1. ArchDaily
  2. Eficiência Energética

Eficiência Energética: O mais recente de arquitetura e notícia

O que esperar dos interiores do futuro

Em 2018, a ONU divulgou um artigo afirmando que 55% da população mundial já vivia em áreas urbanas, prevendo que em 2050 esse percentual chegará a 68%. Essa tendência à maior urbanização traz consigo várias implicações em relação à degradação ambiental e à desigualdade social. De acordo com a National Geographic, o crescimento urbano aumenta a poluição do ar, põe em perigo as populações de animais, promove a perda de cobertura urbana de árvores e aumenta a probabilidade de catástrofes ambientais, como inundações repentinas. Esses riscos à saúde e fenômenos catastróficos podem ter maior probabilidade de afetar as populações mais pobres, pois as cidades maiores geralmente demonstram taxas mais altas de desigualdade econômica e o crescimento descontrolado tende a produzir distribuições desiguais de espaço, serviços e oportunidades.

Para mitigar esses efeitos negativos da urbanização, arquitetos vêm priorizando cada vez mais a sustentabilidade e a maximização do espaço disponível - permitindo que mais pessoas ocupem menos espaço com uma área menor.

Courtesy of SeuraBatipin Flat / studioWOK. Image © Federico VillaCasa da Escrita / João Mendes Ribeiro. Image © do mal o menosStudio 45 / Marston Architects. Image © Katherine Lu+ 13

Como funcionam as telhas fotovoltaicas?

O funcionamento das telhas solares, ou telhas fotovoltaicas, acontece da mesma forma que os painéis fotovoltaicos, já bastante utilizados na construção civil. A diferença está na montagem, já que essas fazem parte da construção do telhado desde seu início, ou seja, são projetadas em conjunto à nova cobertura enquanto os painéis são parafusados em uma cobertura existente.

As telhas são compostas por células fotovoltaicas que, no momento em que recebem luz solar, criam um campo elétrico capaz de fornecer energia elétrica para ser utilizada no interior da construção, já que as placas fotovoltaicas são conectadas através de cabos elétricos até o quadro de força.

Estratégias de projeto para habitação: ventilar a cobertura ou acrescentar isolante térmico?

Desde a época da faculdade estudantes de arquitetura aprendem que a ventilação dos recintos é importante para retirar o excesso de calor dos ambientes. Mas nem sempre são delimitadas as situações nas quais isso realmente proporciona ambientes com desempenho térmico adequado, principalmente quando se fala na ventilação da cobertura de uma habitação.

Cidade no interior de São Paulo pinta as ruas de azul para reduzir calor e melhorar o conforto térmico

Os efeitos das ilhas de calor nas cidades, mais perceptíveis durante as altas temperaturas do verão, tem grande ligação com a área asfaltada nos centros urbanos. Impermeável e capaz de absrver muito calor devido à sua coloração escura, o asfalto que recobre as vias pode fazer com que a temperatura média da cidade aumente consideravelmente - sobretudo em zonas que carecem de vegetação.

Com isso em mente, a prefeitura da cidade de Tietê, no interior do estado de São Paulo, implementou uma estratégia bastante simples e barata: pintou as ruas de azul ciano. Segundo o secretário de Meio Ambiente da cidade, George Nicolosi, estudos apontam que esta cor azul reflete mais a luz do que o cinza escuro do asfalto, o que favorece a redução da temperatura do piso.

Casas inteligentes que utilizam Domótica para melhorar a qualidade de vida de seus habitantes

© Paul Finkel
© Paul Finkel

A domótica é um conjunto de tecnologias aplicadas ao controle e automação inteligente de uma obra de arquitetura. Seus diferentes sistemas permitem uma gestão eficiente do consumo de energia, segurança, acessibilidade e conforto geral do edifício, tornando-se uma questão importante a considerar ao projetar, construir e habitar.

Os sistemas domóticos são baseados na coleta de dados por sensores, que logo são processados para emitir ordens precisas aos executores, variando a qualidade ambiental de cada espaço de acordo com as necessidades do usuário. O ritmo da vida atual e os avanços tecnológicos que experimentamos nos últimos anos levaram a novas formas de viver, motivando o projeto de residências e edifícios mais humanos, multifuncionais e flexíveis.

Este artigo recolhe diferentes referências de habitação onde a domótica tem sido utilizada, o que deixou de ser um luxo para se tornar uma solução viável e eficaz para todos os tipos de projetos.

© Kingkien© Beer Singnoi© Kingkien© Günther Richard Wett+ 25

Habitações podem ser consideradas de baixo custo se não forem eficientes?

Cerca de três bilhões de pessoas, ou 40% da população mundial, precisarão de novas moradias até 2030. Isso exigirá a construção de aproximadamente 21 milhões de novas residências por ano em todo o mundo.

Vários dos países que mais crescem têm metas ambiciosas para atender a essa necessidade. O governo indiano pretende construir 20 milhões de habitações de baixo custo até 2022. A Nigéria tem como meta um milhão de casas construídas por ano para a próxima década. O presidente da Indonésia iniciou o programa Um Milhão de Casas para atender cidadãos de baixa renda.

Brises: detalhes construtivos e aplicação prática

Durante os meses quentes, os edifícios devem garantir conforto térmico adequado para as pessoas que habitam seus interiores. Os brises ou telas solares são uma solução eficaz nos projetos que contam com grandes superfícies envidraçadas, reduzindo assim as temperaturas geradas pela luz solar direta.

Mergulhamos em nossa biblioteca de obras para coletar 6 projetos na Espanha que utilizam criativamente brises em suas fachadas, apresentando também detalhes dos produtos utilizados para que você possa se inspirar e incorporá-los em seus próprios projetos.

Ampliación del Hospital de Sabadell / Estudi PSP Arquitectura. Image © Jordi Canosa i BlajotEscuela Secundaria Honoré de Balzac / NBJ architectes. Image © PhotoarchitectureCampus Universitario y Parque Científico-Tecnológico / CANVAS Arquitectos. Image Cortesía de CANVAS ArquitectosCampus Diagonal / Enrique Batlle i Durany y Joan Roig i Durán. Image Cortesía de Gradhermetic+ 17

Coldefy & Associates projetam a maior estufa tropical do mundo

O escritório de arquitetura francês Coldefy & Associates apresentou uma série de imagens de seu mais novo projeto, aquela que será a maior estufa tropical do mundo. Situada em Pas-de-Calais, na França, a estrutura chamada de “Tropicalia” cobrirá uma área de 20.000 metros quadrados, abrigando uma floresta tropical, uma praia de tartarugas, um tanque de peixes amazônicos e uma trilha de um quilômetro de extensão. O ambiente foi concebido como um “refúgio harmônico” onde os visitantes estarão imersos em um ambiente aparentemente natural sob uma enorme abóbada de vidro.

Cortesia de Coldefy & AssociatesCortesia de Coldefy & AssociatesCortesia de Coldefy & AssociatesCortesia de Coldefy & Associates+ 8

Proposta para o novo Centro de Ciências de Cracóvia apresenta fachada com jardins escalonados

A proposta do OVO Grąbczewscy Architekci, um edifício com uma série de jardins horizontais sobrepostos na fachada, ficou com a terceira colocação no concurso para o novo Centro de Ciências da Małopolska em Cracóvia, na Polônia. O concurso sugeria um projeto para uma instituição cultural inovadora de forma arquitetônica emblemática que representaria a criatividade, a abertura e liberdade de pensamento. Como reflexo do que tem sido incentivado pelas políticas da cidade e da região, o centro também pretende investir em modelos de construção sustentável, eficiência energética e programas educativos que possam inspirar o engajamento dos visitantes.

Veja o projeto completo abaixo.

8 (Novos) materiais eficientes energeticamente que os arquitetos devem conhecer

Se os arquitetos estão tentando atingir o Architecture 2030 Challenge ou buscando sua própria missão para economizar energia, eles têm a oportunidade de projetar edifícios que podem limitar as emissões de carbono e serem resilientes contra a mudança nas condições climáticas.

Para ajudar os arquitetos a atingir suas metas, uma nova onda de química e ciência dos materiais está trazendo materiais inovadores e sistemas construtivos para o mercado. De espumas de isolamento avançadas a revestimentos de paredes, esta próxima geração de materiais de alto desempenho ajudará a acelerar projetos energeticamente eficientes.

Saiba mais sobre alguns dos materiais de alta performance da atualidade e do futuro próximo.

IV Semana Luz no Ambiente Tropical

A IV Semana Luz no Ambiente Tropical ocorrerá entre os dias 6 a 10 de novembro de 2017, com cerimônia de abertura e minicursos na UFAL nos dias 6 a 8 e palestras no Senai nos dias 9 e 10, em Maceió-AL. Organizado pelo Grupo de Pesquisa em Iluminação (Grilu), do Laboratório de Simulação em Conforto Ambiental e Eficiência Energética - LABSICA, situado no Centro de Tecnologia (CTEC) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
A IV SLAT representa a parceria entre pesquisadores e profissionais de diversas instituições e áreas que atuam em linhas de pesquisa complementares, tendo a luz natural

Inscrições abertas! Concurso "Morando em Recuos"

O Concurso “Morando nos recuos” vem para incentivar a discussão acerca da produção arquitetônica por meio da construção de um módulo de moradia individual para estudantes, atentando às questões sustentáveis, bioclimáticas e de eficiência energética, e que atenda às necessidades básicas de alimentação, lazer, descanso e higiene.

Como integrar os 12 princípios da permacultura para um projeto realmente sustentável

Os 12 princípios publicados aqui são explicados detalhadamente no livro Permaculture: Principles and Pathways Beyond Sustainability, de David Holmgren.

Em 1978, os ecologistas australianos David Holmgren e Bill Mollison cunharam pela primeira vez o conceito de permacultura como um método sistemático. Para Mollison, "permacultura é a filosofia de trabalhar com e não contra a natureza, após uma observação longa e porfunda." [1] Enquanto isso, Holmgren define o termo como "aquelas paisagens conscientemente projetadas que simulam ou imitam os padrões e as relações observadas nos ecossistemas naturais." [2]

Em 2002, Holmgren publicou o livro Permacultura: Princípios e Caminhos Além da Sustentabilidade, que define 12 princípios de projeto que podem ser utilizados como um guia ao gerar sistemas sustentáveis. Estes princípios podem ser aplicados a todos os processos diários a fim de humanizá-los, aumentar a eficácia, e, a longo prazo, assegurar a sobrevivência da humanidade.

E se nós aplicá-los ao processo de concepção de um projeto de arquitetura?

Em detalhe: Bloco cerâmico dissipador de calor

Com o objetivo de aproveitar as vantagens da argila como materia prima característica da região de Cúrcuta, no município de Norte de Santander, na Colômbia, os arquitetos Miguel Niño e Johanna Navarro criaram Sumart Diseño y Arquitectura SAS, um escritório que projeta e desenvolve soluções arquitetônicas sustentáveis.

Um de seus projetos de maior êxito é o Bloco Termodisipador (BT),um elemento cerâmico projetado com uma secção transversal irregular que permite que a ventilação passe através dos blocos dissipando rapidamente a temperatura acumulada, reduzindo a quantidade de calor emitido no interior do edifício.

© Camilo Suz© Camilo Suz© Camilo Suz© Camilo Suz+ 14

Água e eficiência energética serão os destaques da Greenbuilding Brasil 2015 entre 11 e 13 de agosto, em São Paulo

O Greenbuilding Brasil 2015- Conferência Internacional e Expo, que acontece entre 11 e 13 de agosto, tem como objetivo estimular e trazer as novas tendências. Inscreva-se gratuitamente até às 23h59 de hoje.

3 espaços públicos iluminados a partir dos passos das pessoas

Uma pessoa durante toda a sua vida dá, em média, 150 milhões de passos. Se o movimento dos passos das centenas ou milhares de pedestres fosse aproveitado para produzir energia, conseguem imaginar os lugares que poderiam ser iluminados?

A empresa britânica Pavegen já imaginou, e em 2009 desenvolveu uma espécie de ladrilho que, ao ser pisado, gera energia elétrica e ilumina os espaços públicos. Com essa invenção, eles transformaram um campo de futebol de uma favela no Rio de Janeiro no primeiro do mundo a produzir eletricidade a partir do movimento dos seus jogadores.

Além disso, também aplicaram esses ladrilhos em lugares muito utilizados, como o terminal 3 do aeroporto de Londres – o mais transitado do mundo – e uma estação de trens na França, por onde passam, diariamente, mais de 5 mil pessoas, a fim de demostrar que esta tecnologia é uma alternativa que pode ser aproveitada nas cidades como uma fonte de produção de energia limpa e pouco invasiva.

Confira os vídeos dos 3 projetos da Pavegen, a seguir.

Cortesia de PavegenCortesia de PavegenCortesia de PavegenCortesia de Pavegen+ 20

Em detalhe: Fachada biológica por Studio Marco Vermeulen

© Ronald Tilleman
© Ronald Tilleman

Atualmente, a indústria petroquímica busca ansiosamente por novos materiais orgânicos que eventualmente possam substituir aqueles derivados do petróleo. Ainda que estas investigações estejam em fase inicial, são muito significativas para o campo da arquitetura e construção.

Essa estação receptora de gás, projetada pelo Studio Marco Vermeulen, é revestida por painéis fabricados com Nabasco, um composto de bioresina e fibras de cânhamo produzido pela NPSP Composites, transformando-se na primeira fachada do mundo a ser construída com base em resíduos orgânicos.

© Ronald Tilleman© Ronald TillemanCortesia de Studio Marco VermeulenCortesia de Studio Marco Vermeulen+ 12

Ruas solares: podem se tornar uma realidade?

Trazer conceitos de eficiência energética aos nossos espaços públicos é uma ideia que já vem sendo estudada há década. Neste contexto, alguns projetos interessantes têm surgido, como a ciclovia Solarpath no parque Christ’s Pieces em Cambridge, na Inglaterra.

Nos Estados Unidos, dois pesquisadores estão desenvolvendo o Solar Roadways, um sistema que, se implementado, substituirá o asfalto das ruas e ciclovias por painéis solares e luzes LED cobertos por vidro reforçado e, segundo eles, reduziria em até 70% os acidentes de trânsito à noite. Além disso, a proposta conta com um sistema de aquecimento que ajudaria a derreter a neve.

Embora o vídeo do projeto tenha sido avisto por sete milhões de pessoas, algumas pessoas acham que seu alto custo pode ser uma barreira. De acordo com um dos desenvolvedores, 1,5 quilômetros destas ruas poderiam produzir energia para 428 lares nos EUA