Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Charles Jencks

Charles Jencks: O mais recente de arquitetura e notícia

Destaques da semana: reconhecimento no mundo da arquitetura

Por mais que tentemos não nos abalar com a opinião dos outros, receber um reconhecimento é algo muito poderoso. Reconhecimento carrega consigo uma audiência cativa (e muita expectativa), não apenas admiradores, mas também "caçadores de recompensa" - ou, cinicamente, aqueles que sempre estão prontos para capitalizar algo para si com o trabalho dos outros. Para os arquitetos, reconhecimento pode ser tanto uma bênção quanto uma maldição. Muitos escritórios se mantém fiéis a uma ideia ou conceito; Porém, à medida que o reconhecimento vai chegando, diluído em forma de rótulos, torna-se cada dia mais difícil entender o que está sendo reconhecido. Esta semana, divulgamos uma série de premiações significativas no campo da arquitetura - além de uma entrevista estrondosa com dois arquitetos determinados a questionar os rótulos que acompanham os galardões. Leia a nossa revisão da semana.

Alejandro Aravena receberá o prêmio RIBA Charles Jencks de 2018

O arquiteto chileno Alejandro Aravena e fundador do ELEMENTAL foi eleito o premiado de 2018 do Prêmio Charles Jencks do Instituto Real dos Arquitetos Britânicos (RIBA). O prêmio é concedido em reconhecimento às contribuições excepcionais de um indivíduo para o campo da arquitetura, tanto em obras construídas quanto em trabalhos teóricos. Aravena receberá o prêmio e fará uma palestra na sede do RIBA em Londres no dia 15 de outubro.

© Iwan Baan Alejandro Aravena receberá o prêmio RIBA Charles Jencks de 2018 © Laurian Ghintiou © Suyin Chia + 10

Caroline Bos, David Adjaye e Li Xiaodong entre os confirmados para o World Architecture Festival 2018

Após dois anos em Berlim, o World Architecture Festival realizará sua edição de 2018 em Amsterdã, com três dias de palestras, apresentações de projeto e cerimônias de premiação de obras contemporâneas e algumas das figuras mais proeminentes da arquitetura atual.

Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico

Neste ensaio escrito pelo arquiteto e acadêmico britânico Dr. Timothy Brittain-Catlin, a noção de pós-modernismo britânica - atualmente muitas vezes referida como intimamente ligada ao trabalho de James Stirling e o pensamento de Charles Jencks - é trazida à luz. Suas verdadeiras origens, argumenta, são mais historicamente enraizadas.

Cresci em uma bela casa vitoriana com alvenarias ornamentadas, com forma de frontões "holandeses" e belos vitrais do período arts and crafts - então eu não pensei na época, e eu não acho agora, que eu tinha muito a aprender com Las Vegas. Acontece que eu não era o único. Dos arquitetos britânicos que fizeram seus nomes como pós-modernistas na década de 1980, nem um único diria agora que eles devem muito a Robert Venturi, arquiteto americano amplamente considerado um avô do movimento.

Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia de Martin Charles. Doctors’ Surgery frontage to Mitchison Road. Image © John Melvin Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin Epping Forest Civic Offices, por Richard Reid (1984-90). Axonométrica por Richard Reid. Imagem © Richard Reid & Associates Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin + 6

Clássicos da Arquitetura: Projeto Habitacional Pruitt-Igoe / Minoru Yamasaki

Poucos edifícios na história podem reivindicar um legado tão infame como o Projeto Habitacional Pruitt-Igoe em St. Louis, Missouri. Construído durante o auge do modernismo, esta coleção nominalmente inovadora de torres residenciais foi concebido para se erguer como um triunfo dos projetos arquitetônicos racionais sobre os males da pobreza e a deterioração urbana; Em vez disso, duas décadas de turbulência precederam a destruição final, brusca, de todo o complexo em 1973. A queda de Pruitt-Igoe acabou por significar não apenas o fracasso de um projeto de habitação pública, mas sem dúvida a morte de toda uma era de projetos modernistas.

Após duas décadas de crimes e problemas de manutenção, Pruitt-Igoe foi demolido entre 1972 e 1977. ImageVia pruitt-igoe.com As torres reluzentes de Pruitt-Igoe deveriam ter sido um\ "Manhattan no Mississippi.". ImageCourtesy de Wikimedia usuário Cadastral (Public Domain) Cortesia de "The Pruitt Igoe Myth" Grande parte do paisagismo e instalações comunitárias que Minoru Yamasaki originalmente propôs nunca foram construídas, contribuindo para a espiral descendente de Pruitt-Igoe. ImageVia pruitt-igoe.com + 8

WAF anuncia o tema do Festival de 2015

O World Architecture Festival (WAF), maior festival de arquitetura do mundo, que acontece anualmente em Singapura, anunciou o tema deste ano: 50:50. O tema é inspirado no aniversário de 50 anos de Singapura como país independente e revê como a arquitetura e o urbanismo mudaram nos últimos 50 anos, tendo em vista as possíveis mudanças para os 50 anos que estão por vir.

Chamada de projetos para o World Architecture Festival 2015

Em sua oitava edição, o 2015 World Architecture Festival Awards (WAF) acontecerá no Suntec, localizado na região central de Singapura, e contará com três dias intensos de apresentações e avaliações. As inscrições de projetos já estão abertas para a edição de 2015, que está sendo descrita como "o maior programa de prêmios de arquitetura do mundo". O evento deve atrair mais de 750 projetos inscritos, dos quais metade serão selecionados e divididos em trinta categorias. As inscrições podem ser realizadas até o final de maio e a lista de finalistas será divulgada no início de junho.

Entre os jurados deste ano estão Sir Peter Cook (Reino Unido), Sou Fujimoto (Japão), Benedetta Tagliabue (Espanha), Charles Jencks (Reino Unido/EUA), Kerry Hill (Singapura) e Manuelle Gautrand (França).

A história dos Centros Maggie: Como 17 arquitetos se uniram para combater o câncer

Os Centros Maggie são o legado de Margaret Keswick Jencks, uma mulher em estado terminal que tinha a noção de que os ambientes de tratamento contra o câncer - e os resultados do processo - poderiam ser drasticamente melhorados através de um bom projeto. Sua visão foi concretizada e continua a se propagar através de inúmeros arquitetos, incluindo Frank Gehry, Zaha Hadid, e Snøhetta - para nomear apenas alguns. Originalmente publicado na Metropolis Magazine sob o título Living with Cancer” (Vivendo com Câncer), este artigo de Samuel Medina apresenta imagens dos Centros Maggie em todo o mundo, detendo atenção nas raízes da organização e seu sucesso que continua através da ajuda dos arquitetos.

Era maio de 1993, e a escritora e designer Margaret Keswick Jencks se sentara em um corredor sem janelas de um pequeno hospital escocês, temendo o estaria por vir. O prognóstico era ruim - seu câncer havia voltado - mas a espera, e a sala de espera, drenavam suas energias. Ao longo dos dois anos seguintes, até sua morte, ela retornou diversas vezes para  sessões de quimioterapia. Em espaços tão negligenciados e impensados, escreveu, pacientes como ela  eram deixados ao léu para "murchar" sob o brilho dessecante das luzes fluorescentes.

Não seria melhor se houvesse espaços privativos, banhados por luz, para se esperar pela próxima série de testes, ou onde se pudesse contemplar, em silêncio, os resultados? Se a arquitetura pode desmoralizar os pacientes - "contribuindo para um nervosismo extremo", como observou Keswick Jencks - não poderia ela também se mostrar restauradora?

Highlands, Escócia, 2005 por Page\Park Architects / Cortesia de Page\Park Architects. Fife, Escócia, 2006 por Zaha Hadid Architects / © Werner Huthmacher. Manchester, Inglaterra, 2016 por Fosters + Partners / Cortesia de Fosters + Partners. Aberdeen, Escócia, 2013 por Snøhetta / © Philip Vile. + 11

Rem Koolhaas recebe o Prêmio Jencks 2012

Cinema e Arquitetura: Filme "The Pruitt-Igoe Myth: an Urban History"