O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico

Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico

Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico
Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico, Bloco de hospedagem de funcionários em St. Paul’s Girl’s School, por John Melvin (1985), fotografia de Martin Charles. Image © John Melvin
Bloco de hospedagem de funcionários em St. Paul’s Girl’s School, por John Melvin (1985), fotografia de Martin Charles. Image © John Melvin

Neste ensaio escrito pelo arquiteto e acadêmico britânico Dr. Timothy Brittain-Catlin, a noção de pós-modernismo britânica - atualmente muitas vezes referida como intimamente ligada ao trabalho de James Stirling e o pensamento de Charles Jencks - é trazida à luz. Suas verdadeiras origens, argumenta, são mais historicamente enraizadas.

Cresci em uma bela casa vitoriana com alvenarias ornamentadas, com forma de frontões "holandeses" e belos vitrais do período arts and crafts - então eu não pensei na época, e eu não acho agora, que eu tinha muito a aprender com Las Vegas. Acontece que eu não era o único. Dos arquitetos britânicos que fizeram seus nomes como pós-modernistas na década de 1980, nem um único diria agora que eles devem muito a Robert Venturi, arquiteto americano amplamente considerado um avô do movimento.

Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia de Martin Charles. Doctors’ Surgery frontage to Mitchison Road. Image © John Melvin Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin Epping Forest Civic Offices, por Richard Reid (1984-90). Axonométrica por Richard Reid. Imagem © Richard Reid & Associates Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin + 6

St Paul’s Girl’s School, Brook Green, Hammersmith, por Gerald Horsley (1904). Imagem © Timothy Brittain-Catlin
St Paul’s Girl’s School, Brook Green, Hammersmith, por Gerald Horsley (1904). Imagem © Timothy Brittain-Catlin

Já faz mais de trinta e cinco anos que Charles Jencks nos apresentou ao "classicismo pós-moderno". Essa impressionante edição de 1980 da Architectural Design com o Edifício Portland de Michael Graves na capa definiu o período, assim como a lista de nomes no verso (Jeremy Dixon e James Stirling sendo os representantes britânicos). É de conhecimento comum que Jencks afirma ter inventado o termo, e ele indubitavelmente definiu o movimento. Mas trinta e cinco anos é muito tempo e agora é possível olhar para toda a história um pouco diferente - e sem Jencks nela. Ele próprio verá, espero, que é um elogio imaginar que o movimento de sua própria criação tenha desenvolvido uma vida própria sem ele.

Quase todos os pós-modernistas britânicos que converso dizem-me que o que realmente os motivou na época era a arquitetura eduardiana: poderosa, rica, escultural, estilisticamente ambiciosa, tecnicamente e construtivamente acabada. Pegue John Melvin, por exemplo. Na década de 1970 ele projetou dois terraços de casas de tijolos em Islington, implantadas paralelas à linha da rua e com portas frontais com fachadas arqueadas acima delas. Alguém que trabalhava para a Mercer's Company, uma das antigas corporações da Cidade de Londres, que se tornara um grande proprietário de terras, as viu e ficou impressionado com esse desvio audacioso do princípio modernista de projetar um edifício, muitas vezes de forma amplamente abstrato, no meio de um gramado. Como resultado, Melvin foi encarregado de projetar um bloco de alojamento de funcionários em Brook Green, Hammersmith - quase diretamente oposto ao belo terraço onde eu cresci.

Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin
Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin

Estes apartamentos foram construídos para os professores na St Paul's Girls 'School mais adiante na mesma rua. Foi concebido por Gerald Horsley, um membro fundador da Art Workers' Guild, em 1904, e é pressionado contra as grades, irradiando um elegante poder através da rua: um pouco, eu sempre pensei, como um tigre agachado. É construído de tijolos vermelhos com painéis de pedra e enfeites, e coberto com detalhes livres. Atrás da fachada há um grande telhado abobadado com reboco ornamental, um motivo eduardiano recorrente. Deste conjunto, Melvin derivou seu próprio pequeno bloco; Uma pequena janela é implantada na abóbada de Horsley. De fato, no caminho para o local da estação de metrô, Melvin teria passado não apenas pela biblioteca central local (em barroco eduardiano por Henry T. Hare e a mesma idade exatamente como a escola), mas também por uma estação de bombeiros particularmente exuberante de 1913 com uma parede morna de tijolos vermelhos, ligeiramente à maneira do início do século XVIII, mas renascido na escala da cidade para um tipo moderno do edifício.

Então Melvin voltou a Islington e construiu para a Mercers' Company o estupendo bloco de apartamentos de tijolos vermelhos na Essex Road para um dos mais veneráveis de todos os usos: asilos, que antigamente eram conhecidos como' almshouses '. Ele sabia o que queria evitar - a falta de forma e a falta de identidade doméstica dos apartamentos dos anos 60, por uma das mais admiradas práticas arquitetônicas modernistas da época. Como um tributo à memória dos muitos terraços de casas antigas demolidas na área na década anterior, Melvin projetou seu bloco com portas frontais ornamentais, claraboias, chaminés, grades - as coisas que fazem uma construção um lar. Exatamente como Norman Shaw tinha feito em 1879 em seus enormes blocos ao lado do Albert Hall em Kensington: "eles envelheceram tão bem", disse Melvin. Ao virar da esquina, ele projetou uma clínica em um estilo que quase diretamente reflete a St Paul’s Girls’ School.

Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin
Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia por Martin Charles. Imagem © John Melvin

Quando o primeiro prédio de Melvin em Hammersmith foi erigido, os visitantes de Cambridge estavam olhando com alguma descrença para o novo prédio da biblioteca afixado na rua do Newnham College. Ele tomou a forma de um simples bloco retangular abobadado revestido em listras vibrantes de vermelho e azul. Tinha uma qualidade de casa de bonecas e contrastava (escandalosamente) com seu vizinho sombrio que havia sido recentemente projetado por uma dessas práticas excepcionalmente puritanas de Cambridge, muitos de cujos edifícios, embora louvados pela escola de arquitetura local na época (e eu estava lá) eram tão finos que logo caíram ou foram demolidas. Este foi o primeiro edifício pós-moderno de Cambridge e ainda é o melhor. Os arquitetos foram Van Heyningen e Haward e, de acordo com Josh McCosh, um dos líderes atuais do escritório, a inspiração veio dos gentis, bonitos e populares, e extremamente bem construídos, edifícios vitorianos tardios de Basil Champneys que ainda parecia fresco e do qual dois, pelo menos, tinham suas próprias abóbadas ornamentais.

Epping Forest Civic Offices, por Richard Reid (1984-90). Axonométrica por Richard Reid. Imagem © Richard Reid & Associates
Epping Forest Civic Offices, por Richard Reid (1984-90). Axonométrica por Richard Reid. Imagem © Richard Reid & Associates

Não demorou muito para encontrar outros arquitetos trabalhando na época que poderiam fornecer exemplos semelhantes do mesmo período. Richard Reid, cujos Epping Forest Civic Offices  de 1984-1990 forneceram um dos sucessos mais impressionantes e duradouros do pós-modernismo britânico, disse-me que havia sido inspirado pela igreja próxima de G.F. Bodley (de 1905) e de uma torre de água vitoriana tardia mais à frente da rua principal de Epping. Ele me falou da importância do desenho e de John Ruskin, como se ele fosse um homem da Artes e Ofícios - como, de fato, o crítico Trevor Garnham era suficientemente perspicaz para reconhecer quando escreveu sobre o edifício de Reid no Architects’ Journal na época .

Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia de Martin Charles. Doctors’ Surgery frontage to Mitchison Road. Image © John Melvin
Mercers’ House, Essex Road, Highbury, Londres, por John Melvin (1992), fotografia de Martin Charles. Doctors’ Surgery frontage to Mitchison Road. Image © John Melvin

A questão é, como Piers Gough disse-me recentemente, estes edifícios Eduardianos eram extremamente bons. Eles representavam, disse ele, "o ponto alto da habilidade arquitetônica neste país." E Piers Gough é o último pós-modernista britânico: na verdade, ele foi o único arquiteto com quem falei que se descreveu como um, e poucos discordariam. Esses arquitetos eram enormemente inventivos - como Gough disse, eles variariam a fenestração em cada andar; foram construídos bem em um momento em que a qualidade edifício era valorizada. No entanto, você podia reconhecer facilmente as características que falavam todos. O herói de Garnham, W.R. Lethaby, sabia que se a ornamentação de um edifício chega no tempo a coisas distantes e simbólicas, todos a entenderão de alguma forma, por mais complicada que seja. O que, na verdade, não é tão longe do que Charles Jencks estava propondo em seu agradável livro The Iconic Building - exceto que é muito mais organizado e bastante mais profundo.

Mas, como se verifica, o pós-modernismo britânico não é sobre Charles Jencks, nem Robert Venturi. Nem é sobre ser a imitação barata britânica do que os caros americanos estavam fazendo. Olhando para trás, foi um magnífico reavivamento Eduardiano - e um movimento que merece ser reconhecido como tal.

Sobre este autor
Cita: Brittain-Catlin, Timothy. "Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico" [Understanding British Postmodernism (Hint: It’s Not What You Thought)] 23 Mai 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/871889/aprendendo-sobre-o-pos-modernismo-britanico> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.