1. ArchDaily
  2. Planejamento Urbano

Planejamento Urbano: O mais recente de arquitetura e notícia

Atenas planeja aumentar sua infraestrutura de metrô em um terço para reduzir o tráfego de automóveis

O projeto de implementação de uma quarta linha de metrô na capital grega começou em 2021, com o objetivo de reduzir a necessidade de automóveis na cidade lotada. Como a nova linha de 15 estações é estimada para transportar 340.000 passageiros por dia, até 53.000 carros poderiam ser retirados das ruas diariamente. Embora a abertura da linha possa estar a cinco anos de distância, a obra começou para reformar sete praças urbanas que se tornarão estações. Apesar do apoio público à iniciativa, o projeto também tem gerado controvérsias, com os residentes temendo a gentrificação.

Incrível e acessível: defendendo moradias de qualidade

Este artigo foi originalmente publicado em Common Edge.

Quando Brenda Mendoza contou a um repórter da NPR sobre seu trajeto para o trabalho, ela se tornou o rosto da atual crise habitacional em Los Angeles. Mendoza, uma roupeira de um hotel Marriott, morava com sua família em um apartamento em Koreatown, onde cresceu, a apenas 10 minutos de seu trabalho. O proprietário aumentou o aluguel, então ela se mudou para um lugar mais barato em Downey. Quando esse aluguel também ficou inacessível, ela se mudou para Apple Valley e agora levanta às 3h30 da manhã para dirigir 160 quilômetros até o trabalho, deixando o marido e o filho em seus empregos pelo caminho. Ela não se mudou para Apple Valley para investir em uma casa que pudesse amar. Simplesmente encontrou um aluguel igualmente instável, mas ligeiramente mais acessível, a horas de seu local de trabalho.

Incrível e acessível: defendendo moradias de qualidade - Image 1 of 4Incrível e acessível: defendendo moradias de qualidade - Image 2 of 4Incrível e acessível: defendendo moradias de qualidade - Image 3 of 4Incrível e acessível: defendendo moradias de qualidade - Image 4 of 4Incrível e acessível: defendendo moradias de qualidade - Mais Imagens+ 1

ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis

O Laboratório Urbano UN-Habitat publicou "My Neighborhood", uma publicação que oferece uma lista de princípios de projeto urbano com o objetivo de criar cidades mais sustentáveis e resilientes. Contendo ações aplicáveis ​​à escala do bairro, o guia se dedica a apresentar uma abordagem integrada que responde a setores-chave, como transporte, iniciativas urbanas locais, moradia, espaços públicos, serviços públicos e outros.

ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 1 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 2 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 3 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 4 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - Mais Imagens+ 3

Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa

Os Países Baixos são conhecidos internacionamente como uma nação que busca inovação em larga escala, desenvolvendo sistemas estatais para proteger suas terras e aprimorar a qualidade de vida de seus cidadãos. As propostas ousadas de arquitetos e urbanistas como Gerrit Rietveld, Piet Blom, Rem Koolhaas e o Office for Metropolitan Architecture (OMA) têm impacto global, desafiando as formas tradicionais de prática.

Ainda assim, o país enfrenta desafios tanto esperados quanto inesperados, desde uma grave escassez de habitação até a crescente preocupação em relação às alterações climáticas e à evolução das ideias sobre ecologia. Nas palavras da curadora Suzanne Mulder, o país está "mais uma vez na prancheta", à medida que arquitetos, urbanistas e designers retomam as conversas sobre o futuro, olhando para as lições do passado. Para auxiliá-los nesse processo, o Nieuwe Instituut de Roterdã está organizando a exposição "Projetando os Países Baixos: 100 anos de Futuros Passados e Presentes".

Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 1 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 2 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 3 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Imagen 4 de 4Países Baixos em foco: futuros do passado e do presente na arquitetura holandesa - Mais Imagens+ 29

Lições aprendidas com a realocação e construção de novas capitais no sul global

A mudança de uma capital é uma decisão complexa com várias dimensões e consequências tanto para a antiga quanto para a nova capital. Pode ser impulsionada por fatores políticos, econômicos, sociais, e tem implicações urbanas e arquitetônicas para os moradores, como localização, planejamento, projeto de construção, finalidade da antiga capital, condições climáticas e separação dos centros políticos/administrativos das cidades culturais e econômicas.

Diante deste debate, o Egito está construindo uma nova capital para aliviar a pressão populacional e urbana sobre o Cairo. Da mesma forma, a Indonésia está planejando uma nova capital em resposta aos desafios enfrentados por Jacarta, como poluição, congestionamento de tráfego e aumento do nível do mar. É valioso examinar outros países no sul global que realocaram suas capitais, observando as lições arquitetônicas e urbanas aprendidas com suas experiências.

Lições aprendidas com a realocação e construção de novas capitais no sul global - Image 1 of 4Lições aprendidas com a realocação e construção de novas capitais no sul global - Image 2 of 4Lições aprendidas com a realocação e construção de novas capitais no sul global - Image 3 of 4Lições aprendidas com a realocação e construção de novas capitais no sul global - Image 4 of 4Lições aprendidas com a realocação e construção de novas capitais no sul global - Mais Imagens+ 3

Anne Hidalgo, prefeita de Paris, vence o Prêmio ULI 2023 de Visionários em Desenvolvimento Urbano

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, foi agraciada com o Prêmio ULI 2023 de Visionários em Desenvolvimento Urbano, uma das mais respeitadas distinções globais em uso do solo e desenvolvimento comunitário. A honraria reconhece a visão da prefeita Hidalgo de uma Paris mais inclusiva e sustentável, assim como o impacto global de suas políticas. Hidalgo, a primeira mulher a ocupar o cargo de prefeita em Paris, é reconhecida por impulsionar políticas ambiciosas que reduziram as emissões de carbono da cidade em 40% em uma década, além de aumentar a proporção de habitações acessíveis. Em 2020, Hidalgo também foi destacada na lista das 100 Pessoas Mais Influentes pela revista Time

Anne Hidalgo, prefeita de Paris, vence o Prêmio ULI 2023 de Visionários em Desenvolvimento Urbano - Imagen 1 de 4Anne Hidalgo, prefeita de Paris, vence o Prêmio ULI 2023 de Visionários em Desenvolvimento Urbano - Imagen 2 de 4Anne Hidalgo, prefeita de Paris, vence o Prêmio ULI 2023 de Visionários em Desenvolvimento Urbano - Imagen 3 de 4Anne Hidalgo, prefeita de Paris, vence o Prêmio ULI 2023 de Visionários em Desenvolvimento Urbano - Imagen 4 de 4Anne Hidalgo, prefeita de Paris, vence o Prêmio ULI 2023 de Visionários em Desenvolvimento Urbano - Mais Imagens+ 1

Entendendo o urbanismo: harmonia, justiça e poesia nas cidades

As cidades são sistemas vibrantes que têm significado e se movem com o ritmo da vida humana que as alimenta. No tecido das paisagens urbanas, arquitetos e urbanistas colaboram para criar harmonias espaciais que vão além da estética e buscam justiça social e expressão poética. Nelas, os cidadãos se envolvem, tornando-se participantes ativos na narrativa contínua da cidade — a melodia metropolitana.

Em 2023, o ArchDaily publicou matérias sobre a poética do urbanismo, explorando um futuro em que as cidades atendem às necessidades sociais e emocionais de seus habitantes.

Entendendo o urbanismo: harmonia, justiça e poesia nas cidades - Image 1 of 4Entendendo o urbanismo: harmonia, justiça e poesia nas cidades - Image 2 of 4Entendendo o urbanismo: harmonia, justiça e poesia nas cidades - Image 3 of 4Entendendo o urbanismo: harmonia, justiça e poesia nas cidades - Image 4 of 4Entendendo o urbanismo: harmonia, justiça e poesia nas cidades - Mais Imagens+ 2

Construindo resiliência: como a arquitetura reagiu aos desafios climáticos de 2023

Ao refletirmos sobre o tumultuado ano de 2023 e seus eventos, é evidente que os desafios impostos pelas condições ambientais em constante mudança deixaram uma marca indelével em todo o mundo. Em resposta, arquitetos e urbanistas passaram a procurar maneiras nas quais suas ações possam contribuir para a criação de ambientes mais seguros para as comunidades, com arquiteturas de emergência de implantação rápida e estratégias de longo prazo para construir resiliência e mitigar riscos.

Além de simplesmente responder a eventos, como os devastadores terremotos na Turquia, Síria e Marrocos, ou as enchentes generalizadas na Líbia ou no Paquistão, arquitetos estão tentando adotar abordagens proativas. Eles desenvolvem estratégias que vão desde a modelagem preditiva até a aplicação de técnicas de renaturalização, passando pela pesquisa contínua na física de estruturas mais seguras e resilientes.

Construindo resiliência: como a arquitetura reagiu aos desafios climáticos de 2023 - Image 1 of 4Construindo resiliência: como a arquitetura reagiu aos desafios climáticos de 2023 - Image 2 of 4Construindo resiliência: como a arquitetura reagiu aos desafios climáticos de 2023 - Image 3 of 4Construindo resiliência: como a arquitetura reagiu aos desafios climáticos de 2023 - Image 4 of 4Construindo resiliência: como a arquitetura reagiu aos desafios climáticos de 2023 - Mais Imagens+ 15

As cidades médias que assustam as capitais

A divulgação dos primeiros dados do Censo 2022 pegou muita gente de surpresa. Segundo o IBGE, o Brasil tem hoje cerca de 203 milhões de habitantes, número abaixo da expectativa do Instituto, que era de 215 milhões. Outro dado que chamou atenção foi o crescimento das cidades médias (100 mil a 499 mil habitantes), que ganharam 8,3 milhões de habitantes. Considerando que a população do país cresceu 12 milhões desde o Censo 2010, essas cidades respondem por mais de dois terços do aumento.

As cidades médias que assustam as capitais - Image 1 of 4As cidades médias que assustam as capitais - Image 2 of 4As cidades médias que assustam as capitais - Image 3 of 4As cidades médias que assustam as capitais - Image 4 of 4As cidades médias que assustam as capitais - Mais Imagens+ 5

O verde insustentável do subúrbio americano

Em uma viagem recente aos Estados Unidos, olhei a vista da janela do avião ao decolar de Tampa, na Flórida, e chamou atenção a perfeita paisagem verde do subúrbio americano. Sequências organizadas de árvores que pareciam iguais, cobrindo o território plano como um tapete verde. Para alguns, o verde pode parecer um sonho de sustentabilidade integrada ao meio ambiente.

Nada poderia ser mais distante da verdade. O subúrbio americano, baseado no conceito ultrapassado da “cidade jardim”, foi projetado para incentivar o automóvel, a moradia unifamiliar residencial de baixa densidade e o zoneamento de atividades. Tal modelo inviabiliza transporte ativo (a pé ou de bicicleta) e torna o transporte de massa, que exige densidade e caminhabilidade, inviável.

Para além do palco: impactos urbanos dos megashows

Quando astros musicais mundialmente famosos como Beyoncé, Taylor Swift e Paul McCartney anunciam suas turnês globais, após o frisson provocado pela divulgação dos países e das respectivas cidades-sede, esses locais se preparam para comportar a série de mudanças que serão desencadeadas por esses eventos em seus espaços urbanos. Esses megashows não se restringem ao âmbito musical, eles transcendem o palco para mobilizar cifras significativas e implicar em diversas transformações no cotidiano urbano dessas cidades. Mesmo que durante um curto período de tempo, esses eventos provocam alterações em variadas esferas e setores urbanos, como o turístico, o hoteleiro, o alimentício e o de transporte.

Espaços públicos socialmente justos são cruciais para sociedades prósperas

Uma das instâncias mais radicais de transformação do espaço público aconteceu recentemente. Durante os primeiros meses da pandemia de Covid-19, o espaço público se transformou em "um recurso médico, centro de distribuição, espaço de transbordamento, local de protesto e resistência, academia, centro para idosos, centro comunitário, creche, pátio escolar, boate, via de transporte, restaurante ao ar livre, shopping center, parquinho infantil, teatro aberto, espaço de música, refugio natural e um lugar de pertencimento, de 'sentir-se em casa'".

Espaços públicos socialmente justos são cruciais para sociedades prósperas - Image 1 of 4Espaços públicos socialmente justos são cruciais para sociedades prósperas - Image 2 of 4Espaços públicos socialmente justos são cruciais para sociedades prósperas - Image 3 of 4Espaços públicos socialmente justos são cruciais para sociedades prósperas - Image 4 of 4Espaços públicos socialmente justos são cruciais para sociedades prósperas - Mais Imagens

Cidades em destaque: lições de 2023 sobre resiliência ambiental

No cenário em constante evolução do século XXI, as cidades despontam como modelos de inovação em relação aos objetivos de desenvolvimento sustentável. Criativamente, enfrentam desafios urbanos urgentes, como densidade populacional, transporte, habitação e resiliência. Possuem o potencial de liderar uma agenda climática abrangente, atuando como laboratórios para iniciativas sustentáveis, inovações inter-setoriais e estratégias orientadas para a comunidade. As cidades agem como catalisadoras de revoluções, implementando soluções impactantes que podem ser aplicadas globalmente.

Cidades em destaque: lições de 2023 sobre resiliência ambiental - Image 1 of 4Cidades em destaque: lições de 2023 sobre resiliência ambiental - Image 2 of 4Cidades em destaque: lições de 2023 sobre resiliência ambiental - Image 3 of 4Cidades em destaque: lições de 2023 sobre resiliência ambiental - Image 4 of 4Cidades em destaque: lições de 2023 sobre resiliência ambiental - Mais Imagens+ 5

Planejamento participativo: moldando cidades por meio do envolvimento comunitário

Afastando-se de abordagens hierárquicas, as práticas contemporâneas adotam modelos mais inclusivos e participativos nos processos de projeto. O planejamento participativo, uma noção que prioriza envolver toda a comunidade na tomada de decisão, tem recebido reconhecimento e popularidade em todo o mundo. Cidades ao redor do planeta interpretaram o planejamento participativo de acordo com suas necessidades únicas, utilizando tecnologia e recursos governamentais para acelerar e aprimorar o processo.

Planejamento participativo: moldando cidades por meio do envolvimento comunitário - Image 1 of 4Planejamento participativo: moldando cidades por meio do envolvimento comunitário - Image 2 of 4Planejamento participativo: moldando cidades por meio do envolvimento comunitário - Image 3 of 4Planejamento participativo: moldando cidades por meio do envolvimento comunitário - Image 4 of 4Planejamento participativo: moldando cidades por meio do envolvimento comunitário - Mais Imagens+ 3