Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Toyo Ito

Toyo Ito: O mais recente de arquitetura e notícia

Analisando o "Manual of Section": o desenho arquitetônico mais intrigante

Para Paul Lewis, Marc Tsurumaki e David J. Lewis, o corte "é muitas vezes entendido como um tipo simplificado de desenho, produzido no final do processo de concepção para descrever condições estruturais e materiais para a etapa da construção."

Esta é uma definição muito familiar para a maioria das pessoas que estudam ou trabalham com a arquitetura. Muitas vezes pensamos primeiramente na planta baixa, pois nos permite abraçar as expectativas programáticas de um projeto e fornecer um resumo das várias funções necessárias. Na idade moderna, programas de software de modelagem digital oferecem cada vez mais possibilidades quando se trata de criar objetos tridimensionais complexos, tornando o corte uma reflexão ainda mais tardia.

Com o seu Manual of Section (Manual do Corte) lançado em 2016, os três sócios fundadores do LTL architects apresentam o corte como uma ferramenta essencial no projeto arquitetônico, e vamos admitir isso, essa leitura pode fazer você mudar de ideia sobre o tema. Para os co-autores, "pensar e projetar o corte requer a construção de um discurso sobre ele, reconhecendo-o como um local de intervenção." Talvez, na verdade, precisamos entender as capacidades dos desenhos em corte tanto para usá-los de forma mais eficiente, quanto para desfrutar ao fazê-los.

Bagsværd Church by Jørn Utzon (1976). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL Architects Notre Dame du Haut by Le Corbusier (1954). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL Architects United States Pavilion at Expo '67 by Buckminster Fuller and Shoji Sadao (1967). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL Architects The Solomon R. Guggenheim Museum by Frank Lloyd Wright (1959). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL Architects + 15

Arquitetura japonesa em 7 aulas

A Escola da Cidade compartilhou conosco a série de aulas sobre Arquitetura e Cultura japonesa que integra o programa Estúdio Deriva. Nesta série conta com as seguintes aulas: "A ambiência sem hierarquia: Sanaa e a música eletrônica" com Guilherme Wisnik, "Cultura Contemporânea Japonesa" com Gabriel Kogan, "A atuação profissional dos arquitetos japoneses" com Lourenço Gimenes, "Uma análise gráfica das midiatecas de Toyo Ito" com Marina Lacerda, "Destruir para construir: O impacto dos planos de reconstrução de Tokyo em Akira" com Beatriz Oliveira, "Jidai no nagare, o fluxo das eras: encaixes japoneses em madeira" com Heloisa Ikeda e "A estrada de Tōkaidō: viagens, xilogravuras e cidades do período Tokugawa (1603-1868)" com Fernanda Sakano. Assista aqui todas as aulas.

Quem já ganhou o Prêmio Pritzker?

O Prêmio Pritzker é o reconhecimento mais importante que um arquiteto(a) pode receber em vida. A honraria é outorgada todos os anos a arquitetos e arquitetas cuja obra construída "tenha produzido significativas contribuições para a humanidade ao longo dos anos", segundo explica a própria organização responsável pela premiação. Por esta razão, o júri presta homenagem a pessoas e não a escritórios, como já aconteceu em 2000 (Rem Koolhaas ao invés do OMA), 2001 (Herzog & de Meuron), 2010 (SANAA), 2016 (Elemental) e 2017 (RCR Arquitectes), premiando seus fundadores (como no caso do SANAA), o então, um deles (Elemental).

O prêmio surgiu de uma iniciativa criada por Jay Pritzker através da Fundação Hyatt, organização associada a empresa hoteleira que o mesmo fundou em conjunto com seu irmão Donald em 1957. A primera edição do prêmio foi realizada em 1979, quando Philip Johnson se tornou o primeiro arquiteto a ser homenageado. Estadunidense, Johnson é autor de importantes obras da história da arquitetura moderna, como a Glass House (1949).

O Prêmio Pritzker já conta com quarenta edições anuais ininterruptas, galardoando arquitetos e arquitetas de 18 nacionalidades diferentes. Metade dos premiados são europeus; América, Ásia e Oceania dividem as outras vinte edições, e até hoje nenhum arquiteto o arquiteta africano(a) teve a chance de receber o prêmio, sendo o único continente do globo a não possuir representantes no hall da fama da arquitetura.

Kazuyo Sejima, Toyo Ito e Sou Fujimoto criam arquiteturas caninas para exposição na Japan House SP

A Japan House São Paulo inaugura, no dia 19 de janeiro, a exposição Architecture for Dogs: Arquitetura para cães com curadoria do designer japonês Kenya Hara. A mostra apresenta, por meio do trabalho de renomados arquitetos, casas de cachorros em um pioneiro exercício de escala que leva em conta as atuais relações da sociedade com esses animais de estimação.

Projeto Paramount por Konstantin Grcic. Image © Hiroshi Yoda Projeto Beagle House - Interactive Dog House por MVRDV . Image © Hiroshi Yoda Projeto Pointed T por Hara Design Institute. Image © Hiroshi Yoda Projeto Mount Pug por Kengo Kuma. Image © Hiroshi Yoda + 15

Abertas as inscrições para o curso em SP . Arquitetura Contemporânea Internacional - Gabriel Kogan

Curso em quatro aulas conduzidas por Gabriel Kogan sobre arquitetura contemporânea internacional com foco na obra de Rem Koolhaas, SANAA, Toyo Ito, Souto de Moura, Álvaro Siza e Peter Zumthor.

Toyo Ito: "Procuro produzir uma arquitetura que chegue à fluidez"

Defensor de uma arquitetura mais próxima do ambiente natural e voltada às pessoas, Toyo Ito é hoje um dos arquitetos japoneses mais influentes e premiados do Mundo. Em visita ao Brasil, Ito falou à revista Haus sobre a verticalização das cidades - sobretudo Tóquio -, as qualidades etéreas da arquitetura e as lições da arquitetura japonesa contemporânea ao mundo.

O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?

Se o sinal mais seguro do início do verão em Londres é a aparição de um novo pavilhão em frente à Serpentine Gallery, talvez seja justo dizer que o verão termina quando o pavilhão é desmontado. As instalações ganharam destaque desde sua edição inaugural em 2000, atuando como uma espécie de honra exclusiva e indicação de talento para os escolhidos para construir ali. Arquitetos anteriores incluem Zaha Hadid, Rem Koolhaas e Olafur Eliasson.

Serpentine Pavilion 2015 / Selgas Cano. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2014 / Smiljan Radic. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2006 / Rem Koolhaas. Image © John Offenbach Serpentine Pavilion 2007 / Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen, Cecil Balmond. Image © Luke Hayes + 20

Inspire-se nesses projetos que incorporam estantes de livros de modo impressionante

Muito antigamente, os livros eram mantidos em baús e, posteriormente, em armários. Com o passar do tempo, livramo-nos das portas e as estantes de livros começaram a evoluir. Hoje, as estantes são usadas como elementos arquitetônicos que ajudam a definir o espaço e, em alguns casos, até a luz. Em comemoração ao Dia Internacional do Livro, em 23 de abril, o ArchDaily compilou este conjunto de estantes impressionantes e, por vezes, inovadoras.

Veja, a seguir, projetos de Alberto Kalach, ARCHSTUDIO, Toyo Ito, entre outros, que incorporam de maneira inventiva as estantes de livros.

Cortesia de Alberto Kalach © Tsukui Teruaki © Dirk Weiblen © Jaime Navarro + 17

Palestra com Toyo Ito e Paulo Mendes da Rocha na Expo Revestir

Promovida pela Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres (ANFACER), a Expo Revestir promove palestra com os arquitetos Toyo Ito e Paulo Mendes da Rocha no Transamerica Expo Center, em São Paulo.

As histórias por trás dos 7 óculos mais icônicos da arquitetura

Óculos, pequenas obras de arquitetura que você pode usar - uma expressão externa da sua personalidade interior. Sejam quadrados, redondos ou wire-frame, pretos, brancos, tartaruga ou em tons de néon brilhante, eles ajudam a comunicar nossos ideais e nossa visão de mundo. Como tais, guardam histórias interessantes que merecem ser contadas. Leia a seguir as histórias dos sete óculos mais famosos no mundo da arquitetura.

Como foram construídas as paredes curvadas, torcidas e inclinadas do Museu de Toyo Ito no México

Este artigo faz parte de nossa série "Material em foco" onde perguntamos aos arquitetos sobre o processo criativo por trás da escolha dos materiais que usam em seus trabalhos.

O Museu Internacional do Barroco (Museo Internacional del Barroco) de Toyo Ito está localizado a 7 km de Puebla, no México. O lugar é conhecido pelo fácil acesso, não só para carros, mas também por estar conectado a uma rede de ciclovias e transportes públicos.
Nesta entrevista falamos com Alejandro Bribiesca Ortega e Miriam Carrada.

Toyo Ito recebe a medalha de ouro da União Internacional dos Arquitetos pelo conjunto da obra

A UIA (International Union of Architects) anunciou os vencedores de seus Prêmios e da Medalha de Ouro 2017. Fundada em 1961, os Prêmios UIA são entregues a cada 3 anos para "honrar os profissionais cujas qualidades, talentos e ações tenham tido um impacto internacional nos diversos setores da prática arquitetônica". Neste ano, o Secretariado considerou um total de 46 indicações .

A complexa simplicidade geométrica da Biblioteca de Tama de Toyo Ito

Em seu último vídeo, o cineasta Vincent Hecht nos leva dentro da Biblioteca da Universidade de Arte de Tama, projetada por Toyo Ito. O projeto é notável por sua geometria simples, com todo o edifício composto por uma série de arcos de concreto que, quando combinados, criam uma complexa "grelha" que permite uma grande flexibilidade na planta do edifício. O vídeo de Hecht mostra como essa geometria funciona na prática, à medida que os elementos da biblioteca serpenteiam no interior aberto e iluminado do edifício.

Em foco: Toyo Ito

Toyo Ito, laureado com o Prêmio Pritzker em 2013, completa hoje 76 anos. Conhecido por seus espaços flexíveis que aguçam os sentidos humanos, Ito busca inspiração nas formas orgânicas da natureza, priorizando, em seus projetos, a fluidez entre o mundo natural e as formas construídas. A obra de Ito desafia definições; cada um de seus muitos trabalhos, do Domo Odate ou o White U à sua obra mais comentada, a Mediateca de Sendai, é único.

Toyo Ito: "As pessoas se orgulham das torres altas, de estar longe da terra... eu não gosto disso"

© ArchDaily
© ArchDaily

Toyo Ito, arquiteto vencedor do Prêmio Pritzker em 2013, deu uma conferência no The Real Estate Show 2017, o evento mais relevante do setor imobiliário no México e América Latina na última terça-feira, 21 de março.

Ito abriu sua conferência falando da relevância da natureza na prática arquitetônica contemporânea. Afirmou que com o passar do tempo, a disciplina se distanciou da natureza e, falando de arranha-céus modernos, disse: "As pessoas se orgulham das torres altas, de estar longe da terra... eu não gosto disso." Colocou, então, a pergunta: como podemos relacionar arquitetura e natureza?

Uma nova etapa na carreira de Toyo Ito: projetos comunitários de pequena escala

Este artigo foi publicado originalmente no site Redshift da Autodesk como "A próxima conquista arquitetônica de Toyo Ito: Revitalização da ilha de Omishima no Japão."

No ano passado, enquanto a construção do seu projeto para a Opera Nacional de Taichung, em Taiwan, estava chegando ao fim, Toyo Ito se encontrou numa encruzilhada.

Um projeto de 10 anos de duração, um gigantesco ícone cultural feito de paredes de concreto curvadas biomorficamente que se enrolam como um nó de artérias, criando uma experiência sobrenatural para os padrões das artes, é o projeto emblemático que se esperaria do Prêmio Pritzker de 2013, mas sua finalização desencadeou uma pergunta vital: para onde ir a partir daqui?

"Misunderstandings": uma reflexão sobre museus, coleções e arquitetura

O encontro entre CAMPO e o FRAC Centre Val de Loire, de Orléans, produziu o MISUNDERSTANDINGS: um projeto que, ao abordar um dos mais importantes arquivos de experimentações arquitetônicas em todo o mundo, propõe uma reflexão sobre o valor operacional de museus e coleções para o discurso contemporâneo e para a prática da arquitetura.

Toyo Ito, Aluminium House, 1970-1971 Andrea Branzi, Case a pianta centrale, 1986 The Grid. Desenhos a partir de David Georges Emmerich; com excertos de New York Skyline de Vasco Mourão. Image © Vazio S/A The Grid. Desenhos a partir de David Georges Emmerich; com excertos de New York Skyline de Vasco Mourão. Image © Vazio S/A + 11

Misunderstandings

O encontro entre CAMPO e o FRAC Centre Val de Loire, de Orléans, produziu o MISUNDERSTANDINGS: um projeto que, ao abordar um dos mais importantes arquivos de experimentações arquitetônicas em todo o mundo, propõe uma reflexão sobre o valor operacional de museus e coleções para o discurso contemporâneo e para a prática da arquitetura.