência cardíaca e zumbidos no ouvido. Esse trata-se de um inimigo invisível e, muitas vezes, negligenciado nas grandes cidades com os ruídos de tráfego intenso, demolições e equipamentos barulhentos, como geradores e condicionadores de ar. Embora a história se repita em ambientes fechados, medidas eficazes podem ser tomadas para evitar ruídos desnecessários.

As possibilidade das formas para moldar concreto aparente

Peter Zumthor, em uma de suas obras mais emblemáticas, dá ao concreto uma dimensão quase sacra. Trata-se da pequena Capela de Bruder Klaus, em um vilarejo na Alemanha, uma construção ao mesmo tempo robusta e sensível. O cimento branco, misturado a pedras e areia da região, trazem um tom terroso à construção. As 24 camadas desse concreto foram despejadas, dia após dia pela mão de obra local, e comprimidas em uma forma pouco usual. Seu exterior plano e liso contrasta com a outra face, feita de troncos de madeira inclinados, que forma um vazio triangular. Para remover as formas internas, os troncos foram incendiados em um processo controlado, reduzindo os troncos a cinzas e criando um interior carbonizado, variando entre o preto e o cinza, com a textura dos negativos dos troncos que outrora continha o concreto líquido. O resultado é uma obra prima da arquitetura, um espaço de reflexão e transformação, em que o mesmo material aparece de maneiras diametralmente opostas.

Casa Canal / Studio MK27 - Marcio Kogan + Lair Reis. Image © Fran Parente Casa na Aldeia da Serra / MMBB Arquitetos + SPBR Arquitetos. Image © Nelson Kon Casa no meio do caminho / Enrique Martin Moreno + Lucio Muniain et al. Image © Lucio Muniain Casa no Jardim Paulistano / GrupoSP. Image © Nelson Kon + 17

10 Obras públicas no Brasil em que a qualidade falou mais alto

Hospital Público de Emergência de São Bernardo do Campo / SPBR Arquitetos. Imagem: © Nelson Kon
Hospital Público de Emergência de São Bernardo do Campo / SPBR Arquitetos. Imagem: © Nelson Kon

Quando se pensa a arquitetura enquanto uma ferramenta de impacto na vida pública, há um enorme precedente de casos a serem levantados, e sem dúvidas ele inclui a história da aproximação dos arquitetos com o Estado em diversos contextos. De exemplos categóricos, como a formulação do projeto urbanístico e arquitetônico para Brasília, até demonstrações mais contemporâneas das virtudes desse tipo de aproximação, a vocação pública do projeto se mostra em sua forma mais explícita nesse tipo de programa. O desenho de projetos com tal conotação também deve confrontar o fato de que seu cliente não reúne as demandas tradicionais de uma encomenda, mas uma representação dos interesses coletivos e das boas formas de gestão da dimensão pública, o que representa uma grande oportunidade para os profissionais do campo pensarem boas formas de alimentar e reforçar os valores democráticos na sociedade.

Residencial Corruíras / Boldarini Arquitetura e Urbanismo. Imagem: © Daniel Ducci Requalificação da Colina do Senhor do Bonfim / Sotero Arquitetos. Imagem: © Leonardo Finotti Reurbanização do Sapé / Base Urbana + Pessoa Arquitetos. Imagem: © Pedro Vannucchi Praça das Artes / Brasil Arquitetura. Imagem: © Nelson Kon + 11

Aprendizado, flexibilidade e oportunidades. Como nossos leitores encaram a crise pós-coronavírus

Quase quatro meses após a declaração de emergência de saúde pública de importância internacional pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 30 de janeiro, o número de casos de coronavírus no mundo continua a aumentar. Ainda que países onde houve declínio na taxa de transmissão do vírus estejam reabrindo negócios e voltando à normalidade, os impactos da pandemia, que vão além da saúde dos habitantes, continuam atingindo seu cotidiano, com mudanças no trabalho, nos hábitos e na economia. Tais mudanças ainda podem perdurar e afetar o futuro do campo da arquitetura e construção, com a perspectiva de uma crise no setor.

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.