Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Smiljan Radic

Smiljan Radic: O mais recente de arquitetura e notícia

Smiljan Radic, Cecilia Puga e Paula Velasco projetam Pavilhão do Chile na Expo Dubai 2020

Selecionada entre vinte e quatro projetos finalistas, a proposta apresentada por Smiljan Radic, Cecilia Puga e Paula Velasco foi escolhida como a grande vencedora para representar o Chile na Expo Dubai 2020.

Teodoro Fernández, Smiljan Radic e DRAA, vencedores do Prêmio Mayor 2018

A oitava edição do Prêmio Mayor 2018, no Chile, concedeu o principal prêmio ao arquiteto chileno Teodoro Fernández, autor de projetos metropolitanos, como o parque Bicentenário em Santiago, e o parque urbano Kaukari em Copiapó.

Na cerimônia realizada na Escola de Arquitetura da Universidade Mayor (Santiago) em 8 de novembro, o vencedor do Prêmio Nacional de Arquitetura em 2014 refletiu precisamente sobre o espaço aberto. "Os projetos entram em processos de crescimento e deterioração que são muito mais longos e mais profundos do que em outras áreas." Entender isso é fundamental, e há exemplos na arte, como quando Marcel Duchamp permite que a poeira, que é finalmente a passagem do tempo, faça parte de seu trabalho "O Grande Vidro". Esse é o equilíbrio de ideias que tem de ser buscado por um espaço nas cidades", disse Fernandez.

O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?

Se o sinal mais seguro do início do verão em Londres é a aparição de um novo pavilhão em frente à Serpentine Gallery, talvez seja justo dizer que o verão termina quando o pavilhão é desmontado. As instalações ganharam destaque desde sua edição inaugural em 2000, atuando como uma espécie de honra exclusiva e indicação de talento para os escolhidos para construir ali. Arquitetos anteriores incluem Zaha Hadid, Rem Koolhaas e Olafur Eliasson.

Serpentine Pavilion 2015 / Selgas Cano. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2014 / Smiljan Radic. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2006 / Rem Koolhaas. Image © John Offenbach Serpentine Pavilion 2007 / Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen, Cecil Balmond. Image © Luke Hayes + 20

Conheça o interior das Capelas do Vaticano na Bienal de Veneza com este vídeo do Spirit of Space

Norman Foster. Imagem Cortesia de Foster + Partners
Norman Foster. Imagem Cortesia de Foster + Partners

A Cidade do Vaticano participou da Bienal de Arquitetura de Veneza pela primeira vez este ano, convidando o público a explorar uma sequência de capelas exclusivas projetadas por renomados arquitetos, incluindo Norman Foster, Eduardo Souto de Moura e Carla Juaçaba. Localizadas nos bosques que cobrem a ilha de San Giorgio Maggiore, as obras oferecem interpretações da capela de 1920 de Gunnar Asplund, no Woodland Cemetery, em Estocolmo, um exemplo inspirador de arquitetura memorialista modernista, ambientado em um contexto similarmente arborizado.

Um novo vídeo produzido pela Spirit of Space oferece um breve tour virtual pelas estruturas que compõem o pavilhão da Santa Sé, permanecendo em cada uma delas apenas o tempo suficiente para mostrar diferentes ângulos e vistas. À medida que o público circula pelas capelas é possível perceber uma ideia do percurso em cada ambiente.

Primeira participação do Vaticano na Bienal de Veneza: Pavilhão da Santa Sé

Aerial view. Imagem © Laurian Ghinitoiu
Aerial view. Imagem © Laurian Ghinitoiu

A 16ª edição da Bienal de Arquitetura de Veneza traz pela primeira vez a participação do Vaticano. Com seu pavilhão da Santa Sé, a cidade-estado convidou arquitetas e arquitetos a projetarem capelas que, após a Bienal, serão relocadas em diferentes partes do mundo.

Localizadas em uma área arborizada na ilha veneziana de San Giorgio Maggiore, dez capelas projetadas por arquitetos como Norman Foster, Eduardo Souto de Moura e Carla Juaçaba se unem a uma décima primeira projetada pelo escritório MAP Architects. Esta última serve como um prelúdio para as demais capelas, ao mesmo tempo que reflete sobre o projeto de Gunnar Asplund para a Capela Woodland, de 1920.

Smiljan Radic recebe o Prêmio Memorial Arnold W. Brunner 2018

Smiljan Radic recebeu o prêmio principal da Academia Americana de Artes e Letras após o anúncio dos cinco vencedores de seus prêmios de arquitetura em 2018.

O programa anual de premiação de arquitetura da academia começou em 1955 com a inauguração do Prêmio Memorial Arnold W. Brunner - dirigido a um arquiteto de qualquer nacionalidade que tenha feito uma contribuição significativa à arquitetura como arte - desde então expandiu-se para incluir quatro prêmios de Artes e Letras para arquitetos americanos que exploram ideias em arquitetura através de qualquer meio de expressão.

A narrativa por trás do teatro projetado por Smiljan Radic, Eduardo Castillo e Gabriela Medrano para a região de Biobío, no Chile

Desde o momento em que anunciamos os resultados do concurso para o "Novo Teatro Regional de Bio Bio", promovido pelo Governo Regional e a Área de Arquitetura do Conselho de Cultura e Artes, aguardávamos com expectativa a proposta vencedora finalmente construída.

Dez arquitetos projetam capelas para o Vaticano na Bienal de Veneza 2018

Este ano, o Vaticano participará pela primeira vez da Bienal de Arquitetura de Veneza - e o fará através da construção de dez capelas projetadas por dez arquitetos de diferentes partes do mundo. A notícia foi confirmada pelos jornais paraguaios ABC e Última Hora, que revelaram o nome de Javier Corvalán, arquiteto paraguaio, entre os participantes.

A escolha dos arquitetos foi feita por Francesco Dal Co, historiador italiano de arquitetura e curador do pavilhão do Vaticano. As capelas deverão se projetadas de modo que possam, ao fim da Bienal, ser transportadas a diferentes locais do mundo, de acordo com a demanda por espaços de culto. 

Os arquitetos selecionados são:

Em foco: Smiljan Radić

Conhecido principalmente por seu projeto para o Serpentine Gallery Pavilion de 2014, o arquiteto Smiljan Radić (nascido no dia 21 de junho de 1965) é uma das figuras mais proeminentes da arquitetura chilena contemporânea. Com uma abordagem distinta em relação à forma, materiais e contextos naturais, Radić  se detém sobretudo em projetos de pequena e média escala que flertam com a noção de fragilidade.

Como pronunciar corretamente o nome destes 22 arquitetos famosos

Não há dúvida de que uma das melhores coisas da arquitetura é a sua universalidade. De onde quer que você venha, o que quer que você faça, arquitetura de algum modo tocou sua vida. No entanto, quando inesperadamente temos que pronunciar o nome de um arquiteto estrangeiro ... as coisas podem ficar um pouco complicadas. Esta é uma situação que a pronúncia errada pode fazer você parecer menos profissional do que você é. (Se você for realmente azarado, isso poderia acabar fazendo você parecer estúpido na frente de seus filhos e do mundo inteiro.)

Para lhe ajudar, compilamos uma lista de 22 arquitetos cujos nomes são um pouco difícil de pronunciar, acompanhada de gravações em que seus nomes são pronunciados impecavelmente. Ouça e repita quantas vezes for necessário até acertar e você estará preparado para qualquer situação potencialmente embaraçosa.

Smiljan Radić e seu processo de projeto

Em uma entrevista realizada pela Urban Next, o arquiteto Smiljan Radić conta sobre seu processo de projeto, o papel de suas maquetes de estudo, as experimentações e o valor que as maquetes adquirem por si mesmas. Um trabalho de pesquisa que busca mais uma resolução material e construtiva que uma resolução formal.

Arquitetura e contos de fadas: "Places Journal" explora as narrativas do fantástico

A narrativa ocupa um lugar importante na arquitetura, e algumas das narrativas mais duradouras vêm na forma de contos de fadas. Uma série recente organizada pelo Places Journal reúne os dois, explorando "a relação íntima entre as estruturas domésticas de contos de fadas e a esfera imaginativa da arquitetura." A equipe de curador ecoa essa dualidade através de uma coleção diversificada criada pela escritora Kate Bernheimer e o arquiteto Andrew Bernheimer. Saiba mais sobre a série do Places Journal, a seguir.

Arquivo: O Serpentine Pavilion ao longo dos anos

Com duração de quase duas décadas, a exibição anual do Serpentine Gallery Pavilion tornou-se um dos eventos mais esperados tanto para a comunidade de arquitetos londrinos quanto para comunidade global. Na edição deste ano foi apresentado não apenas um pavilhão, mas quatro "casas de verão" adicionais, evidenciando que programa não mostra ainda nenhum sinal de abrandamento. Cada um dos dezesseis pavilhões anteriores foram instigantes, deixando uma marca indelével e forte mensagem à comunidade arquitetônica. E mesmo todos os pavilhões sendo removidos após suas curtas temporadas de verão para ocupar propriedades privadas distantes, eles continuam sendo compartilhados através de fotografias e em palestras de arquitetura. Com o lançamento do Pavilhão, que ocorreu dia 16 de junho, vamos olhar para trás e relembrar todos os pavilhões anteriores e sua importância para o público arquitetônico.

Serpentine Pavilion 2013. Imagem © Neil MacWilliams Serpentine Pavilion 2000. Imagem © Hélène Binet Serpentine Pavilion 2006. Imagem © John Offenbach Serpentine Pavilion 2015. Image © Iwan Baan + 38

ArchDaily Brasil seleciona 20 impressionantes museus do século XXI

Em homenagem ao Dia Internacional do Museu, nossa equipe de editores compilou uma lista com vinte dos museus mais interessantes e emblemáticos do mundo. De obras brasileiras, como o MuBE, de Paulo Mendes da Rocha, o Museu do Pão, do Brasil Arquitetura e a Fundação Iberê Camargo, de Álvaro Siza, a museus internacionais, como o Museu Histórico de Ningbo, de Wang Shu e o Perez Art Museum, de Herzog & de Meuron, convidamos nossos leitores a conhecer o que há de mais representativo no projeto de museus no Brasil e no mundo.

Serpentine Pavilion de Smiljan Radić é relocado para Bruton

O Serpentine Pavilion de 2014, projetado pelo arquiteto chileno Smiljan Radić, foi relocado do Hyde Park para os jardins de Hauser & Wirth Somerset, em Bruton, Reino Unido. No novo terreno, a estrutura translúcida de fibra de vidro foi colocada próximo a um complexo de galerias projetado pelo arquiteto argentino Luis Laplace e em meio a um exuberante jardim concebido pelo paisagista Piet Oudolf.

Aula magna com Smiljan Radić na FAUP

A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Porto - FAUP recebe hoje, dia 23 de janeiro, o arquiteto chileno Smiljan Radić para uma aula magna. O arquiteto chegou a Portugal para uma série de eventos que incluiu também a conferência Distância Crítica no Centro Cultural de Belém - CCB, promovida pela Trienal de Arquitetura de Lisboa.

Smiljan Radić abre ciclo de conferências "Distância Crítica" no Centro Cultural de Belém

O arquiteto Smiljan Radić, autor do pavilhão da Serpentine Gallery, em Londres, no ano passado, abrirá no dia 22 de janeiro um ciclo de conferências promovido pela Trienal de Arquitetura de Lisboa intitulado Distância Crítica. Smiljan Radić fará uma apresentação da sua obra no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB) e, em seguida, conversará informalmente com o crítico e curador Joaquim Moreno.

Arquitetos chilenos e japoneses trabalham em conjunto para a próxima etapa de Ochoalcubo

Recentemente, na inauguração da Semana da Madeira, foram iniciadas as etapas 3 e 4 do projeto Ochoalcubo, com uma conferência entre dois grandes exponentes da arquitetura internacional; o japonês Ryue Nishizawa (SANAA), Pritzker 2010, e o chileno Alejandro Aravena, jurado do Prêmio Pritzker. Alguém poderia se perguntar, além da profissão e do prêmio Pritzker, quais são os aspectos que unem esses dois arquitetos para que estejam envolvidos no mesmo projeto? Para a equipe do Ochoalcubo, a resposta está no "cinturão de fogo". A região terrestre onde têm ocorrido os maiores terremotos do mundo, que assolou o Chile em 2010 e, um ano depois, fez estremecer o Japão. Com esse ponto de convergência e a exitosa participação do arquiteto japonês Toyo Ito na primeira etapa do projeto, oito arquitetos chilenos e oito arquitetos japoneses estão hoje trabalhando no projeto de 16 residências que dialogarão entre si nas montanhas da região central do Chile.

Conheça a história desse laboratório de arquitetura chamado Ochoalcubo e as propostas que mudarão a cara do setor de Los Vilos com desenhos de Kazuyo Sejima, Ryue Nishizawa, Sou Fujimoto, Kengo Kuma, Alejandro Aravena e Cristián Undurraga, entre outros grandes nomes da arquitetura.

Proposta de HLPS. Imagem Cortesia de HLPS Proposta de Sou Fujimoto.  Imagem Cortesia de HLPS Proposta de Junya Ishigami.  Imagem Cortesia de HLPS Proposta de Cristián Undurraga. Imagem Cortesia de HLPS + 130