Uma breve história dos mapas e seu papel no desenvolvimento urbano

Uma breve história dos mapas e seu papel no desenvolvimento urbano

A cartografia teve um papel importante na representação de conceitos espaciais por milhares de anos. Enquanto as primeiras formas de mapas exibiam informações geográficas esculpidas em tabuletas de argila ou gravadas nas paredes das cavernas, os mapas que usamos hoje evoluíram significativamente para mostrar de maneira criativa uma variedade de informações diferentes. Essas peças visuais mostram dados populacionais, eventos históricos, mudanças culturais e padrões climáticos para nos ajudar a entender mais sobre nosso mundo e como o impactamos.

Uma breve história dos mapas e seu papel no desenvolvimento urbano - Imagem 5 de 5
Mapa do século XIV. Imagem © Wikimedia Commons

Os primeiros mapas conhecidos datam de cerca de 17.000 aC e eram imagens que mostravam constelações de estrelas, características da paisagem como montanhas e rios e outros marcadores físicos que ajudavam as pessoas a navegar de um lugar para outro. Em 600 aC, o Mapa do Mundo da Babilônia foi criado e acredita-se ser a primeira representação da Terra, ou o que as pessoas tinham acesso na época. Outras civilizações antigas, como a grega, começaram a usar mapas de papel para navegação com base em observações de exploradores e cálculos matemáticos. Os mapas dessa época eram importantes porque representavam a Grécia cercada por vastos oceanos, como se fosse o centro do mundo. Mapas posteriores começaram a mostrar dois continentes, Ásia e Europa, amplamente influenciados pela literatura escrita pelos filósofos gregos.

Embora fosse importante para essas civilizações desenhar o mundo ao seu redor, eles também se concentraram em representar suas cidades por meio de outras formas de mapeamento, muitas vezes usando variações de mapas para planejar cidades inteiras para o futuro. O mapa de Nolli é uma das técnicas de desenho mais importantes usadas para entender o fluxo do espaço dentro de uma cidade. O primeiro Mapa Nolli foi desenhado por um arquiteto italiano, Giovanni Battista Nolli, que deu nome ao mapa. Em 1736, o Papa Bento XIV encarregou Nolli de criar a planta mais precisa já desenhado da cidade de Roma. O objetivo era entender como o espaço poderia ser dividido em diferentes áreas para planejar expansões e evidenciar necessidades públicas.

Uma breve história dos mapas e seu papel no desenvolvimento urbano - Imagem 2 de 5
Mapa Nolli de Roma por Giovanni Battista, 1748. Imagem © Wikimedia Commons

O primeiro Mapa Nolli documenta todos os edifícios e todos os espaços públicos, incluindo espaços acessíveis ao público localizados dentro dos edifícios, para entender completamente o que era espaço compartilhado e o que era privado. O mapa é desenhado usando apenas preto e branco para representar o espaço aberto e a massa do edifício. Essa técnica foi replicada muitas vezes desde então para analisar rapidamente as relações entre os espaços, analisar os padrões de planejamento e entender como criar uma melhor experiência urbana. Mapas com mais espaços em branco indicam que há mais ruas, pátios, varandas, espaços comerciais, saguões e outras áreas públicas que tornam os bairros mais navegáveis em cidades em escala humana. Técnicas semelhantes foram usadas para documentar coisas como surtos de cólera e rastreá-los até suas fontes nos mapas de esgoto de Londres e rastrear movimentos de militares durante as batalhas.

Uma breve história dos mapas e seu papel no desenvolvimento urbano - Imagem 3 de 5
Mapa de População. Imagem © Alasdair Rae

Os mapas evoluíram significativamente nos últimos dois séculos, tornando-se cada vez mais precisos e elevados por meio da tecnologia. Hoje, a maioria dos mapas é criada usando software GIS (Sistema de Informação Geográfica), combinando pontos de dados para entender o estado atual de uma cidade e as necessidades futuras. Imagens de satélite, fotografias aéreas e sensores nos ajudam a entender a terra e a infraestrutura. Os pontos de dados sobre populações e uso do espaço nos fornecem informações para equilibrar as prioridades das cidades, desde entender como otimizar um novo projeto que está sendo construído até entender quais tipos de infraestrutura pública devem estar localizados em determinados lugares. Os dados GIS podem ajudar a entender tanto cidades extremamente densas quanto áreas mais rurais e planejadas informalmente. Embora essas informações estejam sempre mudando, elas permitem que os planejadores façam projeções sobre como as cidades podem ser e como elas podem ser melhoradas.

O futuro dos mapas e do processo de mapeamento terá ainda mais avanços tecnológicos. Embora os mapas sempre tenham sido vistos como uma ferramenta que representa um instantâneo de um momento no tempo e uma bela imagem para se olhar, os mapas do futuro nos darão informações em tempo real e irão extrair dados de milhares de fontes para nos fornecerem informações sobre nossas cidades.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Overstreet, Kaley. "Uma breve história dos mapas e seu papel no desenvolvimento urbano" [A Brief History of Maps and Their Role in Urban Development] 10 Jan 2023. ArchDaily Brasil. (Trad. Gagliardi, Walter) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/994621/uma-breve-historia-dos-mapas-e-seu-papel-no-desenvolvimento-urbano> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.