1. ArchDaily
  2. Robert Venturi

Robert Venturi: O mais recente de arquitetura e notícia

O que o McDonald's pode ensinar sobre experimentação na arquitetura

Você deve estar se perguntando: o que é que o McDonald's tem a ver com o discurso da arquitetura? Pode até parecer bobagem, mas a maior franquia de fast-food do mundo teve sim, um papel determinante na história recente da arquitetura. Embora o “receita secreta” utilizada pelo McDonald's nunca tenha mudado, assim como o design da icônica marca permanece o mesmo desde os seus primórdios, o McDonald's explorou muito em matéria de arquitetura—contratando até alguns dos mais importantes arquitetos de seu tempo para projetar algumas de suas lojas— transformando a banalidade do cotidiano em uma experiência única e inovadora.

McDonalds in Dallas Texas. Image via The Life PileAirplane McDonalds in Taupo, New Zealand. Image via Nonstandard McDonalds- TwitterFormer Times Square McDonalds in New York City. Image via Nonstandard McDonalds- TwitterSoft Serve McDonalds in Shenzhen, China. Image via Travelog+ 10

Interpretando a arquitetura: como o projeto sai do papel através de técnicas de análise

A arquitetura nunca é um acidente. É um esquema cuidadosamente planejado de padrões e estilos que respondem ao ambiente natural, celebram a materialidade e / ou são referenciais de movimentos estilísticos ao longo da história, isto é, todas as formas de entender porque os projetos foram feitos daquela maneira. Existem diferentes maneiras de analisar a arquitetura, por meio do uso de diagramas, padrões, relacionamentos e proporções, para citar alguns. Para arquitetos e leigos, existe um desejo subconsciente de uma estrutura de tomada de decisão no projeto. Como resultado, a arquitetura se tornou um exercício de auto posicionamento - um reflexo microcósmico do mundo ao nosso redor, visto nos projetos que construímos.

Livros clássicos: uma conversa sobre "Aprendendo com Las Vegas"

“Aprendendo com Las Vegas” é um dos mais importantes livros da história e da crítica em arquitetura e urbanismo. Seus três autores - Robert Venturi, Denise Scott Brown e Steven Izenour - trouxeram uma curiosa abordagem a respeito de uma cidade que viu seu crescimento acontecer em prol do jogo de azar e da associação perigosa com a máfia. Las Vegas, cidade repleta de letreiros, estacionamentos e cassinos, foi a referência para os três autores, em um projeto de pesquisa da Universidade de Yale. O objetivo era estudar o desenvolvimento de uma nova tipologia urbana, a strip, em busca de um novo ponto de vista sobre a cidade e a arquitetura.

Arquitetura fora de escala: o familiar que nos é estranho

Escala é um termo permeia a prática profissional da arquitetura desde que o homem começou a edificar suas primeiras estruturas. No sentido literal, escala representa a compreensão ou incorporação das dimensões que compõe um determinado espaço—como a largura das portas, uma vaga de estacionamento e obviamente, a métrica que utilizamos ao desenvolver nossos projetos de arquitetura. De forma mais abstrata e figurativa, escala também serve para descrever a sensação que experimentamos ao comparar a nossa presença com objetos familiares e estruturas alheias ao nosso corpo ou espaço cotidiano.

Denise Scott Brown e Robert Venturi, o casal por trás do pós-modernismo pop

Através de suas teorias pioneira e obras provocadoras, o casal Robert Venturi (25 de junho de 1925 - 18 de setembro de 2018) e Denise Scott Brown (3 de outubro de 1931) ocuparam a vanguarda do movimento pós-moderno na arquitetura, liderando uma das mudanças mais significativas em nosso campo disciplinar no século XX, e publicando livros seminais como Complexidade e Contradição em Arquitetura (de autoria de Robert Venturi) e Aprendendo com Las Vegas (de Venturi, Scott Brown e Steven Izenour).

Os 125 melhores livros de arquitetura

Preparamos uma lista abrangente com 125 livros de arquitetura e temas relacionados que consideramos interessantes para ampliar seus conhecimentos sobre a disciplina.

Buscamos títulos de diferentes partes do mundo com o objetivo de apresentar visões que dizem respeito a contextos culturais distintos. De compilações de ensaios e teorias sobre o crescimento das cidades a romances que flertam com a arquitetura e séries de ilustrações e gravuras.

Veja, a seguir, nossas sugestões acompanhadas por uma breve descrição.

Quem já ganhou o Prêmio Pritzker?

O Prêmio Pritzker é o reconhecimento mais importante que um arquiteto(a) pode receber em vida. A honraria é outorgada todos os anos a arquitetos e arquitetas cuja obra construída "tenha produzido significativas contribuições para a humanidade ao longo dos anos", segundo explica a própria organização responsável pela premiação. Por esta razão, o júri presta homenagem a pessoas e não a escritórios, como já aconteceu em 2000 (Rem Koolhaas ao invés do OMA), 2001 (Herzog & de Meuron), 2010 (SANAA), 2016 (Elemental) e 2017 (RCR Arquitectes), premiando seus fundadores (como no caso do SANAA), o então, um deles (Elemental).

Documentário City Dreamers destaca quatro mulheres arquitetas que repensaram a cidade

City Dreamers é um documentário do cineasta Joseph Hillel que destaca a cidade de amanhã em constante mudança e a vida e obra de quatro mulheres arquitetas que reconsideraram o ambiente urbano. Phyllis Lambert, Denise Scott Brown, Cornelia Hahn Oberlander e Blanche Lemco van Ginkel são pioneiras inspiradoras que observaram e moldaram a cidade de hoje e de amanhã.

17 croquis de guardanapo feitos por arquitetos famosos

O croqui de guardanapo sempre teve seu lugar na arquitetura. Em 2015, alguns dos mais renomados arquitetos da atualidade doaram seus desenhos conceituais à NewSchool of Architecture & Design e ao San Diego American Institute of Architecture Students (AIAS) num esforço que ajudou a angariar fundos para bolsas e programas educacionais para os estudantes.

"O evento foi um grande sucesso", disse David Garcia, arquiteto formado pela NewSchool e responsável por angariar fundos para o evento da AIAS. "Pessoalmente, esse projeto significa muito para mim, e não apenas por causa do tempo e envolvimento, mas porque é um bom modo de aproximar os estudantes de seus arquitetos favoritos, mesmo que seja apenas através de um croqui."

Veja os croquis de guardanapo feitos por Bjarke Ingels, Wolf Prix, Thom Mayne, Robert Venturi, Zaha Hadid e outros arquitetos.

Zaha Hadid. Cortesia de NewSchool and AIAS San DiegoThom Mayne. Cortesia de NewSchool and AIAS San DiegoKurt Hunker. Cortesia de NewSchool and AIAS San DiegoMassimiliano Fuksas. Cortesia de NewSchool and AIAS San Diego+ 17

Fotografias de Denise Scott Brown são expostas em Nova Iorque e Londres

A Carriage Trade Gallery, em Nova Iorque, inaugurou uma exposição que celebra a fotografia de Denise Scott Brown, destacando o significado da pop art no vernáculo americano. O projeto foi iniciado por Scott Brown e exibido pela primeira vez em Veneza em 2016, os recentes eventos em Londres e Nova Iorque foram organizados pela PLANE-SITE.

A exposição, intitulada “Photographs 1956-1966”, tem co-curadoria de Andres Ramirez e apresenta 10 fotografias, todas disponibilizadas para venda limitada. Além da mostra na Carriage Trade, uma exposição simultânea está sendo realizada nas Window Galleries da Central Saint Martins, em Londres.

Cortesia de Carriage Trade. Foto de Nicholas Knight.Cortesia de Carriage Trade. Foto de Nicholas Knight.Cortesia de Carriage Trade. Foto de Nicholas Knight.Cortesia de Carriage Trade. Foto de Nicholas Knight.+ 24

Robert Venturi e as complexidades e contradições que transformaram o mundo da arquitetura

Este artigo foi originalmente publicado em CommonEdge como "Robert Venturi and the Difficult Whole."

Robert Venturi (1925-2018) foi um dos mais influentes arquitetos americanos do século passado, não apenas por sua obra construída, nem tampouco por seu trabalho como designer. Neste sentido, ele jamais alcançará o patamar de Wright, Kahn, ou até mesmo Gehry. Entre 1965 e 1985, ele e sua parceira, Denise Scott Brown, provocaram o nascimento de uma nova perspectiva no mundo da arquitetura, transformando a maneira com que percebemos nossas cidades e paisagens, assim como Marshall McLuhan, Bob Dylan e Andy Warhol foram responsáveis por profundas transformações no mundo da arte, da música e da cultura durante o mesmo período.

Trabalhei com Bob Venturi durante a minha formação como arquiteto durante os anos 70; Cresci lendo seus livros e visitando as suas obras. Para mim Bob foi como um pai. Meu pai era apenas um ano mais novo que ele, e Denise tem a mesma idade da minha mãe.

Destaques da semana: o que define um lugar?

Todos nós sabemos que o conceito de lugar é um valor essencial para todas as pessoas, assim como para os arquitetos e as cidades que eles projetam. Arquitetos,  urbanistas e até mesmo os administradores públicos costumam profetizar que "lugares" podem transformar uma cidade para melhor - mas o que nem todos sabem ao certo é, o verdadeiro significado deste conceito.

Venturi e Scott-Brown mostram que uma arquitetura amigável não implica falta de profundidade intelectual

Minha cabeça, sem dúvida, é difusa e dispersa. Compara elementos distintos da arquitetura, marcados por momentos distantes, os lê e os contempla com paixão e intensidade. Não me resta dúvida que a leitura do protagonista deste artigo deu forma não somente aos meus pensamentos, mas também aos de muitos outros. Morre Robert Venturi, aos 93 anos, uma figura importante e uma referência central para a arquitetura.

E qual é o motivo disso? Venturi escreveu o livro Complexidade e Contradição na Arquitetura, cujas ideias apresentaram uma ótica impactante para toda a disciplina. No livro, Venturi se dedica a explicar uma frase de Rennie Mackintosh: "Há esperança no erro honesto, nenhuma na perfeição congelada do mero estilo".

<a href='https://www.publicdomainpictures.net/en/view-image.php?image=223416&picture=las-vegas-at-night'>Jean Beaufort</a>, bajo licencia <a href='https://creativecommons.org/publicdomain/zero/1.0/'>CC0</a>. ImageLas Vegas, Estados UnidosFranklin Court / Venturi Scott Brown. Image © Mark CohnSainsbury Wing, National Gallery London / Venturi Scott Brown. Image © Valentino Danilo MatteisSainsbury Wing, National Gallery London / Venturi Scott Brown. Image © Valentino Danilo Matteis+ 7

Destaques da semana: complexidade e contradição

A obra de Robert Venturi - e o movimento pós-modernista que se desenvolveu paralelamente a sua carreira - foram momentos que frequentemente causam discórdia dentro da história da arquitetura. Para os modernistas mais ferrenhos, sua apropriação de estilos históricos era uma afronta à arquitetura da contemporaneidade. Para os mais tradicionalistas, o classicismo transformado em cafonice foi um insulto imperdoável à elegância do passado.

Robert Venturi morre aos 93 anos

Robert Venturi, famoso pós-modernista e ícone da arquitetura americana, faleceu ontem aos 93 anos. Entre os muitos louvores de Venturi vale destacar o Prêmio Pritzker de 1991, sua associação ao American Institute of Architects e como membro honorário do Royal Institute of British Architects. Ele fundou seu escritório em 1964, administrando-o com sua parceira e esposa Denise Scott Brown, de 1967 a 2012. Seu legado continua vivo, uma vez que o escritório segue em prática sob o nome VSBA (Venturi Scott Brown Associates).

Clássicos da Arquitetura: Ala de Sainsbury da Galeria Nacional de Londres / Venturi Scott Brown

A ampliação da Ala Sainsbury da Galeria Nacional, desenvolvida pelo escritório Venturi Scott-Brown (1991) nasceu de um embate entre os neo-modernistas e os tradicionalistas que passaram grande parte da década anterior discutindo sobre a direção das cidades britânicas. O local da extensão tornou-se um dos campos de batalha mais simbólicos da arquitetura britânica, uma vez que uma campanha para interromper seu redesenvolvimento com um esquema Hi-Tech de Ahrends Burton Koralek levou à recusa desse projeto em 1984.

A Fachada Ecoada. Image © Valentino Danilo MatteisÁtrio do térreo. Image © Valentino Danilo Matteis© Valentino Danilo MatteisEscada. Image © Valentino Danilo Matteis+ 17

Amor em Las Vegas: 99% Invisible revisita o romance pós-moderno de Denise Scott Brown e Robert Venturi

Qual edifício é melhor, o pato ou o galpão decorado? Mais importante, que tipo de arquitetura o americano prefere? Em seu seminal livro de 1972, Aprendendo com Las Vegas, Denise Scott Brown e Robert Venturi investigaram essas questões, voltando as costas para o modernismo paternalista em favor da brilhante, ostensivamente kitsch e simbólica Meca do urbanismo espraiado, Las Vegas. De um encontro casual na Biblioteca de Belas Artes da Universidade da Pensilvânia a algumas viagens de estudo em conjunto para Las Vegas - descobrir os detalhes ocultos do romance e da cidade que definiram o pós-modernismo é o tema do mais recente episódio do podcast 99% Invisible.

Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico

Neste ensaio escrito pelo arquiteto e acadêmico britânico Dr. Timothy Brittain-Catlin, a noção de pós-modernismo britânica - atualmente muitas vezes referida como intimamente ligada ao trabalho de James Stirling e o pensamento de Charles Jencks - é trazida à luz. Suas verdadeiras origens, argumenta, são mais historicamente enraizadas.

Cresci em uma bela casa vitoriana com alvenarias ornamentadas, com forma de frontões "holandeses" e belos vitrais do período arts and crafts - então eu não pensei na época, e eu não acho agora, que eu tinha muito a aprender com Las Vegas. Acontece que eu não era o único. Dos arquitetos britânicos que fizeram seus nomes como pós-modernistas na década de 1980, nem um único diria agora que eles devem muito a Robert Venturi, arquiteto americano amplamente considerado um avô do movimento.

Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia de Martin Charles. Doctors’ Surgery frontage to Mitchison Road. Image © John MelvinMercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John MelvinEpping Forest Civic Offices, por Richard Reid (1984-90). Axonométrica por Richard Reid. Imagem © Richard Reid & AssociatesMercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin+ 6