1. ArchDaily
  2. Brutalismo

Brutalismo: O mais recente de arquitetura e notícia

Estados concretos: o legado habitacional da era soviética

Quando as cidades crescem, com suas populações em expansão, a habitação torna-se um componente essencial do caráter urbano das metrópoles. Experimentos habitacionais têm sido espalhados por governos em todo o mundo, com diferentes resultados e, sem dúvida, opiniões divergentes. Os conjuntos habitacionais da era soviética da Europa central e oriental são particularmente interessantes a esse respeito.Esses projetos de habitação em massa foram descartados e vistos como gigantes monstruosidades. O legado deles é mais complicado do que isso.

Estados concretos: o legado habitacional da era soviéticaEstados concretos: o legado habitacional da era soviéticaEstados concretos: o legado habitacional da era soviéticaEstados concretos: o legado habitacional da era soviética+ 10

O legado arquitetônico dos 70 anos de reinado da rainha Elisabeth

Em 2022, Sua Majestade, a Rainha Elizabeth II, tornou-se a primeira monarca britânica a celebrar o Jubileu de Platina, marcando 70 anos desde sua ascensão ao trono. Durante sua coroação, a primeira cerimônia desse tipo a ser televisionada, jornais e emissoras de TV falaram sobre uma “Nova Era Elizabetana” que ressuscitaria a Grã-Bretanha da escuridão do pós-guerra. Agora, sete décadas depois, as comemorações deste aniversário sem precedentes são uma oportunidade para as pessoas se reunirem para homenagear a rainha e refletir sobre seu legado em termos de cultura, tecnologia e arquitetura.

O legado arquitetônico dos 70 anos de reinado da rainha ElisabethO legado arquitetônico dos 70 anos de reinado da rainha ElisabethO legado arquitetônico dos 70 anos de reinado da rainha ElisabethO legado arquitetônico dos 70 anos de reinado da rainha Elisabeth+ 7

A arquitetura de Star Wars: visualizações futuristas de uma galáxia muito, muito distante

Descrever visualizações arquitetônicas do futuro não é uma tarefa fácil, por isso faz muito sentido que os designers usem aspectos de nossa arquitetura existente como base para estes mundos fictícios. Apesar dos avanços recentes em termos de tecnologias de animação e CGI, ainda há uso substancial da arquitetura existente para fornecer elementos estruturais palpáveis ao filme.

Em termos de reciclagem de estética arquitetônica, elementos do passado e do futuro são frequentemente integrados para criar um estilo hibridizado, uma amálgama de temas retrô, distópicos, modernistas e futuristas. Desde o ressurgimento de antigas pirâmides e templos, até panoramas que lembram a cidade de Nova York, o visual varia de acordo com as diferentes noções de como será nosso futuro.

A arquitetura de Star Wars: visualizações futuristas de uma galáxia muito, muito distanteA arquitetura de Star Wars: visualizações futuristas de uma galáxia muito, muito distanteA arquitetura de Star Wars: visualizações futuristas de uma galáxia muito, muito distanteA arquitetura de Star Wars: visualizações futuristas de uma galáxia muito, muito distante+ 13

Adulação e demonização: materialidade versus moralidade

Há séculos e séculos, nós construímos — e nossa diversidade no ambiente construído global é prova disso. As muitas culturas diferentes por todo o planeta já construíram de muitas maneiras diferentes ao longo da história, adaptando materiais encontrados localmente às suas estruturas. Hoje, em nosso presente globalizado, os materiais de construção são transportados por todo o globo, longe de suas origens, uma situação que significa que dois edifícios em lados completamente opostos do planeta podem ser mais ou menos similares. 

Adulação e demonização: materialidade versus moralidade Adulação e demonização: materialidade versus moralidade Adulação e demonização: materialidade versus moralidade Adulação e demonização: materialidade versus moralidade + 10

No nível do solo: a importância da tipologia de uso misto

Os edifícios ao redor do mundo estão ficando mais altos. Desde o ano 2000, a construção global de arranha-céus aumentou em 402%. Cidades como Dubai abrigam quase 1000 arranha-céus, e o vibrante mercado imobiliário de luxo de Nova York não mostrou sinais de desaceleração, com mais adições de arranha-céus a serem acrescentadas à sua já imponente linha do horizonte. Isto é bom — os arranha-céus criam um espaço muito necessário em cidades já densas e podem reduzir a expansão urbana nos centros das cidades, permitindo uma melhor preservação das áreas naturais.

No nível do solo: a importância da tipologia de uso mistoNo nível do solo: a importância da tipologia de uso mistoNo nível do solo: a importância da tipologia de uso mistoNo nível do solo: a importância da tipologia de uso misto+ 10

Edifício brutalista de Marcel Breuer será transformado em hotel sustentável

O Pirelli Tire Building, projetado por Marcel Breuer em 1969, está sendo transformado em um hotel segundo projeto desenvolvido pela Becker and Becker. Desocupado desde 1999, o antigo edifício de escritórios da Armstrong Rubber Co. nos Estados Unidos foi recentemente vendido à empresa de construção do também arquiteto Bruce Redman Becker, que em 2020 deu início ao projeto que pretende transformar este ícone brutalista em um hotel boutique de energia zero com capacidade para 165 quartos. Apropriando-se da estrutra existente de um dos edifícios brutalistas mais significativos construídos nos Estado Unidos, o novo hotel sustentável da Becker and Becker pretende ser um modelo para futuros projetos de hotéis de energia zero, combinando suas características arquitetônicas únicas com novas e inovadoras soluções de reutilização adaptativa.

Edifício brutalista de Marcel Breuer será transformado em hotel sustentávelEdifício brutalista de Marcel Breuer será transformado em hotel sustentávelEdifício brutalista de Marcel Breuer será transformado em hotel sustentávelEdifício brutalista de Marcel Breuer será transformado em hotel sustentável+ 22

Reuso adaptativo e a renovação de edifícios brutalistas

A demolição é um desperdício em todos os sentidos—um desperdício de energia, de materiais e também da nossa memória coletiva”, disse a arquiteta vencedora do Pritzker Anne Lacaton. Ao longo dos últimos anos, porém, a reciclagem de antigas estruturas e o reuso adaptativo de edifícios obsoletos se tornaram onipresentes no discurso arquitetônico contemporâneo, à medida que os profissionais estão se tornando mais conscientes sobre questões relativas aos resíduos, a exploração de recursos naturais e a pegada de carbono na industria da construção civil. Ainda assim, a prática de renovação e adaptação de estruturas existentes carece de consistência, especialmente quando tratamos de edifícios do pós-guerra. A seguir, procuramos analisar alguns dos muitos desafios e oportunidades dos projetos de renovação e reutilização de edifícios construídos durante a segunda metade do século XX, destacando como algumas destas estratégias podem desempenhar um papel significativo para minimizar o impacto da construção civil no agravamento da crise climática e na busca por construir cidades mais equilibras, ao mesmo tempo em que recupera importantes estruturas e lugares de memória.

Reuso adaptativo e a renovação de edifícios brutalistasReuso adaptativo e a renovação de edifícios brutalistasReuso adaptativo e a renovação de edifícios brutalistasReuso adaptativo e a renovação de edifícios brutalistas+ 6

Conjunto habitacional Cité Spinoza de Renée Gailhoustet, pelas lentes de Anthony Saroufim

Projetado pelo arquiteto Renée Gailhoustet em 1972, o complexo residencial Cité Spinoza faz parte do plano diretor criado para o centro de Ivry-sur-Seine, na França. O projeto é uma versão da Unité d'Habitation de Marseille de Le Corbusier, uma das principais referências arquitetônicas para os arquitetos da época. O fotógrafo de arquitetura Anthony Saroufim percorreu as ruas do subúrbio parisiense e registrou as distintas formas de concreto deste exemplar de arquitetura modernista.

Conjunto habitacional Cité Spinoza de Renée Gailhoustet, pelas lentes de Anthony SaroufimConjunto habitacional Cité Spinoza de Renée Gailhoustet, pelas lentes de Anthony SaroufimConjunto habitacional Cité Spinoza de Renée Gailhoustet, pelas lentes de Anthony SaroufimConjunto habitacional Cité Spinoza de Renée Gailhoustet, pelas lentes de Anthony Saroufim+ 11

Relíquias do czarismo e do socialismo: a arquitetura do Cáucaso Norte

Pouco conhecida pela maioria das pessoas, o Cáucaso do Norte é uma região extremamente complexa e remota, composta por uma enorme variedade de diferentes etnias, línguas, religiões e, conseqüentemente, arquiteturas. Em sua herança construída encontramos desde edifícios da era czarista a mesquitas, assim como mosaicos tradicionais da era soviética, monumentos e edifícios de estilo brutalista. Cenário de eventos polêmicos e disputas históricas, o norte do Cáucaso é um território culturalmente heterogêneo e está localizado na fronteira entre a Europa e a Ásia, entre a antiga União Soviética e o Oriente Médio, entre a fé Cristã e o mundo Islâmico. Ilustrado com fotografias de Gianluca Pardelli, Thomas Paul Mayer e Nikolai Vassiliev, este artigo é um convite à descoberta da historia e da arquitetura desta peculiar região do planeta: o Ciscáucaso, ou Cáucaso Norte.

Relíquias do czarismo e do socialismo: a arquitetura do Cáucaso NorteRelíquias do czarismo e do socialismo: a arquitetura do Cáucaso NorteRelíquias do czarismo e do socialismo: a arquitetura do Cáucaso NorteRelíquias do czarismo e do socialismo: a arquitetura do Cáucaso Norte+ 11

Gottfried Böhm, arquiteto alemão vencedor do Prêmio Pritzker, morre aos 101 anos

Gottfried Böhm, o primeiro arquiteto alemão a receber o prestigioso Prêmio Pritzker, faleceu aos 101 anos, segundo informações da Deutsche Welle e WDR.

Gottfried Böhm, arquiteto alemão vencedor do Prêmio Pritzker, morre aos 101 anosGottfried Böhm, arquiteto alemão vencedor do Prêmio Pritzker, morre aos 101 anosGottfried Böhm, arquiteto alemão vencedor do Prêmio Pritzker, morre aos 101 anosGottfried Böhm, arquiteto alemão vencedor do Prêmio Pritzker, morre aos 101 anos+ 5

Brutalismo em escolas e universidades da Europa, pelas lentes de Stefano Perego

Em seu livro "O Brutalismo em arquitetura, ética ou estética?", Reyner Banham estabelece o que, segundo ele, foi um dos momentos-chave na definição da raiz semântica do termo Brutalismo "há um fato arquitetônico indiscutível: a obra de concreto de Le Corbusier: a Unidade de Habitação de Marselha. E se há uma fórmula verbal simples que tornou o conceito de Brutalismo admissível em muitas línguas do mundo ocidental, é que o próprio Le Corbusier descreveu este trabalho como "Béton brut" (concreto bruto). O termo e o edifício, portanto, surgem juntos". Em seu livro, Banham marca a construção da Unite d' Habitation como um marco histórico e enfatiza com especial destaque sua condição material. A partir daí, o concreto armado aparente é definido como o material preferido para este tipo de arquitetura. Embora exista também uma certa indefinição teórica quanto aos limites e ao alcance do termo "brutalista", existem certas constantes sobre seus parâmetros estéticos que nos permitem estabelecer uma linha de análise relativamente concreta. Nestes termos, os edifícios pertencentes ao brutalismo são caracterizados por sua verdade construtiva - mostrando e evidenciando o material que compõe a arquitetura, assim como sua lógica construtiva e estrutural - a geometria de suas formas e a rugosidade das superfícies.

O que é brutalismo?

Tendência, estilo e movimento são algumas das categorizações mais recorrentes utilizadas nas tentativas de definir o conceito do brutalismo, termo utilizado para delinear um recorte de produções arquitetônicas situadas entre as décadas de 1950 e 1970 que guardam algumas semelhanças entre si, sobretudo no uso aparente dos materiais construtivos. Estabelecer uma definição precisa para o brutalismo, no entanto, mostra-se uma tarefa árdua, ainda que (ou, sobretudo porque) o termo tenha atingido grande alcance e, com isso, muitas tentativas de conceituação.

O que é brutalismo?O que é brutalismo?O que é brutalismo?O que é brutalismo?+ 6

As influências orientais que moldaram a arquitetura soviética na Ásia Central

Após o fim da Segunda Guerra Mundial e com a clamorosa vitória dos Aliados sobre a Alemanha Nazista, a União Soviética se consolidou como uma das principais potências emergentes junto aos Estados Unidos, ampliando seu limites e expandindo sua influência e domínio sobre um vasto território da Europa Central à Ásia. Ao longo da segunda metade do século XX, em um período marcado por uma vaidosa disputa ideológica contra os EUA, a União Soviética utilizou a arquitetura como uma ferramenta para estabelecer uma aparente uniformidade e concordância sobre um território ocupado extremamente diverso e policromático. Neste contexto, procurava-se combater as especificidades locais em favor da supremacia de uma nova sociedade unificada e homogênea. No entanto, na prática, a arquitetura se mostrou suscetível a adaptações e influências locais—principalmente nos distantes territórios ocupados pela URSS na Ásia Central. Dito isso, este artigo ilustrado com fotografias de Roberto Conte e Stefano Perego procura analisar as especificidades e desdobramentos da arquitetura soviética em um território historicamente excluído das principais narrativas modernas, revelando todas as nuances de seu patrimônio construído e a variedade de tons de suas paisagens urbanas.

As influências orientais que moldaram a arquitetura soviética na Ásia CentralAs influências orientais que moldaram a arquitetura soviética na Ásia CentralAs influências orientais que moldaram a arquitetura soviética na Ásia CentralAs influências orientais que moldaram a arquitetura soviética na Ásia Central+ 19

O grande legado modernista na Tanzânia

O movimento moderno ainda hoje é um assunto que desperta as mais diversas e controversas reações. O mesmo acontece quando falamos do legado da arquitetura moderna. Acontece que não existe apenas um único legado, mas uma série de legados que varia de acordo com a localização geográfica, com o clima, o contexto político, social e econômico de cada país ou região. Embora a gênese do modernismo na arquitetura tenha se dado na Europa e nos Estados Unidos—onde encontram-se alguns dos seus mais representativos exemplares—, para além do mundo ocidental a chamada “arquitetura moderna” foi sendo moldada por arquitetos e arquitetas de acordo com as necessidades de cada contexto específico. No Sri Lanka, por exemplo, o arquiteto Geoffrey Bawa ajudou a cunhar o termo “Modernismo Tropical”, desenvolvendo uma arquitetura sensível e profundamente enraizadas na paisagem. Também podemos encontrar outros surpreendentes edifícios modernistas na Tanzânia, frutos da vasta e consistente obra construída de dois de seus mais importantes arquitetos: Anthony Almeida e Beda Amuli.

O grande legado modernista na Tanzânia O grande legado modernista na Tanzânia O grande legado modernista na Tanzânia O grande legado modernista na Tanzânia + 17

Como o brutalismo chega na década que se inicia?

Como o brutalismo chega na década que se inicia?Como o brutalismo chega na década que se inicia?Como o brutalismo chega na década que se inicia?Como o brutalismo chega na década que se inicia?+ 17

"A imagem proporcionada pelo Brutalismo, uma arquitetura de extremos sensuais, é frequentemente uma experiência extraordinária e desconhecida para o explorador da cidade. Pode haver algo agressivo e um vocabulário arrojado (...) na paleta expressiva que exibe a verdade de seus materiais e um desdém pelo frívolo". Assim Simon Phipps [1] descreve a sedução que as obras brutalistas sustentam perante nós até hoje. No entanto, o que define pensar essas arquiteturas em 2021?

A poética concreta de Pier Luigi Nervi, pioneiro do brutalismo

Pier Luigi Nervi é um caso curioso na história da arquitetura. Apresenta grandes edifícios de concreto armado – sendo inclusive responsável por desenvolvimentos técnicos ligados a esse material –, que se definem por seus ousados, expressivos e heroicos partidos estruturais. Projetava de forma semelhante a Corbusier na sua chamada ‘fase brutalista’, que “(...) abordava o programa de arquitetura partindo de princípios de ordem geral, adaptando-os em seguida à situação real. O projeto era definido pelo partido que se organizava do geral para o partícular” (Acayaba, 1985); observar-se isto nos edifícios do italiano que, em grande parte, são obras pavilhonares, nos quais uma grande cobertura estrutural recobre o programa em suas particularidades.

A poética concreta de Pier Luigi Nervi, pioneiro do brutalismoA poética concreta de Pier Luigi Nervi, pioneiro do brutalismoA poética concreta de Pier Luigi Nervi, pioneiro do brutalismoA poética concreta de Pier Luigi Nervi, pioneiro do brutalismo+ 7

Começam as obras de reforma da Pirâmide de Tirana na Albânia projetada pelo MVRDV

Este mês marcou o início das obras de reforma da Pirâmide de Tirana, um monumento brutalista na Albânia. O projeto assinado pelos arquitetos do MVRDV, trata da reabilitação daquilo que, originalmente, era um monumento comunista. A proposta transforma a estrutura brutalista em um novo polo para a vida cultural de Tirana. Preservando a casca de concreto, a intervenção abrirá o átrio do edifício para cafés, estúdios, oficinas e salas de aula.

Começam as obras de reforma da Pirâmide de Tirana na Albânia projetada pelo MVRDVComeçam as obras de reforma da Pirâmide de Tirana na Albânia projetada pelo MVRDVComeçam as obras de reforma da Pirâmide de Tirana na Albânia projetada pelo MVRDVComeçam as obras de reforma da Pirâmide de Tirana na Albânia projetada pelo MVRDV+ 14