1. ArchDaily
  2. Jane Jacobs

Jane Jacobs: O mais recente de arquitetura e notícia

A recepção de Jane Jacobs no Brasil

Jane Jacobs. Esta foto é da coleção New York World-Telegram and Sun da Biblioteca do Congresso dos EUA. Domínio Público
Jane Jacobs. Esta foto é da coleção New York World-Telegram and Sun da Biblioteca do Congresso dos EUA. Domínio Público

A contribuição de Jane Jacobs ao modo de se olhar e pensar as cidades foi das mais importantes do urbanismo contemporâneo, fato visível na recorrência de suas ideias em debates cujo tema é a cidade, nos quais “Morte e Vida de Grandes Cidades” (The Death and Life of Great American Cities, 1961) é com frequência destacado. A obra só foi traduzida para o português e publicada no Brasil em 2000, pela Editora Martins Fontes.

No nível do solo: a importância da tipologia de uso misto

Os edifícios ao redor do mundo estão ficando mais altos. Desde o ano 2000, a construção global de arranha-céus aumentou em 402%. Cidades como Dubai abrigam quase 1000 arranha-céus, e o vibrante mercado imobiliário de luxo de Nova York não mostrou sinais de desaceleração, com mais adições de arranha-céus a serem acrescentadas à sua já imponente linha do horizonte. Isto é bom — os arranha-céus criam um espaço muito necessário em cidades já densas e podem reduzir a expansão urbana nos centros das cidades, permitindo uma melhor preservação das áreas naturais.

No nível do solo: a importância da tipologia de uso mistoNo nível do solo: a importância da tipologia de uso mistoNo nível do solo: a importância da tipologia de uso mistoNo nível do solo: a importância da tipologia de uso misto+ 10

Como fazer um passeio de Jane Jacobs?

O passeio de Jane faz parte da iniciativa de Jane's Walk, um festival anual que visa homenagear a ativista e urbanista Jane Jacobs realizando ações e passeios de cidades ao redor do mundo, para recuperar as ruas como um espaço público de coexistência e encontro entre os cidadãos. Este texto sobre O Passeio de Jane Jacobs, de autoria de Susana Jiménez, compõe um grupo de guias, disponibilizados pelo projeto "La Aventura de Aprender", concebido e coordenado por Antonio Lafuente e Patricia Horrillo.

Jiménez, música, filósofa e doutora em história da arte, promove e coordena esta experiência em Madri desde 2010. Cada primeiro fim de semana de maio, grupos de vizinhos e pessoas interessadas em planejamento urbano e redes de vizinhança se organizam em assembleias abertas para celebrar esta atividade, que consiste em caminhar pelas ruas dos diferentes bairros propostos e relatar o que neles está acontecendo, seja em relação às questões de planejamento urbano, habitação, eventos, recuperação da memória coletiva etc.

1º Simpósio de Arquitetura e Urbanismo

A Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP) realiza de 4 a 7 de outubro o 1º Simpósio de Arquitetura e Urbanismo. Durante os quatro dias, profissionais e estudantes vão debater a relevância e atualidade do livro “Morte e Vida das Grandes Cidades”, escrito há 60 anos pela jornalista norte-americana Jane Jacobs.

Considerada uma das mais importantes críticas ao urbanismo moderno, a obra aborda o que torna as ruas seguras e inseguras, o que é um bairro e sua função dentro organismo de uma cidade e os motivos que fazem uma localidade permanecer pobre, enquanto outras se revitalizam.

O evento

Qual o “caráter original” de um bairro?

A incrível pesquisa “A Long History of a Short Block”, de Bill Easterly, Laura Freschi e Steven Pennings, analisou o desenvolvimento de uma quadra na Greene St., no bairro do SoHo, em Nova York, ao longo de quatro séculos. Neste período, a cidade se mostrou em um constante processo de desenvolvimento, mostrando que a pergunta “Qual o ‘caráter original’ de um bairro?” é mais difícil de responder do que parece.

A começar que a Manhattan de arranha-céus que conhecemos hoje é relativamente recente na sua história. Antes dos holandeses chegarem ao que chamariam de “Nova Amsterdã”, em 1625, a região era tomada por florestas e pantanais, um ecossistema rico que incluía, inclusive, ursos e lobos.

As batalhas urbanas que moldaram as cidades que conhecemos

Historicamente, o desenvolvimento das cidades se dá de forma lenta e gradual. Paisagens urbanas transformam-se constantemente à medida que enfrentam novas questões sociais, econômicas e políticas, a tal ponto que nos é difícil apontar apenas uma única razão pela qual o espaço urbano e construído se modifica ao longo do tempo. Mais recentemente, em razão dos muitos desafios que nossas cidades enfrentam, muitos arquitetos e arquitetas têm começado a se perguntar sobre como poderíamos construir um futuro melhor para nossas cidades e, principalmente, para as pessoas que nelas habitam. Neste longo e inexorável processo de evolução, muitas vezes a razão pela qual construimos nossas cidades de uma maneira e não outra tem a ver mais com uma linha de pensamento dominante do que com as condicionantes sociais, econômicas, políticas e também geográficas as quais arquitetos e urbanistas deveriam tentar responder.

4ª Jane’s Walk Porto Alegre - “Deslocamentos Pandêmicos”

4ª Jane’s Walk Porto Alegre - “Deslocamentos Pandêmicos”
sex14 - sab15 - dom16 Maio 2021

Partindo do contexto da pandemia na realidade de Porto Alegre e com o entendimento de que parte da experiência urbana está no deslocamento pela cidade, o coletivo autônomo TransLAB.URB esse ano realiza a sua quinta edição de atividades ligadas aos temas do urbanismo, mais uma vez celebrando o poder transformador que as caminhadas podem ter, homenageando a vida e a obra da ativista e urbanista Jane Jacobs na 4ª Jane’s Walk Porto Alegre - “Deslocamentos Pandêmicos”, programação virtual que acontecerá nos dias 14, 15 e 16 de

Psicologia da escala: pessoas, edifícios e cidades

Na introdução de seu famoso livro entitulado Cidades para Pessoas, o arquiteto dinamarquês Jan Gehl afirma claramente que a escala humana tem sido historicamente negligenciada pelos processos de planejamento urbano na maioria das grandes cidades ao redor do mundo. A medida que as novas tecnologias foram nos permitindo construir edifícios cada vez mais altos, maiores e mais complexos, deixamos de conceber espaços para as pessoas e passamos a desenvolvendo um novo tipo de arquitetura— uma arquitetura completamente alheia à nossa própria condição humana. Estratégias de planejamento urbano tomadas de cima para baixo desconsideram a necessidade de espaços adequados aos nossos sentidos, priorizando a velocidade, a funcionalidade e obviamente, a lucratividade.

Precisando a forma como experimentamos o espaço construído e consequentemente, como percebemos as relações estabelecidas entre o nosso corpo e o ambiente no qual estamos inserido, a noção de escala humana é fundamental para um espaço urbano que se pretende habitável. Neste artigo, falaremos sobre a transfiguração dos processos de planejamento urbano e quais podem ser as consequências imediatas desta mudança de direção em nossas vidas cotidianas. Paralelamente, o fotógrafo de arquitetura Kris Provoost—através de sua série fotográfica Eden of the Orient—nos convida a mergulhar ainda mais fundo neste universo “sem escala”.

Psicologia da escala: pessoas, edifícios e cidadesPsicologia da escala: pessoas, edifícios e cidadesPsicologia da escala: pessoas, edifícios e cidadesPsicologia da escala: pessoas, edifícios e cidades+ 15

Em foco: Jane Jacobs

Jane Jacobs, então presidente de um grupo cívico em Greenwich Village, em uma conferência de imprensa em 1961. Imagem <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Jane_Jacobs.jpg'>via Wikimedia</a>, photograph by Phil Stanziola (Public Domain)
Jane Jacobs, então presidente de um grupo cívico em Greenwich Village, em uma conferência de imprensa em 1961. Imagem via Wikimedia, photograph by Phil Stanziola (Public Domain)

Hoje, 04 de maio, celebramos a data de nascimento da ativista social e escritora Jane Jacobs. Em sua carreira, Jacobs lutou contra a globalização empresarial e incitou urbanistas e empreendedores a lembrar da importância das comunidades e da escala humana. Embora não tenha formalmente estudado urbanismo, suas ideias mudaram radicalmente a política urbana, destacando o poder da observação e da experiência pessoal. Suas teorias sobre como o projeto pode afetar as comunidades e a criatividade continuam relevantes ainda hoje – influenciando desde grandes masterplans até o projeto de pequenos espaços de trabalho. Jacobs nos deixou em 2006, prestes a completar 90 anos.

Os 125 melhores livros de arquitetura

Preparamos uma lista abrangente com 125 livros de arquitetura e temas relacionados que consideramos interessantes para ampliar seus conhecimentos sobre a disciplina.

Buscamos títulos de diferentes partes do mundo com o objetivo de apresentar visões que dizem respeito a contextos culturais distintos. De compilações de ensaios e teorias sobre o crescimento das cidades a romances que flertam com a arquitetura e séries de ilustrações e gravuras.

Veja, a seguir, nossas sugestões acompanhadas por uma breve descrição.

Jaime Lerner é eleito o segundo urbanista mais influente de todos os tempos

Jaime Lerner, arquiteto e urbanista conhecido sobretudo por suas obras em Curitiba, foi eleito pela revista norte-americana de planejamento urbano Planetizen o segundo urbanista mais influente de todos os tempos, atrás apenas de Jane Jacobs. A lista completa conta com 100 nomes e abrange um amplo espectro cronológico, de 498 a.C. à atualidade.

Gênero e estudos urbanos, uma conciliação necessária

Algumas iniciativas recentes demonstram o ressurgimento do movimento feminista em uma nova onda [1] que tem afetado diversos campos da sociedade brasileira. Toda essa movimentação de debates e ações realizadas pelas lutas das mulheres tem reverberado em diferentes áreas do conhecimento, e a arquitetura e urbanismo não estão de fora. No campo da arquitetura, por exemplo, se destaca a criação do grupo “Arquitetas invisíveis”, em Brasília (2014), um grupo voltado para dar visibilidade a prática arquitetônica de mulheres. Assim como o surgimento de alguns grupos pesquisa, trabalhos de graduação, dissertações, teses e debates públicos sobre a questão. Iniciativas especialmente de estudantes e jovens arquitetas.

Relendo Jane Jacobs: 10 lições para o século XXI de "Morte e Vida de Grandes Cidades"

Este artigo foi originalmente publicado por Common Edge como 10 Lessons Learned by Rereading Jane Jacobs.

Na semana passada, eu estava fazendo as malas e encontrei uma cópia de Morte e Vida de Grandes Cidades. Não lembro quando eu li o livro, mas foi há mais de vinte anos (numa fase anterior ao meu envolvimento profissional com as cidades). Como um tributo muito tardio ao seu aniversário de 100 anos, eu decidi mergulhar de volta nesse notável livro. Apresento aqui dez observações sobre a madrinha da cidade americana.

A síndrome de Brasília: Jan Gehl tem razão? / Sérgio Ulisses Jatobá

Em matéria recente no ArchDaily Brasil, o urbanista Jan Gehl afirma que Brasília “ é fantástica vista de um helicóptero, mas do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda." Em seu conhecido livro Cidade Para as Pessoas, publicado em 2013 no Brasil, Gehl admite que “vista do alto, Brasília é uma bela composição”, mas “a cidade é uma catástrofe ao nível dos olhos”, acrescenta. “Os espaços urbanos são muito grandes e amorfos, as ruas muito largas, e as calçadas e passagens muito longas e retas” [1].

Gehl criou o termo “Síndrome de Brasília” para designar a inexistência ou a desconsideração do que ele conceitua como a escala humana no planejamento urbano modernista, tomando a capital do Brasil como seu mais destacado exemplo. 

Fatores morfológicos da Vitalidade Urbana – Parte 3: Arquitetura da Rua / Renato T. de Saboya

* Este texto é uma versão compilada e revisada de dois posts publicados originalmente no Blog Urbanidades: Condições para a Vitalidade Urbana #3 – Características da relação edificação x espaço público e Condições para a Vitalidade Urbana #4 – Permeabilidade visual.

O terceiro fator a contribuir para a vitalidade dos espaços urbanos é o que tenho chamado de Arquitetura da Rua, ou seja, as características morfológicas das edificações e suas relações com o espaço aberto, bem como o conjunto e o ambiente que emergem dessa interação. Como veremos, a maneira como as edificações estão posicionadas e a forma como configuram seus sistemas de barreiras e permeabilidades em relação às ruas podem influenciar diretamente na quantidade de pessoas que utilizam o espaço público e no tipo de atividades que ali se desenvolvem.

Em foco: Jane Jacobs

"A complexa trama de diferentes usos nas cidades não é uma forma de caos. Pelo contrário, representa uma forma complexa e altamente desenvolvida de ordem."

Novo documentário sobre vida e legado de Jane Jacobs

IFC anunciou o lançamento de seu último documentário: Citizen Jane: Battle for the City. O filme apresenta os "legados perduráveis de uma das figuras mais proeminentes do planejamento urbano moderno, Jane Jacobs, detalhando sua luta 'Davi contra Golias' para salvar Nova Iorque.

A cidade como trama da vida cotidiana: a (r)evolução de Jane Jacobs / Chamada de artigos

A Comissão Editorial da Revista Políticas & Cidades e o editor deste número temático convidam pesquisadores a submeter trabalhos para o dossiê temático "A cidade como trama da vida cotidiana: a (r)evolução de Jane Jacobs".

No ano de 2016, celebramos os 100 anos de nascimento da teórica mais importante da disciplina de Estudos Urbanos, Jane Jacobs.

Derivadas de uma capacidade aguda de observação e atenção ao cotidiano e de uma habilidade singular para capturar as relações sócio-espaciais complexas que subjazem a vida urbana – e traduzi-las em linguagem simples – as proposições de Jacobs tampouco minimizaram seu potencial de polêmica. Ela foi a teórica de maior impacto nos Estudos Urbanos no século XX. Suas ideias mudaram a disciplina e suas hipóteses têm sido em ampla medida corroboradas por estudos empíricos sistemáticos – no exterior e no Brasil. Jacobs também teve impacto considerável na geografia econômica, área na qual há até mesmo um fenômeno com seu nome (as “externalidades Jacobs”, os efeitos positivos gerados pelas trocas entre setores distintos da economia). Entre os teóricos urbanos, Jane Jacobs é a única a rivalizar em número de citações com gigantes das disciplinas sócio-espaciais, como David Harvey e Henri Lefebvre.