Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Vegetação

Vegetação: O mais recente de arquitetura e notícia

Paisagismo de interiores: o que é "plantscaping"?

© Nelson Kon © Quang Dam © Edward Hendricks © Helene Binet + 49

Os jardins e plantas de interiores trazem diversos benefícios para a vida cotidiana. O projeto paisagístico de interior, também chamado de plantscaping, é muito mais que simplesmente alocar plantas nos espaços internos; envolve a localização estratégica de espécies vegetais dentro de uma obra, buscando potencializar e destacar certos aspectos do projeto arquitetônico.

Heatherwick Studio divulga imagens do projeto "1000 Trees" em Xangai

O Heatherwick Studio publicou novas imagens do projeto "1000 Trees" atualmente em construção na cidade de Xangai, na China. Datadas de agosto de 2019, as novas imagens mostram o rápido progresso da construção deste edifício de mais de 300.000 metros quadrados, o qual deverá ser concluído e inaugurado já em 2020.

© Qingyan Zhu © Qingyan Zhu © Qingyan Zhu © Qingyan Zhu + 12

Por que incorporar paredes de musgo na arquitetura

A Agência de Proteção Ambiental estima que os americanos passem 90% do tempo dentro de casa. Passar tanto tempo enclausurados nos faz sentir desconectados do mundo exterior, afetando tudo, da produtividade à nossa saúde mental. Sem mencionar preocupações com a saúde física, que vão desde má circulação até contaminantes transportados pelo ar.

Um método de reconstruir nossa conexão com a natureza é usar elementos vivos. Paredes vivas de musgo utilizam uma das espécies de plantas mais antigas para melhorar a aparência visual de qualquer ambiente interior e aumentar o seu bem-estar geral.

10 plantas resistentes que sobreviverão em ambientes com pouca luminosidade

Home Cafes / Penda. Image © Zhi Xia
Home Cafes / Penda. Image © Zhi Xia

Com apartamentos e casas cada vez menores, percebemos uma crescente demanda para integrar espécies de plantas em espaços interiores. Mas que tipo de plantas escolher se não temos luz natural abundante? Neste artigo você encontrará algumas sugestões de espécies que são indicadas para ficarem "à sombra" ou "à meia sombra". Esse indicador é importante especialmente quando falamos de ambientes internos que recebem pouca luminosidade solar. 

Zamioculca. Image © Liubabasha, Vía Shutterstock Aglaonema. Image © Liubabasha, Vía Shutterstock Dracaena . Image © Gringoann, Vía Shutterstock Sansevieria Trifasciata. Image © Liubabasha, Vía Shutterstock + 33

Marginal Pinheiros receberá 30 mil mudas de espécies nativas e raras

A exuberância dos pinheiros nativos que batizou um dos bairros mais tradicionais de São Paulo e um dos principais rios da cidade, hoje está restrita a fotografias antigas. Poderia ser só mais um relato nostálgico, mas é incentivo para um projeto ambicioso do Legado das Águas – Reserva Votorantim: trazer a Mata Atlântica de volta à cidade. Com projeto da Cardim Arquitetura Paisagística, junto a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente de São Paulo e a Empresa Metropolitana de Água e Energia (EMAE), em uma nova etapa do Projeto Pomar Urbano, o Legado das Águas executará o maior projeto de paisagismo urbano com espécies nativas da Mata Atlântica do Estado, com uma proposta inovadora para transformar a relação entre o rio e a metrópole.

Os jardins de Mina Klabin Warchavchik: modernidade pública e privada

A história de vida da paisagista paulistana Mina Klabin Warchavchik se confunde com a história da arte e arquitetura modernas no Brasil, sobretudo em São Paulo. Seu pai, Maurício Freeman Klabin, imigrante lituano, saíra da Rússia por um decreto que proibia os judeus de serem donos de terra no país. Recém chegado ao Brasil no fim do século XIX, passa a trabalhar em uma oficina que produzia livros em branco para o mercado tipográfico, da qual passa a ser proprietário em poucos anos.

10 Árvores e plantas de pequeno porte para arborização urbana

Os benefícios da vegetação urbana são inúmeros e bastante conhecidos. Além do sombreamento do espaço público e produção de oxigênio, árvores e arbustos contribuem com o conforto térmico, por meio da umidificação do ar, e acústico, podendo ser empregados em barreiras que minimizam os ruídos. 

Dicas para desenhar árvores na representação de arquitetura

Todos temos a memória de infância de desenhar uma casinha com uma porta e uma janela, um telhado de duas águas e uma árvore do lado. Mas, o que diferencia os arquitetos do restante da população, é que continuamos desenhando isso depois de adultos, geralmente com um pouco mais de técnica. E, da mesma forma que nossos desenhos de casas foram se tornando mais complexos e completos, o desenho das vegetações precisou melhorar um pouco. (Aquela forma parecida com um brocólis não agradaria muito clientes e professores). Ainda que geralmente as árvores não sejam os focos principais dos desenhos, elas desempenham um papel importante na composição dos croquis, principalmente para representar a escala, sombreamento pretendido ou alguma intenção de paisagismo.

20 espécies nativas para arborização urbana

Não há dúvidas que as árvores são essenciais para a qualidade de vida. Têm impacto na sustentabilidade econômica, social e ambiental das cidades e suas vantagens são muitas: contribuem para o conforto visual e ambiental, ajudam a reduzir a poluição do ar e sonora, servem de refúgio e alimento para animais, criando ambientes mais verdes e mais agradáveis. Além disto, tem papel fundamental na redução do efeito das ilhas de calor em centros urbanos. É considerado arborização urbana as árvores que compõem o cenário urbano, e podem estar não apenas plantadas nas calçadas das cidades, mas inclui também praças, parques, canteiros e demais logradouros públicos, e além dos jardins privados. No entanto, existe uma série de recomendações que os projetistas devem seguir na ocasião da escolha da espécie de árvore para sua utilização em ambientes urbanos, como já publicamos por aqui as 25 espécies de árvores adequadas para calçadas urbanas.

Maringá desenvolve aplicativo para moradores cadastrarem árvores

Para facilitar o cadastramento de árvores, a Secretaria de Meio Ambiente e Bem-Estar Animal (Sema) estuda a criação de aplicativo para registro de informações sobre espécies de árvores existentes na arborização urbana. A expectativa é que, se o estudo for positivo, o software fique pronto ainda no segundo semestre deste ano.

O sistema, em fase de estudo, faz parte do Plano Diretor de Arborização, exigido pelo Ministério Público e iniciado em março do ano passado. O cadastramento é o processo mais demorado do projeto e com o uso do aplicativo será possível mapear a arborização urbana em algumas regiões da cidade, com informações como coordenadas geográficas e estado da árvore.

São Paulo, Londres, Tel Aviv: comparando a cobertura vegetal de 10 metrópoles mundiais

Nova Iorque. Imagem via flickr de "quintanomedia"licença CC BY 2.0
Nova Iorque. Imagem via flickr de "quintanomedia"licença CC BY 2.0

Ao longo dos últimos dois anos, pesquisadores do MIT Senseable City Lab em Cambridge, Massachusetts, têm usado os dados do Google Street View para estudar algumas das cidades mais importantes do mundo em termos de cobertura vegetal. Desenvolvido em colaboração com o Fórum Econômico Mundial, o “Treepedia” busca promover a conscientização sobre o papel das árvores na vida urbana e questiona como os cidadãos podem contribuir com o processo de tornar seus bairros mais ecológicos.

A lista cada vez maior analisa cidades de todo o mundo através de um dado chamado "Índice de Visão Verde", que usa panoramas do Google Street View para avaliar e comparar a cobertura verde das zonas urbanas. Através do monitoramento da cobertura das árvores, os cidadãos e planejadores podem ver quais áreas em sua cidade são mais ou menos verdes, comparar com outras cidades e desempenhar um papel mais ativo na melhoria do ambiente construído. 

Elementos chave de Paisagismo: marcos visuais, eixos, escalas, visadas e sensorialidade

Assim como os elementos arquitetônicos que compõem e conformam o espaço construído – piso, paredes e teto, os elementos vegetais também são capazes de conformar os espaços livres em áreas de grande, média e pequena escala, de parques a jardins residenciais, atuando como estruturadores espaciais. Segundo Benedito Abbud, “O paisagismo é a única expressão artística em que participam os cinco sentidos do ser humano. Enquanto a arquitetura, a pintura, a escultura e as demais artes plásticas usam e abusam apenas da visão, o paisagismo envolve também o olfato, a audição, o paladar e o tato, o que proporciona uma rica vivência sensorial, ao somar as mais diversas e completas experiências perceptivas. Quanto mais um jardim consegue aguçar todos os sentidos, melhor cumpre seu papel” [1],

Nesta segunda parte de nossa série buscaremos exemplificar de maneira prática a conceituação e utilização dos marcos visuais, eixos, escalas, visadas e sensorialidade em um projeto paisagístico.

Algoritmo encontra a cidade mais verde do mundo

Há diferentes métodos para estimar quão verde uma cidade é. Podemos contar os parques, somar todas as áreas verdes, quantificar apenas as zonas arborizadaspúblicas, precisar o número de árvores plantadas, e, mais recentemente, de acordo com um estudo realizado no MIT, analisar a perspectiva dos habitantes para saber quão frondosa pode ser uma cidade. 

Newsha Ghaeli, pesquisadora do Senseable City Lab do MIT, desenvolveu junto de sua equipe um método para averiguar quão verde é o espaço urbano visto a partir da perspectiva dos pedestres. Imagens tomadas do Google Street View são processadas por um algoritmo que estima a porcentagem de cada imagem que corresponde a árvores e outros tipos de vegetação. "É importante compreender a quantidade de árvores e copas que cobrem as ruas, pois é isso que percebemos nas cidades", afirmou Ghaeli.

A arborização do bairro de Ipanema e a criação de identidades paisagísticas

Uma recente pesquisa realizada por Sá & Almeida Paisagismo, no bairro de Ipanema, na zonal sul do Rio de Janeiro, revela interessantes características sobre o projeto original de sua arborização urbana.

Motivado pelo interesse na forma pela qual o bairro foi arborizada e a importância das árvores para sua qualidade ambiental e urbanística, o estudo mostrou características comuns do projeto de paisagismo em todo o bairro. De acordo com a pesquisa, cada rua longitudinal, paralela à orla da praia, foi arborizada com uma espécie de árvore, gerando uma cobertura vegetal específica, conformando de identidades visuais e espaciais diferenciadas para cada via.

Neozelandês constrói igreja feita de plantas

Depois de vários anos viajando por diferentes países, o neozelandês Barry Cox resolveu construir uma igreja no fundo do terreno de sua casa. Ele era um admirador da arquitetura e construção de igrejas, paixão que herdou da família de descendentes italianos.

© Sally Tag, via HAUS © Sally Tag, via HAUS © Sally Tag, via HAUS © Sally Tag, via HAUS + 7

12 plantas para cultivar em ambientes internos

Qualquer ambiente fica mais aconchegante com uma planta. Não é preciso ter uma grande sacada para cultivá-las, muitas espécies se desenvolvem bem na sala, cozinha e até banheiro, com pouca manutenção e não ocupando muito espaço. Os vasos e cachepôs onde se desenvolvem são uma boa aposta na composição de ambientes bem decorados. As flores acrescentam cor e diversidade para todos os ambientes, mas vale lembrar que as espécies que não produzem flores realizam menos fotossíntese e, portanto, exigem quantidades menores de sol e portanto são mais indicadas para serem cultivadas dentro de casa. Importante ressaltar que os nomes populares podem variar muito, e por isso deve-se atentar sempre para seus nomes científicos na hora de escolher suas espécies.

A seguir, selecionamos 12 plantas de caráter ornamental ideais para serem cultivadas em ambientes internos.

Heatherwick Studio divulga imagens e vídeo de sua "montanha de árvores" em Xangai

Após a publicação na semana passada do vídeo produzido pelo #donotsettle sobre o projeto 1000 Trees de Heatherwick Studio em Xangai, o próprio escritório divulgou um vídeo mostrando o andamento das obras.

O empreendimento de 300 mil metros quadrados está localizado a 20 minutos do centro de Xangai ao lado do distrito de artes M50, e assume a forma de duas "montanhas cobertas de árvores". Como o nome sugere, o projeto incluirá colunas estruturais de concreto largas no topo, criando espaço para plantadores árvores. O vídeo apresenta o edifício em estado meio concluído, mostrando como ele irá se relacionar com seu entorno imediato.

© Noah Sheldon © Noah Sheldon © Noah Sheldon © Mir + 4