Kaley Overstreet

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Preservar ou demolir: duas caras de uma mesma moeda

Desde o final do século XIX até os dias de hoje, a cidade de Nova Iorque se consolidou como o principal epicentro da construção de edifícios em altura ao redor do todo. Muitas destas estruturas, concebidas e projetadas pelos mais importantes personagens da história recente da arquitetura, rapidamente adquiriram o status de ícone, influenciando para sempre a forma como concebemos nossos edifícios e cidades. Ainda assim, muitos arranha-céus históricos da cidade de Nova Iorque acabaram sendo demolidos, dando lugar a estruturas cada vez mais altas e tecnológicas. Neste contexto, novidade e obsolescência parecem duas faces de uma mesma moeda. As recentes disputas e impasses ao redor de algumas das mais icônicas estruturas em altura já construídas na cidade de Nova Iorque, revela o quão rapidamente as coisas podem mudar de figura.

Representações como ferramentas para criar narrativas arquitetônicas

Quando ouvimos o termo visualizações arquitetônicas, é provável que a primeira imagem em mente, seja um render chamativo com pessoas, acabamentos ofuscantes e uma sensação de movimento sobre o local em questão. Além de renderizar um espaço tridimensional, os arquitetos também precisam desenvolver suas habilidades na representação de ideias intangíveis, de forma a direcionar a narrativa por trás de seus argumentos. Em vez de criar conceitos pontuais, que são apresentados em uma sequência tradicionalmente linear, os arquitetos precisam criar uma história, estruturar seus projetos como uma tese e considerar como as apresentações têm o poder de revelar as prioridades de um projeto.

Os novos desafios para a preservação do patrimônio histórico em Havana

Havana é um deleite para aqueles que romantizam a idéia de uma cidade que parece ter parado no tempo. O tecido urbano da capital cubana ostenta orgulhosamente as marcas de sua história, desde a sua fundação pelos espanhóis, a influência da arquitetura mourisca e posteriormente, soviética. Mas além deste imaginário kitsch que permeia este pequeno país insular no meio do Caribe, caracterizado por uma arquitetura colorida e veículos majoritariamente dos anos 50, o que fica evidente quando se visita Cuba por primeira vez, é a privação que o país experimentou ao longo de sua história.

© Evan ChakroffCentro antigo de Havana. Image © Evan ChakroffRua do centro antigo de Havana. Image © Evan ChakroffHotel Iberostar Grand Packard. Image via Iberstar Hotels & Resorts+ 7

Realidade virtual e aumentada: o futuro da experiência dentro e fora dos estádios

Diz-se que o esporte une as pessoas. Historicamente, seja dentro ou fora de quadra, o esporte tem aproximado milhões de pessoas do mundo todo – de todas as origens e com pouco ou quase nada em comum – as quais se reunem em campo, em bares ou estádios. Pelo amor ao esporte, deixamos de lado nossas diferenças para celebrar uma paixão comum: o amor pelo esporte.

Quem veio antes, o projeto ou a construção? Uma jornada pela história das representações

No sentido mais fundamental, podemos dizer que a arquitetura nasce – em sua forma mais elementar – da inerente busca humana por abrigo. A cabana como abrigo construído pelo homem, em sua forma mais primitiva, já existia há muito tempo quando Marc-Antonie Laugier à descreveu em 1755. Laugier teorizou uma alegoria de um homem na natureza e sua necessidade de abrigo, um requisito básico para proteger-se do sol e da chuva. Os troncos de madeira, verticalmente dispostos no terreno, aludem ao papel desempenhado pelas colunas, enquanto os elementos horizontais colocados sobre elas nos fazem pensar na função de uma viga, os galhos, por sua vez, cumprem a função de cobertura inclinada de uma típica “cabana” moderna. Embora o homem tenha vagado pela superfície da Terra por milhares e milhares de anos, por que apenas em meados do século XVIII fomos capazes de teorizar a respeito da gênese da mais elementar das criações humanas?

Arquitetura proativa como estratégia para mitigar as mudanças climáticas

Até o recente surto da pandemia de COVID-19, a crise climática talvez fosse o problema fundamental que os projetos da nossa era do Antropoceno enfrentavam. A ameaça das mudanças climáticas nos forçou, como arquitetos, a reavaliar como realizamos projetos em todas as escalas. Acabamentos internos ecologicamente corretos, arranha-céus com energia zero e estratégias para impedir que o aumento do nível do mar empurre os residentes das cidades costeiras para o interior são apenas algumas das soluções inovadoras que surgiram da crescente urgência de mitigar os efeitos do clima sobre o nosso mundo.

O que a arquitetura da Coreia do Norte nos diz sobre seu regime político

A Coreia do Norte é um país conhecido pela sua crescente tensão nuclear, extremas ameaças militaristas e visões draconianas dos direitos humanos. Como um dos poucos lugares remanescentes na terra que é quase inteiramente fechado para o resto do mundo, pouco se sabe sobre a vida cotidiana no Estado comunista. Mas, para uma nação que está tão profundamente envolta em mistério e incertezas, os esforços da sua bravata arquitetônica proporcionam algumas noções de como o regime opera.

Distanciamento social em comunidade: o que o co-living está nos ensinando em tempos de pandemia

Muitos de nós já vivemos, ou estamos vivendo atualmente, em algum tipo de moradia comunitária compartilhada. Seja por uma necessidade, durante a faculdade e os primeiros anos depois de formado, ou por uma escolha, em uma comunidade de amigos ou aposentados, compartilhar o espaço da vida cotidiana está se tornando cada dia mais comum, a ponto de se transformar em um mercado muito explorado e porque não, lucrativo. As empresas especializadas em co-living, incluindo a WeLive, a Common, e a Ollie, têm explorado as vantagens da chamada economia compartilhada, oferecendo soluções de moradia acessíveis, e promovendo a diversidade sociais em determinados contextos. Enquanto continuamos a lutar contra o avanço da disseminação da pandemia da COVID-19, procurando nos adaptar as novas regras de distanciamento social, as pessoas que vivem em casas e apartamentos compartilhados passaram a explorar diferentes possibilidades impulsionadas por este estilo de vida, descobrindo novas formas de viver em comunidade, ao mesmo tempo que, procuram minimizar os riscos de contágio. De fato, o que se percebe é que estas comunidades podem estar ainda melhor preparadas para lidar com uma pandemia ao mesmo tempo que proporcionam uma sensação de normalidade, algo tão distante daquelas pessoas que, antes mesmo do início da pandemia, já viviam em uma espécie de isolamento domiciliar.

O modernismo visto pelas das lentes da Playboy

The Playboy Town House Production Recommendations.. Image Courtesy of The Playboy Company. Architect: R. Donald Jaye; Renderer: Humen Tan, Playboy, May 1962.
The Playboy Town House Production Recommendations.. Image Courtesy of The Playboy Company. Architect: R. Donald Jaye; Renderer: Humen Tan, Playboy, May 1962.

Arquitetos da era moderna são personagens que ainda hoje despertam as mais diversas fantasias através de seus projetos e (controversas) histórias de vida. Tomemos como exemplo a paixão que Le Corbusier nutria pela arquiteta Eileen Gray e a sua relação com o projeto da Casa E.1027, a qual ela havia projetado para seu amante, Jean Badovici, então amigo pessoal de Corbu. Sabe-se que o famoso arquiteto franco-suíço, procurando desesperadamente chamar a atenção de Gray, decidiu entrar na casa sem sem convidado, e começou a pintar grandes murais coloridos em uma das paredes brancas da sala. Além disso, sabemos que Corbusier foi um dos piores críticos da obra de Gray, desdenhando publicamente das suas qualidades como projetista, ao mesmo tempo que, contraditoriamente, à elogiava em em suas cartas de amor nunca respondidas. Algo parecido aconteceu na vida de Adolf Loos. Depois de um encontro casual em Paris com a estrela em acensão de apenas 19 anos, Josephine Baker, ele decidiu simplesmente projetar uma casa para ela. Obviamente, o projeto nunca saiu do papel.

O fascínio destes dois personagens por mulheres alheias são um resumo da história de um das mais famigeradas publicações periódicas do mundo, a revista Playboy. Entretanto, para além do seu conteúdo explicito, desde seus primórdios os editores da revista se esforçaram para promover um estilo de vida pontuado pelo design moderno, celebrando algumas das mais importantes figuras (masculinas) no mundo do design americano. Em um esforço para promover a revista como uma publicação moderna e de vanguarda, os editores entrevistavam com frequência alguns dos mitos da arquitetura americana, como Mies van der Rohe, Buckminster Fuller e Eero Saarinen, aproximando tais figuras de um público, que apesar de devoto a harmonia das formas, era totalmente iletrado em arquitetura.

Smart Cities abrindo o caminho para um futuro inteligente

O movimento smart ganhou força e gerou agitação na última década, mas apesar de todo o hype, o que é uma cidade inteligente? Os princípios por trás de sua definição, e objetivos soltos têm sido bastante inconsistentes. Enquanto alguns afirmam que o sistema deve ser baseado na digitalização de todos os aspectos urbanos, outros argumentam que o aumento na coleta de dados pessoais é o único método para melhorar o estilo de vida urbana. Para uma pessoa, o mundo digital pode ser o paraíso na Terra, já para a outra, tecnofóbica, praticamente o dia do juízo final. Além da mera definição dessas cidades, qual o papel dos arquitetos e pesquisadores na criação desse cenário futurista, ainda pouco identificado? Assim como Corbusier definiu a casa como uma máquina para morar, é hora de redefinirmos como nossos edifícios podem abandonar o exterior passivo, e se tornarem verdadeiras máquinas de trabalho, como sempre deveriam ter sido.

A psicologia dos cassinos: espaços projetados para que você aposte como nunca e perca como sempre

Muitas pessoas sonham em um dia tirar a sorte grande, e qual o melhor lugar para fazê-lo se não em um casino estrelado? Embora estes luxuosos complexos pareçam ser um mundo à parte, os convidados mal se dão conta de tudo aquilo que se esconde por trás das cortinas e por baixo dos tapetes de uma sala de apostas. Os modernos cassinos de hoje em dia estão se transformando em estruturas cada vez mais inteligentes e capazes de induzir as mais diversas sensações e impulsos em seus clientes. A tecnologia se extende muito além da simples programação das máquinas caça-níqueis e da previsão das probabilidades de cada mesa. Uma luz se acende, a roleta gira, bimgo! Tudo aqui é meticulosamente planejado para fazer com que você se sinta especial, que você se sinta confiante e que coloque a mão no bolso sem pensar duas vezes. Dizem que a casa sempre ganha, que é impossível virar o jogo e que nada acontece por acaso. Qual o papel da arquitetura nesta lógica do azar, e como a configuração do espaço e seus mecanismos podem ser capazes de induzir determinados comportamentos?

Projetando o espaço da morte: a arquitetura de cemitérios

Cortesia de VERO Visual. ImageHofmanDujardin
Cortesia de VERO Visual. ImageHofmanDujardin

Embora os cemitérios tenham servido por muito tempo como um lugar no qual podemos honrar e recordar nossos entes queridos, eles historicamente também atuaram como epicentros da arte, arquitetura e paisagismo. No final do século XIX, os cemitérios evoluíram a partir de espaços urbanos superlotados e insalubres, para centros sociais e semelhantes a parques. Nas cidades carentes de parques públicos, os cemitérios tornaram-se destinos populares para piqueniques, lazer e outras reuniões familiares.

KILD vence concurso para passarelas de pedestres e ciclistas em Kaunas, na Lituânia

KILD foi anunciado como o primeiro vencedor de um concurso de projeto em Kaunas, a segunda maior cidade da Lituânia. O concurso buscou propostas inovadoras e ecologicamente corretas para pontes para pedestres e ciclovias que conectarão o centro da cidade à Ilha da Ciência.

Estudantes peruanos ganham o Prêmio Inaugural de Pesquisa sobre a Água do World Architecture Festival

World Architecture Festival anunciou o vencedor do seu primeiro Prêmio de Pesquisa sobre a Água. O primeiro lugar foi concedido a uma equipe de estudantes da Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP) que projetou um sistema de gerenciamento de água que "captura, armazena e trata a água da chuva e a insere em redes de água pré-existentes".

Transformar estacionamentos em habitações, o grande desafio para as novas gerações

Você está procurando um novo lugar para morar? Talvez seja a hora de ampliar a sua busca e dar uma olhadinha também nas garagens dos edifícios que está visitando. É muito provável que estas antigas estruturas para veículos se transformem na próxima menina dos olhos dos construtores e empreendedores. Somente nos Estados Unidos, considera-se que existam mais de meio bilhão de vagas de estacionamento em um país onde a população é de apenas 326 milhões de habitantes, isso é equivalente a uma área de 6.500 quilômetros quadrados de superfície. Ainda que a tendência mais razoável seja investir em um futuro "livre de carros", estas estruturas continuam pipocando ao redor do mundo. Considerando que as nossas estruturas urbanas estão sendo desenvolvidas para abrigar um número cada vez maior de veículos automotores, como poderíamos reverter estas estruturas no momento em que a demanda começar a diminuir?