Arquitetura Japonesa

  1. ArchDaily
  2. Países
  3. Japão

Projetos mais recentes em Japão

Últimas notícias em Japão

Sou Fujimoto Architects projeta centro universitário nas montanhas do Japão

Sou Fujimoto Architects revelou seu projeto para a Universidade Hida Takayama, um novo instituto acadêmico localizado em uma pequena área rural do Japão. O projeto visa revitalizar as áreas rurais, muitas vezes esquecidas, especialmente por instituições acadêmicas, e fomentar o senso de comunidade e a valorização da rica cultura proporcionada pela natureza. O projeto apresenta uma estrutura de formato orgânico inspirado na paisagem circundante e um telhado acessível. A inauguração da universidade está prevista para 2024 e será seguida por outros 11 centros regionais de aprendizagem em todo o país.

Como as smart cities podem agravar a desigualdade

As metrópoles urbanas de nosso planeta são o lar de uma abundância de histórias. Elas são o lar de histórias de riqueza, de inovação e de maravilhas arquitetônicas, assim como de histórias de desigualdade, iniquidade e segregação urbana — lugares onde a renda determina a qualidade do ambiente espacial ao seu redor. Dentro destas histórias se desenvolveu uma crescente defesa para tornar as cidades "mais inteligentes", para usar dados e tecnologia digital para construir ambientes urbanos mais eficientes e convenientes.

Urbanismo de Hayao Miyazaki: a cidade além da ficção

Os filmes de Hayao Miyazaki são amados há décadas por crianças e adultos. Sua animação e narrativa únicas revolucionaram os filmes de animação em todo o mundo.

Kengo Kuma projeta Museu da Literatura Infantil em Tóquio

O escritório japonês Kengo Kuma & Associates divulgou imagens do projeto para o Museu de Literatura Infantil Eiko Kadono, um espaço cultural onde os jovens poderão experimentar o mundo imaginário do aclamado autor de livros infantis japoneses Eiko Kadono. Localizado às margens do rio Edogawa e dentro Parque Nagisa, em Tóquio, o projeto apresenta uma série de volumes que seguem a curva da encosta onde se localizam e uma cobertura saliente que se prolonga em direção à paisagem.

"É como seu eu habitasse os edifícios que estou projetando": entrevista com Toyo Ito

Analisando a obra construída do arquiteto japonês Toyo Ito (n. 1941)— particularmente alguns de seus projetos mais impressionantes como a Mediateca de Sendai (1995-2001), a Serpentine Gallery de Londres (construída em 2002 em colaboração com Cecil Balmond), o Edifício TOD Omotesando (Tóquio, 2004), a Biblioteca da Universidade de Arte de Tama (Tóquio, 2007) e a Taichung Metropolitan Opera House (2009-16)—é possível observar um altíssimo grau de inovação em suas estruturas e nas organizações espaciais não hierárquicas de seus edifícios. Embora todas esses projetos pareçam ser bastante diferentes entre si, há algo que os une—que é o compromisso do arquiteto em romper com os limites entre o interior e o exterior, dissipando barreiras físicas e integrando seus programas através de um espaço contínuo e fluido. Neste sentido, é possível perceber que o arquiteto, vencedor do Prêmio Pritzker de 2013, busca não apenas construir edifícios, mas explorar e desenvolver continuamente um sistema de espaços integrados em sua arquitetura. Dito isso, é de se imaginar que enquanto ele permaneça sentado em sua prancheta, estaremos sempre a descobrir novos desdobramentos de uma obra em constante processo de evolução.

Arquitetos e artistas japoneses celebram Olimpíadas com série de pavilhões em Tóquio

Acompanhando os Jogos Olímpicos em andamento, o Pavilhão Tóquio 2021 convidou arquitetos e artistas japoneses, incluindo Kazuyo Sejima, Sou Fujimoto, Junya Ishigami e Yayoi Kusama, para imaginar nove estruturas temporárias a serem instaladas em diversos locais ao redor do Estádio Nacional, projetado por Kengo Kuma. A iniciativa mostra intervenções experimentais na paisagem urbana que ilustram uma visão lúdica do espaço público. Também participam do projeto Terunobu Fujimori, Akihisa Hirata, Teppei Fujiwara, além dos artistas Makoto Aida e Daito Manabe + Rhizomatiks.

O arquipélago das artes no Japão: obras de Sou Fujimoto, Ryue Nishizawa e Kazuyo Sejima

Naoshima, Teshima e Inujima são as três principais ilhas de um arquipélago no Mar Interior de Seto, no Japão. O que as diferencia dos demais arquipélagos japoneses – que são muitos, característica daquele país insular – é a concentração de obras de arquitetura de qualidade excepcional, projetadas por alguns dos maiores nomes da arquitetura mundial. Tais projetos fazem parte do Benesse Art Site Naoshima, um complexo dedicado às artes idealizado pelo magnata Soichiro Fukutake ainda na década de 1980, composto por dezoito museus, galerias e instalações a céu aberto.

O arquipélago das artes no Japão: obras de Tadao Ando em Naoshima

Poucos lugares no mundo reúnem tantos equipamentos culturais e artísticos como o arquipélago composto pelas ilhas de Naoshima, Teshima e Inujima, localizadas no Mar Interior de Seto, no Japão. Dezoito museus, galerias e instalações compõem o Benesse Art Site Naoshima, um complexo dedicado às artes idealizado pelo magnata Soichiro Fukutake ainda na década de 1980.

Nakagin Capsule Tower será desmontada e cápsulas serão levadas a diferentes museus do mundo

Após incertezas sobre o futuro da Nakagin Capsule Tower, o arquiteto Kisho Kurokawa e o Urban Design Office Chiyoda-ku decidiram desmontar o icônico edifício e recuperar suas cápsulas como unidades de acomodação e instalações de museu. O plano de regeneração segue o conceito inicial da arquitetura metabolista: reconfigurar os elementos em vez de demoli-los.

5 Pavilhões na Bienal de Veneza 2021 que abordam sustentabilidade e mudanças climáticas

A 17ª Bienal de Arquitetura de Veneza está em andamento, revelando uma ampla gama de respostas à pergunta "Como viveremos juntos". Com 60 pavilhões nacionais, inúmeras contribuições de arquitetos convidados de todo o mundo e vários eventos paralelos, a edição deste ano reafirma o papel da Bienal como uma plataforma para investigação, exploração e pensamento disruptivo em arquitetura. A declaração original do curador Hashim Sarkis convocou os arquitetos "a imaginar espaços nos quais possamos viver juntos com generosidade". As circunstâncias recentes tornaram a questão ainda mais relevante, levando a uma reavaliação holística de como o mundo, como um coletivo, pode enfrentar mudanças e desafios de uma escala sem precedentes, desde o papel perturbador da tecnologia até a desigualdade, a migração em massa e as mudanças climáticas. As contribuições nacionais a seguir refletem sobre "como viveremos juntos" em meio às mudanças climáticas, explorando ideias para um futuro mais sustentável.

Carregando... Pode demorar alguns segundos