Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Brutalismo

Brutalismo: O mais recente de arquitetura e notícia

Tons de cinza em Londres: série de fotografias explora o brutalismo britânico

A arquitetura brutalista está desaparecendo da cidade de Londres. No princípio, essas estruturas eram percebidas como rebeldes e desajustadas, posteriormente, no entanto, este estilo se tornou o mais recorrente dentre os edifícios comerciais e governamentais do pós-guerra. Atualmente, com as demandas do mercado imobiliário e o domínio da arquitetura contemporânea, essas monumentais estruturas acinzentadas de concreto estão pouco a pouco desaparecendo.

O arquiteto e fotógrafo Grégoire Dorthe desenvolveu a paixão pela fotografia durante o serviço militar, quando percebeu que, através de suas imagens, era capaz de congelar momentos e preservar o que será perdido com o tempo. Em sua série fotográfica intitulada Brutal London, o fotógrafo suíço registra as formas brutas e as qualidades gráficas da arquitetura brutalista da cidade, antes que esses edifícios sejam para sempre perdidos.

© Grégoire Dorthe © Grégoire Dorthe © Grégoire Dorthe © Grégoire Dorthe + 53

Cinza vs. Branco: 5 edifícios brutalistas em Tel Aviv

O patrimônio arquitetônico de Tel Aviv conquistou a atenção mundial por meio do reconhecimento da UNESCO pelo estilo internacional da era britânica e edifícios com influência da Bauhaus. Menos conhecida é a herança brutalista e as construções históricas da cidade projetadas nas décadas seguintes. O brutalismo desempenhou um papel significativo na esfera do design israelense da era pós Segunda Guerra Mundial. A disponibilidade barata do concreto e as capacidades de construção rápida foram adotadas na mentalidade socialista primitiva do estado para acomodar sua população em rápida expansão.

Subúrbios de concreto: a arquitetura brutalista da Europa Oriental

Após a Segunda Guerra Mundial, o brutalismo se espalhou pela Europa, redefinindo a arquitetura moderna e estabelecendo um novo estilo para moradias populares e edifícios comunitários. Embora a maior parte da atenção tenha se detido em monumentos nas principais cidades, os subúrbios europeus também abrigam muitos edifícios brutalistas excepcionais.

Para apresentar a arquitetura brutalista "despercebida" da Europa Central e Oriental, a editora Zupagrafika registrou e reuniu mais de 100 fotografias em um livro intitulado Eastern Blocks, convidando os leitores a explorar conjuntos habitacionais brutalistas em Moscou, Berlim Oriental, Varsóvia, Budapeste, Kiev e São Petersburgo.

© Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika + 22

A arquitetura brutalista da Universidade de Düsseldorf, pelas lentes de Luciano Spinelli

Embora a arquitetura brutalista seja às vezes criticada por sua aparência demasiadamente inacabada, é freqüentemente empregada em projetos de edifícios públicos, tornando-se, não raro, um marco na paisagem urbana. Alguns projetos, embora nitidamente brutalistas, rompem com o monocromatismo do concreto e fazem uso de superfícies coloridas que lhes conferem maior dinamismo. 

Com uma Leica M6 analógica, o fotógrafo de arquitetura e interiores Luciano Spinelli registrou o edifício da Universidade de Düsseldorf, explorando o contraste entre estruturas de concreto e outros elementos coloridos vibrantes.

10 obras icônicas do brutalismo na América Latina

via Usuário Flickr: Renovación República CC BY 2.0
via Usuário Flickr: Renovación República CC BY 2.0

Este artigo foi originalmente publicado por KatariMag. Leia outros artigos aqui e siga seu Instagram.

A arquitetura brutalista responde a um momento histórico. Terminava a Segunda Guerra Mundial e das cinzas surge uma nova forma de Estado, junto com um nova ordem global que vai incluir, com maior protagonismo, a Estados periféricos. A arquitetura brutalista nasce como resposta a ideias de estados benfeitores, estados robustos que vão sustentar e dirigir a nova sociedade de massas. Como disse o crítico Michael Lewis "o brutalismo é a expressão vernacular do estado benfeitor".

Preservando a arquitetura brutalista esquecida da Índia

O brutalismo é uma corrente da arquitetura que se desenvolveu em diferentes partes do mundo, sempre levando em consideração algumas particularidades locais, embora compartilhando de alguns preceitos comuns como, por exemplo, o uso de materiais sem revestimento e o transparecimento do trabalho necessário para erguer as obras. O debate acerca do brutalismo é ainda intenso em diversas regiões, reunindo argumentos a favor e contra sua preservação. 

Enquanto muitos enxergam a arquitetura brutalista como "feia” ou “incompleta”, Arhan Vohra, um estudante de apenas 17 anos, lançou o Brutal Delhi, uma plataforma que reúne suas fotografias de edifícios brutalistas de Nova Delhi, Índia.

NDDB Building . Imagem © Arhan Vohra NDMC Building . Imagem © Arhan Vohra The Shri Ram Centre for Performing Arts. Imagem © Arhan Vohra NCDC Building . Imagem © Arhan Vohra + 11

Maquetes detalhadas capturam a beleza do brutalismo e do Art Déco na arquitetura irlandesa

John Donnelly, arquiteto da Irlanda do Norte, abriu recentemente um escritório dedicado à produção de maquetes detalhadas que explorem a diversidade do ambiente construído de Belfast. Model Citizen foi fundado buscando promover um maior entendimento apreciação da arquitetura e dos trabalhos manuais das cidades irlandesas.

O escritório vê suas esculturas e maquetes como um “mecanismo para enfatizar a beleza e o significado do nosso patrimônio”, traduzindo os estilos art déco, brutalista e internacional em objetos esculturais tangíveis que podem ser manuseados e explorados.

© Model Citizen © Model Citizen © Model Citizen © Model Citizen + 15

Clássicos da Arquitetura: Crematório Vila Alpina / Ivone Macedo Arantes

© FLAGRANTE © FLAGRANTE © FLAGRANTE © FLAGRANTE + 20

Este artigo foi originalmente publicado em 04 de junho de 2018. Para ler sobre outros projetos icônicos de arquitetura, visite nossa seção Clássicos da Arquitetura.

Com atividade iniciadas em 1974 e projeto desenvolvido pela arquiteta Ivone Macedo Arantes – na época funcionária do Departamento de Cemitérios da Prefeitura de São Paulo - o Crematório Jayme Augusto Lopes, popularmente conhecido como Crematório de Vila Alpina, localiza-se no Jardim Avelino, zona leste da cidade de São Paulo, e é tido como o primeiro crematório do Brasil e da América latina e considerado um dos maiores do mundo.

Evento do CEAU/SC - Lançamento do livro Hans Broos: memória de uma arquitetura

O CEAU/SC convida para um debate sobre o Patrimônio Histórico Moderno e para o Lançamento do livro 'Hans Broos: memória de uma arquitetura'

O evento será realizado no Fórum Eduardo Luz, projeto do arquiteto Hans Broos. Além de simbólico, lançar o livro em uma obra do próprio arquiteto, 2018 marca o 50º aniversário da edificação.

Hans Broos: memória de uma arquitetura é o primeiro livro sobre o arquiteto, um dos expoentes da arquitetura moderna brasileira. A publicação é resultado do projeto cultural de mesmo nome, aprovado pelo Programa de Incentivo à Cultura do Governo do Estado de São Paulo - PROAC -

Em defesa do brutalismo polonês: redescobrindo os ícones da arquitetura comunista

Varrer de uma cidade a sua arquitetura é como se pudéssemos apagar por completo partes de sua história. Apesar da aversão generalizada por grande parte da população, a arquitetura brutalista na Polônia pós-stalinista andava de mãos dadas com o movimento político que prometia uma sociedade mais justa e igualitária. A arquitetura que hoje em dia é vista como a materialização de um antigo regime opressivo, austero e arrogante, foi originalmente concebida para ser tudo menos isso; estes edifícios carregam hoje um legado bastante ambíguo, apreciados como ícones do seu tempo ou rejeitados como memórias que as pessoas preferem esquecer.

Em um artigo recente publicado pelo New York Times, o escritor Akash Kapur compartilha as emoções de sua mais recente visita à Polônia, aonde nos convida à refletir sobre esta complexa história construída, tantas vezes contraditória e quase sempre, mal compreendida. Acompanhado por arquitetos locais comprometidos à defender com unhas e dentes alguns dos exemplos mais extraordinários da arquitetura moderna do final do século XX, Kapur visitou inúmeras obras decadentes do brutalismo na Polônia, conversando com a população local e descobrindo suas histórias.

Osiedle Plac Grunwaldzki "Manhattan" / Wrocław Falowiec / Gdańsk © Marcin Lachowicz via Wikimedia + 10

3º SiM - Seminário Interdisciplinar em Museologia: “Paisagem como memória: o legado de Hans Broos no Vale do Itajaí”.

O Seminário - que tem edição bianual e conta com lançamento de livro sobre o arquiteto – ocorrerá no Centro de Memória Ingo Hering e abordará o legado do arquiteto Hans Broos em nossa região, seguindo dois eixos: Documentação e Patrimônio Construído.

A data não poderia ser mais simbólica: no dia em que Hans Broos completaria 97 anos: 10 de outubro. Celebraremos a atuação do arquiteto – responsável pela criação do circuito industrial da Cia. Hering, nos anos 1970.

As inscrições para o 3º SiM podem ser realizadas diretamente no link: bit.ly/SIMinscricoes.

---

| Programação |

| Visita guiada |
10h –11h30
Cia Hering Matriz

Curta-metragem celebra o brutalismo soviético da Ucrânia

Com a queda da Cortina de Ferro em 1991 não vieram apenas implicações políticas, econômicas e sociais - também deixou-se para trás um distinto estilo arquitetônico. Essa arquitetura, sob o regime soviético, era um sistema que se baseava em metas quantificáveis, como o Plano de Cinco Anos. Essas cotas forçaram os arquitetos a avaliar os projetos de construção em termos de custos materiais e humanos, número de unidades, volume de mão-de-obra qualificada e não-especializada e assim por diante. Como resultado, nos países soviéticos a arquitetura se tornou uma mercadoria industrial, um reflexo do poder e inovação tecnológica e, em última instância, um grupo profissional e um campo disciplinar trabalhando a serviço de uma mesma visão. 

Casa dos Sovietes: por que devemos preservar este símbolo do brutalismo soviético?

© Maria Gonzalez
© Maria Gonzalez

© Maria Gonzalez © Maria Gonzalez © Maria Gonzalez © Maria Gonzalez + 20

A Casa dos Sovietes é um enorme edifício brutalista russo projetado pelo arquiteto Yulian L. Shvartsbreim. Localizado no centro de Kaliningrado, o edifício está abandonado desde a época de sua construção. Mesmo assim, os habitantes o reconhecem como o marco urbano mais importante da cidade. Eles costumam se referir ao edifício como "o rosto do robô", já que sua forma estranha os faz imaginar um robô enterrado até o pescoço que mostra apenas o rosto acima da superfície.

O brutalismo de Toronto, pelas lentes de Ruta Krau

© Ruta Krau
© Ruta Krau

A fotógrafa Ruta Krau registrou imagens impressionantes do Andrews Building, um dos edifícios brutalistas mais famosos do Canadá e exemplar celebrado da arquitetura em concreto de Toronto. Projetado por John Andrews, arquiteto da icônica CN Tower de Toronto, o Andrews Building incorpora o espírito modernista de se conectar com o contexto natural, aspecto evidente em sua implantação sobre uma ravina, emergindo como uma piramide escalonada a partir desse acidente topográfico.

As fotografias de Krau capturam a estética bruta e natural do edifício modernista, destacando a textura deixada pelas tábuas de madeira usadas para enformar o concreto aparente. Presente tanto no interior como no exterior, essa textura complementa os pisos de coloração terrosa e as paredes revestidas de madeira.

© Ruta Krau © Ruta Krau © Ruta Krau © Ruta Krau + 19

De volta para o passado com estas versões brutalistas de relógios de cuco

© Guido Zimmermann
© Guido Zimmermann

Máquinas de café e gnomos de jardim à parte, os fanáticos do brutalismo agora poderão expressar seu amor pelo controverso estilo modernista de outra maneira, tudo graças ao novo trabalho do artista alemão Guido Zimmermann. Seus belíssimos “Cuckoo Blocks” reinventam o tradicional relógio de cuco da Floresta Negra com um desenho inspirado no brutalismo modernista do final da década de 1960.

Mais do que um objeto de decoração para os fanáticos brutalistas, os relógios são, na verdade, uma resposta à crise da classe média resultado do aumento dos preços dos aluguéis nas metrópoles modernas. 

© Guido Zimmermann © Guido Zimmermann © Guido Zimmermann © Guido Zimmermann + 16

AnZa: uma cafeteira brutalista de concreto

Arquitetura e café andam de mãos dadas. A estética da máquina de expresso tornou-se uma parte mundana do ritual da manhã. Os designers da Montaag estão mudando isso com o lançamento do AnZa - uma impressionante máquina de café expresso feita de concreto. Após quatro anos de prototipagem e teste, a máquina está próxima de ser comercializada e vem equipada com funcionalidades de alta tecnologia - como preparar seu café à distância, enquanto você ainda está na cama.

Cortesia de Montaag
Cortesia de Montaag

Cortesia de Montaag Cortesia de Montaag Cortesia de Montaag Cortesia de Montaag + 12

Clássicos da Arquitetura: Neviges Mariendom / Gottfried Böhm

Como uma montanha de concreto em meio às árvores, o volume irregular de concreto de Neviges Mariendom ("Catedral de Santa Maria de Neviges") ergue-se sobre seus arredores. Construído em um popular local de peregrinação no oeste da Alemanha, Mariendom é a última iteração de um mosteiro que atrai inúmeros visitantes e peregrinos de todo o mundo há séculos. Ao contrário de seus predecessores medievais e barrocos, Mariendom, descaradamente modernista, reflete uma mudança significativa na visão de seus criadores: uma nova maneira de pensar tanto para as pessoas da Alemanha pós-guerra quanto para a Igreja Católica em geral.

© Yuri Palmin © Yuri Palmin © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu + 22

Robin Hood Gardens de Alison e Peter Smithson começa a ser demolido

Iniciou-se oficialmente as demolições do projeto habitacional Robin Hood Gardens no leste de Londres, colocando um ponto final em qualquer possibilidade de preservação de um ícone da arquitetura brutalista do Reino Unido. Projetado pelos arquitetos britânicos Alison e Peter Smithson e concluído em 1972, os planos para a limpeza e reconstrução da área tem estado em pauta há mais de cinco anos, antes mesmo da indecisão do governo e de uma corajosa campanha de protesto liderada por arquitetos como Richard Rogers, Zaha Hadid, Robert Venturi e Toyo Ito, que questionava o plano.