Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Diebedo Francis Kere

Diebedo Francis Kere: O mais recente de arquitetura e notícia

Reconstruindo a história africana: a nova arquitetura de Burkina Faso

A história e a arquitetura de Burkina Faso são duas coisas profundamente vinculadas à paisagem natural deste pequeno país da África Ocidental. Geograficamente, Burkina Faso ocupa um extenso planalto com savanas e algumas florestas esparsas. Mais de dois terços da população ainda vive em comunidades rurais e, como tal, a arquitetura contemporânea burquinense é o produto da engenhosidade do seu povo, desenvolvida através da apropriação de sistemas construtivos e materiais locais ao longo do tempo.

© Giovanni Quattrocolo © Iwan Baan © Siméon Duchoud © Ibai Rigby + 6

As instalações de Francis Kéré e Office Kovacs para o festival Coachella 2019

O Festival Coachella de Artes e Música de 2019 começou e conta com instalações de Francis Kéré, Office Kovacs e NEWSUBSTANCE em Indio, Califórnia. Com atrações que incluem Childish Gambino, Tame Impala e Ariana Grande, o festival deste ano durará dois fins de semana.

Spectra 2019. Imagem © Lance Gerber MISMO. Imagem © Lance Gerber Sarbalé ke. Imagem © Lance Gerber H.i.P.O.. Imagem © Lance Gerber + 16

Francis Kéré e Office Kovacs projetarão as instalações artísticas do festival Coachella 2019

Francis Kéré, Office Kovacs e NEWSUBSTANCE estão entre os arquitetos e designers selecionados para criar instalações de arte para o Festival de Música e Música Coachella, na Califórnia. Entre os músicos confirmados para a edição de 2019 estão Childish Gambino, Tame Impala, e Ariana Grande. Algumas instalações em larga escala serão construídas para o festival, evento em que mais de 100.000 pessoas experienciarão o trabalho de artistas, designers e arquitetos em ascensão.

Francis Kéré projeta pavilhão de madeira para o Tippet Rise Art Center

O arquiteto Burquinense Diébédo Francis Kéré, está desenvolvendo um projeto para um pavilhão de madeira junto ao Tippet Rise Art Center, em Montana, Estados Unidos. Chamada de Naaba Belem Goumma, o projeto será implantado nas montanhas de Beartooth, permitindo que os visitantes possam experimentar uma espécie de "chuva de luz" à medida que os raios de sol permeiam a estrutura da cobertura feita de trocos de madeiras locais reaproveitadas. Simultaneamente, a Tippet Rise Fund em conjunto com a Fundação Sidney E. Frank firmou uma parceria com Kéré para dar suporte a mais um de seus projetos humanitários, a construção de uma escola pública ambientalmente sustentável em Burkina Faso.

O que acontece com os Pavilhões da Serpentine Gallery quando são desmontados?

Se o sinal mais seguro do início do verão em Londres é a aparição de um novo pavilhão em frente à Serpentine Gallery, talvez seja justo dizer que o verão termina quando o pavilhão é desmontado. As instalações ganharam destaque desde sua edição inaugural em 2000, atuando como uma espécie de honra exclusiva e indicação de talento para os escolhidos para construir ali. Arquitetos anteriores incluem Zaha Hadid, Rem Koolhaas e Olafur Eliasson.

Serpentine Pavilion 2015 / Selgas Cano. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2014 / Smiljan Radic. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2006 / Rem Koolhaas. Image © John Offenbach Serpentine Pavilion 2007 / Olafur Eliasson, Kjetil Thorsen, Cecil Balmond. Image © Luke Hayes + 20

Francis Kéré: Eu desenho em papel, mas prefiro desenhar no solo

Essa frase chamou a atenção durante a palestra de Diébédo Francis Kéré no AAICO (Architecture and Art International Congress), que ocorreu no Porto, em Portugal, entre 3 e 8 de setembro. Após ser introduzido por ninguém menos que Eduardo Souto de Moura, Kéré iniciou sua fala com a simplicidade e humildade que pautam seu trabalho. Suas obras mais conhecidas foram construídas em locais bastante remotos, onde materiais são escassos e a força de trabalho é dos próprios moradores, utilizando os recursos e técnicas locais.

Royal Architectural Institute of Canada anuncia beneficiários de bolsas honorárias de 2018

O Royal Architectural Institute of Canada (RAIC) selecionou quatro arquitetos de todo o mundo para receber bolsas honorárias em 2018. Os membros honrados deste ano demonstram as diversas maneiras pelas quais os arquitetos contribuem com projetos exemplares para a profissão, com um impacto positivo na sociedade.

Quem recebeu a honraria foram a arquiteta francesa Odile Decq, o nativo de Burkina Faso Diébédo Francis Kéré, e os arquitetos americanos William J. Stanley III e John Sorrenti,

Mais sobre os bolsistas honorários a seguir.

Serpentine Pavilion de Francis Kéré será instalado permanentemente na Malásia

Um mês após o encerramento de seu programa, o elogiado Serpentine Pavilion de Francis Kéré será transportado para seu lar permanente, do outro lado do mundo.

Segundo o jornal The Star, a estrutura foi comprada pela Ilham Gallery, com sede em Kuala Lumpur, que está agora procurando um local permanente para o pavilhão.

Vertical City: 16 arquitetos contemporâneos reinterpretam a Tribune Tower na Bienal de Chicago

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Em uma grande instalação central na Bienal de arquitetura de Chicago deste ano, os escritórios 6a architects, Barozzi Veiga, Kéré Architecture, MOS, OFFICE KGDVS e Sergison Bates, entre outros, projetaram dezesseis propostas contemporâneas, materializadas em maquetes de cinco metros de altura, para o famoso concurso que resultou na construção da Tribune Tower em 1922.

© Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu + 56

Diébedo Francis Kéré é contemplado com o Prince Claus Laureate Award 2017

O arquiteto Diébedo Francis Kéré foi contemplado com o Prince Claus Laureate Award de 2017, destacando o valor cultural de sua arquitetura, além da qualidade estética, sustentável e empoderadora.

Fundada em 1996, o Fundo Príncipe Claus para Cultura e Desenvolvimento acredita que a "cultura é uma necessidade básica" e procura apoiar os esforços individuais e coletivos em áreas culturais onde historicamente o acesso tem sido limitado. Os prêmios anuais possibilitam o reconhecimento de conquistas extraordinárias nessas áreas, especialmente voltado à pessoas e grupos que operem na África, Ásia, América Latina e Caribe. Tanto a qualidade do trabalho quanto as suas contribuições culturais, seja no contexto local ou em esferas mais amplas, além do impacto social, desempenham um papel crítico na tomada de decisões do comitê. O juri, composto por especialistas de várias disciplinas, incluindo música, artes visuais, curadoria, cinema, arquitetura e urbanismo, são responsáveis por selecionar, a partir de uma lista de mais de 140 candidatos, sete premiados e dois grandes prêmios.

The Serpentine Pavilion. Imagem © Laurian Ghinitoiu Escola primária em Gando. Imagem © Siméon Duchoud Tim Tiebout. Imagem Cortesia de PMA Cortesia de Kéré Architecture + 9

Serpentine Pavilion de Diébédo Francis Kéré é inaugurado em Londres

O Serpentine Pavilion 2017, projetado por Diébédo Francis Kéré (Arquitetura Kéré), foi inaugurado hoje em Londres. Concebido como um micro cosmos - "uma estrutura comunitária dentro dos Jardins de Kensington" - o pavilhão foi projetado para fundir conscientemente as referências culturais da cidade natal de Kéré (Gando, em Burkino Faso), com "técnicas de construção experimental". O arquiteto espera que o pavilhão, como condensador social, "se torne um farol de luz, um símbolo para narrativas e união".

Serpentine Pavilion 2017, projetado por Francis Kéré. Serpentine Gallery, Londres (23 de junho - 8 de outubro de 2017) © Kéré Architecture. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2017, projetado por Francis Kéré. Serpentine Gallery, Londres (23 de junho - 8 de outubro de 2017) © Kéré Architecture. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2017, projetado por Francis Kéré. Serpentine Gallery, Londres (23 de junho - 8 de outubro de 2017) © Kéré Architecture. Image © Iwan Baan Serpentine Pavilion 2017, projetado por Francis Kéré. Serpentine Gallery, Londres (23 de junho - 8 de outubro de 2017) © Kéré Architecture. Image © Iwan Baan + 4

Francis Kéré é selecionado para projetar o Serpentine Pavilion 2017

O Serpentine Galleries anunciou que o Serpentine Pavilion 2017 será projetado por Diébédo Francis Kéré (Kéré Architecture), um arquiteto africano que trabalha entre Berlim, Alemanha, e sua cidade natal Gando, em Burkino Faso. O projeto que será construído neste verão nos Kensington Gardens de Londres compreende uma cobertura expansiva apoiada sobre por uma estrutura de aço, imitando a copa de uma árvore. De acordo com Kéré, o projeto para a cobertura se inspira em uma árvore que serve como ponto de encontro para a vida em Gando. Alinhado com os critérios para a seleção do Serpentine Pavilion, o arquiteto Kéré ainda não realizou nenhum edifício permanente na Inglaterra.

Colorscape: Uma instalação de Francis Kéré

Atualmente em exposição no Museu de Arte Moderna da Filadélfia, o premiado arquiteto africano Diébédo Francis Kéré criou Colorscape, uma instalação feita com aço e fibras de cores vivas, para acompanhar sua primeira exposição nos Estados Unidos. A exposição é intitulada A Arquitetura de Francis Kéré: Construindo com a Comunidade, mostra uma retrospectiva da carreira do arquiteto, que inclui artefatos materiais, ferramentas e maquetes criadas para projetos de destaque na África e Europa.

© Tim Tiebout. Cortesia de PMA © Tim Tiebout. Cortesia de PMA © Tim Tiebout. Cortesia de PMA © Tim Tiebout. Cortesia de PMA + 23

Diébédo Francis Kéré: "a arquitetura faz com que as pessoas se sintam orgulhosas"

"A arquitetura é muito mais que arte. E é muito mais que a construção de edifícios", afirmou o premiado arquiteto Diébédo Francis Kéré. No mais recente vídeo do Louisiana Channel, Kéré fala do papel da arquitetura no mundo de hoje e da influência exercida por seu país natal, Burkina Faso, em seu trabalho.

Para Kéré, o contexto e o meio são fundamentais: "Busco utilizar materiais locais - principalmente terra e madeira - para criar edifícios modernos. Se construímos com argila, teremos um futuro melhor, pois utilizamos os recursos que temos à disposição". E acrescenta: "a arquitetura pode trazer muito a uma sociedade como a minha. A Arquitetura faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. E isso pode gerar uma grande quantidade de energia."

Assista ao vídeo para saber mais da visão de Kéré sobre a importância da arquitetura nos dias de hoje.

Vídeo: 7 arquitetos falam sobre arquitetura global

Fazer arquitetura é ouvir. - Norman Foster 

Peter Zumthor, Jean Nouvel, Norman Foster, Diébédo Francis Kéré e outros três grandes nomes da arquitetura se reúnem neste vídeo do Louisiana Channel para compartilhar seus pensamentos sobre como projetar para diferentes culturas. Para a maior parte deles, compreender o contexto, colaborar com os locais e usar a arquitetura para abordar questões sociais mais amplas são os aspectos que fazem da arquitetura global um sucesso.

Diébédo Francis Kéré: "Arquitetura se trata de pessoas"

No vídeo acima, o arquiteto burquinês Diébédo Francis Kéré discute sua instalação "Canopy", atualmente em exposição no Louisiana Museum na Dinamarca, e compartilha algumas de suas ideias sobre o impacto da arquitetura. Projetada com uma atmosfera de liberdade que encoraja os usuários a interagirem com a instalação, a obra de Kéré funciona como um espaço de encontro flexível dentro do museu.

"Elas são livres para usarem o espaço como quiserem, como sentirem", comenta Kéré. "Arquitetura se trata de pessoas."

5 projetos na Bienal de Chicago que mostram o "estado da arte" da sustentabilidade

Na Bienal de Arquitetura de Chicago, o tema escolhido pelos diretores Joseph Grima e Sarah Herda foi deliberadamente amplo em escopo, com a expectativa de que mais de cem expositores trouxessem a sua própria perspectiva sobre o que é "O Estado da Arte da Arquitetura". Mas onde entra nisto uma das missões mais amplamente adotadas na arquitetura do século XXI: a sustentabilidade? Neste artigo, originalmente publicado no Architectstasy como "Chicago Architecture Biennial: The State of the Art of Sustainability" Jessica Letaw analisa cinco projetos que abordam a sustentabilidade no contexto da Bienal de Chicago.

Na primeira bienal de arquitetura da América do Norte, a Bienal de Chicago, sob o tema "O Estado da Arte da Arquitetura", firmas e estúdios de arquitetura de todos os seis continentes habitados foram convidados a mostrar seus trabalhos. Abrangendo todos os tamanhos e tipos de projetos, a Bienal apresenta soluções para problemas de projetos, desde teias de aranha à habitação social.

Os edifícios dos EUA usam cerca de 40% de todo o consumo de energia do país. É uma verdade desconcertante e mesmo que cada novo edifício passe a ser auto-suficiente no consumo de energia e água, o país ainda estaria em um curso intensivo, drenando recursos mais naturalmente disponíveis do que o nosso único planeta pode sustentar permanentemente . Neste ambiente, os arquitetos têm uma responsabilidade especial para educar-se sobre técnicas inovadoras de design sustentável, desde aqueles que têm trabalhado durante milhares de anos até aqueles que, como o título da Bienal sugere, são o estado da arte.

Então, o que a Bienal tem a dizer sobre sustentabilidade? Cinco projetos expostos demonstram diferentes abordagens em cinco escalas diferentes: materiais, edifícios, recursos, cidades e o globo.

Diébédo Francis Kéré e a energia da arquitetura em Burkina Faso

"Arquitetura é muito mais que arte. E é, de longe, mais que apenas construir edifícios", disse o premiado arquiteto Diébédo Francis Kéré. No mais recente vídeo publicado pelo Louisiana Channel, o arquiteto que divide seu tempo entre Berlim a África comenta sobre o propósito da arquitetura em uma sociedade em mudança e a influência exercida por sua terra natal, Burkina Faso, em sua prática profissional. Para Kéré, contexto e meio são as essenciais: "Tentei usar materiais locais, sobretudo argila e madeira, para criar edifícios que sejam modernos", disse ele. O modernismo de argila de Kéré representa uma nova Burkina Faso que emprega materiais naturais e renováveis, como se vê na Biblioteca Escolar em Gando. "Se construirmos com argila, teremos um futuro melhor, pois usaremos os recursos que temos", acrescentou o arquiteto.

"Meu povo é orgulhoso, e isso pode gerar muita energia", diz Kéré, otimista em relação ao futuro da arquitetura em Burkina Faso. Assista ao vídeo acima para saber mais sobre a abordagem profissional do escritório Kéré Architecture e veja, a seguir, a entrevista realizada pelo ArchDaily com Kéré em julho do ano passado.