A crise climática está devastando os EUA: por que continuamos construindo com combustíveis fósseis?

A crise climática está devastando os EUA: por que continuamos construindo com combustíveis fósseis?

Em agosto deste ano, enquanto centenas de incêndios florestais escureciam o céu acima de minha casa em Corte Madera, Califórnia, a milhares de quilômetros de distância, na Flórida, minha família se preparou para o vento e as inundações quando dois furacões atingiram o Golfo do México. Todos nós esperávamos, ansiosos, enquanto os desastres causados pela mudança climática causavam estragos. Durante semanas, a qualidade do ar na Califórnia era muito perigosa para abrirmos nossas janelas ou sairmos. Em Pensacola, a tempestade do Golfo atingiu vários metros de profundidade ao redor da casa da minha família e os fortes ventos derrubaram carvalhos maduros do quintal.

Como arquitetos, projetamos edifícios destinados a resistir às forças da natureza, que manterão as pessoas seguras e protegidas durante desastres naturais. Também projetamos edifícios que irão conectar as pessoas com a natureza e a beleza, cheios de luz e que circulem ar puro.

A confluência de condições climáticas extremas este ano deixou claro que nosso trabalho está ficando mais difícil em um clima já alterado pela poluição de carbono. Também está claro que os edifícios, apesar dos esforços consideráveis dos projetistas para melhorar a eficiência, ainda são uma grande parte do problema, e que temos que fazer muito mais para livrar nosso ambiente construído dos combustíveis fósseis.

Isso significa eliminar o uso de gás em edifícios o mais rápido possível.

A comunidade arquitetônica há muito reconheceu que estamos na linha de frente da batalha contra as mudanças climáticas. Durante anos, entendemos que qualquer solução viável para esta crise deve abordar adequadamente a poluição climática de edifícios - que são responsáveis por cerca de 40% das emissões totais de gases de efeito estufa dos Estados Unidos. E durante anos, nossos esforços se concentraram principalmente na eficiência energética - projetando edifícios que consomem menos energia e, portanto, geram menos poluição.

Mas os incêndios florestais, ondas de calor e furacões sem precedentes deste ano deixaram extremamente claro que a eficiência energética combinada com os combustíveis fósseis não é mais suficiente. Se quisermos que os edifícios ajudem em nossos esforços para combater a crise climática, é hora de parar de projetar edifícios com gás - que agora é a fonte número um de poluição climática nos Estados Unidos.

Numerosos estudos mostraram que a transição para casas e edifícios totalmente elétricos, que podem funcionar com energia 100% renovável, é o caminho de menor custo e risco para a "descarbonização" de edifícios.

Cada vez que projetamos um novo prédio com uma conexão de gás, estamos optando por aumentar a poluição climática e expandir nossa infraestrutura de combustível fóssil, nos prendendo a décadas de emissões de carbono evitáveis que causam o aquecimento global.

Uma onda de decisões políticas em todo o estado nos últimos dois anos sinalizou que os legisladores estão acordando para os perigos associados à construção com gás - e o futuro dos aparelhos a gás em casas e prédios provavelmente é limitado. Quatro estados - Colorado, Massachusetts, Nova York e Califórnia - abriram investigações sobre a eliminação gradual de seus sistemas de distribuição de gás, e quase 40 cidades na Califórnia aprovaram políticas para eliminar o gás em novas construções. Um código de construção com sistema totalmente elétrico no estado na Califórnia também pode ser iminente.

Ao continuar a construir com gás, apesar das indicações claras de que os legisladores estão se movendo para eliminar os combustíveis fósseis nas residências, estamos preparando nossos clientes para reformas caras nas futuras remoções desses aparelhos a gás antes do fim de sua vida útil. Embora reformar casas para remover eletrodomésticos de combustível fóssil seja caro, construir casas totalmente elétricas desde o início é, na verdade, menos caro e pode até mesmo reduzir as contas de serviços públicos domésticos.

Compreendendo os benefícios da construção totalmente elétrica, é imperativo que, como arquitetos, lideremos o caminho para um futuro mais saudável e sustentável, educando nossos clientes sobre os perigos climáticos associados ao gás.

Nossos clientes devem saber que, além de aumentar a poluição de carbono, os aparelhos a gás - especialmente os fogões - também geram uma qualidade tóxica do ar interno dentro das casas, liberando níveis perigosos de poluição de dióxido de nitrogênio. Crianças que vivem em casas com fogões a gás têm 42% mais chances de desenvolver asma. Uma revisão da literatura conduzida pelo Rocky Mountain Institute descobriu que as casas com fogões a gás têm níveis de poluição de NOx que são 50% a 400% maiores do que as casas com fogões elétricos.

Durante anos, a indústria de combustíveis fósseis conseguiu enganar o público, fazendo-o pensar que os aparelhos a gás geralmente são limpos e seguros. Na verdade, eles estão enchendo as casas com muitos dos mesmos poluentes dos escapamentos dos automóveis e, enquanto isso, pioram a crise climática. Nossos clientes devem estar cientes dos perigos.

Nós sabemos sobre a mudança climática há décadas e agora, as aterrorizantes previsões dos cientistas estão começando a aparecer. Os dados são claros: construir com gás é incompatível com a obtenção de profundas reduções de poluição necessárias para evitar as piores consequências da crise das mudanças climáticas.

Precisamos começar a ouvir os cientistas e parar de instalar novas infraestruturas de combustível fóssil em edifícios. Aqui na Califórnia, temos um longo caminho a percorrer. Lideramos a nação na construção de novos edifícios de combustíveis fósseis enquanto muitos estados do sudeste e do noroeste vêm projetando sistemas totalmente elétricos há muitos anos.

A situação é crítica e nós, da comunidade arquitetônica, precisamos dar um passo à frente. Enquanto os líderes se reúnem na conferência virtual Greenbuild esta semana, eu desafio todos nós a enfrentar este momento repensando como podemos fornecer energia aos nossos edifícios a fim de eliminar os combustíveis fósseis. Devemos liderar o caminho para uma nova era de construção sustentável, saudável e totalmente elétrica. Podemos eliminar o gás e proteger as famílias dos impactos à saúde, assim como eliminamos o amianto e a tinta com chumbo. Não tente minimizá-lo ou compensá-lo - é hora de projetar além do gás.

Este artigo foi publicado originalmente no The Architect's Newspaper como "A mudança climática está devastando os EUA; por que ainda estamos construindo com combustíveis fósseis?"

Sobre este autor
Cita: Shell, Scott. "A crise climática está devastando os EUA: por que continuamos construindo com combustíveis fósseis?" [Climate Crisis Is Ravaging the United States; Why Are We Still Building With Fossil Fuels?] 15 Dez 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/953127/a-crise-climatica-esta-devastando-os-eua-por-que-continuamos-construindo-com-combustiveis-fosseis> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.