O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Plano Diretor Regional
  4. Estados Unidos
  5. Minoru Yamasaki Associates
  6. 1954
  7. Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki

Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki

Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki
Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki, Uma foto aérea do US Geological Survey compara os blocos estreitos e monolíticos de Pruitt-Igoe com os edifícios pré-modernistas vizinhos de St. Louis. Cortesia de Wikimedia user Junkyardsparkle (Domínio Público)
Uma foto aérea do US Geological Survey compara os blocos estreitos e monolíticos de Pruitt-Igoe com os edifícios pré-modernistas vizinhos de St. Louis. Cortesia de Wikimedia user Junkyardsparkle (Domínio Público)

Poucos edifícios na história podem reivindicar um legado tão infame como o Projeto Habitacional Pruitt-Igoe em St. Louis, Missouri. Construído durante o auge do modernismo, esta coleção nominalmente inovadora de torres residenciais foi concebido para se erguer como um triunfo dos projetos arquitetônicos racionais sobre os males da pobreza e a deterioração urbana; Em vez disso, duas décadas de turbulência precederam a destruição final, brusca, de todo o complexo em 1973. A queda de Pruitt-Igoe acabou por significar não apenas o fracasso de um projeto de habitação pública, mas sem dúvida a morte de toda uma era de projetos modernistas.

Após duas décadas de crimes e problemas de manutenção, Pruitt-Igoe foi demolido entre 1972 e 1977. ImageVia pruitt-igoe.com As torres reluzentes de Pruitt-Igoe deveriam ter sido um\ "Manhattan no Mississippi.". ImageCourtesy de Wikimedia usuário Cadastral (Public Domain) Cortesia de "The Pruitt Igoe Myth" Grande parte do paisagismo e instalações comunitárias que Minoru Yamasaki originalmente propôs nunca foram construídas, contribuindo para a espiral descendente de Pruitt-Igoe. ImageVia pruitt-igoe.com + 8

As torres reluzentes de Pruitt-Igoe deveriam ter sido um\ "Manhattan no Mississippi.". ImageCourtesy de Wikimedia usuário Cadastral (Public Domain)
As torres reluzentes de Pruitt-Igoe deveriam ter sido um\ "Manhattan no Mississippi.". ImageCourtesy de Wikimedia usuário Cadastral (Public Domain)

A construção de projetos habitacionais como o Pruitt-Igoe foi uma resposta direta à evolução das populações urbanas tomando lugar nos anos após a Segunda Guerra Mundial. O rápido crescimento das cidades americanas antes de 1920 havia desacelerado dramaticamente, e até revertido em algumas cidades - incluindo St. Louis, Missouri. Mais alarmante para os especialistas urbanos, aqueles residentes que saem das cidades para os subúrbios eram em grande parte as classes mais ricas, privando as empresas de sua clientela e os governos cívicos de suas receitas fiscais. Acreditavam que esse êxodo em massa deixava um vácuo gradualmente preenchido com favelas - a temida "deterioração" que só poderia ser curada sendo expurgada. Com a Lei de Habitação (Housing Act) de 1949, U$ 1 bilhão (mais de U$ 10 bilhões em 2017) foi reservado para fornecer às cidades empréstimos para a remoção de favelas e reconstruções, gerando projetos de renovação urbana nos Estados Unidos. [1]

Em 1950, St. Louis estava se preparando para criar 5800 unidades de habitação a preços acessíveis com os fundos federais fornecidos pelo Housing Act. O engenheiro da cidade Harold Bartholomew e o prefeito Joseph Darst, que aspiravam à máxima eficiência, decidiram satisfazer quase metade desse objetivo com um único e massivo complexo. Inicialmente planejado no crepúsculo das leis de segregação de Jim Crow dos Estados Unidos, o projeto era para ser dividido por linhas raciais: moradores negros viveriam nas habitações Wendell Olliver Pruitt, enquanto seus vizinhos brancos ocupariam os apartamentos de James Igoe. No entanto, como o projeto não foi concluído até 1954 - após a decisão no Supremo Tribunal que tornou a segregação ilegal nos Estados Unidos - foi integrado em um único complexo, Pruitt-Igoe. [2]

Grande parte do paisagismo e instalações comunitárias que Minoru Yamasaki originalmente propôs nunca foram construídas, contribuindo para a espiral descendente de Pruitt-Igoe. ImageVia pruitt-igoe.com
Grande parte do paisagismo e instalações comunitárias que Minoru Yamasaki originalmente propôs nunca foram construídas, contribuindo para a espiral descendente de Pruitt-Igoe. ImageVia pruitt-igoe.com

Este projeto único e enorme começou com a remoção de DeSoto-Carr, considerado um dos bairros menos habitáveis ​​em St. Louis. [3] Em seu lugar seria construído um conjunto com 33 torres modulares de apartamentos de 11 andares projetadas por Minoru Yamasaki do escritório Hellmuth, Yamasaki e Leinweber. Ocupando 230 mil metros quadrados de terra, as torres forneceram acomodações para até 10.000 residentes em 2.870 apartamentos. Enquanto a composição dos edifícios altos residenciais que se erguiam sobre as praças bem cuidadas inspirou-se fortemente no conceito da Ville Radieuse de Le Corbusier, os edifícios em si mais se assemelharam aos projetos das Unité d'Habitation: estruturas longas, estreitas com as janelas abrangendo 25 metros de comprimento. Um recurso notável projetado para melhorar tanto a eficiência funcional e de custo foram os elevadores, que só paravam a cada três pavimentos. Escadas, em seguida, forneciam acesso aos pisos imediatamente acima e abaixo. A combinação dos dois pretendia reproduzir a vida da comunidade nas calçadas em uma edificação, onde crianças e adultos poderiam se reunir em segurança. [4,5]

Mesmo antes que fosse terminado, Pruitt-Igoe não foi construído como pretendido. Yamasaki havia proposto uma série de elementos projetuais que nunca foram concretizados: unidades baixas dispersas entre suas contrapartes maiores, parques infantis, banheiros no piso térreo e paisagismo adicional foram considerados muito caros pela Administração Federal de Habitação e cortados do projeto. Foi essa ênfase constante na economia que ditou características como os elevadores, e que apenas insinuou os tempos conturbados que viriam futuramente. [6]

Cortesia de "The Pruitt Igoe Myth"
Cortesia de "The Pruitt Igoe Myth"
Cortesia de "The Pruitt Igoe Myth"
Cortesia de "The Pruitt Igoe Myth"

Embora Pruitt-Igoe não fosse, de forma alguma, um projeto a ser premiado, mesmo no momento de sua inauguração, seu projeto foi, no entanto, elogiado por publicações como Architectural Forum, que o considerou o Melhor Edifício de Apartamentos em 1951. (Em 1965, a revista reexaminou Pruitt-Igoe e reverteu sua postura, declarando o fracasso do projeto.) Infelizmente, enquanto a política federal havia derrubado a segregação legal, as atitudes de muitos americanos - incluindo muitos daqueles que viviam em St. Louis - ainda não tinham alcançado. A integração dos apartamentos Pruitt e Igoe resultou na maioria dos residentes brancos abandonando-o em massa, juntamente com os negros residentes que poderiam pagar habitações unifamiliares em outro lugar. Os únicos inquilinos que restaram eram aqueles que literalmente não podiam se dar ao luxo de ir a qualquer outro lugar. [7]

O declínio de Pruitt-Igoe começou quase imediatamente. Em sua ocupação máxima em 1957, 9% do complexo permanecia vago; Em 1960, esse número subiu para 16%, e depois aumentou para 65% em 1970. Enquanto o governo federal havia fornecido os fundos para construir Pruitt-Igoe, sua manutenção deveria ser apoiada diretamente pelos aluguéis dos inquilinos. Com os apartamentos ocupados quase exclusivamente por residentes de baixa renda, muitos deles sobrevivendo com auxílios do governo, havia pouco dinheiro para manter as 33 torres, que, posteriormente, caíram em ruína. A situação tornou-se um ciclo vicioso: a falta de manutenção expulsou mais inquilinos, drenando o orçamento já apertado e fazendo com que os edifícios se tornassem cada vez mais abandonados, repelindo ainda mais inquilinos. [8,9]

Após duas décadas de crimes e problemas de manutenção, Pruitt-Igoe foi demolido entre 1972 e 1977. ImageVia pruitt-igoe.com
Após duas décadas de crimes e problemas de manutenção, Pruitt-Igoe foi demolido entre 1972 e 1977. ImageVia pruitt-igoe.com
Cortesia de Wikimedia user Cadastral (Domínio Público)
Cortesia de Wikimedia user Cadastral (Domínio Público)

Foi nessa atmosfera que Pruitt-Igoe tornou-se um viveiro de atividades criminosas. As galerias e escadarias destinadas a proporcionar espaços comunitários seguros acabaram dominadas por gangues; eram passagens traiçoeiras em que muitos moradores foram assediados ou até mesmo assaltados em seu caminho para casa. A reputação do complexo se deteriorou de forma tão dramática que alguns trabalhadores de manutenção e entrega se recusavam a entrar nele. Em 1958, a Autoridade de Habitação St. Louis pediu ao governo federal para financiar a reforma de Pruitt-Igoe; embora algumas das comodidades originalmente planejadas por Yamasaki tenham sido instaladas subsequentemente em 1965, a renovação não se dirigiu aos problemas sociais e fiscais mais profundos que fizeram com que Pruitt-Igoe mergulhasse na miséria. [10]

Em 1972, o governo federal finalmente determinou que Pruitt-Igoe estava além do resgate. Ao longo dos anos seguintes, as 33 torres foram demolidas através de implosões de dinamite, deixando para trás um vasto deserto urbano no tecido de St. Louis que, até hoje, ainda não foi preenchido. Apenas 600 moradores haviam restado quando a ordem de demolição veio, muito longe dos 10.000 inicialmente previstos para preencher o complexo. A queda de Pruitt-Igoe passou a ser vista como simbólica: mais do que o fracasso de um projeto habitacional, e mais do que o fracasso de tais projetos em geral, foi apontado como o fracasso da própria arquitetura modernista. O crítico de arquitetura Charles Jencks declarou: "A arquitetura moderna morreu em St. Louis, Missouri, em 15 de julho de 1972, às 15h32." [11] Em uma entrevista para Architectural Review, Minoru Yamasaki disse simplesmente de Pruitt-Igoe: É um projeto que eu gostaria de não ter feito." [12]

A demolição televisionada de Pruitt-Igoe provocou ampla discussão sobre o que precisamente causou o fracasso do projeto tão dramaticamente. Cortesia de Wikimedia user Cadastral (Domínio Público)
A demolição televisionada de Pruitt-Igoe provocou ampla discussão sobre o que precisamente causou o fracasso do projeto tão dramaticamente. Cortesia de Wikimedia user Cadastral (Domínio Público)

No final, é tão injusto colocar toda a culpa pelo fracasso de Pruitt-Igoe em seu projeto arquitetônico, como também seria exonerá-lo completamente. Foi a combinação de escolhas projetuais infelizes, o racismo profundamente arraigado e a  política habitacional mal estruturada que produziram o fiasco de vinte anos que foi o Conjunto Pruitt-Igoe. Uma floresta cresceu desde então no terreno onde as 33 torres uma vez estiveram, disfarçando a fenda física que deixaram após sua destruição nos anos 70. Entretanto, seu legado não é tão facilmente disfarçado, e quem quer que seja culpado por sua ruína, o nome Pruitt-Igoe permanece sinônimo de fracasso de toda uma filosofia de projeto.

Referências

[1] Bauman, John F., Roger Biles, and Kristin M. Szylvian. From Tenements To The Taylor Homes: In Search Of An Urban Housing Policy In Twentieth-Century America. University Park, PA: Pennsylvania State University Press, 2000.
[2] Sennott, R. Stephen. Encyclopedia of 20th Century Architecture. New York: Fitzroy Dearborn, 2004. p1066.
[3] Bauman et al, p186.
[4] Frishberg, Hannah. "The Failed Paradise: Pruitt-Igoe." Atlas Obscura. November 26, 2013. [link].
[5] Sennott, p1066.
[6] Sennott, p1066.
[7] Marshall, Colin. "Pruitt-Igoe: The Troubled High-rise That Came To Define Urban America – A History Of Cities In 50 Buildings, Day 21." The Guardian. April 22, 2015. [link].
[8] Bauman et al, p201.
[9] Frishberg.
[10] Bauman et al, p201.
[11] Frishberg.
[12] Marshall.

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Minoru Yamasaki Associates
Escritório
Cita: Fiederer, Luke. "Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki" [AD Classics: Pruitt-Igoe Housing Project / Minoru Yamasaki] 19 Mai 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/871669/classicos-da-arquitetura-projeto-habitacional-pruitt-igoe-minoru-yamasaki> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.