1. ArchDaily
  2. Veneza

Veneza: O mais recente de arquitetura e notícia

Tecnologias digitais podem salvar o patrimônio cultural de Veneza das inundações

A Factum Foundation, uma organização sem fins lucrativos dedicada ao uso de tecnologia digital para a conservação do patrimônio cultural, em colaboração com a Fondazione Giorgio Cini, Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL) e a Iconem, escaneou a Ilha de San Giorgio Maggiore, em Veneza, em sua totalidade. Ao longo de 10 dias, a equipe digitalizou a ilha de 10 hectares usando fotogrametria e tecnologias LiDAR. Intitulado ARCHiVe, o projeto visa “auxiliar de forma eficiente e eficaz a preservação do frágil patrimônio cultural de Veneza”.

Nuvem de pontos da escada Longhena, extraída de dados de fotogrametria. Imagem Cortesia da Fundação FactumImagem do mapa tonal de toda a ilha de San Giorgio, gerada a partir de uma nuvem de 6 bilhões de pontos. A altura e a profundidade são representadas em cores que variam do vermelho ao azul . Imagem Cortesia da Fundação FactumMapa mostrando alguns dos 600 pontos de digitalização na ilha de San Giorgio. Imagem Cortesia da Fundação FactumO altar da basílica de San Giorgio, gravado com um scanner LiDAR. © Otto Lowe. Imagem Cortesia da Fundação Factum+ 29

Hashim Sarkis: “Acho que nunca confiamos tanto na arquitetura"

Na segunda parte de sua entrevista com o ArchDaily, Hashim Sarkis reflete sobre o futuro da arquitetura ao abordar a questão atemporal da Bienal de Veneza de 2021. O curador da Bienal, que propõe o tema “Como viveremos juntos?”, discute o papel da profissão em meio a todos esses novos paradigmas, afirmando que “os arquitetos mudam o mundo [...] criando [... ] imagens de desejos do que o mundo poderia ser."

Neste artigo, o curador da esperada bienal e reitor da Escola de Arquitetura e Planejamento do MIT apresenta suas visões sobre a evolução da arquitetura e os novos rumos que o mundo acadêmico deve tomar para refletir "a complexidade dos problemas urbanos de hoje". Sarkis também menciona Beirute, discutindo abordagens de reconstrução, sociedade civil e a noção exasperante de resiliência.

Hashim Sarkis fala sobre “como viveremos juntos?”: explorando o tema da Bienal de Veneza 2021

Prevista originalmente para ocorrer entre agosto e novembro de 2020, a 17ª Bienal de Arquitetura de Veneza foi adiada, como todos os outros eventos deste ano, e será realizada de 22 de maio a 21 de novembro de 2021. Questionando "como viveremos juntos?", a inquietação do curador Hashim Sarkis convida os arquitetos “a imaginar espaços em que podemos viver juntos generosamente”. De tremenda relevância, o tema da Bienal é, de fato, foco de interesse do cenário global.

Após conversar com Sarkis há mais de um ano, o ArchDaily teve a chance de abrir o debate mais uma vez e reexaminar a questão da Bienal de Arquitetura. Em uma entrevista dividida em duas partes, o arquiteto aborda o tema, a Bienal, a situação atual e o futuro.

Arquitetura como solução: por que não adiar a Bienal de Veneza?

Na semana passada, a Bienal de Arquitetura de Veneza anunciou que adiará a data de abertura da Biennale para o dia 29 de agosto, mas que entretanto, manterá a data encerramento do evento no dia 29 de novembro, reduzindo a duração do mais importante evento internacional do mundo da arquitetura de seis para apenas três meses. A mudança de planejamento da Biennale é mais uma resposta à crise mundial causada pela pandemia de coronavírus ou COVID-19, a qual tem se agravado ao longo das últimas semanas provocando uma onda de cancelamentos e adiamentos de importantes eventos ao redor do mundo.

Sem turistas, canais de Veneza voltam a ter água cristalina

A propagação do coronavírus está afetando todo o mundo e a previsão é que enfrentemos momentos difíceis. Mas, com a diminuição da circulação de pessoas, muitas cidades estão experimentando uma diminuição significativa em seus problemas ambientais.

Pavilhão da Hungria na Bienal de Veneza 2020 revisita 12 ícones modernos de Budapeste

O Pavilhão Húngaro na Biennale di Venezia de 2020 fará um apanhado sobre as principais obras modernistas construídas na cidade de Budapeste. Doze escritórios de arquitetura foram convidados para participar da exposição que pretende apresentar uma visão alternativa de algusn ícones da arquitetura moderna do país, apresentando uma reflexão sobre o valor e o legado do modernismo húngaro e o seu impacto no desenvolvimento da arquitetura contemporânea. Nesta 17ª edição da Exposição Internacional de Arquitetura da Biennale, o pavilhão húngaro terá curadoria de Dániel Kovács, um jovem historiador de arquitetura.

Cortesia de Biennale di Venezia, Pavilhão HúngaroCortesia de Biennale di Venezia, Pavilhão HúngaroCortesia de Biennale di Venezia, Pavilhão HúngaroCortesia de Biennale di Venezia, Pavilhão Húngaro+ 7

Entendendo o Grafton Architects, das Diretoras da Bienal de Veneza 2018

"Quando você lê Amor em tempos de Cólera você começa a perceber o realismo mágico da América do Sul." Yvonne Farrell, Shelley McNamara e eu estávamos aninhados num canto do átrio raso do Centro Barbican falando sobre o assunto de suas mais recentes honrarias, o prêmio inaugural do Royal Institute of British Architects, concedido na noite anterior. Naquela mesma noite, as duas arquitetas irlandesas, que fundaram sua prática em Dublin nos anos 1970, também deram uma palestra sobre a Universidade de Engenharia e Tecnologia (UTEC) -seu "Machu Picchu moderno" em Lima- para um público repleto em London Portland Place.

Embora este projeto tenha colocado um foco em seu trabalho, elas foram reveladas hoje como diretoras da Bienal de Arquitetura de Veneza de 2018 - o mais importante evento arquitetônico do calendário cultural.

Cidade versus água: entenda como Veneza foi construída

Seja do ponto de vista do turista francês, da narrativa do filósofo Jean Paul Sartre, ou como ponto de partida das investidas desbravadoras de Marco Polo em suas Viagens, a cidade de Veneza faz parte de um imensurável repertório literário global, ocupando o lugar de objeto misterioso e belo que instiga qualquer um que se disponha a experienciá-la. Ela figura em livros de artes e história, quando o foco está nas grandes obras de arquitetura e artes visuais que a cidade carrega, ou quando há interesse nas divergentes e lendárias narrativas que dizem respeito à sua origem. Nos livros de ficção, a áurea calma de seus canais, as pequenas vielas, as cores e texturas de sua paisagem são plano de fundo para uma miríade de histórias imaginadas.

Roberto Cicutto assume a direção geral da Bienal de Veneza

O produtor de cinema italiano e CEO da Luce Cinecittà, Roberto Cicutto, foi nomeado presidente da Bienal de Veneza. Cicutto foi escolhido pelo ministro da cultura italiano, Dario Franceschini, e substituirá Paolo Baratta, que presidiu a Bienal por 8 anos. O mandato de Cicutto terá duração de quatro anos, com até três renovações.

Cecilia Alemani será a curadora da 59ª Bienal de Arte de Veneza

A Bienal de Arte de Veneza escolheu como diretora artística de sua edição de 2021 a curadora-chefe do programa de arte do High Line em Nova Iorque, Cecilia Alemani. Primeira mulher italiana a chefiar o evento, Alemani organizará o festival que tem início a partir de maio do próximo ano.

Por que Veneza inunda e o que está sendo feito para evitar isso?

Ao longo de novembro de 2019, Veneza foi inundada pelos piores alagamentos da cidade em meio século. Fotografias e vídeos se espalharam pelo mundo mostrando a icônica Praça de São Marcos debaixo d'água, com uma onda de 2 metros de altura, ameaçando gerar danos irreparáveis a locais históricos, como a Basílica de São Marcos. Enquanto a cidade luta contra o aumento dos níveis de água desde o século V, as recentes inundações, no contexto das mudanças climáticas, estimularam o debate sobre como as cidades costeiras são vulneráveis ao aumento do nível do mar e como os danos podem ser mitigados.

Inundações na Praça de São Marcos, Veneza. Imagem via ShutterstockPorto em Veneza. Imagem via ShutterstockO projeto de infraestrutura do MOSE. Imagem via ShutterstockBecos inundados em Veneza. Imagem via Shutterstock+ 6

Itália proíbe grandes cruzeiros de entrarem em Veneza

A partir de setembro, todos os navios com mais de mil toneladas serão proibidos de entrar na lagoa de Veneza. O governo italiano tomou a decisão após protestos em decorrência de acidentes - o mais recente deles ocorrido em junho de 2019, quando 5 pessoas ficaram feridas após a colisão entre um navio de cruzeiro, o cais e um pequeno barco turístico.

Cloudscapes / Transsolar & Tetsuo Kondo Architects

Cortesia de Transsolar & Tetsuo Kondo ArchitectsCortesia de Transsolar & Tetsuo Kondo ArchitectsCortesia de Transsolar & Tetsuo Kondo ArchitectsCortesia de Transsolar & Tetsuo Kondo Architects+ 7

Veneza, Itália

Guia de arquitetura de Veneza: 11 visitas imperdíveis

 Il Fondaco dei Tedeschi / OMA. Imagem: © Delfino Sisto Legnani + Marco Cappelletti
Il Fondaco dei Tedeschi / OMA. Imagem: © Delfino Sisto Legnani + Marco Cappelletti

Veneza é certamente um dos destinos mais procurados da Europa por viajantes do mundo inteiro. A cidade tem atrativos em muitas áreas, da gastronomia à arte, passando evidentemente pela arquitetura, uma arte que acompanha a cidade e se faz evidente sobretudo nas Bienais de Arquitetura, que ocorrem desde 1980. Além da Bienal, a ilha tem muito a oferecer àqueles interessados em conhecer lugares que, por excelência, falam da relação entre passado e presente, da conservação da memória histórica, das novas técnicas a serviço de edifícios em constante relação com a água, etc. 

David Chipperfield projeta renovação de edifício histórico na Piazza San Marco de Veneza

A renovação do edifício histórico Procuratie Vecchie, em Veneza, por David Chipperfield Architects, está programada para começar em breve, após a permissão da Superintendência de Arqueologia, Belas Artes e Paisagem. Pela primeira vez em 500 anos, uma grande parte da Procuratie Vecchie na Piazza San Marco será disponibilizada ao público para receber atividades da Rede de Segurança Humana, apoiando comunidades vulneráveis.

© David Chipperfield Architects© David Chipperfield Architects© David Chipperfield Architects© David Chipperfield Architects+ 6

Fotografias de Mayank Thammalla transformam os canais de Veneza em pinturas arquitetônicas

Nada é comum na cidade de Veneza. Seja a arquitetura de cores vivas que nos leva de volta ao seu período gótico e bizantino, ou o fato de que a cidade foi construída sobre a água, Veneza é um destino intrigante para o mundo todo.

A cada visita a Veneza, o arquiteto e fotógrafo londrino Mayank Thammalla descobria novas perspectivas cenográficas da cidade, muitas vezes escondidas sob sua arquitetura. Em sua recente série fotográfica Echoes of Venice, Thammalla usou os canais como sua tela de pintura, retratando a erosão das estruturas arquitetônicas da cidade a partir de reflexos nas ondulações da água.