O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A torre de Mies van der Rohe em Londres que nunca foi construída

A torre de Mies van der Rohe em Londres que nunca foi construída

A torre de Mies van der Rohe em Londres que nunca foi construída
A torre de Mies van der Rohe em Londres que nunca foi construída, Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat
Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat

Na década de 1960, James Stirling perguntou a Ludwig Mies van der Rohe por que não ele ainda não havia concebido visões utópicas para novas sociedades, como a Broadacre City  de Frank Lloyd Wright ou Cité Radieuse de Le Corbusier. Mies respondeu que não estava interessado em fantasias, mas apenas em "tornar bela a cidade existente". Quando Stirling contou esta conversa, várias décadas depois, foi na ocasião de um inquérito público convocado em Londres - ele estava tentando desesperadamente salvar o único projeto de Mies van der Rohe no Reino Unido -- que estava prestes a ser negado pelos órgãos municipais de planejamento. 

Sem sucesso: a proposta não foi construída; os desenhos foram enterrados em um arquivo privado. Agora, pela primeira vez em mais de trinta anos, a Mansion House Square de Mies será apresentada ao público em uma exposição no Royal Institute of British Architects (RIBA) - intitulada Mies van der Rohe e James Stirling: Circling the Square - e, se conseguir financiamento, em um livro, cuja proposta está atualmente no Kickstarter

Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat + 5

Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat
Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat

Descrito pelo Príncipe Charles como "um toco de vidro gigante" e por Richard Rogers como "o culminar da obra de um mestre arquiteto", a elegante torre de escritório de bronze Mies ainda é controversa - mesmo meio século após sua concepção. Um elemento chave para a proposta foi a criação de uma grande praça pública a leste do local, adjacente à residência do prefeito da cidade. Em alguns aspectos, este espaço era o principal atributo do projeto. Mies tomou um perigoso padrão de ruas em torno do Banco da Inglaterra e racionalizou-o perfeitamente com um único movimento. Debaixo da bagunça das faixas medievais havia uma grade romana quase invisível, que os edifícios neoclássicos próximos já haviam começado a tentar reviver no século passado. Mies acrescentou uma torção à Queen Victoria Street (uma das ruas diagonais que levam ao banco), cujo produto era um novo quadrado quase geometricamente perfeito.

Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat
Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat

No final dos anos 1930 Mies tinha sido forçado a fechar a Bauhaus e fugir da Alemanha nazista. Como resultado, houve uma ruptura profunda em sua obra, gerando dois períodos muito distintos - um antes e um depois de sua emigração para a América. A importância da Mansion House Square é que ele foi um dos dois únicos projetos concebidos para a Europa nos 25 anos entre o final da Segunda Guerra Mundial e sua morte em 1969. Ele foi extremamente exigente em relação às comissões que aceitou, e podemos, portanto, assumir que sua torre em Londres deveria estar ao lado da Neue Nationalgalerie em Berlim como uma mensagem para o Velho Mundo. A proposta de Londres de Mies é, portanto, única - uma lição surpreendente de como a arquitetura moderna racionalista deveria abordar os antigos contextos urbanos da Europa.

Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat
Cortesia de Drawing Matter, REAL foundation. Imagem © John Donat

Quando Mies visitou Londres em meados dos anos 1960, imediatamente percebeu que o módulo de sua torre estava fora de alinhamento com um edifício adjacente de Lutyens. Todo o módulo foi ampliado e as alturas do piso alterada de modo que as linhas horizontais entre as estruturas envolvessem a praça como um grande ambiente urbano. A grande sensibilidade de Mies ao contexto é notavelmente consistente ao longo de sua vida, desde a Casa Riehl em 1907 até a Mansion House Square, sessenta anos depois.

Não há fantasia para o pensamento de Mies. Ele trabalhava quase exclusivamente em edifícios únicos ou pequenos conjuntos de edifícios, usando uma precisão incrível para harmonizar seus projetos com seus arredores. Ele não escreveu manifestos, ele os construiu. Sua ambição não era revolucionária, mas reformista - em outras palavras, Mies tentou transformar e reformular o que já havia sido feito, ao invés de imaginar uma tábula rasa (que em todo caso é sempre uma espécie de ficção). Em conversa com Stirling, Mies teria concluído o assunto sobre as utopias com uma observação que é ou extremamente arrogante ou estranhamente humilde: "Se os arquitetos não estão felizes adicionando ao contexto existente, é porque eles são incapazes de adaptar seu próprio estilo suficientemente para se misturar e harmonizar."

Contribua com a campanha de Kickstarter, aqui.

Cita: Self, Jack. "A torre de Mies van der Rohe em Londres que nunca foi construída" [Mies van der Rohe's Tower in London That Never Was] 14 Fev 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/805235/a-torre-de-mies-van-der-rohe-em-londres-que-nunca-foi-construida> ISSN 0719-8906