Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Hans Ulrich Obrist

Hans Ulrich Obrist: O mais recente de arquitetura e notícia

O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?

Se o sinal mais seguro do início do verão em Londres é a aparição de um novo pavilhão em frente à Serpentine Gallery, talvez seja justo dizer que o verão termina quando o pavilhão é desmontado. As instalações ganharam destaque desde sua edição inaugural em 2000, atuando como uma espécie de honra exclusiva e indicação de talento para os escolhidos para construir ali. Arquitetos anteriores incluem Zaha Hadid, Rem Koolhaas e Olafur Eliasson.

Serpentine Pavilion 2015 / Selgas Cano. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2014 / Smiljan Radic. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2006 / Rem Koolhaas. Image © John Offenbach Serpentine Pavilion 2007 / Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen, Cecil Balmond. Image © Luke Hayes + 20

BIG é escolhido para projetar o Serpentine Pavilion 2016

A fundação Serpentine Galleries divulgou recentemente que o Serpentine Pavilion 2016 será projetado pelo escritório Bjarke Ingels Group (BIG). Além disso, também foi anunciado que quatro "Summer Houses" será construídas por firmas internacionalmente reconhecidas. Kunlé Adeyemi – NLÉ (Amsterdã/Lagos), Barkow Leibinger (Berlim/Nova Iorque), Yona Friedman (Paris), and Asif Khan (Londres) projetarão, cada um, uma estrutura de 25 m² inspirada no Templo da Rainha Caroline, uma casa de veraneio neoclássica construída em 1734 localizada nas proximidades do parque. Alinhado com o critério de seleção do Serpentine Gallery, os escritórios escolhidos para projetar as Summer Houses ainda não tem nenhuma obra construída na Inglaterra.

Julia Peyton-Jones se afasta após 25 anos na diretoria da Serpentine Gallery

Julia Peyton-Jones anunciou que se afastará da diretoria da Serpentine Gallery no em meados de 2016. Nos 25 anos em que assumiu o cargo, Peyton-Jones ajudou a criar o Serpentine Gallery Pavilion e presenciou a abertura da Serpentine Sackler Gallery de Zaha Hadid Architects.

Bienal de Veneza 2014: Pavilhão suíço por Hans Ulrich Obrist e Herzog & de Meuron

Hans Ulrich Obrist, co-diretor do Serpentine Gallery de Londres, foi escolhido para ser o curador do pavilhão suíço na Bienal de Veneza 2014. Inspirado no tema proposto por Rem Koolhaas, “Fundamentals,” Obrist chamou os primeiros arquitetos com os quais já trabalhou, Jacques Herzog e Pierre de Meuron, convidando-os a colaborar com o projeto do pavilhão.

“Quando fui convidado para fazer o pavilhão, pensei que trabalhar com Herzog e de Meuron se encaixaria na ideia geral da bienal deste ano - olhar para o passado e usar o passado como uma ferramenta para criar o futuro." comentou Obrist

Bienal de Veneza 2014: Anunciada a lista completa dos participantes

Há algumas horas, em Veneza, Rem Koolhaas apresentou sua visão de curadoria para "Fundamentos", em uma coletiva de imprensa. Como já relatamos ano pasado, "Fundamentos" incidirá sobre arquitetura ao invés de arquitetos e história em vez de contemporaneidade. Koolhaas não apenas é responsável pela curadoria da exposição, mas também estará coordenando o "esforço coletivo de todos os pavilhões nacionais."

A exposição deste ano conta com a participação de 65 países - incluindo 11 estreantes (Azerbaijão, Costa do Marfim, Costa Rica, República Dominicana, Emirados Árabes Unidos, Indonésia, Quênia, Marrocos, Moçambique, Nova Zelândia e Turquia). Veja a lista completa de participantes nacionais - o que inclui colaborações com Jacques Tati, Hans Ulrich Obrist, FAT, Iñaki Ábalos e outros - a seguir.

Clique aqui para saber tudo sobre a conferência da Bienal de Veneza 2014 através da cobertura feita pelo ArchDaily. E fique atento... nós estaremos trazendo relatórios atualizados desde Veneza quando a Bienal inaugurar, na primeira semana de junho!

Casa de Vidro de Lina Bo Bardi recebe exposição com curadoria de Hans Ulrich Obrist

A exposição O interior está no exterior, com curadoria do suíço Hans Ulrich Obrist, acontecerá em um marco da Arquitetura Moderna Brasileira, a Casa de Vidro de Lina Bo Bardi, em São Paulo, como um evento paralelo que faz parte da SP-Arte.