O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. 72 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, Auschwitz busca preservar sua memória

72 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, Auschwitz busca preservar sua memória

72 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, Auschwitz busca preservar sua memória
72 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, Auschwitz busca preservar sua memória, Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via xiquinhosilva [Flickr CC]
Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via xiquinhosilva [Flickr CC]

Oito meses antes do fim da Segunda Guerra Mundial, no fronte europeu, o exército soviético avançava posições na Polônia anexada pela Alemanha, no começo de 1945. Isso motivou os nazistas a esvaziarem o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, onde foram torturadas e assassinadas mais de um milhão de pessoas -principalmente judeus- nos cinco anos de sua existência.

A evacuação durou quatro dias, começando em 17 de janeiro de 1945 e ante a evidência de sua sistemática matança, os nazistas decidiram explodir parte da infraestrutura construída, alguns crematórios, porões e câmaras de gás, para tentar esquecer a existência dessa fábrica de cadáveres.

Hoje, 72 anos depois da liberação do campo de concentração mais extenso do Terceiro Reich, a fundação encarregada de Auschwitz-Birkenau busca “conservar a autenticidade”, restaurando a infraestrutura em condições mais próximas às originais da época em que os nazistas abandonaram o lugar.

Conheça o desafio que Auschwitz enfrenta, a seguir.

Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Abel Francés Quesada [Flickr CC] Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Clark & Kim Kays [Flickr CC] Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Adam Kuśmierz [Flickr CC] Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Félix Carrera [Flickr CC] + 5

Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Adam Kuśmierz [Flickr CC]
Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Adam Kuśmierz [Flickr CC]

27 de janeiro de 1945. A data está marcada pela liberdade: O exército vermelho da União Soviética liberou os prisioneiros que ainda estavam em Auschwitz-Birkenau, "de onde só saía-se pela chaminé", como advertia o capitão Karl Fritzsch aos recém chegados em caminhões. De um total de 56.000 libertados durante quatro dias, 7.000 foram encontrados em condições paupérrimas, totalmente afetados pela fome, a repressão e o medo que sofreram no campo de concentração.

Piotr Cywinski, historiador e diretor do Museu Estatal Auschwitz-Birkenau, conversou recentemente com o The New York Times sobre o objetivo de sua curadoria, que é "conservar a autenticidade". E, para consegui-la, paradoxalmente, é necessário intervir: sua equipe não somente luta contra a resistência e ameaças de grupos neonazistas, as constantes reinterpretações de Hollywood, mas também o próprio envelhecimento das instalações, construídas para durar pouco tempo", como apontou Cywisnki ao The Washington Post, ao assumir o cargo, em 2007.

Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Clark & Kim Kays [Flickr CC]
Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Clark & Kim Kays [Flickr CC]

O Museu Estatal Auschwitz-Birkenau aposta na conservação, enfrentando a deterioração da madeira utilizada na construção das torres de vigilâncias e nas barracas; o potencial colapso e atual umidade dos muros que definem as câmaras de gás; ou a substituição do arame farpado enferrujado em torno do campo.

Simultaneamente, estão sendo reestruturados os conceitos museográficos do lugar, visitado por 1,5 milhões de turistas em 2014 -o triplo que há 13 anos, segundo o NYT- e avança o inventário de itens que permaneceram após a sua evacuação em 1945: calçados, fotografias, documentos oficiais, malas, óculos e inclusive cabelo humano das vítimas, todas raspadas antes de serem mortas.

No entanto, também está presente nessa decisão um ingrediente adicional: os defensores da negação do Holocausto -castigados com prisão na maioria dos países europeus- apontam que estas reformas justificariam sua postura, "que tudo não passou de uma montagem", tal como advertiu Jonathan Webber, acadêmico e membro do Conselho Internacional de Auschwitz, que assessora os administradores do campo de concentração.

Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Abel Francés Quesada [Flickr CC]
Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Abel Francés Quesada [Flickr CC]

Sim, Auschwitz não é o único ainda de pé: na Baviera (Alemanha), o campo de concentração de Dachau foi o primeiro a ser construído pelo regime totalitário em 1933, fechado em abril de 1945, transformado em um museu memorial em 1965 e em 2013, Angela Merkel tornou-se o primeiro chanceler alemão a visitá-lo. No entanto, enquanto Dachau é identificado como um local memorial, Auschwitz é um museu. Para marcar os contrastes, recolhemos a opinião de Gareth Davies, que visitou ambos em 2013:

"Caminhando por Dachau não pude deixar de pensar em voltar a Auschwitz [...] Não havia um gramado impecavelmente mantida, ou peças removidas do campo ou santuários religiosos. Dachau parecia tão diferente. Como eu deveria reconhecer o que era real e o que não era? (Então) comecei a questionar o que me transmitiu cada parte do memorial (de Dachau)".

E claro, no projeto de Cywinski, o importante é proibir o esquecimento, e que perdurem na memória os erros do passado não somente no nosso presente -especialmente na Europa após o surgimento atual de uma nova onda de islamofobia e xenofobia- mas também as gerações futuras, carentes de memórias de uma guerra que só vê em filmes ou livros.

E esquecer seria justamente o que os nazistas buscaram ao explodir Auschwitz.

Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Félix Carrera [Flickr CC]
Campo de concentração Auschwitz-Birkenau. Image via Félix Carrera [Flickr CC]
Sobre este autor
Nicolás Valencia
Autor
Cita: Valencia, Nicolás. "72 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, Auschwitz busca preservar sua memória" [A 70 años del fin de la Segunda Guerra Mundial, Auschwitz busca conservar su memoria] 27 Jan 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/804237/72-anos-apos-o-fim-da-segunda-guerra-mundial-auschwitz-busca-preservar-sua-memoria> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.