O que esperar dos interiores do futuro

O que esperar dos interiores do futuro

Em 2018, a ONU divulgou um artigo afirmando que 55% da população mundial já vivia em áreas urbanas, prevendo que em 2050 esse percentual chegará a 68%. Essa tendência à maior urbanização traz consigo várias implicações em relação à degradação ambiental e à desigualdade social. De acordo com a National Geographic, o crescimento urbano aumenta a poluição do ar, põe em perigo as populações de animais, promove a perda de cobertura urbana de árvores e aumenta a probabilidade de catástrofes ambientais, como inundações repentinas. Esses riscos à saúde e fenômenos catastróficos podem ter maior probabilidade de afetar as populações mais pobres, pois as cidades maiores geralmente demonstram taxas mais altas de desigualdade econômica e o crescimento descontrolado tende a produzir distribuições desiguais de espaço, serviços e oportunidades.

Para mitigar esses efeitos negativos da urbanização, arquitetos vêm priorizando cada vez mais a sustentabilidade e a maximização do espaço disponível - permitindo que mais pessoas ocupem menos espaço com uma área menor.

Courtesy of SeuraBatipin Flat / studioWOK. Image © Federico VillaCasa da Escrita / João Mendes Ribeiro. Image © do mal o menosStudio 45 / Marston Architects. Image © Katherine Lu+ 13

© URBANUS
© URBANUS

Com um interesse crescente em sustentabilidade, é provável que os interiores do futuro utilizem novas tecnologias e métodos mais inteligentes para minimizar o uso de energia e reduzir as emissões. Uma das maneiras mais significativas de ocorrer essa transformação é através do uso de materiais com baixo consumo de energia, passando de materiais de alta energia, como cimento, vidro, tijolo e aço, para alternativas como pedra, taipa, blocos de concreto e madeira.

Com a indústria de cimento, por exemplo, sendo listada pela EIA em 2013 como a indústria de manufatura com maior consumo de energia, uma menor dependência desse material nas cidades de todo o mundo constituiria um passo importante na direção de uma vida urbana mais sustentável. Os interiores domésticos e profissionais do futuro podem, portanto, envolver mais interiores terrosos ou de madeira, em oposição aos cinzas frios e destacados dos modernos espaços de aço, concreto e vidro.

Roquet Coffee Shop / NUA Arquitectures. Image © Jose Hevia
Roquet Coffee Shop / NUA Arquitectures. Image © Jose Hevia

Uma consideração importante nessa mudança é necessariamente a questão da localização, pois o transporte de materiais pesados pode contribuir muito para a energia incorporada e os custos gerais. Evitando as reivindicações universais de muitos movimentos da arquitetura moderna, podemos prever que interiores futuros se desenvolverão a partir de localidades, em conformidade com climas e paisagens particulares para reduzir passivamente o uso de energia e as emissões. Essa transformação não apenas ocorrerá utilizando materiais locais e eliminando os custos de transporte, mas a consideração do clima local permitirá que os arquitetos utilizem o projeto solar passivo e o resfriamento passivo para diminuir a necessidade de aquecimento e ar condicionado.

Produtora Kana / AR Arquitetos. Image © Pedro Kok
Produtora Kana / AR Arquitetos. Image © Pedro Kok

Essas medidas preventivas serão auxiliadas por uma infinidade de novas tecnologias projetadas para otimizar o uso de energia e reduzir o desperdício de construção. Ao projetar novos espaços, é provável que arquitetos, engenheiros e trabalhadores da construção usem o BIM (Building Information Modeling), uma tecnologia colaborativa que facilita o planejamento e a execução hiper detalhados para diminuir o desperdício, reduzir custos, melhorar a sustentabilidade e promover a criatividade. Em conjunto com o BIM, os projetistas podem usar software de modelagem de energia para produzir edifícios que maximizam a eficiência energética.

'Graças à perspectiva geral, os líderes de projeto ganham usando o BIM, eles podem fazer tudo melhor, mais rápido e com menor custo - usando menos recursos. [...] A capacidade de concluir os projetos de maneira eficiente e sem problemas, às vezes com antecedência, permite que os visionários da arquitetura explorem opções criativas para ir além. Portanto, a colaboração suave, o feedback rápido e a supervisão holística ajudam os planejadores do design a subir para levar seus projetos a novos patamares criativos. ' [1]

Refurbishment project, modeled in BIM. Image © Laimonas Bogusas
Refurbishment project, modeled in BIM. Image © Laimonas Bogusas

No entanto, com o alto custo e o impacto ambiental de novas construções, os interiores futuros provavelmente não consistirão apenas em novos edifícios, mas também incluirão estruturas existentes adaptadas através de retrofits. Esse setor tem crescido rapidamente, com mais de US $ 500 milhões sendo gastos na reforma de hotéis antigos apenas em 2018. Grande parte dessa transformação ocorre através da integração da tecnologia de construção inteligente.

Em 2050, a internet das coisas estará totalmente integrada aos espaços domésticos, empregados não apenas para melhorar a eficiência do usuário, mas também para limitar o uso de energia, parar o desperdício de alimentos e rastrear o uso da água. Os sistemas de automação residencial desligam as luzes, suspendem o aquecimento e o ar-condicionado e deixam de funcionar as torneiras e os fogões deixados. Esse tipo de tecnologia automatizada também pode abranger novos sistemas de segurança - é possível que nos próximos 50 anos as chaves e os cartões-chave tenham sido substituídos pelas tecnologias de acesso móvel. Em outras palavras, o interior do futuro estará imerso em novas tecnologias.

'Os edifícios que medem a temperatura há muito tempo também medem a umidade e o CO2, projetando salas de forma contínua e precisa para o máximo conforto dos ocupantes e impacto ambiental. Os dados biométricos armazenados evitam violações de segurança e aumentam a velocidade com que as pessoas podem fluir através dos edifícios.' [2]

Courtesy of Seura
Courtesy of Seura

O interesse pela natureza e tecnologia também podem se manifestar esteticamente, com a abordagem minimalista dos materiais, custos e uso de energia, encontrando seu caminho na estética minimalista e no projeto biofílico. Provavelmente, os interiores serão cada vez mais projetados em branco e bege, e os móveis em formas limpas e configurações simples. Jardins verticais, telhados verdes e hortas também estão chegando ao interior contemporâneo, o compromisso estético com a natureza espelhando uma crescente dedicação à sustentabilidade.

The Red Roof / TAA DESIGN. Image © TAA DESIGN
The Red Roof / TAA DESIGN. Image © TAA DESIGN

À medida que os espaços urbanos diminuem de tamanho, o projeto se torna cada vez mais inovador ao empregar espaços multifuncionais. Os espaços individuais podem acomodar uma cozinha, sala de estar e quarto de uma só vez, através de espaços de armazenamento integrados eficientes e plantas abertas com iluminação cuidadosa. Uma maneira inventiva pela qual os designers estão alcançando essa integração é através da retração de paredes, permitindo que os espaços se transformem completamente. Uma empresa chamada Skyfold, por exemplo, desenvolveu paredes dobráveis verticalmente com gráficos personalizáveis e acústica à prova de som, adaptável a uma ampla gama de espaços interiores para uma infinidade de finalidades. Outros projetistas podem usar móveis transformáveis, prateleiras multiuso ou armazenamentos retráteis. Eles se integram perfeitamente à tecnologia de construção inteligente, já que retrações e transformações podem ser iniciadas por aplicativos ou automação móvel.

Skyfold: Acoustic Vertical Folding Retractable Walls. Image Courtesy of dormakaba
Skyfold: Acoustic Vertical Folding Retractable Walls. Image Courtesy of dormakaba
Batipin Flat / studioWOK. Image © Federico Villa
Batipin Flat / studioWOK. Image © Federico Villa

Em resumo, espera-se que o interior dos edifícios mude drasticamente, mas em três eixos principais: sustentabilidade, tecnologia e eficiência. Esses três impulsos de transformação ocorrerão em conjunto, e cada um influenciará e facilitará o outro. Esperamos que, como resultado, as cidades sejam mais sustentáveis, flexíveis e inclusivas, embora ainda haja um longo caminho a percorrer.

Leia mais sobre esses tópicos no blog da dormakaba.

[1] Dr. Kai Oberste-Ufer, et al. "A Peek Inside BIM’s World Domination – Dormakaba Blog." EN - Dormakaba Blog, 21 Jan. 2020, blog.dormakaba.com/a-peek-inside-bims-world-domination/.
[2] dormakaba Editorial Team, et al. "How to Teach Your Old Building to Become Smart – Dormakaba Blog." EN - Dormakaba Blog, 2 Dec. 2019, blog.dormakaba.com/how-to-teach-your-old-building-to-become-a-smart-building/.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Cao, Lilly. "O que esperar dos interiores do futuro" [What to Expect from Interiors of the Future] 24 Mar 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/935964/o-que-esperar-dos-interiores-do-futuro> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.