Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Brutalismo

Brutalismo: O mais recente de arquitetura e notícia

"Utopia": Série fotográfica registra a arquitetura brutalista de Londres

O Studio Esinam, em colaboração com o fotógrafo britânico Rory Gardiner, divulgou a "Utopia", uma série fotográfica que registra e homenageia a arquitetura brutalista de Londres. 

Fotografada no início deste ano, a série captura alguns dos maiores exemplos do brutalismo londrino, como por exemplo o Barbican Estate, o Royal National Theatre, a Hayward Gallery, a Trellick Tower e o projeto  Robin Hood Gardens.

© Studio Esinam / Rory Gardiner © Studio Esinam / Rory Gardiner © Studio Esinam / Rory Gardiner © Studio Esinam / Rory Gardiner + 21

Arndt Schlaudraff recria ícones da arquitetura com Lego

Na primeira Bienal de Arquitetura de Chicago, que aconteceu ano passado, uma das exposições era Architecture is Everywhere, de Sou Fujimoto Architects, na qual o escritório usou itens cotidianos, como grampos, caixas, salgadinhos, pedras e bolas de ping pong, combinados com figuras humanas, para criar novas formas arquitetônicas. Operando com a filosofia de que a "arquitetura é primeiramente encontrada e, então, feita", o projeto expressa a crença do escritório de que não precisamos procurar em fontes típicas para pensar de forma ousada sobre as possibilidades formais da arquitetura.

Desenvolvendo esta filosofia e usando apenas blocos brancos de Lego, o artista berlinense Arndt Schlaudraff criou uma série de construções que emulam precedentes do mundo real, mas carecem de sua materialidade e cor. Os resultados são formas estéreis e sem escala, definidas pela ortogonalidade dos blocos que se encaixam e nos remetem a alguns edifícios consagrados. Exibindo seu trabalho através do Instagram, Schlaudraff já reconstruiu ícones como o Tate Modern, o Centro de Inovação UC de Aravena, e o Pavilhão Barcelona de Mies.

Vídeo conta a história do projeto Robin Hood Gardens de Alison e Peter Smithson

O cineasta britânico Joe Gilbert realizou um breve filme sobre o projeto Robin Hood Gardens de Alison e Peter Smithson em Londres. Acompanhado por comentários de Timothy Brittain-Catlin, o filme apresenta a "história e o estado atual da obra a partir de uma série de imagens monocromáticas do projeto."

Trailer de "High Rise" mostra a vida em uma megaestrutura brutalista

"Alguma vez já quiseste algo mais?" pergunta o personagem interpretado por Tom Hiddleston no trailer de "High Rise", um filme baseado no romance de J.G. Ballard escrito em 1975. Filmado quase como uma apologia à torre brutalista, o complexo conta com diversos equipamentos e comodidades: "quase não há razão para sair". A arquitetura retratada consiste em uma megaestrutura de concreto com belas empenas que destacam e contrastam com o mobiliário modernista dos interiores. Não diferente da megaestrutura residencial brutalista do Barbican, o "High Rise" conta com um supermercado, academia, piscina, spa e um escola. Talvez seja por isso que Hiddleston descreve o cenário do filme como "distintamente e definitivamente britânico". Assista, acima, ao trailer do filme, que será lançado em salas do mundo todo em 2016.

Construa seus próprios modelos de papel de edifícios modernistas poloneses

© Zupagrafika
© Zupagrafika

Após o sucesso das series de Londres e Varsóvia, Zupagrafika lançou outra coleção de modelos de papel chamada Blokowice baseada na cidade de Katowice, Polônia.

Inspirada na arquitetura da região industrial de Silesian, Blokowice apresenta edifícios modernistas e brutalistas construídos entre as décadas de 1960 e 1980. A coleção inclui o Spodek e o Superjednostka, duas estruturas icônicas do centro da cidade, Osiedle Gwiazdy, um singular edifício em forma de estrela, Osiedle Odrodzenia, uma obra pré-fabricada em painéis de concreto localizada nos arredores da cidade, e a controversa estação de trens de Katowice, demolida em, 2011.

© Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika + 19

AD Classics: Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) / Paulo Mendes da Rocha

Que um edifício destinado à exibição de obras de escultura seja caracterizado por uma imensa laje de concreto protendido que cobre menos de um quinto da sua área, e que o mesmo edifício não precise de sombra já que é completamente fechado em níveis enterrados e semi-enterrados, leva a algumas questões contemporâneas sobre a arquitetura. Para que serve a arquitetura? O que determina um edifício? O que o diferencia de uma escultura? O que é o espaço público?

Com essas e outras contradições, ambiguidades e paradoxos materializados no MuBE, gostaríamos de saber dos nossos leitores suas respostas a essas inquietações que acompanham toda a história da arquitetura.

Compartilhamos a seguir uma sequência de 15 vídeos históricos da Intermeios da FAU-USP, que dão conta de toda a concepção, projeto e construção do Museu Brasileiro da Escultura em todas suas facetas, desde o projeto de arquitetura, passando pelo cálculo estrutural, ao paisagismo.

Clássicos da Arquitetura: Capela de São Pedro / Paulo Mendes da Rocha

© Leo Giantomasi © Leo Giantomasi © Leo Giantomasi © Leo Giantomasi + 33

As sombras quase não deixam ver o único pilar central do edifício. A laje de cobertura parece se apoiar apenas nos caixilhos dos vidros alinhados ao seu perímetro irregular. A altura visível da laje é similar à altura livre do nível de entrada: dois metros e cinco centímetros versus dois metros e vinte centímetros, respectivamente. A massa de concreto armado aparente sobre uma retícula envidraçada.

O que os videoclipes podem nos ensinar sobre arquitetura?

Quando se trata da confluência entre música e arquitetura, talvez a primeira coisa que vem à mente seja a afirmação de Goethe de que "a música é a arquitetura líquida." Goethe, no entanto, viveu antes do surgimento da MTV: os videclipes se tornaram filmes em miniatura, buscando capturar todo o tom, tendências e contexto de uma determinada música e traduzi-los visualmente. Melhor do que isso, a maneira como os videoclipes usam a arquitetura não é a mesma como qualquer documentário ou filme faz; a câmera tenta imitar a forma como as pessoas ouvem a música cortando e tecendo o entorno, projetado para os ouvintes, tanto quanto para os telespectadores. Então, vemos protagonistas voltando-se para o lado, elementos importantes posicionados longe do centro e planos que exploram e dissimulam os espaços em uma tentativa de ajustar a acústica das músicas para o ambiente.

O que isto significa para nós é que os videoclipes podem relacionar-se com a arquitetura e capturar seus tons subjacentes de uma forma que um filme se esforça para fazer. Para um arquiteto perguntando como o público realmente entende e interage com um pedaço de arquitetura ou lembra de um estilo, os videoclipes são uma mina de ouro inexplorada, uma vez que cada localização das filmagens procura mostrar como nossa cultura se relaciona com um edifício. Confira a seguir sete videoclipes que nos dizem muito sobre a arquitetura que eles apresentam.

Calvin Seibert cria impressionantes castelos modernistas de areia

"Eu sempre tive uma afinidade por arquitetura que atribuo ao fato de ter crescido em bairros e cidades que estavam constantemente em construção. Nossa casa foi a primeira da quadra. Acho que de certo modo eu estava mais interessado nas abstrações das fundações e da estrutura inicial que nas estruturas completas em si. As coisas que eu fazia naquela época tinham esta coisa de incompleta. À medida que me tornava mais consciente da arquitetura e seu vasto mundo, o brutalismo assumia como um dos estilos do momento. Ver revistas de arquitetura quando era criança e frequentar resorts de ski franceses de Marcel Breuer e Flaine construídos em concreto mexeu com minha sensibilidade, fui cativado."

Para o artista de Nova York, Calvin Seibert, castelos de areia são mais do que um divertido hobby de verão. Utilizando um balde de tinta, espátulas caseiras de plástico e cerca de 565 litros de água, ele cria espetaculares castelos modernistas. Leia a seguir uma entrevista com Seibert e mais fotos de sua obra.

© Calvin Seibert © Calvin Seibert © Calvin Seibert © Calvin Seibert + 17

Clássicos da Arquitetura: Edifício Acal / Pedro Paulo de Melo Saraiva

Por Michelle Schneider Santos

O edifício tem dupla fachada: a oculta e a exposta. A fachada oculta é composta de quatro faces de vidro, tipo cortina, com caixilharia em alumínio. O distanciamento entre montantes é de um metro e trinta e dois centímetros. A fachada exposta é de concreto aparente, composta por sete módulos simétricos de dois metros e sessenta e cinco centímetros de largura e igual altura, no sentido horizontal, e doze módulos idênticos no sentido vertical. Cada face tem dezoito metros e setenta e cinco centímetros de largura e trinta e dois metros de altura, a partir do primeiro pavimento. Os módulos de concreto possuem duas barras diagonais, que resultam em um X inscrito em um quadrado, para o travamento estrutural, conformando uma grelha com o total de oitenta e quatro unidades em cada fachada. Trata-se de quatro planos suspensos com treliças tubulares, distantes sessenta centímetros do plano interno de vidro e sem intersecção nas arestas.

Embaixada dos EUA, de Harrison & Abramovitz, reabre em Havana

Pela primeira vez em mais de meio século os Estados Unidos reabriram sua embaixada em Havana, Cuba,, atraindo, recentemente, a atenção para o emblemático edifício modernista projetado por Harrison & Abramovitz. Historicamente associado por muitos cubanos à arrogância e imperialismo norte-americano, o edifício desempenhou um papel simbólico na relação política entre os dois países.

5 propostas para transformar a estação de ônibus de Preston em um novo centro da juventude

O Royal Institute of British Architects, juntamente com o Conselho Municipal de Lancashire, divulgou cinco propostas que buscam transformar a antiga Estação de Ônibus de Preston em um novo espaço público e centro da juventude. Cada projeto foi selecionado entre 100 propostas enviadas através de um concurso internacional de ideias que tinha como objetivo preservar a natureza brutalista do histórico edifício.

O aguardado plano de £13 milhões é um grande passo, considerando-se que a estação dos anos 1960, agora protegida pelo patrimônio histórico, quase foi demolida recentemente. Os esforços de reuso adaptativo são o resultado de uma bem sucedida campanha internacional que garantiu a continuidade da icônica estrutura.

Agora, a Prefeitura de Lancashire quer sua ajuda. Veja, a seguir, as cinco propostas finalistas e vote em sua favorita.

Instalação recria os playgrounds brutalistas de Londres

Um exploração de "design lúdico pós-guerra", a instalação The Brutalist Playground, concebida pelo coletivo Assemble e pelo artista Simon Terrill, foi recentemente aberta ao público na Galeria de Arquitetura do RIBA. A instalação imersiva se inspira em diversos marcos londrinos - Churchill Gardens, Pimlico, o Brunel Estate, Paddington e o Brownfield Estate em Poplar - onde os playgrounds eram feitos de concreto e ofereciam às crianças paisagens abstratas prontas a serem ocupadas por seus jogos e brincadeiras. Hoje, considerados inseguros, esses playgrounds não existem mais, assim, The Brutalist Playground foi concebido para explorar o lado lúdico do brutalismo.

Veja, a seguir, mais imagens da instalação.

© Tristan Fewings / Getty Images for RIBA © Tristan Fewings / Getty Images for RIBA © Tristan Fewings / Getty Images for RIBA © Tristan Fewings / Getty Images for RIBA + 20

Cinema e Arquitetura: Locações de "Laranja Mecânica", na atualidade

Nós já apresentamos um artigo sobre Laranja Mecânica de Stanley Kubrick e suas notáveis locações. Em relação a este tema, nos deparamos com o trabalho de Herve Attia, um arquiteto americano que tem como objetivo buscar e registrar as locações reais dos grandes clássicos do cinema.

Sob esta premissa, Attia viajou para Londres onde pôde capturar com sua câmara o estado atual das ruas e edifícios onde foram filmadas as cenas mais importantes do filme de 1971.

O resultado de sua viagem pode ser visto no vídeo acima e a lista de locações registradas, abaixo.

Arquitetura brutalista parisiense no novo vídeo do The Chemical Brothers, por Michel Gondry

Sete mulheres e dois canos de Pole Dance se unem numa coreografia perfeitamente sincronizada por Michel Gondry, exibida num percurso através do bairro de Front-de-Seine, em Paris. A área pertence ao Distrito XV, junto ao rio Sena, e é caracterizada por reunir uma interessante mostra de arquitetura brutalista, resultado de um projeto urbano de 1970 que permitiu reabilitar uma antiga zona industrial que possui 20 torres de até 100 metros de altura.

Os edifícios foram projetados pelos arquitetos Henri Pottier e Raymond Jules Lopez, e são construídos sobre uma plataforma elevada que é animada por uma série de composições geométricas estendidas sobre o pavimento. O vídeo nos permite identificar vários destes edifícios e utiliza a notável configuração urbana para fabricar a coreografia.

Panorâmica do bairro de Front-de-Seine, en París. Imagem via Wikipedia CC
Panorâmica do bairro de Front-de-Seine, en París. Imagem via Wikipedia CC

"Classic Japan", Episódio 2: Centro de Conferências Internacionais de Kyoto / Sachio Otani

O segundo episódio da série "Classic Japan" mostra o Centro de Conferências Internacionais de Kyoto, projetado em 1966 por Sachio Otani. Local onde foi assinado o protocolo de Kyoto em 1997, o centro de conferências de Otani se desdobra em direção ao lago Takaragaike através de uma série de caminhos de concreto que compensam o peso da obra brutalista. Filmado e editado por Vincent Hecht, arquiteto e cineasta francês que atualmente vive em Tóquio, a série foca na arquitetura japonesa produzida entre 1950 e 1980.

Antes de trabalhar no projeto do centro de conferências, Otani trabalhou no escritório de Kenzo Tange, cujo Ginásio Nacional Yoyogi foi apresentado no primeiro episódio da série.

Zupagrafika homenageia a arquitetura brutalista de Londres com modelos de papel

O estúdio polonês Zupagrafika lançou uma coleção de cinco modelos de papel que representam a arquitetura brutalista de Londres dos anos 1960 e 70. Espalhadas pelos bairros de Camden, Southwark e Tower Hamlet, o passeio pelas estruturas de concreto aparente (de papel) começa com as icônicas Balfron Tower e Space House, passa pelos edifícios Robin Hood Gardens e Aylesbury Estate, e termina com um clássico dos painéis pré-fabricados, o Ledbury Estate.

A série "Brutal London" é o modo singular que o Zupagrafika encontrou para catalogar a arquitetura moderna londrina que corre o risco de ser demolida.

© Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika + 25

Vídeo: Passeio de drone por dentro do Seminário St. Peter

O famoso edifício brutalista escocês, o Seminário St. Peter, abandonado há 25 anos, está sendo redescoberto através da tecnologia dos drones. O edifício, projetado originalmente por Gillespie, Kidd & Coia em 1966 e muito inspirado na obra de Le Corbusier, recebeu recentemente um novo sopro de vida. O escritório londrino Avanti Architects, juntamente com e NORD Architects, de Glasgow, divulgou recentemente as primeiras imagens de seus planos para trazer de volta à vida o icônico edifício. Essa filmagem não apenas dá uma ideia de quão deteriorada está a estrutura em seu estado atual, mas também sugere a possibilidade do edifício se tornar no futuro um centro de artes.