A arquitetura brutalista que moldou as paisagens urbanas da Polônia

A arquitetura brutalista que moldou as paisagens urbanas da Polônia

Ao longo dos últimos anos assistimos a uma (re)descoberta de um dos principais e mais fascinante capítulos da história da arquitetura moderna. O concretismo puro e explícito de uma arquitetura comumente chamada de brutalista passou a despertar um interesse tão significativo quanto previsível na comunidade internacional de arquitetos e amantes da arquitetura. Acontece que, este fenômeno o qual costumamos chamar de “brutalismo soviético”, encontra-se indissociavelmente conectado ao contexto político totalitário e opressor que o viu nascer. Não é de se espantar que, na maioria dos países que estiveram sob influência e domínio soviético até o final da guerra fria, esta face da arquitetura seja muitas vezes tratada com um certo ceticismo, quando não com repudia e desprezo. Neste contexto, a paisagem urbana e arquitetônica de um país como a Polônia não poderia ser menos complexa e fascinante.

Plac Grunwaldzki Estate designed by Jadwiga Grabowska-Hawrylak (Brutal Poland). Image © Zupagrafika‘Manhattan’ housing complex in Łódź (Brutal Poland). Image © Zupagrafika‘The Hammer’ high-rise tower block in Warsaw (Brutal Poland). Image © ZupagrafikaNowa Huta modernist district of Kraków (Brutal Poland). Image © Zupagrafika+ 11

Em sua mais recente publicação, Zupagrafika explora a herança da arquitetura brutalista em seu próprio país de origem: a Polônia. Destacando algumas de suas principais conquistas mas sem fechar os olhos para suas já tão bem conhecidas deficiências, a mais recente publicação documental da Zupagrafika procura promover uma melhor compreensão deste complexo e fascinante fenômeno da história da arquitetura. Além das fotografias que ilustram esta espécie de catálogo do brutalismo polonês, como de costume, a mais nova publicação da editora independente conta com uma série de ilustrações criadas especialmente para esta edição, as quais podem ser facilmente recortadas e coladas, recriando alguns dos mais icônicos projetos de arquitetura construídos no país durante a segunda metade do século XX. A intenção por trás do projeto é clara: resgatar a reputação desta arquitetura perante os olhos do grande público.

Muitas das cidades polonesas foram completamente destruídas durante a Segunda Guerra Mundial. Durante o processo de reconstrução do país, a padronização e a pré-fabricação surgiram como uma das principais soluções  para resolver a crise habitacional generalizada do pós guerra. Logo após os primeiros anos que se seguiram o final da guerra, o Realismo Socialista foi perdendo espaço, sendo posteriormente suplantado por um novo estilo arquitetônico que procurava emular o modernismo ocidental. Acontece que, já em meados dos anos 1950, alguns dos principais arquitetos dos países à leste da chamada cortina de ferro foram autorizados a viajar para além das fronteiras da união soviética, entrando em contato por primeira vez com as mais recentes novidades e inovações, acelerando o processo de modernização da arquitetura dos países do Bloco de Leste.

A década de 1970 foi um período muito próspero para os poloneses, uma década marcada por uma relativa estabilidade econômica e um boom na industria da construção civil. Durante os anos 70, comumente chamados de ‘anos dourados’, arquitetos e engenheiros gozavam de uma certa liberdade, o que os levou a explorar novos limites anteriormente impossíveis devido à forte censura imposta pelo governo soviético. Foi justamente neste período de relativa autonomia que a arquitetura moderna polonesa chegou ao seu auge. Os anos 70 viram nascer alguns dos mais significativos projetos de arquitetura construídos no país durante o período de ocupação soviética: o Complexo Residencial da Praça Gruwaldzki na Breslávia projetado pela arquiteta Jadwiga Grabowska-Hawrylak, o Spodek em Katowice concebido por Maciej Gintowt e Maciej Krasiński e o Hotel Forum em Cracóvia, assinado pelo arquiteto Janusz Ingarden.

Salvo raras exceções, o foco da grande maioria dos arquitetos poloneses durante os anos 1970 e 1980 eram projetos habitacionais de grande porte, em sua maioria construídos em sistemas de painéis pré-fabricados em concreto. No prefácio da publicação Brutal Poland, a arquiteta e historiadora polonesa Anna Cymer declara: “Estamos começando a perceber o quão engenhosos eram os arquitetos poloneses nesta época, como eles foram capazes de se apropriar de um sistema rígido e pouco flexível para dar forma a estes massivos blocos de concreto que mais parecem ter sido esculpidos que propriamente montados.” Implantado no antigo Gueto Judeu de Varsóvia, o Complexo Residencial Za Żelazną Bramą é considerado hoje um dos principais marcos urbanos da capital polonesa. Impressionante em sua escala e altura, o complexo segue sendo um dos endereços mais procurados pelos moradores da maior cidade do país. De forma similar, o famoso edifício “Manhattan” na cidade de Łódź assim como o Superjednostka em Katowice são estruturas muito bem vistas em dois dos principais centros urbanos da Polônia. Localizada junto ao Mar Báltico, a histórica cidade de Gdańsk também conta com um dos mais importantes marcos da arquitetura moderna polonesa em seu repertório. O Falowiecs é um dos conjuntos habitacionais mais marcantes do país e uma das estruturas habitacionais mais longas do mundo todo.

Da resposta à urgente necessidade por habitação em massa ao fascínio pelos arranha-céus, o fenômeno do modernismo tardio na Polônia—tantas vezes chamado de brutalista—forjou uma enorme variedade de ideias e tipologias arquitetônicas irreprimíveis, deixando uma marca indelével na paisagem urbana de suas cidades. A mais recente publicação da Zupagrafika procura esclarecer os mal entendidos e lançar uma nova luz sobre esse fantástico capítulo da histórica da arquitetura moderna, revelando a delicadeza por trás de alguns dos mais icônicos edifícios brutalistas da Polônia.

Residencial Superjednostka em Katowice / Mieczysław Król

Superjednostka housing unit in Katowice (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
Superjednostka housing unit in Katowice (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Complexo Residencial ‘Manhattan’ em Łódź / Mieczysław Sowa

‘Manhattan’ housing complex in Łódź (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
‘Manhattan’ housing complex in Łódź (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Distrito Modernista de Nowa Huta em Cracóvia /Tadeusz Ptaszycki

Nowa Huta modernist district of Kraków (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
Nowa Huta modernist district of Kraków (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Residencial Orła Białego em Poznań / Zdzisław Hirsch e Jan Jeger

Orła Białego prefab panel estate in Poznań (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
Orła Białego prefab panel estate in Poznań (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Cinema Kiev em Cracóvia  / Witold Cęckiewicz

The post-war modernist icon of Kraków, Kino Kijów (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
The post-war modernist icon of Kraków, Kino Kijów (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Smolna 8 em Varsóvia /Jan Bogusławski e Bohdan Gniewiewski

‘The Hammer’ high-rise tower block in Warsaw (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
‘The Hammer’ high-rise tower block in Warsaw (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Residencial Praça Grunwaldzki na Breslávia /Jadwiga Grabowska-Hawrylak

Plac Grunwaldzki Estate designed by Jadwiga Grabowska-Hawrylak (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
Plac Grunwaldzki Estate designed by Jadwiga Grabowska-Hawrylak (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Falowiec em Gdańsk / Tadeusz Różański, Danuta Olędzka e Janusz Morek

The 850m long wave-like slab in Gdańsk (Brutal Poland). Image © Zupagrafika
The 850m long wave-like slab in Gdańsk (Brutal Poland). Image © Zupagrafika

Zupagrafika é uma editora independente e estúdio de design fundado por David Navarro e Martyna Sobecka na cidade polonesa de Poznań. Apaixonados pela arquitetura modernista do pós-guerra, principalmente a arquitetura brutalista do leste europeu, a dupla se dedica ao estudo e documentação de um passado muitas vezes esquecido e até certo ponto, negligenciado. Sua extensa obra documental inclui Brutal Britain, Eastern Blocks, Concrete Siberia e Panelki.

Brutal Poland book . Image © Zupagrafika
Brutal Poland book . Image © Zupagrafika

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Cutieru, Andreea. "A arquitetura brutalista que moldou as paisagens urbanas da Polônia " [The Brutalist Architecture that Shaped Poland's Urban Landscapes] 13 Nov 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/951259/a-arquitetura-brutalista-que-moldou-as-paisagens-urbanas-da-polonia> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.