Arquitetura do Polônia

  1. ArchDaily
  2. Países
  3. Polônia

Projetos mais recentes em Polônia

Últimas notícias em Polônia

A mina de ouro branco da Polônia: a história de um dos maiores projetos de reuso adaptativo do mundo

A Polônia é um país geograficamente muito diverso, com distintas paisagens e territórios além de uma vasta história e cultura milenar. Suas mais importantes cidades são como um inventário de distintas arquiteturas, do românico ao gótico, passando pelo barroco ao pós-moderno. Além de suas históricas e exuberantes capitais e topografia única, a Polônia conta hoje com dezessete sítios históricos de interesse mundial reconhecidos pela UNESCO. De cidades medievais a reservas naturais, passando por pequenas igrejas de madeira até o impressionante Castelo de Malbork, esta seleta lista de lugares e edifícios históricos e naturais esconde um verdadeiro tesouro desconhecido. Escondida em um pequeno vale ao sul de Cracóvia, encontra-se uma das maiores e mais antigas minas subterrâneas cavadas à mão—a qual foi transformada ao longo dos séculos em um amplo complexo multiuso com tudo aquilo que você é capaz de imaginar (e do que não é capaz também). De um centro de tratamento de saúde, beleza e bem-estar a uma pequena e reclusa igreja enterrada dezenas de metros abaixo do nível do solo, a famosa Mina de Sal de Wieliczka conta ainda com a primeira plataforma subterrânea de bungee jumping do mundo.

Pavilhão da Polônia na Expo Dubai 2020 traz escultura cinética em referência a aves migratórias

Projetado pelo escritório de arquitetura WXCA com sede em Varsóvia em parceria com o estúdio suíço Bellprat Partner, o Pavilhão da Polônia na Expo Dubai 2020 faz uma homenagem às paisagens naturais do país, elemento fundamental da própria identidade polonesa. Através de uma estrutura modular envolvida por uma escultura cinética que lembra uma revoada, o projeto faz referência à ideia de mobilidade ao mesmo tempo em que mostra a conexão natural estabelecida pelas aves migratórias que se deslocam anualmente da Polônia aos Emirados Árabes Unidos.

7 Pavilhões na Bienal de Veneza que exploram as migrações e seus impactos no espaço construído

Buscando responder a intrigante pergunta proposta por Hashim Sarkis como tema central da 17ª Bienal de Arquitetura de Veneza, “Como viveremos juntos”, diversos arquitetos e curadores dos pavilhões nacionais apresentaram uma série de propostas e leituras sobre os principais problemas e as mais recorrentes questões que permeiam a nossa disciplina. A inquietação do curador da Bienal de Veneza de 2021, foi encarada como um chamado à comunidade de arquitetos “a imaginar espaços que nos permitam viver juntos generosamente”, espaços que não sejam limitados por contratos ou regras e sejam suficientemente flexíveis para acolher uma maior diversidade de pessoas, promovendo a sensação de pertencimento ainda que em um lugar completamente alheio a nossas próprias raízes. Ao contrário do que foi visto ao longo das últimas décadas, a migração hoje não é mais um fenômeno local—do campo para a cidade—, e sim uma questão bastante abrangente, complexa e que transcende fronteiras. As novas tecnologia e a consequente transformação dos espaços de trabalho, além é claro da recente pandemia, alteraram profundamente a forma como nos relacionamos com o espaço construído e não-construído. Atualmente, 85% dos nossos afazeres diários podem ser cumpridos sem precisarmos sair de casa. Dito isso, o que estamos observando no mundo hoje, é uma necessidade cada vez maior de flexibilizarão dos nossos espaços construídos e habitáveis.

Bienal de Design de Londres 2021: pavilhões nacionais destacam papel do design ao enfrentar desafios globais

A Bienal de Design de Londres está atualmente em exibição na Somerset House, com 38 exposições de seis continentes, apresentando o papel do design na abordagem dos desafios globais. Com curadoria do Diretor Artístico Es Devlin, o evento gira em torno do tema ‘Ressonância’, convidando designers e artistas a considerar o efeito dos “conceitos inovadores do design sobre a forma como vivemos e as escolhas que fazemos”. Na terceira edição da Bienal de Design de Londres, os pavilhões nacionais destacam novas perspectivas sobre as questões mundiais, explorando sustentabilidade e meio ambiente, globalização e migração, história e vida cotidiana.

Daniel Libeskind desenvolve projeto urbano em sua cidade natal na Polônia

Nascido na cidade polonesa de Łódź em 1946, Daniel Libeskind passou boa parte de sua infância em Israel e em 1959 migrou junto com sua família para os Estados Unidos, tornando-se cidadão americano em 1965. Mais de meio século depois de deixar o seu país de origem, Libeskind voltou a sua cidade natal e está desenvolvendo um amplo projeto de revitalização urbana que pretende mudar a cara de uma das maiores e mais importantes cidades do país. Desenvolvido em parceria com o Instituto Cultural inLodz21, o projeto pretende ressignificar 21 lotes urbanos e estruturas construídas no centro de Łódź, desde edifícios residenciais e comerciais até espaços urbanos. Visando resgatar a antiga glória da cidade e transformá-la em um novo polo cultural e industrial, o projeto inLodz21 pretende restabelecer a cidade de Łódź como um importante centro de inovação e criatividade no cenário nacional e internacional.

Pavilhão polonês na Bienal de Veneza especula sobre o futuro das áreas rurais

Intitulado “Trouble in Paradise”, o pavilhão polonês para a 17ª Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, volta sua atenção para o campo, nos convidando a refletir sobre a importância das áreas rurais para o futuro sustentável do planeta e as possíveis soluções que elas nos oferecem para enfrentarmos as principais crises e desafios do presente. Com curadoria do jovem escritório de arquitetura polonês, o PROLOG, em parceira com uma vasta equipe internacional de arquitetos e artistas, o pavilhão polonês será inaugurado nos Jardins da Bienal no próximo dia 22 de maio e estará aberto ao público até o dia 21 de novembro, além é claro, de disponibilizar todo o seu conteúdo on-line para aqueles que não puderem estar presentes na 17ª edição da Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza.

Do dever cívico ao interesse na materialidade: 4 jovens escritórios da Europa

Quatro novos escritórios de arquitetura, com sede em Bélgica, Espanha, Países Baixos, Suíça, Dinamarca e Polônia, foram escolhidos pelo New Generations, uma plataforma que observa o que há de mais inovador dentre os arquitetos europeus, proporcionando um espaço para troca de conhecimento e confronto, teoria e produção. Desde 2013, o New Generations envolveu mais de 300 escritóros em um programa diverso de atividades culturais como festivais, exposições, lives, entrevistas, workshops e outras atividades experimentais.

A arquitetura brutalista que moldou as paisagens urbanas da Polônia

Ao longo dos últimos anos assistimos a uma (re)descoberta de um dos principais e mais fascinante capítulos da história da arquitetura moderna. O concretismo puro e explícito de uma arquitetura comumente chamada de brutalista passou a despertar um interesse tão significativo quanto previsível na comunidade internacional de arquitetos e amantes da arquitetura. Acontece que, este fenômeno o qual costumamos chamar de “brutalismo soviético”, encontra-se indissociavelmente conectado ao contexto político totalitário e opressor que o viu nascer. Não é de se espantar que, na maioria dos países que estiveram sob influência e domínio soviético até o final da guerra fria, esta face da arquitetura seja muitas vezes tratada com um certo ceticismo, quando não com repudia e desprezo. Neste contexto, a paisagem urbana e arquitetônica de um país como a Polônia não poderia ser menos complexa e fascinante.

Mural em Varsóvia feito com tinta especial purifica o ar como 720 árvores

Varsóvia, na Polônia, se tornou a segunda cidade a receber projetos públicos de arte que, além de deixarem a paisagem mais bonita, deixam o ar mais limpo. Pintado por artistas locais, o enorme mural usa pigmentos especiais, ativados pelo sol, que têm a capacidade de filtrar o ar.

Hotel modular mais alto do mundo será construído em Nova Iorque

A DMDmodular está fabricando elementos industrializados para o hotel modular mais alto do mundo, em Nova Iorque. Os módulos do Hotel AC Marriott New York NoMad, de 26 pavimentos, projetado por Danny Forster & Architecture, estão sendo produzidos em Skawina, Polônia, e enviados para os Estados Unidos.

Carregando... Pode demorar alguns segundos