Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Segunda Guerra Mundial

Segunda Guerra Mundial: O mais recente de arquitetura e notícia

Subúrbios de concreto: a arquitetura brutalista da Europa Oriental

Após a Segunda Guerra Mundial, o brutalismo se espalhou pela Europa, redefinindo a arquitetura moderna e estabelecendo um novo estilo para moradias populares e edifícios comunitários. Embora a maior parte da atenção tenha se detido em monumentos nas principais cidades, os subúrbios europeus também abrigam muitos edifícios brutalistas excepcionais.

Para apresentar a arquitetura brutalista "despercebida" da Europa Central e Oriental, a editora Zupagrafika registrou e reuniu mais de 100 fotografias em um livro intitulado Eastern Blocks, convidando os leitores a explorar conjuntos habitacionais brutalistas em Moscou, Berlim Oriental, Varsóvia, Budapeste, Kiev e São Petersburgo.

© Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika © Zupagrafika + 22

Berlim em miniatura: vídeo faz capital alemã parecer uma maquete vista de cima

MiniLook Berlin from Okapi on Vimeo.

Na correria do dia-a-dia, deslocando-se continuamente entre a casa e o trabalho, deixamos de prestar atenção nos detalhes que nos cercam. Pensando nisso, o Okapi Creative Studio criou "MiniLook Berlim", um vídeo que pretende reapresentar a cidade à seus moradores. Utilizando uma técnica de stop-motion e tilt-shift, o vídeo faz o tempo parar e a cidade parecer uma maquete, destacando as banais cenas cotidianas e imagens pitorescas da natureza, ainda que o pano de fundo esteja repleto de edifícios que todos nós conhecemos.

Dorte Mandrup vence concurso para construir escritórios sobre um bunker da 2ª Guerra Mundial

© Mir
© Mir

O escritório dinamarquês Dorte Mandrup A/S foi anunciado como vencedor de um concurso para projetar o novo Centro Trilateral de Parceria do Patrimônio Mundial de Wadden, em um local naval histórico da UNESCO em Wilhelmshaven, na Alemanha. Selecionado de 14 propostas, a vencedora aparentemente flutua no topo de um bunker existente da Segunda Guerra Mundial e abrigará os escritórios de uma empresa conjunta dinamarquesa, alemã e holandesa trabalhando para proteger a área do Mar de Wadden.

Clássicos da Arquitetura: Bairro Gallaratese / Aldo Rossi e Carlo Aymonino

À medida que a poeira abaixava após a Segunda Guerra Mundial, grande parte da Europa permaneceu com uma escassez habitacional. Em Milão, uma série de planos foram elaborados em resposta à crise, estabelecendo comunidades satélites para a cidade do norte da Itália, onde cada uma seria habitada por entre 50.000 e 130.000 pessoas. A construção da primeira dessas comunidades começou em 1946, um ano após o fim do conflito. Dez anos mais tarde, em 1956, a adoção do Il Piano Regolatore Generale -um novo plano diretor- preparou o cenário para o desenvolvimento da segunda, conhecida como "Gallaratese". O terreno da nova comunidade foi dividido em partes 1 e 2, sendo esta última propriedade do Monte Amiata Società Mineraria per Azioni. Quando o plano permitiu o desenvolvimento privado de Gallaratese 2 no final de 1967, a comissão para o projeto foi dada ao Studio Ayde e, em particular, seu sócio Carlo Aymonino. Dois meses depois, Aymonino convidaria Aldo Rossi para projetar um edifício para o complexo e os dois italianos começaram a realizar suas respectivas visões para a comunidade microcósmica ideal. [1]

© Gili Merin © Gili Merin © Gili Merin © Gili Merin + 17

72 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, Auschwitz busca preservar sua memória

Oito meses antes do fim da Segunda Guerra Mundial, no fronte europeu, o exército soviético avançava posições na Polônia anexada pela Alemanha, no começo de 1945. Isso motivou os nazistas a esvaziarem o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, onde foram torturadas e assassinadas mais de um milhão de pessoas -principalmente judeus- nos cinco anos de sua existência.

A evacuação durou quatro dias, começando em 17 de janeiro de 1945 e ante a evidência de sua sistemática matança, os nazistas decidiram explodir parte da infraestrutura construída, alguns crematórios, porões e câmaras de gás, para tentar esquecer a existência dessa fábrica de cadáveres.

Hoje, 72 anos depois da liberação do campo de concentração mais extenso do Terceiro Reich, a fundação encarregada de Auschwitz-Birkenau busca “conservar a autenticidade”, restaurando a infraestrutura em condições mais próximas às originais da época em que os nazistas abandonaram o lugar.

Conheça o desafio que Auschwitz enfrenta, a seguir.

Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Abel Francés Quesada [Flickr CC] Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Clark & Kim Kays [Flickr CC] Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Adam Kuśmierz [Flickr CC] Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Félix Carrera [Flickr CC] + 5

Resort nazista em Rügen será transformado em conjunto de luxo

Três anos antes da Alemanha Invador a Polônia em 1939, Adolf Hitler ordenou a construção do maior resort turístico do mundo, localizado em um terreno na orla da ilha de Rügen. Os nazistas o chamavam de Prora.

Capaz de receber mais de 20 mil hóspedes, Prora foi concebida pra reconfortar o trabalhador alemão cansado de sua rotina na indústria. Segundo o historiador Roger Moorhouse, o resort também servia para compensar a mão de ferro da Gestapo -- um gesto pacificador para aproximar o povo alemão de Hitler.

Mas com o estopim da Segunda Guerra Mundial, a construção de Prora foi paralizada -- até agora.

Da queda do partido nazista até 2013, o resort não passava de uma casca de um edifício, porém, há três anos, a companhia imobiliária alemã Metropole Marketing adquiriu os direitos de remodelar Prora e construir no local luxuosas casas de veraneio.

© <a href='https://www.flickr.com/photos/99667320@N06/13352750454/in/photolist-mkWkvq-mkXX9i-mmvq8W-mroohW-n29cTK-mpjJy7-n34o2d-mFZRB2-mxKSBy-n5eudF-n6tHtc-n6WRZ8-mTV4ZX-n7vgVk-mZq98P-mZqATk-n1gupw-mKEMe8-mKEHmX-mD8Gyd-mKE7NF-mWhv2M-j5WdR9-iH8HG7-j56D8z-iNwCzr-iKUXXP-iH4kaF-iM7Lwn-iLW3sS-j5TGBr-iNySQW-mVPruk-mxH7yP-iP1Qaz-j95ec5-j92BrT-j889S2-jb3G5A-jb2rMZ-naEwMZ-naEfKP-n1fXS9-mZPP8M-mZPtJ6-mXGxAj-mWidK4-mHUpwd-mG1Kir-mFZADX'>Flickr user Pixelteufel</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a> © <a href='https://en.wikipedia.org/wiki/File:Flur_Zerstoerungen.JPG'>Wikimedia user Wusel007</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>. Image5 © Metropole Marketing © Metropole Marketing + 17

Exposição na Bienal de Veneza examina o julgamento de David Irving e a arquitetura do Holocausto

Em 2000, em um julgamento realizado em Londres, David Irving, britânico notório por negar o Holocausto, processou, por calúnia, uma historiadora americana e seu artigo. Ele afirmou que o Holocausto na verdade não aconteceu -- teria sido o planejado e sistemático assassinato de seis milhões de judeus europeus uma farsa? A luta pelo valor de evidências arquitetônicas se torna relevante. Em última instância, análises forenses de plantas e remanescentes arquitetônicos de Auschwitz se tornaram crucial na derrota de Irving naquela que continua sendo a mais decisiva vitória contra a negação do Holocausto.

Isométrica de The Evidence Room (Siobhan Allman, Anna Longrigg, Donald McKay, Michael Nugent, Nicole Ratajczak, Alexandru Vilcu). Imagem © The Evidence Room Molde em geso do preenchimento câmara de Gás de Auschwitz, Copiado de Photo by Omer Arbel. Imagem © Omer Arbel Perspectiva interna da coluna de gás de Auschwitz em The Evidence Room (Siobhan Allman, Anna Longrigg, Donald McKay, Michael Nugent, Nicole Ratajczak, Alexandru Vilcu). Imagem © The Evidence Room Perspectiva interna da porta da câmara de gás em The Evidence Room (Siobhan Allman, Anna Longrigg, Donald McKay, Michael Nugent, Nicole Ratajczak, Alexandru Vilcu). Imagem © The Evidence Room + 14

Vídeo: 'Spirit of Berlin', registro colorido histórico de Berlim após a Segunda Guerra Mundial

Neste 08 de maio cumprem-se 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial na Europa, com a rendição da Alemanha do Terceiro Reich ante o exército dos Aliados, colocando um ponto final nas batalhas que perduraram por seis anos. Konstantin von zur Muehlen publicou recentemente 'Spirit of Berlin', um curta-metragem que retrata a vida cotidiana na capital alemã em julho de 1945, apenas dois meses após o fim da guerra.

Saiba mais, a seguir.

Fotografias da Segunda Guerra Mundial no Google Street View

Mostramos recentemente os lugares onde foram feitas as fotografias de algumas das capas de discos mais famosas da história. Ao contrastá-las com as imagens do Google Street View percebemos como certos pontos das cidades mudaram e como outros continuam praticamente iguais.

Apresentamos desta vez uma galeria de fotos da Segunda Guerra Mundial, registradas em Berlim, Londres, Nova Iorque, Varsóvia, entre outras, onde é possível ver como algumas avenidas e praças continuam desempenhando um importante papel como espaços de encontro e de manifestação social.

Veja as montagens a seguir.