1. ArchDaily
  2. The Architect's Newspaper

The Architect's Newspaper: O mais recente de arquitetura e notícia

Miami apresenta plano para combater o aumento do nível do mar

No início deste mês, a cidade de Miami divulgou uma versão preliminar de seu plano abrangente de combate aos efeitos das mudanças climáticas. O chamado Stormwater Master Plan (SWMP) será implementado para diminuir a ameaça de inundações em toda a cidade, melhorar a qualidade da água na Baía de Biscayne e fortalecer seu litoral contra tempestades mais fortes e frequentes nos próximos 40 anos, em uma estimativa de custo geral de US $ 3,8 bilhões.

OMA projeta primeiro Centro Pompidou nas Américas

Há três anos, a Jersey City Redevelopment Agency (JCRA) selecionou o escritório holândes OMA, para projetar um novo museu na Journal Square, no centro da cidade. Recentemente, foi revelado que o prédio será o lar de nada menos que o primeiro Centro Pompidou norte-americano: o Centro Pompidou × Jersey City.

Cortesia de OMACortesia de OMACortesia de OMACortesia de OMA+ 8

Qual o papel dos museus de arte nos dias de hoje?

O que define um museu nos dias de hoje: seu conteúdo ou sua arquitetura? Lauren McQuistion, arquiteta e doutoranda da Universidade da Virginia, explora os possíveis novos significados das instituições de arte na contemporaneidade em seu artigo recentemente publicado pelo Architect's Newspaper.

Tecnologia, luta de classe e o mercado imobiliário em tempos de pandemia

Já faz mais de um ano que fomos todos pegos de surpresa com o então surto de coronavírus que, posteriormente, se transformaria em pandemia e nos mantém ainda hoje em completo estado de suspense. Entretanto, não demorou muito para toda esta situação passasse a ser encarada como um desafio a ser superado, inspirando arquitetos e arquitetas ao redor do mundo a desenvolver soluções e estratégias projetuais para combater a maior e mais longa crise sanitária da modernidade. Neste contexto, é importante mencionar o fato de que a grande maioria destas inovações foram comissionadas ou comercializadas pelo setor imobiliário e portanto, representam um benefício a apenas uma pequena parcela da população. Entretanto, à medida que estas empresas se esforçam para oferecer melhores alternativas aos clientes com melhores condições financeiras, a pandemia faz muito mais vítimas junto à classe trabalhadora, principalmente no que se refere às restrições que lhes são impostas e os poucos benefícios que lhes são oferecidos. Somado a isso, quando observamos as condições de moradia das classes mais baixas, especialmente em países mais pobres ou aqueles de economia emergente, a precarização dos espaços habitáveis é um agravante o qual, resulta diretamente da total liberdade e da falta de fiscalização que gozam os empreendedores do mercado imobiliário nestes países.

A precariedade na profissão da arquitetura no século XXI

Dizem que arquitetos e arquitetas costumam “matar um leão por dia”, dedicando a maior parte do seu tempo à labuta, ou aquilo que costumamos chamar em um escritório de arquitetura de “trabalho braçal”. Dentro da academia, por outro lado, arquitetos em formação passam seus dias aprendendo a serem mais sensíveis para com a paisagem e o espaço construído, a desenvolver a sua criatividade e com isso, propor soluções criativas que procuram respostas para as principais “questões” de nosso tempo. Considerando isso, é evidente que existe um enorme distanciamento entre o ensino da prática da arquitetura e a prática da arquitetura propriamente dita. Enquanto, dentro da academia, nossos futuros profissionais passam a maior parte de sua formação exercitando sua criatividade e desenvolvendo projetos ideais em contextos igualmente idealizados, a vida lá fora é muito diferente disso.

Leilão com trabalhos de David Adjaye e Daniel Libeskind levanta fundos para combater racismo na profissão

Recém lançada, a Architecture for Change (ARCH ) é uma iniciativa sem fins lucrativos dedicada a combater o racismo sistêmico na indústria da arquitetura e construção civil. Como parte de sua primeira série de ações, a ARCH realizou um leilão online com obras — esboços, maquetes, plantas, fotografias etc. — doadas por alguns dos mais importantes nomes da arquitetura contemporânea, incluindo Sir David Adjaye, Daniel Libeskind, Michel Rojkind, David Rockwell, Jennifer Bonner, Trey Trahan entre outros.

Harvard removerá nome de Philip Johnson do edifício que projetou enquanto estudante

A Harvard Graduate School of Design (Harvard GSD) não se referirá mais a uma residência particular na 9 Ash Street em Cambridge como a “Philip Johnson Thesis House”. A partir de agora, esta casa, projetada e habitada por Johnson quando estava matriculado na Harvard GSD na década de 1940, será conhecida apenas por seu endereço físico.

A crise climática está devastando os EUA: por que continuamos construindo com combustíveis fósseis?

Em agosto deste ano, enquanto centenas de incêndios florestais escureciam o céu acima de minha casa em Corte Madera, Califórnia, a milhares de quilômetros de distância, na Flórida, minha família se preparou para o vento e as inundações quando dois furacões atingiram o Golfo do México. Todos nós esperávamos, ansiosos, enquanto os desastres causados pela mudança climática causavam estragos. Durante semanas, a qualidade do ar na Califórnia era muito perigosa para abrirmos nossas janelas ou sairmos. Em Pensacola, a tempestade do Golfo atingiu vários metros de profundidade ao redor da casa da minha família e os fortes ventos derrubaram carvalhos maduros do quintal.

Redefinir o significado de "verde" pode enfraquecer os esforços para mitigar a crise climática

Não há nada sustentável no seu gerador de emergência. A fabricação deste equipamento liberou toneladas de CO2 na atmosfera; assim como seu envio da fábrica para a concessionária e posteriormente para o seu quintal. Lá ele ficará parado, ocioso, esperando para ser utilizado quando a infraestrutura pública, muito mais limpa - mas com recursos insuficientes, falhar. A partir deste momento, ele vai liberar no ar poluentes adicionais. Diversas razões coerentes podem levar a uma pessoa a comprar um gerador de emergência, mas ser ecológico - isto é, proteger o meio ambiente - não é uma delas.

Casa projetada por David Adjaye para fundação de Brad Pitt será demolida por falhas na execução

Projetada por David Adjaye para a Make It Right, uma fundação sem fins lucrativos fundada por Brad Pitt em 2007, a pequena residência da rua Reynes, em Nova Orleans, foi condenada pela defesa civil e deverá ser demolida em breve.

De acordo com notícia divulgada pela NOLA.com, a defesa civil da cidade de Nova Orleans interditou o edifício e colou um “aviso de demolição” na placa da obra da rua Reynes, número 1826, logo após a publicação de uma nota oficial dizendo que o edifício “está em iminente perigo de colapso”.

De onde virá a inovação na arquitetura?

Agora, mais do que nunca, a arquitetura precisa de inovação. A pandemia nos fez repensar fundamentalmente o funcionamento de nossas cidades, espaços públicos, prédios e casas. Enquanto isso, os recentes protestos do Black Lives Matter e a justiça racial nos questionam sobre cumplicidade da arquitetura em questões socioeconômicas mais amplas. Esses desafios são prementes, e não podemos mais adiar as mudanças na arquitetura.

Ai Weiwei leva mais de 300 instalações a Nova Iorque para discutir questões de fronteiras e imigração

“Arch,” Washington Square Arch, Washington Square Park, Manhattan. Imagem © Jason Wyche
“Arch,” Washington Square Arch, Washington Square Park, Manhattan. Imagem © Jason Wyche

Este artigo foi originalmente publicado por The Architect's Newspaper como "Ai Weiwei’s fences take on borders and belonging in NYC exhibit."

Em Good Fences Make Good Neighbours, a nova exposição de Ai Weiwei apresentada pelo Public Art Fund, o artista e ativista assume a cerca de segurança como meio de intervenção urbana, com a cidade de Nova York como pano de fundo. Algumas das obras são mais difíceis de serem percebidas, como as cercas de ligação, em cadeias suspensas, sobre um espaço entre dois edifícios na East 7th Street, a poucos passos do antigo porão de Ai. Mas outras, como a monumental Gilded Cage na Doris Freedman Plaza, no Central Park, ou Arch, aninhadas no arco da Washington Square, são inconfundíveis e grandiosas.

"Gilded Cage," por Ai Weiwei, at Doris C. Freedman Plaza, Central Park. Imagem © Jason Wyche"Circle Fence," Unisphere. Imagem © Timothy Schenck"Circle Fence" por Ai Weiwei, at Unisphere, Flushing Meadows Corona Park, Queens. Imagem © Timothy Schenck"Harlem Shelter" séries. Imagem © Jason Wyche+ 10

Por que as esculturas de Alexander Calder são tão utilizadas nos renders de arquitetura?

OMA, Park Grove Condos, Miami, com o Flamingo de Calder, 1973. O trabalho está instalado na Federal Plaza, em Chicago. Imagem Cortesia de OMA
OMA, Park Grove Condos, Miami, com o Flamingo de Calder, 1973. O trabalho está instalado na Federal Plaza, em Chicago. Imagem Cortesia de OMA

Este artigo foi publicado originalmente em The Architect's Newspaper como "Rendering LOL: How architects are absurdly using Calder sculptures."

Por que tantos arquitetos utilizam as esculturas de Alexander Calder em seus renders, inclusive quando as obras não têm nenhuma relação com a instituição ou o projeto mostrado? A Fundação Calder investigou esse fenômeno e os resultados são mostrados nas imagens deste artigo.

Uma nova exposição no Whitney Museum em Nova York explora os móbiles - esculturas cinéticas com componentes cuidadosamente balanceados que revelam seus próprios sistemas únicos de movimento - criadas pelo escultor americano Alexander Calder desde 1930 até 1968, oito anos antes da sua morte.

Ateliers Jean Nouvel, 53 W. 53rd Street, New York, com o Sumac, 1961, de Calder.Faz parte de uma coleção privada. Imagem Cortesia de Ateliers Jean NouvelBjarke Ingels Group (BIG), Sede Middle East Media, com La Grande vitesse, 1969, de Calder. TA escultura monumental em que este modelo se baseia está instalada na Calder Plaza em Grand Rapids, Michigan. Imagem Cortesia de BIGSkidmore, Owings & Merrill LLP (SOM), Godrej BKC, Mumbai, com La Grande vitesse, 1969, Calder. (A escultura monumental em que este modelo se baseia está realmente instalada em Calder Plaza em Grand Rapids, Michigan). Imagem Cortesia de SOMFlamingo, 1973, instalado na Federal Center Plaza, Chicago. Imagem © Samuel Ludwig+ 15

Por que o Airbnb deveria ajudar a salvar esta joia da arquitetura high-tech dos EUA?

Este artigo foi originalmente publicado pelo The Architect's Newspaper como "Why Airbnb should help save an architectural icon".

Se eu tivesse que adivinhar, diria que já faz quarenta anos que Columbus, Indiana, foi o tema quente das conversas de coquetéis em encontros de arquitetura em Nova Iorque. Naqueles dias, era o patrocínio superalimentado do industrial J. Irwin Miller e sua relação com arquitetos como Eero Saarinen e Alexander Girard que estimularam uma onda de arquitetura inovadora e provocante na pequena cidade do meio-oeste dos EUA. Colombo, com uma população de 45.000 habitantes, tem um posto de bombeiros Robert Venturi, uma escola John Johansen, um parque de Michael Van Valkenburgh e vários edifícios de Eliel e Eero Saarinen, incluindo a icônica Casa Miller, de Eliel.

Por que os subúrbios serão o próximo campo de testes da arquitetura norte-americana

Este artigo foi originalmente publicado por The Architect's Newspaper como "The American suburbs are the next fertile ground for architectural and urban experimentation."

Os últimos vinte e tantos anos podem ter presenciado um notável retorno das cidades, mas os próximos vinte podem mostrar uma retomada dos subúrbios, uma vez que muitas cidades tornaram-se vítimas de seu próprio sucesso. A crise na habitação — produto de uma complexa gama de fatores, desde a sub-construção até mudanças de zoneamento — fizeram de algumas cidades estadunidenses, como Nova Iorque e Los Angeles, um parque de diversões para os super-ricos, afastando os antigos residentes e tornando a cidade inacessível para artistas, mentes criativas e pequenos comércios que fazem os lugares vibrarem. 

Por que a batalha entre o lado artístico e empresarial na arquitetura não faz sentido

Este artigo foi originalmente publicado na The Architect's Newspaper como "Phil Bernstein pens inaugural column on technology, value, and architects’ evolving role."

Esta é coluna inaugural "Valores Práticos", uma nova série bimensal pelo arquiteto e tecnólogo Phill Bernstein. A coluna irá focar no papel evolutivo do arquiteto na intersecção do projeto e construção, incluindo temáticas como sistemas de entrega alterativos e geração de valores. Bernsstein já foi vice presidente da Autodesk e agora leciona na Escola de Arquitetura de Yale.

Este semestre estou dando uma aula chamada “Explorando Novas Proposições de Valores para a Prática que é baseada na premissa que o papel dos arquitetos na indústria da construção requer que pensemos criticamente sobre nosso valor como projetistas neste sistema. Depois de estudar a estrutura e dinâmica de modelos de negócio práticos, a cadeia de fornecimento e outros exemplos de empresas de design inovadoras, os alunos terão que criar um plano de negócios para um escritório de arquitetura da "próxima geração". Sou agnóstico quanto ao que essa prática faz per se, desde que funcione em algum lugar na constelação de coisas que os arquitetos podem fazer, mas há uma restrição - a empresa proposta não pode receber em pagamentos fixos ou taxas cobradas por hora. Têm de criar valor (e lucro) através de alguma outra estratégia.