O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Jan Gehl: "Do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda"

Jan Gehl: "Do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda"

Jan Gehl: "Do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda"

Destacando a transformação urbana de Copenhague, analisando os equívocos do movimento moderno e abordando os desafios das cidades do século XXI, o arquiteto e urbanista dinamarquês, Jan Gehl, apresentou, no dia 29 de junho, a conferência Pensar en urbano: ciudades para la gente, organizada pela ONU-Hábitat no Colegio Oficial de Arquitectos de Madrid (COAM).

Em sua conferência, Gehl exemplificou o paradigma urbano de sua época de estudante, o qual denomina Síndrome de Brasília

Quando era estudante, Brasília era o ideal. Brasília é fantástica quando vista de um avião: é uma grande águia e sua cabeça é o Congresso; que belo! Além disso, se você se você está em um helicóptero, pode ver os edifícios governamentais projetados por Niemeyer, pode ver as superquadras. É fantástica vista de um helicóptero, mas do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda."

Não são todos os brasilienses que têm dinheiro para subir e desfrutar de Brasília. Naquela época, estava com a perna quebrada e Brasília era muito pouco amigável. Não haviam árvores para fazer sombra, não era muito agradável.

Segundo Gehl, a Síndrome de Brasília é, por sua vez, reflexo das maiores falências do movimento moderno:

Minha conclusão sobre aqueles anos é que o movimento moderno disse adeus à preocupação com as pessoas. Por sua vez, havia uma preocupação com o homem moderno, para o qual a forma seguia a função. O movimento moderno também disse adeus à escala humana, porque de repente, em vez de criar espaços, decidimos criar edifícios individuais e os edifícios ficaram cada vez maiores. No começo, projetávamos espaços, agora criamos os espaços que sobram entre os edifícios e a noção mais próxima de escala humana desapareceu totalmente. Na realidade, diria que os arquitetos e planejadores do movimento moderno estavam completamente enganados sobre o que era uma boa escala.

Veja a conferência completa de Jan Gehl no vídeo a acima.

Sobre este autor
Nicolás Valencia
Autor
Cita: Valencia, Nicolás. "Jan Gehl: "Do chão, onde vivem as pessoas, Brasília é uma merda"" [Jan Gehl: 'El movimiento moderno supuso el adiós a la escala humana'] 05 Jul 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/875009/jan-gehl-do-chao-onde-vivem-as-pessoas-brasilia-e-uma-merda> ISSN 0719-8906
Ler comentários