Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Movimento Moderno

Movimento Moderno: O mais recente de arquitetura e notícia

Guia de viagens: a arquitetura moderna da costa leste dos EUA

O seguinte trecho do Guia Arquitetônico de Viagem: Mid-Century Modern Architecture Travel Guide: East Coast USA — e as excelentes fotos de Darren Bradley diga-se de passagem - fornecem uma introdução à charmosa e inspiradora arquitetura moderna Mid-Century da Costa Leste dos Estados Unidos. O livro inclui mais de 250 projetos e pode ser considerado um novo catálogo de um dos mais importantes movimentos arquitetônicos dos EUA.

Poucas experiências encontram-se tão enraizadas no senso comum do ser humano ocidental quanto a ideia de atravessar os Estados Unidos por suas rotas mais famosas - um rito de passagem descrito e transformando em literatura por uma série de autores tais como Alexis de Tocqueville e Jack Kerouac. E a rota da arquitetura moderna? Ela não parece ser assim tão conhecida. Mas, podemos considerar que essa é uma das muitas razões pelas quais, a rota da arquitetura mid-century pode ser tão fantástica e surpreendente. Na atual era digital, novas descobertas tornaram-se momentos cada vez mais raros em nossas vidas. A redescoberta da costa leste dos Estados Unidos - principalmente no contexto de uma das mais inspiradoras obras de arquitetura do mundo - pode ser um verdadeiro deleite.

Uma utopia de Le Corbusier chamada Bogotá

Originalmente publicado como "Una utopia llamada Bogotá", este artigo abre uma nova colaboração do ArchDaily em Espanhol. Se trata da Bogotá Visível, um projeto de identidade digital e divulgação da Faculdade de Arquitetura e Design da Universidade dos Andes.

Tudo é descoberto pelo avião. As cidades, acima de tudo, são melhor vistas de cima, pois só então podem ser compreendidas em seu nascimento, seu desenvolvimento, felicidade e tristeza, sua economia, seus limites e potencial geográfico. "Do avião, você pode descobrir seu futuro de maneira melhor", disse Le Corbusier, polêmico criador do século XX, quando pensou nas cidades modernas. "E agora, no último sábado eu estava à noite em Nova Iorque e na manhã de segunda-feira, cheguei aqui. É um passeio fantástico".

A primeira visita de Le Corbusier à Colômbia foi em junho de 1947. Chegou por convite de Eduardo Zuleta Ángel, delegado do país na ONU, depois de outro dos muitos fracassos arquitetônicos que teve que enfrentar em sua carreira: havia participado na proposta para a construção da sede das Nações Unidas em Nova Iorque, mas rejeitaram seu projeto. Abatido pelo não do júri, Zuleta convida-o a ministrar duas conferências para que o público de Bogotá pudesse conhecer suas ideias.

Le Corbusier, Manera de pensar el urbanismo, 1946, p. 74: «ruta de vehículos – ruta de peatones». Image © Le Corbusier en Bogotá y Fundación Le Corbusier (FLC) Le Corbusier, Plan Director Bogotá (1950): plano BOG 4210 – Metropolitano. Image © FLC + F. Pizano Le Corbusier, Plan Director para Bogotá. Image © FLC + F. Pizano Le Corbusier, Plano Diretor para Bogotá (1950): plano urbano. Montagem digital com a proposta, incluindo três funções: habitação, trabalho e recriar o corpo e o espírito, correspondendo a uma das versões que aparecem nos slides Pizano, ao lado da colagem de propostas habitacionais. Image © Grupo PAC, Uniandes, 2010 + 12

Jan Gehl: "Do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda"

Destacando a transformação urbana de Copenhague, analisando os equívocos do movimento moderno e abordando os desafios das cidades do século XXI, o arquiteto e urbanista dinamarquês, Jan Gehl, apresentou, no dia 29 de junho, a conferência Pensar en urbano: ciudades para la gente, organizada pela ONU-Hábitat no Colegio Oficial de Arquitectos de Madrid (COAM).

Em sua conferência, Gehl exemplificou o paradigma urbano de sua época de estudante, o qual denomina Síndrome de Brasília

Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki

Poucos edifícios na história podem reivindicar um legado tão infame como o Projeto Habitacional Pruitt-Igoe em St. Louis, Missouri. Construído durante o auge do modernismo, esta coleção nominalmente inovadora de torres residenciais foi concebido para se erguer como um triunfo dos projetos arquitetônicos racionais sobre os males da pobreza e a deterioração urbana; Em vez disso, duas décadas de turbulência precederam a destruição final, brusca, de todo o complexo em 1973. A queda de Pruitt-Igoe acabou por significar não apenas o fracasso de um projeto de habitação pública, mas sem dúvida a morte de toda uma era de projetos modernistas.

Após duas décadas de crimes e problemas de manutenção, Pruitt-Igoe foi demolido entre 1972 e 1977. ImageVia pruitt-igoe.com As torres reluzentes de Pruitt-Igoe deveriam ter sido um\ "Manhattan no Mississippi.". ImageCourtesy de Wikimedia usuário Cadastral (Public Domain) Cortesia de "The Pruitt Igoe Myth" Grande parte do paisagismo e instalações comunitárias que Minoru Yamasaki originalmente propôs nunca foram construídas, contribuindo para a espiral descendente de Pruitt-Igoe. ImageVia pruitt-igoe.com + 8

Por que o Airbnb deveria ajudar a salvar esta joia da arquitetura high-tech dos EUA?

Este artigo foi originalmente publicado pelo The Architect's Newspaper como "Why Airbnb should help save an architectural icon".

Se eu tivesse que adivinhar, diria que já faz quarenta anos que Columbus, Indiana, foi o tema quente das conversas de coquetéis em encontros de arquitetura em Nova Iorque. Naqueles dias, era o patrocínio superalimentado do industrial J. Irwin Miller e sua relação com arquitetos como Eero Saarinen e Alexander Girard que estimularam uma onda de arquitetura inovadora e provocante na pequena cidade do meio-oeste dos EUA. Colombo, com uma população de 45.000 habitantes, tem um posto de bombeiros Robert Venturi, uma escola John Johansen, um parque de Michael Van Valkenburgh e vários edifícios de Eliel e Eero Saarinen, incluindo a icônica Casa Miller, de Eliel.

Kenneth Frampton: "O arranha-céu só representa o mercado"

Em uma entrevista concedida há algumas semanas ao jornal El País Semana, o arquiteto, crítico e historiador Kenneth Frampton conversou com Anatxu Zabalbeascoa após ser nomeado doutor honoris causa pela Universidade Politécnica de Madri. A conversa girou em torno das múltiplas edições de sua obra prima "História crítica da arquitetura moderna", que foi se adaptando a um mundo mais complexo e composto por múltiplas narrativas.

"Não quero apresentar um mundo eurocêntrico", reconhece Frampton antes de criticar o boom de arranha-céus em todo o mundo. "Em Nova Iorque se constrói um arranha-céu atrás do outro. E são construções medíocres. Só representam o mercado", adverte. 

Em foco: Richard Neutra

Embora o modernismo seja bastante criticado por impor definições universais a diferentes pessoas e lugares, foi o implacável foco nessa linguagem que tornou Richard Neutra (8 de abril de 1892 - 16 de abril de 1970) famoso. Sua visão flexível e personalizada em relação ao modernismo levou à criação de uma série de residências particulares que eram - e ainda são - muito procuradas, fazendo dele um dos modernistas mais influentes de meados do século nos EUA. Sua arquitetura de geometria simples, estrutura racional e muitos planos transparentes se tornou objeto de algumas icônicas fotografias de Julius Schulman, representando toda uma era do design dos Estados Unidos.

Por dentro da subestimada casa de vidro de Philip Johnson em Manhattan

O legado arquitetônico da família Rockefeller em Manhattan é bem conhecido, evidenciado pelas torres art déco do Rockefeller Center e pelo campus do MoMA. Mas em uma cidade que está cheia de marcos e edifícios históricos, não é incomum que alguns projetos notáveis passem despercebidos. A Rockefeller Guest House de Philip Johnson em Manhattan foi concluída em 1950, apenas um ano após a construção de sua casa de vidro mais conhecido em New Canaan. A Casa de Vidro é uma influência óbvia para a casa de hóspedes posterior: ambas apresentam uma estrutura de aço e vidro e um amplo espaço interno que evidencia a solução arquitetônica adotada.

Clássicos da Arquitetura: Bairro Gallaratese / Aldo Rossi e Carlo Aymonino

À medida que a poeira abaixava após a Segunda Guerra Mundial, grande parte da Europa permaneceu com uma escassez habitacional. Em Milão, uma série de planos foram elaborados em resposta à crise, estabelecendo comunidades satélites para a cidade do norte da Itália, onde cada uma seria habitada por entre 50.000 e 130.000 pessoas. A construção da primeira dessas comunidades começou em 1946, um ano após o fim do conflito. Dez anos mais tarde, em 1956, a adoção do Il Piano Regolatore Generale -um novo plano diretor- preparou o cenário para o desenvolvimento da segunda, conhecida como "Gallaratese". O terreno da nova comunidade foi dividido em partes 1 e 2, sendo esta última propriedade do Monte Amiata Società Mineraria per Azioni. Quando o plano permitiu o desenvolvimento privado de Gallaratese 2 no final de 1967, a comissão para o projeto foi dada ao Studio Ayde e, em particular, seu sócio Carlo Aymonino. Dois meses depois, Aymonino convidaria Aldo Rossi para projetar um edifício para o complexo e os dois italianos começaram a realizar suas respectivas visões para a comunidade microcósmica ideal. [1]

© Gili Merin © Gili Merin © Gili Merin © Gili Merin + 17

Primeira casa projetada por Gaudí será inaugurada como museu este ano

Foi confirmada para o segundo semestres deste ano a data de abertura da Casa Vicens como museu em Barcelona. Originalmente marcada para o segundo semestres de 2016, a reabertura da primeira casa de Gaudí não seguiu o cronograma devido a dificuldades na obra de reforma.

A Casa Vicens, localizada na Calle Carolines 24, é a primeira residência projetada por Antoni Gaudí. Manel Vicens, cliente do projeto, contratou o arquiteto para construir aquela que seria sua residência de verão em 1883, época em que Gràcia (hoje um bairro movimentado de Barcelona) era uma vila separada da cidade.

Detalhe da Casa Vicens. Imagem © Ian Gampon [Flickr]. Licença CC BY-ND 2.0 Detalhe da Casa Vicens. Imagem © Ian Gampon [Flickr]. Licença CC BY-ND 2.0 Detalhe da Casa Vicens. Imagem © Ian Gampon [Flickr]. Licença CC BY-ND 2.0 Detalhe da Casa Vicens. Imagem © Ian Gampon [Flickr]. Licença CC BY-ND 2.0 + 5

A torre de Mies van der Rohe em Londres que nunca foi construída

Na década de 1960, James Stirling perguntou a Ludwig Mies van der Rohe por que não ele ainda não havia concebido visões utópicas para novas sociedades, como a Broadacre City de Frank Lloyd Wright ou Cité Radieuse de Le Corbusier. Mies respondeu que não estava interessado em fantasias, mas apenas em "tornar bela a cidade existente". Quando Stirling contou esta conversa, várias décadas depois, foi na ocasião de um inquérito público convocado em Londres - ele estava tentando desesperadamente salvar o único projeto de Mies van der Rohe no Reino Unido -- que estava prestes a ser negado pelos órgãos municipais de planejamento.

Sem sucesso: a proposta não foi construída; os desenhos foram enterrados em um arquivo privado. Agora, pela primeira vez em mais de trinta anos, a Mansion House Square de Mies será apresentada ao público em uma exposição no Royal Institute of British Architects (RIBA) - intitulada Mies van der Rohe e James Stirling: Circling the Square - e, se conseguir financiamento, em um livro, cuja proposta está atualmente no Kickstarter,

Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat + 5

Clássicos da Arquitetura: Terminal da TWA / Eero Saarinen

Construído nos primórdios da aviação comercial, o Terminal TWA é um símbolo concreto das rápidas transformações tecnológicas que foram impulsionadas pelo início da Segunda Guerra Mundial. Eero Saarinen procurou capturar a sensação de voo em todos os aspectos do edifício, de um interior fluido e aberto, à casca de concreto da cobertura semelhante a uma asa. A pedido da TWA, Saarinen projetou mais do que um terminal funcional; ele projetou um monumento para a companhia aérea e para a própria aviação.

Este Clássico apresenta uma série de imagens exclusivas de Cameron Blaylock, fotografadas em maio de 2016. Blaylock usou uma câmera Contax e lentes Zeiss com filme preto e branco Rollei para refletir a tecnologia de câmeras dos anos 1960.

© Cameron Blaylock © Cameron Blaylock © Cameron Blaylock © Cameron Blaylock + 26

Blue Crow Media cria mapa da arquitetura modernista de Berlim

A Blue Crow Media, em colaboração com Matthew Tempest, produziu mais belíssimo trabalho de mapeamento -- desta vez da arquitetura moderna em Berlim. Repleto de edifícios do século XX, o Modern Berlin Map destaca os detalhes de cinquenta importantes edifícios da cidade.

Cortesia de Blue Crowe Media Cortesia de Blue Crowe Media Cortesia de Blue Crowe Media Cortesia de Blue Crowe Media + 11

Moderno e tropical: reinterpretando os princípios corbusianos nas primeiras obras de Niemeyer

O presente texto analisa alguns aspectos das primeiras obras de Oscar Niemeyer e os compara com projetos de Le Corbusier, salientando como o aprendizado do mestre suíço foi essencial para o desenvolvimento da metodologia de projeto e poética do jovem brasileiro. Ressalta-se a assimilação, por parte de Niemeyer, das ideias e princípios de Le Corbusier, e a adaptação de tais princípios ao clima, cultura e geografia do Brasil.

O texto — que deriva da pesquisa Poesía y técnica, la herencia arquitectónica de Oscar Niemeyer, no curso de desenvolvimento no âmbito das pesquisas em história, crítica e projeto da Universidad Nacional de Colombia, em Medellín — analisa alguns aspectos das primeiras obras de Oscar Niemeyer e compara-os aos temas arquitetônicos de Le Corbusier.

Clássicos da Arquitetura: Proposta para um Hospital em Veneza / Le Corbusier

Le Corbusier deixou uma marca indelével na arquitetura modernista quando declarou que "une maison est une máquina-à-habiter" ("a casa é uma máquina para viver"). Sua crença de que a arquitetura deveria ser tão eficiente quanto uma máquina resultou em propostas como o Plano Voisin, que transformava os boulevares de Paris em uma série de arranha-céus cruciformes saindo de uma grade de rodovias e parques abertos. [1] Nem todos os conceitos de Le Corbusier, no entanto, foram voltados para transformações urbanas tão radicais. Sua proposta de 1965 para um hospital em Veneza, Itália, foi notável em sua tentativa de buscar harmonia estética com o seu entorno único: uma tentativa de não erradicar a história, mas traduzi-la.

Model. Image © Fondation Le Corbusier (FLC/ADAGP) Plan Plan Situation Plan + 7

O que Germán Samper vê quando desenha?

Esquivando-se da suave chuva de Bogotá, um gato de olhos turquesa, banhado em branco em preto, se esconde embaixo da marquise de um escritório em meio a uma frondosa vegetação. Uma generosa abertura de madeira filtra a luz e ilumina um espaço, centenas de livros, pastas amarelas e quadros pendurados. Dentro, cômodo em sua cadeira, Germán Samper pega um lápis, o apoia sobre a superfície do papel e começa a explicar tudo o que diz da maneira mais simples e clara possível.

Seja dando instruções para pegar um táxi em Bogotá ou explicando as recentes modificações na histórica cidadela Colsubsidio, Samper - mestre da arquitetura colombiana - pode expressar suas ideias sobre o papel com uma facilidade que nos faz acreditar que desenhar pode ser muito simples, mas este é o truque. É apenas questão de registro e Samper sabe por experiência própria.

"Não entendo como os arquitetos não desenham mais se é um verdadeiro prazer", se questiona. 

A seguir, uma conversa com Germán Samper e uma série de desenhos inéditos do arquiteto colombiano.

AD Brasil Entrevista: Carlos Eduardo Comas / Latin America in Construction

Neste domingo, 29 de março, será a abertura da exposição Latin America in Construction: Architecture 1955-1980, no MoMA em Nova York, que reunirá uma vasta quantidade de documentos originais relativos às obras latino-americanas do período, entre croquis dos arquitetos, lâminas de projeto, fotografias de época e maquetes físicas de época e recentes, elaboradas pela equipe chilena Constructo_PUC.

Carlos Eduardo Comas, arquiteto e professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, é um dos curadores convidados para a exposição, integrando uma equipe formada por Barry Bergdoll, curador, Patricio Del Real, assistente de curadoria, e Francisco Liernur, co-curador.

Nesta entrevista, que realizamos em sua casa-estúdio, conversamos com o arquiteto brasileiro sobre os detalhes da exposição, sua concepção e desenvolvimento, o trabalho em equipe para a seleção das obras e documentos históricos, e o que os visitantes podem esperar dela.

Casa Curutchet próxima de voltar a seu estado original

Após a mal sucedida tentativa de construir a Casa Errázuriz no balneário de Zapallar, Chile, esta é a única casa construída por Le Corbusier na América Latina. Estamos falando da Casa Curutchet, encomendada ao arquiteto franco-suíço pelo médico Pedro Domingo Curutchet e construida em La Plata, Buenos Aires, em 1955.

Coordenada da Argentina por Amancio Williams, Simón Ungar e Alberto Valdés, a casa Curutchet passou de residência e consultório médico à sede do Colegio de Arquitectos de la Provincia de Buenos Aires (CAPBA) a partir de 1992, cinco anos após ser declarada patrimônio nacional da Argentina. Passados 60 anos de sua construção, um intenso processo de restauro pretende valorizar essa histórica edificação.

Mais detalhes a seguir.

Casa Curutchet. Imagem © Andres Briones [Flickr CC] Detalhe da casa Curutchet. Imagem © Andres Briones [Flickr CC] Detalhe da casa Curutchet. Imagem © Andres Briones [Flickr CC] Detalhe da casa Curutchet. Imagem © Ana María León [Flickr CC] + 6