O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Clássicos da Arquitetura: Terminal da TWA / Eero Saarinen

Clássicos da Arquitetura: Terminal da TWA / Eero Saarinen

Clássicos da Arquitetura: Terminal da TWA / Eero Saarinen
Clássicos da Arquitetura: Terminal da TWA / Eero Saarinen, © Cameron Blaylock
© Cameron Blaylock

Construído nos primórdios da aviação comercial, o Terminal TWA é um símbolo concreto das rápidas transformações tecnológicas que foram impulsionadas pelo início da Segunda Guerra Mundial. Eero Saarinen procurou capturar a sensação de voo em todos os aspectos do edifício, de um interior fluido e aberto, à casca de concreto da cobertura semelhante a uma asa. A pedido da TWA, Saarinen projetou mais do que um terminal funcional; ele projetou um monumento para a companhia aérea e para a própria aviação.

Este Clássico apresenta uma série de imagens exclusivas de Cameron Blaylock, fotografadas em maio de 2016. Blaylock usou uma câmera Contax e lentes Zeiss com filme preto e branco Rollei para refletir a tecnologia de câmeras dos anos 1960.

© Cameron Blaylock © Cameron Blaylock © Cameron Blaylock © Cameron Blaylock + 26

© Cameron Blaylock
© Cameron Blaylock

Embora os aviões existissem desde o início dos anos 1900, não foi até depois da Segunda Guerra Mundial que as viagens aéreas comerciais começaram a se popularizar. A Trans World Airlines foi ator-chave nesse desenvolvimento. Ao permitir que os clientes comprassem vôos em pacotes com descontos e oferecendo planos de pagamento estendidos, a companhia aérea tornou uma opção de luxo cara acessível para a classe média burguesa norte-americana. Em alguns casos, suas reduções de preço tornaram as passagens de avião mais baratas do que as mesmas por trem. [1]

Cortesia de United States Library of Congress
Cortesia de United States Library of Congress

Com as viagens aéreas em ascensão, o Port of New York Authority instituiu um plano para expandir o Aeroporto Idlewild (hoje John F. Kennedy) em 1954. O plano, que permitiria ao aeroporto lidar com o aumento do tráfego aéreo dentro e fora de Nova Iorque, pedia que cada companhia aérea principal projetasse, construísse e operasse seu próprio terminal independente, um esquema apelidado de "Terminal City." Este arranjo foi feito na incitação das próprias companhias aéreas, que o viam como uma oportunidade para forjar duradouras Identidades de marca para si mesmos nos novos terminais que iriam construir - independentemente da desordem espacial e estética que acabariam por fomentar.

Cortesia de United States Library of Congress
Cortesia de United States Library of Congress

TWA aproximou-se de Eero Saarinen para o projeto em 1955, decisão tomada pelo diretor artístico do departamento de relações públicas - um claro sinal do papel do terminal na publicidade da companhia aérea. Este mandato foi até oficializado na comissão de projetos da empresa, que pedia uma infraestrutura eficiente de operações terrestres e que "forneceria à TWA publicidade, publicidade e atenção". [3] Saarinen tomou a ênfase da companhia aérea na atenção do público desde o início, em um terreno no ápice da estrada de acesso principal do aeroporto. [4]

Cortesia de United States Library of Congress
Cortesia de United States Library of Congress

Com o terreno escolhido, Saarinen começou a desenvolver um projeto que aproveitaria ao máximo sua proeminência dentro do Aeroporto Idlewild. Propôs finalmente um arranjo simétrico de quatro segmentos curvos de cobertura com cascas de concreto, cujas curvas fluíam sem emendas dos pilares que as sustentavam. Cada uma das quatro estruturas da cobertura foi separada de seus vizinhos por estreitas claraboias, com um pendente circular ocupando o ponto central em que todos os quatro se encontram. [5]

© Cameron Blaylock
© Cameron Blaylock

Permanece uma questão de especulação precisamente onde Saarinen encontrou inspiração para a forma do terminal. Em consonância com o papel do edifício como a face arquitetônica da TWA, muitos têm notado sua semelhança com um pássaro ou um avião voando; a curva ascendente dinâmica da sua linha de cobertura certamente parece sugerir isso. Há, no entanto, uma história apócrifa que sugere que a verdadeira inspiração de Saarinen não foi encontrada na aviação, mas na casca vazia de uma toranja que ele pressionou no meio. Se a história é verdadeira ou não, Saarinen nunca alegou que seu projeto foi destinado a representar qualquer coisa física; Era, ele insistia, uma abstração da ideia do voo em si. [6]

© Cameron Blaylock
© Cameron Blaylock

A fluidez do exterior do terminal também foi levada fielmente através de seu interior. A abóbada da cobertura permitiu um layout interior espaçoso e livre, quase inteiramente desprovido de limites espaciais. Cada elemento, seja estrutural ou de circulação, foi realizado desta forma; as escadarias são todas curvadas, e até mesmo as colunas que suportam as passarelas superiores fundem-se perfeitamente no chão e nos tetos. Os visitantes entram no espaço sob uma marquise em balanço, progredindo dos espaços de guichês no nível térreo aos restaurantes e às salas de reunião acima. Uma área de espera afundada oferece uma visão das operações do aeroporto através de sua imensa janela, enquanto dois corredores tubulares partem em direção aos portões de embarque. [7]

Cortesia de United States Library of Congress
Cortesia de United States Library of Congress

Mesmo antes de abrir para o público, o Terminal da TWA atraiu muita atenção - e nem tudo isso foi positivo. A imprensa estava decididamente entusiasmada com o projeto de Saarinen, aclamando a forma dinâmica do edifício e seu interior fluido; O terminal era um símbolo tão poderoso para a companhia aérea que mesmo com seu orçamento aumentando de U$ 9 milhões para U$ 15 milhões, a TWA nunca impôs cortes no projeto. [8]

No entanto, enquanto o público em geral era bastante receptivo com o novo ícone arquitetônico da TWA, a natureza dogmática das práticas arquitetônicas de meados do século renderam críticas mordazes de alguns de seus pares. Sua concha de concreto, embora eminentemente expressiva, era estruturalmente ineficiente e requeria muitos suportes ocultos de aço; mais prejudicial, no entanto, foi a associação do arquiteto com corporações e instituições governamentais. Ele foi ridicularizado pelos críticos por adaptar seu estilo arquitetônico ao trabalho, em vez de adaptar o projeto ao seu estilo. O Terminal TWA, diferenciando-se muito de suas obras anteriores retilíneas e austeras, foi visto como um casamento profano dos dois maiores defeitos percebidos do arquiteto.

© Cameron Blaylock
© Cameron Blaylock

Apesar destas críticas, o terminal da TWA foi inagurado altamente aclamado em 1962. Saarinen faleceu em 1961, tendo visto somente a superestrutura do edifício terminada. Enquanto o terminal se estabeleceu como um símbolo da era da aviação, sempre foi ironicamente inadequado para servir aviões a jato; Seu projeto foi realizado antes de 1958, ano que as primeiras aeronaves a jato viáveis começaram a suplantar seus antepassados de propulsão a hélice. [10]

Mesmo com as reformas, o terminal nunca foi realmente capaz de acompanhar o crescimento dos aviões a jato em tamanho e número; ele finalmente fechou suas portas em 2001, com um futuro incerto. Felizmente, sua sobrevivência foi assegurada pela sua inserção nos Registros Nacionais dos Estados Unidos dos Lugares Históricos em 2005 e, mais recentemente, pelo anúncio de que será reformado para servir como um hotel do aeroporto. [11] Dessa forma, o Terminal TWA continuará a ser um ícone não só da aviação, mas da época do pós-guerra embriagante em que foi concebido.

© Cameron Blaylock
© Cameron Blaylock

Referências

[1] Ringli, Kornel, and David Koralek. Designing TWA: Eero Saarinen's Airport Terminal in New York. Zurich: Park Books AG, 2015. p47.
[2] Stoller, Ezra. The TWA Terminal. New York: Princeton Architectural Press, 1999. p2.
[3] Ringli et al, p79.
[4] Stoller, p3.
[5] Stoller, p5.
[6] Stoller, p1.
[7] Serraino, Pierluigi, Eero Saarinen, and Peter Gössel. Eero Saarinen, 1910-1961: A Structural Expressionist. Köln: Taschen, 2006. p63-64.
[8] Ringli et al, p87-88.
[9] Stoller, p5-10.
[10] Stoller, p4-9.
[11] "History & Design - TWA Flight Center Hotel." TWA Flight Center Hotel. 

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: Fiederer, Luke. "Clássicos da Arquitetura: Terminal da TWA / Eero Saarinen" 07 Dez 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/800964/classicos-da-arquitetura-terminal-da-twa-eero-saarinen> ISSN 0719-8906