1. ArchDaily
  2. Escola Da Cidade

Escola Da Cidade: O mais recente de arquitetura e notícia

Memória LGBT nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo

Largo do Arouche, um dos espaços que se configurou como símbolo da territorialização LGBT na cidade de São Paulo. Imagem: Autoria própria
Largo do Arouche, um dos espaços que se configurou como símbolo da territorialização LGBT na cidade de São Paulo. Imagem: Autoria própria

Caminha-se pela cidade. Território em constante movimento. É complexa e formada por um emaranhado infinito de anseios. Sejam eles para as diferentes construções de um novo lugar, físico ou não; mas também para a desconstrução de outros, que apesar de consolidados, são carregados de concepções de outrora. Neste meio de campo, há uma necessidade inevitável do sujeito na busca por localidades que permitam seu encontro com seus demais, para que possa existir uma possibilidade de expressão das diversidades existentes.

Movimentos de moradia e pandemia: redes de solidariedade, território e Estado

Com a pandemia do coronavírus, a questão da moradia ganhou ainda mais importância. O que já era um tópico de grande relevância nos territórios populares – através da aquisição da casa própria o trabalhador passa a ser reconhecido efetivamente como parte integrante da cidade – ganha magnitude, uma vez que a não obtenção de condições mínimas podem ser fatores de mortalidade; se tornando essencial a necessidade de ter acesso à habitação adequada, com direito a infraestrutura e bem localizada.

Releitura crítica do espaço prisional sob a ótica abolicionista

O presente ensaio busca convocar o campo da Arquitetura e Urbanismo à necessidade de refletir sobre a prisão. Ao pautar as crises urbanas, dificilmente se problematiza a existência dos espaços de encarceramento como parte – ou até mesmo geradora – das questões das cidades contemporâneas. No entanto, é posta aqui a premissa de que são, na verdade, centrais.

Exibicionismo e reclusão: o complexo Glass House de Philip Johnson e David Whitney

A Glass House situada na Ponus Ridge Road, New Canaan – Connecticut, foi projetada e construída, no final dos anos 1940, para ser a morada de seu autor, o arquiteto Philip Johnson. Considerada um ícone da arquitetura moderna, suas características exploram os limites entre interior e exterior. Um ano após a sua conclusão, a sua mimese, Brick House, foi construída, 25 metros à frente com o mesmo comprimento, porém metade da profundidade da casa de vidro.

Jornalismo cotidiano e a construção da imagem da arquiteta

A desigualdade de gênero na prática da profissão da arquitetura é fruto de um processo múltiplo, no qual o papel das narrativas tecidas cotidianamente pelo jornalismo é ainda pouco estudado. Aqui, apresentaremos como duas arquitetas foram retratadas pela imprensa diária carioca nos anos de 1950, buscando problematizar como seu deu a construção de uma imagem profissional não dissociada da esfera pessoal.   

Cultivando territórios: novos espaços alimentares

Pela primeira vez na história a população urbana superou a rural. Hoje 55% das pessoas vivem em centros urbanos e as projeções mostram que esse número deve chegar a quase 70% em 2050. Isso representa um aumento de 2.5 bilhões de pessoas vivendo em áreas urbanas. Dessa forma nos perguntamos, qual é o modelo de urbanização que queremos para as próximas décadas? A resposta a essa pergunta depende da compreensão do aumento nos índices de urbanização como um desafio não só para as áreas urbanas mas também para as áreas rurais e periurbanas – sejam elas produtivas ou naturais.

Paisagem periurbana nas proximidades da ferrovia de acesso a cidade de Gênova, Itália. Image © Julia ReisA Fazenda Cubo, de produção indoor, iniciou suas atividades em 2019 em São Paulo. Image © Julia ReisEstação de energia solar e linha de distribuição localizada de energia na estrada que liga as cidades de Nampula e Meconta, em Moçambique. Image © Julia ReisA Fazenda Cubo, de produção indoor, iniciou suas atividades em 2019 em São Paulo. Image © Julia Reis+ 8

O projeto habitacional Ciudad Kennedy e a ideia de América Latina

Em um terreno de 350 hectares, 24 superquadras organizam as dez mil unidades habitacionais do conjunto Ciudad Kennedy, em Bogotá. A sua construção, entre 1961 e 1963, abarca um projeto de cidade que está inserido em uma trama social, política e ideológica que envolve a Colômbia em particular, mas que é compartilhada por toda a América Latina em alguma medida durante o período da Guerra Fria.

Construção do conjunto Ciudad Kennedy. USAID, Historical Archive. https://www.dvidshub.net/image/2074863/multi-family-unit-under-construction, PUBLIC DOMAIN Avenida Séptima no centro de Bogotá na década de 1930, com pedestres e bondes elétricos predominando entre os meios de transporte. Foto © Allen MorrisonPanorámica hacia el oriente de Bogotá (1970). Foto © Rudolf SchrimpffLe Corbusier, Josep Lluis Sert, Paul Lester Wiener, Carlos Arbeláez e Francisco Pizano em Bogotá, publicada na revista Cromos, Bogotá, 9 de setembro de 1950. Archdaily. Imagem © Revista Cronos+ 8

Tainá de Paula fala sobre corpo, territorialidades e a não cidade

O curso de pós-graduação Cidades em Disputa – pesquisa, história e processos sociais, da Escola da Cidade, recebeu Tainá de Paula, que ministrou a aula aberta “Corpo e territorialidades: o debate necessário da não cidade”. Criada em uma das favelas da Praça Seca, zona oeste do Rio de Janeiro, a arquiteta e urbanista se define como mulher preta, mãe e ativista das lutas urbanas, principalmente nas periferias e favelas. Na exposição, Tainá, que desde 2020 também atua como vereadora, discutiu os territórios subalternizados e a “não cidade”, que exclui e segrega, além de apresentar a necessidade urgente da elaboração de uma agenda de rompimento dessas condições, com a emancipação de raça, classe e gênero.

"A infância no Brasil é urbana": Ursula Troncoso fala sobre cidade, criança e mobilidade

A Escola da Cidade, por meio dos cursos Arquitetura, Educação e Sociedade e Mobilidade e Cidade Contemporânea do Programa de Pós-Graduação, em parceria com o programa Criança e Natureza do Instituto Alana, contou com a presença de Ursula Troncoso para oferecer duas aulas com a intenção de fomentar uma agenda de criação de cidades mais verdes, acessíveis e amigáveis às crianças que inclua a infância no centro do debate sobre cidades, entendemos ser necessária a formação de uma rede com articulação entre universidades, gestores públicos e sociedade civil, a fim de promover ações pautadas na inovação urbana, qualidade de vida, sustentabilidade e bem-estar para as crianças e para o planeta.

Camilo Restrepo: "O mais interessante na arquitetura do trópico é o corte e não a planta"

A Escola da Cidade, por meio do Curso Geografia, Cidade e Arquitetura do Programa de Pós-Graduação, recebeu o arquiteto Camilo Restrepo como convidado para falar sobre como seus interesses acadêmicos instigam até hoje seu desenvolvimento profissional. Durante a aula, Restrepo, ao falar sobre a relação entre o território e desenho, apontou a Cordilheira não como uma fronteira e sim como uma condição interessante para a arquitetura nos Trópicos, por quase nunca a relação espacial se dar horizontalmente, em planta.

"Os projetos do Lelé andavam junto com a obra": entrevista com Anália Amorim e Valdemir Rosa

Com uma obra marcadamente social e voltada para o uso público, João da Gama Filgueiras Lima, o Lelé, se tornou um dos grandes nomes da arquitetura brasileira. Em 60 anos de carreira, construiu hospitais, escolas, terminais e abrigos para ônibus, tribunais, secretarias e outras sedes administrativas.

Em todos eles, reuniu o zelo pelos materiais e pela mão de obra, qualidade técnica e artística. Compreendeu como poucos como utilizar a luz e a ventilação naturais em prol da economia energética e do bem-estar dos usuários. 

João Filgueiras Lima, o Lelé, é homenageado em exposição na Escola da Cidade

A Galeria da Cidade recebe a exposição Lelé: um Projeto de Brasil, sobre o arquiteto João da Gama Filgueiras Lima. A exposição apresenta e homenageia a trajetória de mais de meio século de exercício profissional deste que uniu concepção, projeto e construção com maestria, sempre preocupado com questões climáticas e em diálogo com a geografia e temas como economia energética e de matéria prima. A abertura ocorre de forma virtual no dia 11/2, às 18h, no canal do YouTube da Escola da Cidade. O período de visitação vai de 12 de fevereiro a 20 de maio de 2022, com entrada gratuita e uso obrigatório de máscara.

Transições de modos: bicicletários em estações na Região Metropolitana de São Paulo

Metrópoles de países em desenvolvimento compartilham os mesmos problemas de mobilidade com baixos níveis de serviço do transporte público, desigualdade de acessibilidade, altos índices de acidentes de trânsito, congestionamento e poluição ambiental. Há iniquidade geral de acessibilidade, segurança e conforto nas condições de transporte que reproduz e perpetua a desigualdade socioespacial (VASCONCELLOS, 2000) fruto do processo histórico de urbanização da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) que constituiu um território caracterizado pela setorização habitacional por renda, concentração de oferta de empregos e distribuição heterogênea da infraestrutura de transportes (VILLAÇA, 1998). Políticas que retomam a década de 1950 em níveis federal, estadual e municipal foram favoráveis ao uso do automóvel, logo refletindo na baixa qualidade e eficiência do transporte coletivo sobre pneus, e na lenta expansão do sistema de alta capacidade sobre trilhos.

Parque de objetos: um esforço da imaginação a partir do estudo de objetos reais

O exercício de observar um espaço, levando em conta suas complexidades históricas, sociais e sensoriais, é um ato que deveria ser presente no cotidiano de quem faz arquitetura. Este ato, qualifica ações que dialogam com aquela espacialidade. Por isso, se torna essencial o uso da arquitetura como uma ferramenta de compreensão das dinâmicas dos ambientes que frequentamos.

Feira de Antiguidades Dom Orione, Bixiga. Imagem de autoria própriaVitrine de antiquário localizado na Praça Dom Orione. Imagem de autoria própriaFeirantes da feira de antiguidades da praça Dom Orione. Imagem de autoria própriaMesa expositora nas calçadas da praça Dom Orione em um domingo. Imagem de autoria própria+ 12

Vidas anfíbias: influência das cidades transforma a arquitetura ribeirinha

Os elementos da natureza, as pessoas e sua cultura, enquanto afirmação da arquitetura e organização de sociedade juntamente com a relação incisiva com o rio, criam a arquitetura com caráter amazônico. Esta pesquisa abrange o estudo dos conhecimentos sociais e simbólicos adquiridos ao longo dos anos pelas comunidades ribeirinhas da Ilha de Marajó, e suas consequências nas materialidades das construções locais, que passaram por mudanças ao longo das últimas décadas.

Territorialidades migrantes e a vivência de mulheres latino-americanas em São Paulo

Do deslocamento entre fronteiras ao deslocamento intra-urbano, a população migrante participa e transforma as paisagens e relações de sociabilidade estabelecidas no território onde habitam. A cidade, espaço de encontro e confronto de diferentes perspectivas, intensifica essa característica ao receber fluxos migratórios e acolher de formas distintas os diferentes atores deste processo. Migrantes latino-americanas – grupo múltiplo em raça, identidade de gênero, orientação sexual e classe – confrontam lógicas conservadoras ao se deslocarem por entre fronteiras nacionais e territórios urbanos. Dentro desta realidade, migrantes organizadas em coletivos reivindicam suas demandas e participação na cidade através de manifestações de suas culturas de origem. 

Indissociável: Bernard Tschumi e o Pavilhão de Barcelona

Um manifesto, invariavelmente, antevê um trabalho. Ele vem antes, como forma de publicá-lo, transmiti-lo a um maior número de pessoas. Além disso, um manifesto, invariavelmente, pós-vê um manifesto outro. Ele relê um trabalho, para, assim, reescrevê-lo, adequando-o a suas próprias teorias. 

Com a crise de toda uma ideologia, o período pós-guerra foi extremamente frutífero para a teoria da arquitetura. Revistas publicavam, com absurda frequência, os mais diversos manifestos. Esses textos são capazes de ilustrar os debates na arquitetura de forma muito mais eficaz que projetos datados do mesmo período. Afinal, como o próprio nome sugere, eram as publicações a principal responsável por tornar públicas as ideias, principalmente porque uma concretização projetual seria impossível. Eram as revistas, portanto, que fomentaram os debates, possibilitando constantes mudanças ideológicas dentro do campo arquitetônico.