i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Le Corbusier

10 Obra-primas difíceis de visitar e como chegar nelas

07:00 - 1 Agosto, 2017
10 Obra-primas difíceis de visitar e como chegar nelas

Visitar obras-primas da arquitetura dos grandes mestres pode parecer uma peregrinação, especialmente quando estão longe e são difíceis de chegar. Nem todo mundo desprende o tempo necessário para visitar estes edifícios quando estão viajando, o que faz do fato de conseguir chegar lá ainda mais especial. Com estranhos horários de funcionamento e localizações difíceis, mostramos a seguir uma seleção de obras-primas da arquitetura e o que é preciso fazer para chegar nelas. Não esqueça de levar sua câmera!

A síndrome de Brasília: Jan Gehl tem razão? / Sérgio Ulisses Jatobá

07:30 - 25 Julho, 2017
A síndrome de Brasília: Jan Gehl tem razão? / Sérgio Ulisses Jatobá, Brasilia - Banho no Museu da Republica. Image © Sérgio Ulisses Jatobá
Brasilia - Banho no Museu da Republica. Image © Sérgio Ulisses Jatobá

Em matéria recente no ArchDaily Brasil, o urbanista Jan Gehl afirma que Brasília “ é fantástica vista de um helicóptero, mas do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda." Em seu conhecido livro Cidade Para as Pessoas, publicado em 2013 no Brasil, Gehl admite que “vista do alto, Brasília é uma bela composição”, mas “a cidade é uma catástrofe ao nível dos olhos”, acrescenta. “Os espaços urbanos são muito grandes e amorfos, as ruas muito largas, e as calçadas e passagens muito longas e retas” [1].

Gehl criou o termo “Síndrome de Brasília” para designar a inexistência ou a desconsideração do que ele conceitua como a escala humana no planejamento urbano modernista, tomando a capital do Brasil como seu mais destacado exemplo. 

Conheça a Casa Curutchet com este percurso virtual

07:00 - 18 Julho, 2017

O modelo virtual da Casa Curutchet, apresentado por Daniel Pertovt, permite uma aproximação à promenade architecturale no projeto de Le Corbusier e Amancio Williams na Argentina

Através da tecnologia virtual, o percurso proporciona a compreensão dos espaços dinâmicos da casa - diferente das visão estática proporcionada pelas fotografias da casa.

9 Arquitetos famosos que não possuíam um diploma de arquitetura

12:00 - 30 Junho, 2017

Teve a pior banca possível? Falhou nas provas finais? Não se preocupe! Antes de cair em sua cama e chorar até dormir, veja essa lista de nove célebres arquitetos que compartilhem uma característica em comum. Você pode pensar que um diploma de arquitetura brilhante é um requisito para ser um arquiteto de sucesso; por que mais você estaria há tantos anos na escola de arquitetura? Bem, embora o título de "arquiteto" possa ser protegido em muitos países, isso não significa que você não pode projetar arquitetura incrível - como demonstrado por esses nove arquitetos, que jogaram as convenções fora e tomaram a estrada menos percorrida para a fama.

Fundação Norman Foster oferece um lar para o carro de Le Corbusier

07:00 - 24 Junho, 2017
Fundação Norman Foster oferece um lar para o carro de Le Corbusier, © Guillermo Rodríguez
© Guillermo Rodríguez

No início deste mês, a Fundação Norman Foster abriu suas portas no centro de Madri. Localizada em um antigo palácio residencial que passou por extensas obras de renovação, a Fundação também conta um um novo pavilhão contemporâneo. Abrigando um tesouro da coleção pessoal de Lord Foster, a estrutura - que tem a forma de asa de uma aeronave - também exibe um Avions Voisin C7 recentemente restaurado de 1927, originalmente de propriedade de Le Corbusier.

© Guillermo Rodríguez © Guillermo Rodríguez © Guillermo Rodríguez © Guillermo Rodríguez +15

13 Edifícios que resistiram bem à força do tempo

15:00 - 21 Junho, 2017
13 Edifícios que resistiram bem à força do tempo

A humanidade sempre aprecia grandes obras de arte que resistem ao passar dos anos. Este mês, por exemplo, completam-se o 50º aniversário do psicodélico Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band dos Beatles e o 20º aniversário do distópico Ok Computer do Radiohead. Estes marcos psicologicamente satisfatórios geraram uma grande apreciação e nostalgia. Da mesma forma, também adoramos elogiar a longevidade da arquitetura. O AIA, por exemplo, concede anualmente um "Prêmio de vinte e cinco anos" para reconhecer projetos que "resistiram ao teste do tempo" e "exemplificam um significado duradouro da arquitetura". Mas reconhecer um projeto por ano parece pouco. Abaixo, portanto, estão 13 clássicos modernos que, embora não tenham sido bem quistos de início, passaram a ser adorados:

© <a href='https://www.flickr.com/photos/leandrociuffo/3665886505'>Flickr user Leandro Neumann Ciuffo</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY 2.0</a> © <a href='https://www.flickr.com/photos/aseles/6149740236'>Flickr user Andrew Seles</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-ND 2.0</a> © <a href='https://www.flickr.com/photos/g_firkser/6233067891'>Flickr user Gavin Firkser</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY 2.0</a> © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bank-of-china_clean-img-sma.jpg'>Wikimedia user LERA Engineering</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a> +15

Por dentro das estranhas vidas pessoais de arquitetos famosos

15:00 - 17 Junho, 2017
Por dentro das estranhas vidas pessoais de arquitetos famosos , Da esquerda: © Robert C. Lautman; <a href='http://https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Alvar_Aalto1.jpg'>via Wikimedia</a> (public domain); Photograph by Al Ravenna <a href='http://https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Frank_Lloyd_Wright_portrait.jpg'>via Wikimedia</a> (domínio público)
Da esquerda: © Robert C. Lautman; via Wikimedia (public domain); Photograph by Al Ravenna via Wikimedia (domínio público)

Os arquitetos famosos são muitas vezes vistos mais como enigmas do que como pessoas mas, mesmo assim, os maiores nomes escondem escândalos e tragédias da vida cotidiana. Como celebridades, muitos dos mais famosos arquitetos do mundo enfrentaram rumores e, até hoje, há dúvidas sobre a verdade de alguns de seus assuntos particulares. Clientes e colegas que frequentavam seus estúdios puderam ver um pouco de suas vidas pessoais, mas, às vezes, a força da personalidade que muitas vezes vem com gênio criativo impede uma percepção mais detalhada. No entanto, o fato é que a vida desses arquitetos era mais do que a soma dos seus edifícios.

A vez em que Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tiveram uma discussão pública no New York Times

06:30 - 8 Junho, 2017
A vez em que Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tiveram uma discussão pública no New York Times, Esquerda: Frank Lloyd Wright fotografado por Al Ravenna. Imagem <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Frank_Lloyd_Wright_portrait.jpg'>via Wikimedia</a> em Domínio Público. Direita: Le Corbusier. Image © Willy Rizzo
Esquerda: Frank Lloyd Wright fotografado por Al Ravenna. Imagem via Wikimedia em Domínio Público. Direita: Le Corbusier. Image © Willy Rizzo

Frank Lloyd Wright e Le Corbusier são arquitetos conhecidos por suas ideias grandiosas e inovadoras, bem como pela alta estima por suas próprias opiniões. Entretanto, os dois não compartilharam das mesmas visões para o futuro das cidades americanas e a civilização. Ambos os arquitetos tinham planos utópicos e abrangentes para sua cidade americana ideal, combinando ideias sociais e arquitetônicas. Em 1932, os dois descreveram essas ideias no The New York Times; nestes dois artigos Frank Lloyd Wright e Le Corbusier tornaram muito claras  para o público suas diferenças de opinião sobre o futuro das cidades.

Arquitetura como filme: o caso da Acrópole de Atenas

10:00 - 4 Maio, 2017
Arquitetura como filme: o caso da Acrópole de Atenas, Ruínas do Parthenon da Acrópole de Atenas, Grécia. © Kristoffer Trolle via VisualHunt.com /  CC BY
Ruínas do Parthenon da Acrópole de Atenas, Grécia. © Kristoffer Trolle via VisualHunt.com / CC BY

Histoire d’Architecture é o título da monumental obra em dois volumes escrita e ilustrada pelo historiador francês Auguste Choisy em 1899 em que se dedica, como sugere o nome, ao estudo da história da arquitetura, desde os primórdios das artes de construir e da arquitetura egípcia até a investigação de monumentos e edificações mortuárias contemporâneas [de sua época, evidentemente] e revestimentos decorativos, passando também pela observação da arquitetura grega e romana e suas técnicas construtivas. Um enorme compêndio da história da arquitetura de 1.442 páginas e 1.700 ilustrações[1] que esmiúça seus mais detalhados pormenores.

Novo mapa celebra a arquitetura brutalista de Paris

07:00 - 19 Abril, 2017
Novo mapa celebra a arquitetura brutalista de Paris, Les Choux de Créteil. Image © Nigel Green
Les Choux de Créteil. Image © Nigel Green

Dando seguimento aos lançamentos regulares de mapas e guias de cidades, a editora londrina Blue Crow Media produziu recentemente o Brutalist Paris Map, em colaboração com Nigel Green e Robin Wilson da Photolanguage. Tendo já abordado os edifícios brutalistas mais emblemáticos de Washington D.C., o mapa o mais recente destaca mais de 40 exemplos parisienses da arquitetura brutalsta.

Bourse by Travail. Image © Nigel Green Cortesia de Blue Crow Media Cortesia de Blue Crow Media Les Damiers. Image © Nigel Green +10

Como pronunciar corretamente o nome destes 22 arquitetos famosos

10:00 - 18 Abril, 2017
Como pronunciar corretamente o nome destes 22 arquitetos famosos

Não há dúvida de que uma das melhores coisas da arquitetura é a sua universalidade. De onde quer que você venha, o que quer que você faça, arquitetura de algum modo tocou sua vida. No entanto, quando inesperadamente temos que pronunciar o nome de um arquiteto estrangeiro ... as coisas podem ficar um pouco complicadas. Esta é uma situação que a pronúncia errada pode fazer você parecer menos profissional do que você é. (Se você for realmente azarado, isso poderia acabar fazendo você parecer estúpido na frente de seus filhos e do mundo inteiro.)

Para lhe ajudar, compilamos uma lista de 22 arquitetos cujos nomes são um pouco difícil de pronunciar, acompanhada de gravações em que seus nomes são pronunciados impecavelmente. Ouça e repita quantas vezes for necessário até acertar e você estará preparado para qualquer situação potencialmente embaraçosa.

10 Exercícios de desenho à mão para arquitetos

15:00 - 13 Abril, 2017
Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

O que é beleza? Alguns anos atrás, um grupo de pesquisadores internacionais procurou desvendar os mistérios da beleza humana. Eles usaram tecnologia computacional de última geração, totalmente imparcial, e um enorme conjunto de dados para estabelecer, de uma vez por todas, porque rostos particulares são percebidos como bonitos e se a beleza existe independentemente de origem étnica, social e cultural; Em outras palavras, se ela pode ser calculada matematicamente. Os cientistas introduziram em um poderoso computador inúmeras fotos de rostos de todo o mundo, cada um descrito por entrevistados como particularmente bonito. A informação resultante, eles acreditavam, poderia ser usada para gerar um rosto que seria reconhecido por qualquer ser humano como possuidor de uma beleza absoluta. Mas o que o computador finalmente cuspiu foi um retrato de um rosto comum, nem bonito nem feio, desprovido de vida e caráter, deixando os espectadores pasmos. Os dados acumulados criaram não uma beleza supra-humana, mas uma média estatisticamente correta.

Mas isso é exatamente que você esperaria de um computador. Aqui, quero examinar a relevância desta anedota para a beleza arquitetônica e discutir se o desenho à mão, uma habilidade que tem desaparecido rapidamente da prática cotidiana, é algo que vale a pena preservar. Parece ser uma relíquia do passado - mas isso significa que as imagens geradas por computador são o futuro? Graças ao design moderno e os softwares de exibição, a intenção deste livro pode parecer estranhamente anacrônica. Algum arquiteto hoje pensaria em apresentar a um cliente um detalhe construtivo desenhado em tinta indiana ou uma perspectiva a lápis?

Clássicos da Arquitetura: Bairro Gallaratese / Aldo Rossi e Carlo Aymonino

12:00 - 3 Abril, 2017
Clássicos da Arquitetura: Bairro Gallaratese / Aldo Rossi e Carlo Aymonino, © Gili Merin
© Gili Merin

À medida que a poeira abaixava após a Segunda Guerra Mundial, grande parte da Europa permaneceu com uma escassez habitacional. Em Milão, uma série de planos foram elaborados em resposta à crise, estabelecendo comunidades satélites para a cidade do norte da Itália, onde cada uma seria habitada por entre 50.000 e 130.000 pessoas. A construção da primeira dessas comunidades começou em 1946, um ano após o fim do conflito. Dez anos mais tarde, em 1956, a adoção do Il Piano Regolatore Generale -um novo plano diretor- preparou o cenário para o desenvolvimento da segunda, conhecida como "Gallaratese". O terreno da nova comunidade foi dividido em partes 1 e 2, sendo esta última propriedade do Monte Amiata Società Mineraria per Azioni. Quando o plano permitiu o desenvolvimento privado de Gallaratese 2 no final de 1967, a comissão para o projeto foi dada ao Studio Ayde e, em particular, seu sócio Carlo Aymonino. Dois meses depois, Aymonino convidaria Aldo Rossi para projetar um edifício para o complexo e os dois italianos começaram a realizar suas respectivas visões para a comunidade microcósmica ideal. [1]

© Gili Merin © Gili Merin © Gili Merin © Gili Merin +17

Combatendo o neoliberalismo: O que os arquitetos de hoje podem aprender com os Brutalistas

07:00 - 25 Março, 2017
Combatendo o neoliberalismo: O que os arquitetos de hoje podem aprender com os Brutalistas, <a href='http://www.archdaily.com/790453/ad-classics-barbican-estate-london-chamberlin-powell-bon'>The Barbican</a> em Londres. Imagem © Joas Souza
The Barbican em Londres. Imagem © Joas Souza

Nesta segunda edição de sua coluna "Beyond London" para o ArchDaily, Simon Henley, da Henley Halebrown, de Londres, discute uma possível influência que pode ajudar os arquitetos do Reino Unido a combater a hegemonia econômica que atualmente aflige o país - voltando-se para a orientação moral dos brutalistas da década de 1960.

Antes do Natal, eu terminei de escrever meu livro intitulado Redefining Brutalism. Como o título sugere, estou buscando redefinir o assunto, desintoxicar o termo e encontrar relevância no trabalho, e não apenas um motivo para nostalgia. Brutalismo concreto é, para a maioria das pessoas, um estilo que você ama ou odeia. Mas o Brutalismo é muito mais do que apenas um estilo; é um modo de pensar e fazer. O historiador e crítico Reyner Banham argumentou em seu ensaio de 1955 e no livro de 1966 intitulado The New Brutalism: Ethic or Aesthetic que o Novo Brutalismo começou como um movimento ético para depois ser entendido como um estilo. Hoje, é um espelho a ser erguido para a arquitetura do neoliberalismo, para uma arquitetura que serve ao capitalismo. Mais do que nunca, a arquitetura é associada à marca dos grandes arquitetos cujo trabalho tem pouco a ver com os desafios que a sociedade enfrenta, que hoje não são muito diferentes daqueles enfrentados pela geração do pós-guerra: construir casas, lugares para aprender e trabalhar, lugares para aqueles que são mais velhos e doentes, e lugares para se reunir. Podemos aprender muito com essa geração passada.

Casa Dunelm em Durham, por Architect's Co-Partnership. Imagem © <a href='http://www.geograph.org.uk/more.php?id=2935919'>Usuário Geograph Des Blenkinsopp</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a> <a href='http://www.archdaily.com/791939/ad-classics-park-hill-estate-sheffield-jack-lynn-ivor-smith'>Park Hill</a> em Sheffield: à esquerda, seu projeto original; à direita, um corte de sua renovação. Imagem © Paul Dobraszczyk "Ruas no Céu" no Robin Hood Gardens por Alison e Peter Smithson. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/stevecadman/3058342144/'>Usuário Flickr stevecadman</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a> Seminário de São Pedro em Cardross, Escócia, por Gillespie, Kidd & Coia, aqui apresentado em seu estado original. Imagem Cortesia do Arquivo de GKC +10

Tour Le Corbusier I

16:00 - 19 Outubro, 2016
Tour Le Corbusier I, Tour Le Corbusier I | Divulgação
Tour Le Corbusier I | Divulgação

Le Corbusier foi um arquiteto radical e futurista, mas também alguém igualmente comprometido com a história e a tradição. Sua curiosidade era gigantesca. Viajante incansável, registrou através dos desenhos, da pintura e da arquitetura seu comprometimento com a experiência dos homens e do habitat construído. Procurou conectar os fundamentos da tradição com a experiência contemporânea, partindo do estudo da natureza, dos mestres do passado e da tradição pictórica renascentista para a vanguarda da pintura, do design e da arquitetura dos anos 1920.

Moderno e tropical: reinterpretando os princípios corbusianos nas primeiras obras de Niemeyer

12:00 - 14 Outubro, 2016
Moderno e tropical: reinterpretando os princípios corbusianos nas primeiras obras de Niemeyer, Mansão de Fim de Semana em La Celle-Saint-Cloud, projetada por Le Corbusier. Imagem via Fondation Le Corbusier
Mansão de Fim de Semana em La Celle-Saint-Cloud, projetada por Le Corbusier. Imagem via Fondation Le Corbusier

O presente texto analisa alguns aspectos das primeiras obras de Oscar Niemeyer e os compara com projetos de Le Corbusier, salientando como o aprendizado do mestre suíço foi essencial para o desenvolvimento da metodologia de projeto e poética do jovem brasileiro. Ressalta-se a assimilação, por parte de Niemeyer, das ideias e princípios de Le Corbusier, e a adaptação de tais princípios ao clima, cultura e geografia do Brasil.

O texto — que deriva da pesquisa Poesía y técnica, la herencia arquitectónica de Oscar Niemeyer, no curso de desenvolvimento no âmbito das pesquisas em história, crítica e projeto da Universidad Nacional de Colombia, em Medellín — analisa alguns aspectos das primeiras obras de Oscar Niemeyer e compara-os aos temas arquitetônicos de Le Corbusier.

Em foco: Le Corbusier

06:00 - 6 Outubro, 2016
Em foco: Le Corbusier, Notre Dame du Haut em Ronchamp. Imagem © <a href='www.flickr.com/photos/9160678@N06/2089042156'>Flickr user scarletgreen</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
Notre Dame du Haut em Ronchamp. Imagem © Flickr user scarletgreen licensed under CC BY 2.0

"Espaço e luz e ordem. Estas são as coisas que os homens precisam tanto quanto precisam de pão ou um lugar para dormir."

Charles Edouard Jeanneret-Gris (1887-1965), mais conhecido como Le Corbusier, completaria 129 anos de idade hoje.

O arquiteto, urbanista, designer, pintor e escritor suíço é amplamente considerado um dos pioneiros do movimento moderno na arquitetura. Durante os 50 anos em que trabalhou com arquitetura, teve obras construídas por toda a Europa, Índia e Estados Unidos.

Clássicos da Arquitetura: Proposta para um Hospital em Veneza / Le Corbusier

12:00 - 5 Outubro, 2016
Clássicos da Arquitetura: Proposta para um Hospital em Veneza / Le Corbusier, Model. Image © Fondation Le Corbusier (FLC/ADAGP)
Model. Image © Fondation Le Corbusier (FLC/ADAGP)

Le Corbusier deixou uma marca indelével na arquitetura modernista quando declarou que "une maison est une máquina-à-habiter" ("a casa é uma máquina para viver"). Sua crença de que a arquitetura deveria ser tão eficiente quanto uma máquina resultou em propostas como o Plano Voisin, que transformava os boulevares de Paris em uma série de arranha-céus cruciformes saindo de uma grade de rodovias e parques abertos. [1] Nem todos os conceitos de Le Corbusier, no entanto, foram voltados para transformações urbanas tão radicais. Sua proposta de 1965 para um hospital em Veneza, Itália, foi notável em sua tentativa de buscar harmonia estética com o seu entorno único: uma tentativa de não erradicar a história, mas traduzi-la.

Model. Image © Fondation Le Corbusier (FLC/ADAGP) Plan Plan Situation Plan +7