Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?

O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?

O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?
O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?, Serpentine Pavilion 2016 / Bjarke Ingels. Image © Laurian Ghinitoiu
Serpentine Pavilion 2016 / Bjarke Ingels. Image © Laurian Ghinitoiu

Se o sinal mais seguro do início do verão em Londres é a aparição de um novo pavilhão em frente à Serpentine Gallery, talvez seja justo dizer que o verão termina quando o pavilhão é desmontado. As instalações ganharam destaque desde sua edição inaugural em 2000, atuando como uma espécie de honra exclusiva e indicação de talento para os escolhidos para construir ali. Arquitetos anteriores incluem Zaha Hadid, Rem Koolhaas e Olafur Eliasson.

Serpentine Pavilion 2015 / Selgas Cano. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2014 / Smiljan Radic. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2006 / Rem Koolhaas. Image © John Offenbach Serpentine Pavilion 2007 / Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen, Cecil Balmond. Image © Luke Hayes + 20

A premissa é simples: um arquiteto que ainda não tenha construído no Reino Unido é convidado a projetar um pavilhão, com a intenção de compartilhar seu talento entre um público novo e influente. Arquitetos escolhidos têm apenas seis meses para projetar e construir seu pavilhão; uma linha do tempo comprimida que incentiva a experimentação e o raciocínio rápido.

Mas, apesar de toda a pompa, circunstância e rostos famosos envolvidos no evento anual, os pavilhões são instalações temporárias. Então, o que acontece com eles quando seu período acaba no Parque Serpentine?

Aqui, em ordem cronológica inversa, veja como estão os pavilhões hoje em dia:

2018: Frida Escobedo

Serpentine Pavilion 2018 / Frida Escobedo. Image © Laurian Ghinitoiu
Serpentine Pavilion 2018 / Frida Escobedo. Image © Laurian Ghinitoiu

O pavilhão mais recente, projetado pela arquiteta mexicana Frida Escobedo (apenas a segunda mulher a projetar um pavilhão nos 19 anos do evento) foi comprado pela operadora de spas Therme Group. Eles disseram, em uma declaração conjunta com o diretor artístico da Serpentine Gallery, Hans Ulrich Obrist, que “O projeto de Frida Escobedo para o Serpentine Pavilion é uma interação sutil entre luz, água e geometria. Sua estrutura atmosférica baseada no pátio inspira-se tanto na arquitetura doméstica do México quanto nos materiais e na história britânica.”

Embora planos específicos para a estrutura não tenham sido anunciados, é seguro assumir que o futuro do pavilhão será luxuoso.

2017: Diébédo Francis Kéré

Serpentine Pavilion 2017 / Diébédo Francis Kéré. Image © Laurian Ghinitoiu
Serpentine Pavilion 2017 / Diébédo Francis Kéré. Image © Laurian Ghinitoiu

O pavilhão de Kéré, que buscava envolver-se com o clima local e a paisagem natural, foi comprado pela Ilham Gallery, com sede na Malásia. Infelizmente, o pavilhão mostrou-se grande demais para a própria galeria; Seu diretor, Rahel Joseph, anunciou planos em 2017 para instalar o pavilhão em um local de acesso público. Desde então, tem havido poucas novidades, e a localização final do pavilhão não é clara.

2016: Bjarke Ingels

Serpentine Pavilion 2016 / Bjarke Ingels. Image © Laurian Ghinitoiu
Serpentine Pavilion 2016 / Bjarke Ingels. Image © Laurian Ghinitoiu

BIG anunciou recentemente dois grandes marcos no Canadá: a finalização do projeto da Vancouver House e a transferência do Pavilhão Serpentine 2016 para Toronto. O pavilhão, que foi comprado pelos empreendedores canadenses Westbank, fará parte de uma exposição intitulada "Unzipped" e abrigará uma série de eventos e palestras locais.

Mas Toronto não será o lar definitivo da estrutura sinuosa - o pavilhão será movido mais tarde para Vancouver, e há rumores da instalações em Nova Iorque e Xangai no futuro.

2015: Selgas Cano

Serpentine Pavilion 2015 / Selgas Cano. Image © Iwan Baan
Serpentine Pavilion 2015 / Selgas Cano. Image © Iwan Baan

O pavilhão dos arquitetos espanhóis Selgas Cano trouxe um alegre toque de cor para a notória monotonia de Londres. A instalação apresentava uma estrutura poligonal de pele dupla embrulhada em polímero fluorescente colorido - criando um efeito semelhante ao de entrar em uma crisálida multicolorida.

O pavilhão foi comprado pela empresa de co-working londrina, Second Home, que também contratou os arquitetos para o projeto de suas sedes em Holland Park e Spitalfields. Second Home anunciou planos para instalar o pavilhão em um de seus próximos locais em Los Angeles, com previsão de inauguração em 2020.

2014: Smiljan Radic

Serpentine Pavilion 2014 / Smiljan Radic. Image © Iwan Baan
Serpentine Pavilion 2014 / Smiljan Radic. Image © Iwan Baan

O pavilhão do arquiteto chileno Smiljan Radic foi talvez um dos mais enigmáticos até hoje; uma concha translúcida situada no topo de diversas de pedras brutas. O projeto foi inspirado em um modelo de papel machê que Radic havia projetado anteriormente como uma resposta à história de Oscar Wilde "O Gigante Egoísta".

O pavilhão foi comprado pelos galeristas de Londres, Hauser + Wirth, e foi finalmente instalado em seu terreno no parque Somerset.

2013: Sou Fujimoto

Serpentine Pavilion 2013 / Sou Fujimoto. Image © Iwan Baan
Serpentine Pavilion 2013 / Sou Fujimoto. Image © Iwan Baan

Apelidado de “The Cloud”, o pavilhão do arquiteto japonês Sou Fujimoto foi um exercício de leveza e modularidade. O pavilhão era composto de módulos gradeados brancos brilhantes empilhados juntos para criar uma estrutura amorfa e aberta. O pavilhão foi vendido após a exibição e infelizmente não é mais acessível ao público.

2012: Herzog & de Meuron e Ai Weiwei

Serpentine Pavilion 2013 / Herzog & deMeuron and Ai Weiwei. Image © Iwan Baan
Serpentine Pavilion 2013 / Herzog & deMeuron and Ai Weiwei. Image © Iwan Baan

Os mestres suíços Herzog & de Meuron se uniram novamente (após o sucesso com a colaboração de 2008 no Ninho do Pássaro) com o famoso artista chinês Ai Weiwei para a edição de 2012 do pavilhão. O pavilhão adotou uma abordagem incomum, cavando o solo para criar uma estrutura que parecia flutuar ligeiramente acima do solo. O teto do pavilhão pairava sobre 12 colunas, fazendo referência aos doze anos do programa do pavilhão. O pavilhão foi lido como uma escavação arqueológica, incentivando os espectadores a refletirem sobre o passado de Serpentine. O pavilhão foi comprado pelo magnata indiano de aço Lakshmi Mittal e sua esposa, Usha, e foi instalado em sua propriedade em Surrey.

2011: Peter Zumthor e Piet Oudolf

Serpentine Pavilion 2011 / Peter Zumthor and Piet Oudolf. Image © John Offenbach
Serpentine Pavilion 2011 / Peter Zumthor and Piet Oudolf. Image © John Offenbach

Zumthor continuou sua brincadeira com sólidos e vazios durante seu período no Serpentine Pavilion. Muito parecido com o seu trabalho anterior, como no Therme Vals, a interação tornou-se um meio de criar vários efeitos e definir momentos contemplativos ou viscerais dentro de seus edifícios. Zumthor finalmente decidiu realizar um hortus conclusus: um jardim fechado destinado a atuar como um espaço íntimo projetado pelo designer, jardineiro e escritor holandês, Piet Oudolf. Infelizmente não há informações confirmadas publicamente sobre o paradeiro atual do pavilhão.

2010: Jean Nouvel

Serpentine Pavilion 2010 / Jean Nouvel. Image © John Offenbach
Serpentine Pavilion 2010 / Jean Nouvel. Image © John Offenbach

O projeto do arquiteto francês para o pavilhão de 2010 era implacavelmente vermelho, combinando formas típicas de construção com um estilo desconstrutivista. Um dossel inclinado e retrátil é uma referência astuta aos toldos parisienses, borrando as linhas entre o interior e o exterior. Embora não haja informações públicas confirmadas sobre o atual paradeiro do pavilhão, o impacto do pavilhão vibrante - e seu famoso interior cheio de mesas de pingue-pongue - teve mais do que uma influência passageira nos projetos para o espaço público.

2009: SANAA

Serpentine Pavilion 2009 / SANAA. Image © Claire Byrne
Serpentine Pavilion 2009 / SANAA. Image © Claire Byrne

O projeto de Kazuyo Sejima e Ryue Nishizawa foi talvez o mais direto e estruturalmente simples: uma peça de alumínio altamente refletiva apoiada por delicadas colunas. Mas, em sua simplicidade, sua estrutura parece "voar como fumaça, derreter como uma folha de metal, movimentar como uma nuvem ou fluir como água". Visto em planta, eles também incorporaram formas recorrentes em sua obra: um conglomerado de formas curvilíneas. Infelizmente não há informações confirmadas publicamente sobre o paradeiro atual do pavilhão.

2008: Frank Gehry

Serpentine Pavilion 2008 / Frank Gehry. Image © John Offenbach
Serpentine Pavilion 2008 / Frank Gehry. Image © John Offenbach

A incursão de Frank Gehry no Serpentine Gallery foi visualmente uma inversão de sua abordagem esperada. Em vez de uma explosão de forma, o pavilhão era relativamente discreto e focado para o interior, projetado para ser um híbrido de uma rua e um anfiteatro. O pavilhão foi comprado pelo empreendedor irlandês Paddy McKillen e está aninhado nos seus vinhedos de Aix-en-Provence. Hoje, a estrutura é o cenário para concertos ao ar livre - não muito diferente do seu propósito original.

2007: Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen e Cecil Balmond

Serpentine Pavilion 2007 / Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen, Cecil Balmond. Image © Luke Hayes
Serpentine Pavilion 2007 / Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen, Cecil Balmond. Image © Luke Hayes

O pavilhão de 2007, uma colaboração entre o artista Eliasson e o arquiteto Thorsen (da Snøhetta), foi uma estrutura de vários andares revestida de madeira - e, na época, o mais ambicioso pavilhão a ser realizado. O pavilhão foi palco não apenas do programa típico de palestras, mas também de "experiências" semanais de artistas, cientistas e arquitetos de todo o mundo.

O pavilhão foi adquirido por um comprador anônimo com um "vício" auto-declarado pelos pavilhões: ele possui nada menos que quatro dos 18 pavilhões. O comprador também detém o pavilhão de 2006 de Rem Koolhaas, o pavilhão de 2005 de Álvaro Siza e Eduardo Souto de Moura e o pavilhão de 2003 de Oscar Niemeyer.

2006: Rem Koolhaas (com Cecil Balmond e Arup)

Serpentine Pavilion 2006 / Rem Koolhaas. Image © John Offenbach
Serpentine Pavilion 2006 / Rem Koolhaas. Image © John Offenbach

O pavilhão de Koolhaas, em 2006, era apropriadamente distintivo, tomando a forma de um balão meteorológico de "formato oval" cuja posição podia ser deslocada para proteger o anfiteatro abaixo das mudanças climáticas. O pavilhão abrigou uma ampla variedade de palestras, discussões e painéis, estabelecendo o projeto Serpentine Pavilion não apenas como uma loucura arquitetônica, mas como um evento e um local em si.

O pavilhão é de propriedade do mesmo comprador anônimo que possui o pavilhão de 2007 (Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen e Cecil Balmond), o pavilhão de 2005 (Álvaro Siza, Eduardo Souto de Moura e Cecil Balmond) e o pavilhão de 2003 (Oscar Niemeyer) ).

2005: Álvaro Siza e Eduardo Souto de Moura (com Cecil Balmond)

Serpentine Pavilion 2005 / Álvaro Siza and Eduardo Souto de Moura . Image © Sylvain Deleu
Serpentine Pavilion 2005 / Álvaro Siza and Eduardo Souto de Moura . Image © Sylvain Deleu

Os arquitetos portugueses Álvaro Siza e Eduardo Souto de Moura prestaram homenagem à escala doméstica e ao estilo neoclássico da Serpentine Gallery permanente e vizinha. O projeto centrou-se em torno de uma grade retangular básica, distorcida para criar um espaço interior curvo. O pavilhão é de propriedade do mesmo comprador anônimo que possui o pavilhão de 2007 (Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen e Cecil Balmond), o pavilhão de 2006 (Rem Koolhaas, Cecil Balmond e Arup) e o pavilhão de 2003 (Oscar Niemeyer).

2004: MVRDV

Courtesy of MVRDV. ImageSerpentine Pavilion 2004 / MVRDV
Courtesy of MVRDV. ImageSerpentine Pavilion 2004 / MVRDV

Como toda obra do MVRDV, a proposta para o pavilhão de 2004 foi absolutamente única e profundamente ambiciosa. Em vez de simplesmente ocupar o espaço em frente à galeria, os arquitetos holandeses propuseram construir uma espécie de montanha sobre a galeria, criando um elemento natural artificial e permitindo que os visitantes ocupassem o pavilhão por dentro e por fora. Infelizmente, devido a restrições orçamentárias e de tempo (os arquitetos têm apenas seis meses para projetar e construir o pavilhão), a proposta nunca foi construída.

2003: Oscar Niemeyer

Serpentine Pavilion 2003 / Oscar Niemeyer. Image © Sylvain Deleu
Serpentine Pavilion 2003 / Oscar Niemeyer. Image © Sylvain Deleu

O pavilhão do arquiteto brasileiro se encaixa perfeitamente em seu portfólio de trabalho estabelecido. Uma rampa torcida, atapetada de vermelho e flutuante (que lembra a sequência de entrada do seu Museu de Niterói, no Rio de Janeiro) levou os visitantes a um auditório de concreto aberto em dois lados para permitir vistas do parque.

O pavilhão é de propriedade do mesmo comprador anônimo que possui o pavilhão de 2007 (Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen e Cecil Balmond), o pavilhão de 2006 (Rem Koolhaas, Cecil Balmond e Arup) e o pavilhão de 2005 (Álvaro Siza, Eduardo Souto) de Moura e Cecil Balmond).

2002: Toyo Ito com Cecil Balmond

Serpentine Pavilion 2002 / Toyo Ito. Image © Sylvain Deleu
Serpentine Pavilion 2002 / Toyo Ito. Image © Sylvain Deleu

Embora uma aglomeração aparentemente aleatória de formas triangulares e trapezoidais, o pavilhão do arquiteto japonês foi baseado em um algoritmo derivado da expansão de um cubo rotativo. A forma exterior simples revela uma interação complexa de luz no interior - o resultado da fachada algorítmica. O pavilhão foi comprado pelo hotel de luxo francês Le Beauvallon, onde desfruta de uma vida banhada pelo sol na Côte d'Azur.

2001: Daniel Libeskind com Cecil Balmond

Serpentine Pavilion 2001 / Daniel Libeskind. Image © Helene Binet
Serpentine Pavilion 2001 / Daniel Libeskind. Image © Helene Binet

Chamado de "Dezoito Voltas", o projeto Serpentine de Libeskind era uma formação de planos metálicos angulares dispostos para formar um quebra-cabeça visual. O pavilhão foi famoso como um "flatpack" para facilitar o seu estilo de vida nômade antecipado após Serpentine. Infelizmente, para além de uma breve aparição em Cork para as comemorações da cidade em 2005 como a Capital Europeia da Cultura, pouco se viu desde a sua instalação inicial em 2001.

2000: Zaha Hadid

Serpentine Pavilion 2000 / Zaha Hadid. Image © Helene Binet
Serpentine Pavilion 2000 / Zaha Hadid. Image © Helene Binet

Seu primeiro trabalho construído em seu país natal, o pavilhão de Zaha Hadid, marcou sua mudança de uma "arquiteta de papel" para a arquiteta que ela acabou se tornando conhecida. Seu projeto era, em seu portfólio, relativamente simples: uma estrutura semelhante a uma tenda com uma cobertura montanhosa. Talvez seja apropriado que o pavilhão que deu início a tudo isso seja talvez o que tenha a mais inesperada vida pós-serpentina; depois de sua temporada no parque, o pavilhão foi comprado por um parque temático na Cornualha, onde tem sido usado para sediar uma série de eventos locais.

“É um grande desafio manter essa estrutura”, relatou Dean Woods, coordenador de entretenimento do parque, a Olly Wainwright do The Guardian em 2015. “Por causa de todos os diferentes ângulos no teto, assim que eu conserto uma parte, então a água começa a infiltrar por outra parte”.

Sobre este autor
Cita: Allen, Katherine. "O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?" [Life after Serpentine: Second Lives of Architecture's Famed Pavilions] 19 Out 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/904239/o-que-acontece-com-os-pavilhoes-da-serpentine-gallery-quando-sao-desmontados> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.