O que é brutalismo?

O que é brutalismo?

Tendência, estilo e movimento são algumas das categorizações mais recorrentes utilizadas nas tentativas de definir o conceito do brutalismo, termo utilizado para delinear um recorte de produções arquitetônicas situadas entre as décadas de 1950 e 1970 que guardam algumas semelhanças entre si, sobretudo no uso aparente dos materiais construtivos. Estabelecer uma definição precisa para o brutalismo, no entanto, mostra-se uma tarefa árdua, ainda que (ou, sobretudo porque) o termo tenha atingido grande alcance e, com isso, muitas tentativas de conceituação.

"Torre Genex", também conhecida como Western City Gate. Imagem © Alexey KozhenkovBoston City Hall. Imagem Cortesia de Reed HilderbrandMonumento a la Brigada Néguev - Dani Karavan (1963-1968). Image © Stefano PeregoFaculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) / João Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi. © Fernando Stankuns, via Flickr; Licença Creative Commons+ 6

Os “enquadramentos” do que pode ser considerado o brutalismo são tantos quanto as definições as quais o termo pode assumir nos diferentes contextos em que é utilizado. As múltiplas versões não poderiam, portanto, ser consideradas de forma isolada ou desconexa do que entende-se por “brutalismo” nessas diferentes ocasiões. Nesse sentido, faz-se necessário um retrospecto do surgimento e difusão do termo para sua melhor compreensão.

"Torre Genex", também conhecida como Western City Gate. Imagem © Alexey Kozhenkov
"Torre Genex", também conhecida como Western City Gate. Imagem © Alexey Kozhenkov

Assim, cabe pontuar que historicamente o termo brutalismo se confunde com o chamado “Novo Brutalismo”, movimento que surge no contexto pós-II Guerra, tanto na arte como na arquitetura. Nesta última, os principais representantes são o casal Alison e Peter Smithson, considerados por muitos historiadores os “pioneiros” na produção de obras do Novo Brutalismo a partir dos projetos da Casa no Soho (publicada em 1953, mas nunca construída) e da Escola de Hunstanton (1950-1954).

Boston City Hall. Imagem Cortesia de Reed Hilderbrand
Boston City Hall. Imagem Cortesia de Reed Hilderbrand

A solidificação dos termos “Brutalismo” e “Novo Brutalismo” se deu sobretudo a partir de duas publicações, ambas do crítico Reyner Banham: The New Brutalism, artigo publicado em 1955 na Architectural Review, e o livro The New Brutalism: Ethic ou Aesthetic?, de 1966. Segundo a historiadora Ruth Zein, o autor foi “responsável pela cristalização de um mito de fundação que segue vincando fortemente a compreensão do Brutalismo”, em que muitas fontes historiográficas costumam tratar do termo a partir da aceitação, declarada ou não, das ideias lançadas por Banham.

O Novo Brutalismo, como define Reyner Banham, é simultaneamente uma espécie de rótulo – termo usado pelos historiadores para definir um conjunto de obras com similaridades entre si – e um slogan – um posicionamento conscientemente adotado por um grupo, independentemente da aparente semelhança ou dessemelhança das suas obras.

Se por um lado o Novo Brutalismo encontra-se em algum lugar entre rótulo e slogan, pode-se dizer que o Brutalismo é uma definição atribuída a posteriori para categorizar uma produção arquitetônica específica, aproximando-se assim, mais da definição de rótulo, tal como é entendida por Banham.

Andrews Building, Toronto, Canadá. © Ruta Krau
Andrews Building, Toronto, Canadá. © Ruta Krau

Na década de 1950, os primeiros exemplos de arquitetura brutalista apresentam uma característica significativa em comum: todos eles aparentam ser do que realmente são feitos. A partir do uso de materiais em seu estado bruto – em especial o concreto –, essas obras dão continuidade a um conceito utilizado alguns anos antes por Le Corbusier. O béton brut – concreto aparente –, inaugurado com a Unité d´Habitation de Marselha (1945-1949) é reconhecido por muitos historiadores como precedente do Brutalismo, ainda que naquele momento tivesse um sentido mais restrito, sendo utilizado para um exemplo isolado, e não como definidor de uma tendência, estilo ou movimento.

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) / João Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi. © Fernando Stankuns, via Flickr; Licença Creative Commons
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) / João Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi. © Fernando Stankuns, via Flickr; Licença Creative Commons

Se os primeiros exemplos de arquitetura brutalista surgem na primeira metade da década de 1950, sua difusão em todo o mundo se dá principalmente nas duas décadas seguintes. O conjunto dessa produção, intensificada progressivamente, é marcado não apenas pela proximidade das características plásticas e construtivas, mas também pelas peculiaridades que assumem entre si. Exemplos de arquiteturas brutalistas em países como Brasil, Índia, Canadá, Israel, Sérvia e Polônia – além de uma série de outros países e regiões – demonstram a variedade de interpretações do conceito.

Monumento a la Brigada Néguev - Dani Karavan (1963-1968). Image © Stefano Perego
Monumento a la Brigada Néguev - Dani Karavan (1963-1968). Image © Stefano Perego

Ao longo do tempo, o brutalismo também sofreu derivações do seu significado, aparecendo, por exemplo, em tentativas de qualificar edifícios - e até mesmo objetos - concebidos em outros recortes temporais. Entendido de forma vaga, aplicado a partir de uma aproximação plástica superficial, se distancia daquele utilizado para definir o que pode ser considerado como um desdobramento da arquitetura moderna.

As interpretações, sejam elas nas obras arquitetônicas ou nas tentativas de conceituação do termo, invariavelmente levaram a uma variedade de significados do que é o brutalismo, brevemente apresentados neste artigo. Essas definições, leituras e releituras não são únicas ou limitadas, e devem ser entendidas como parte de uma rede mais ampla de relações abertas à interpretação.

Referências bibliográficas
BANHAM, Reyner. The New Brutalism. Architectural Review, vol.118, n. 708, dez. 1955, p. 355-361.
ZEIN, Ruth Verde. Brutalismo, sobre sua definição. (ou, de como um rótulo superficial é, por isso mesmo, adequado). Arquitextos, São Paulo, ano 07, n. 084.00, Vitruvius, mai. 2007.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Susanna Moreira. "O que é brutalismo?" 16 Abr 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/958883/o-que-e-brutalismo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.