O que o McDonald's pode ensinar sobre experimentação na arquitetura

O que o McDonald's pode ensinar sobre experimentação na arquitetura

Você deve estar se perguntando: o que é que o McDonald's tem a ver com o discurso da arquitetura? Pode até parecer bobagem, mas a maior franquia de fast-food do mundo teve sim, um papel determinante na história recente da arquitetura. Embora o “receita secreta” utilizada pelo McDonald's nunca tenha mudado, assim como o design da icônica marca permanece o mesmo desde os seus primórdios, o McDonald's explorou muito em matéria de arquitetura—contratando até alguns dos mais importantes arquitetos de seu tempo para projetar algumas de suas lojas— transformando a banalidade do cotidiano em uma experiência única e inovadora.

McDonalds in Dallas Texas. Image via The Life PileAirplane McDonalds in Taupo, New Zealand. Image via Nonstandard McDonalds- TwitterFormer Times Square McDonalds in New York City. Image via Nonstandard McDonalds- TwitterSoft Serve McDonalds in Shenzhen, China. Image via Travelog+ 10

Mansard Roof McDonalds. Image via Nonstandard McDonalds- Twitter
Mansard Roof McDonalds. Image via Nonstandard McDonalds- Twitter

Com mais de 30.000 lojas em operação em todo o mundo, o McDonald's se faz presente até mesmo nos mais remotos ricões do planeta. Embora a maioria de suas unidades seja completamente alheia ao seu contexto específico, o McDonald’s nunca deixou de experimentar com suas lojas e estruturas operativas. Fundada como uma simples barraquinha de comida chamada de "Airdrome", em Monrovia, Califórnia, em 1937, o Mcdonald's é um estudo de caso único—um experimento arquitetônico que acabou por cunhar uma das tipologias arquitetônicas mais reconhecíveis e o próprio conceito de fast-food

Grand Opening of McDonalds in DeKalb, Illinois- 1960
Grand Opening of McDonalds in DeKalb, Illinois- 1960

Entretanto, a parte de todos estes experimentos, alguns de seus elementos fundamentais permanecem idênticos desde o início. Os enormes arcos amarelos em forma de "M" representam a monumentalidade desejada pela marca, assim como o esquema de cores em vermelho e amarelo (ou ketchup e mostarda) marca o imaginário coletivo de como deve ser um espaços interior de uma loja do McDonald's. Ambas as coisas, tanto o símbolo monumental quanto o esquema de cores, foram criações bastante inovadoras e até ousadas para a época—quando a moda era o Decô. Desde então, o McDonald's continuou a evoluir e inovar, estabelecendo uma das mais reconhecíveis e valiosas marcas já criadas pelo homem.

No final dos anos 1960, a rede de fast-food abandonou seus enormes edifícios art-decô para assumir um novo visual, mais leve a mais moderno. Suas estruturas horizontais com telhado em mansarda lentamente evoluíram para criar um estilo próprio, mais “moderno”, até chegar na forma como o conhecemos hoje. Nesta continua e paulatina evolução formal, talvez um dos momentos mais marcantes na história do McDonald's tenha sido a década de 1990, quando Robert Venturi e Denise Scott Brown aplicaram seu estudo de caso de “Aprendendo com Las Vegas” em uma loja do McDonald's construída em Buena Vista, Flórida. Venturi e Scott Brown sempre estiveram interessados em como a arquitetura se espacializa e se comunica com as pessoas, e como estas, por outro lado, se relacionam com o espaço construído. O projeto desenvolvido para o McDonald’s de Buena Vista foi descrito pela dupla como “um exemplo clássico de arquitetura comercial, definida por seus elementos de sinalização e o simbolismo de suas formas e cores—os quais foram ajustados em colaboração com a equipe do McDonald's.” Mas “ajustado”, neste contexto, pode até parecer um eufemismo. O enorme arco dourado em forma d “M” foi resgatado, implantado de forma centralizada bem em frente a fachada principal, na qual ainda figuram um super Ronald McDonald, um Milk-Shake gigante e uma enorme caixa de McLanche feliz—tudo pensado para aumentar e estimular a sensação de alegria de se visitar um McDonald's. Talvez este seja o símbolo máximo tanto do Galpão Decorado quanto do Pato de Venturi e Scott Brown.

Original McDonalds Blue Prints
Original McDonalds Blue Prints

Embora a evolução da arquitetura das lojas do McDonald’s possa não ser um tópico muito atrativo e tampouco pesquisado, devemos admitir que este estudo de caso teve um impacto significativo na evolução histórica de uma das tipologias arquitetônicas mais universalmente reconhecíveis. Parte do sucesso do McDonald's tem a ver com o quão pouco ele mudou ao longo do tempo—e dos riscos calculados que a marca decidiu assumir pontualmente. A busca por ressignificar um ícone como o McDonald's, sem dúvida, é um verdadeiro desafio, algo que apenas estimula a nossa imaginação e vontade de criar através da experimentação e inovação.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Overstreet, Kaley. "O que o McDonald's pode ensinar sobre experimentação na arquitetura " [The High Design of A Happy Meal: What The Evolution of McDonald's Tells Us About Architectural Experimentation] 16 Mai 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/960815/o-que-o-mcdonalds-pode-ensinar-sobre-experimentacao-na-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.