1. ArchDaily
  2. Arquitetura Da Paisagem

Arquitetura Da Paisagem: O mais recente de arquitetura e notícia

As diversas escalas de "verde" no urbanismo chinês

O confinamento forçado, resultado da política de isolamento da pandemia global de COVID-19, fez com que todos passassem um bom tempo olhando pela janela. Às vezes, quando estamos exaustos com o trabalho e a vida cotidiana, desejamos apenas uma fuga rápida para oceanos e florestas, em algum lugar perto da natureza.

Paisagismo, arquitetura paisagista e a qualidade de vida nas cidades

Atualmente, um dos campos mais promissores para quem trabalha com projetos é aquele que envolve o planejamento das áreas livres, naturais e urbanizadas, que fazem parte da paisagem das cidades. O frágil equilíbrio dos sistemas hídricos urbanos e as consequências sociais da crise climática mundial são exemplos em larga escala dos impactos que a ausência de uma consciência sobre a importância dos ecossistemas naturais tem para a qualidade de vida nas cidades. E é neste sentido que devemos olhar com atenção para o papel do projeto paisagístico e da arquitetura paisagista.

Azócar Catrón: "A questão não é a escala do projeto, mas a escala da paisagem"

Ricardo Azócar e Carolina Catrón fundaram em 2015 seu escritório de arquitetura e urbanismo na cidade de Concepción, na região central do Chile. Em pouco tempo, seu trabalho começou a ser amplamente celebrado. Um exemplo disso foi o reconhecimento de seu projeto "Duas torres e um caminho", que ganhou o prêmio Obra Revelação da CA-CCP 2016 e foi reconhecido pelo Y.A.L.A. da Bienal de Veneza de 2018. Além disso, seu artigo "Catalejo" ganhou o Primeiro Premio de Publicações da Bienal da Costa Rica de 2018 e mais recentemente o ArchDaily destacou seu trabalho como um dos melhores jovens escritórios de arquitetura de 2020.

É neste contexto que realizamos a entrevista a seguir, na qual perguntamos sobre seus interesses atuais, as motivações territoriais e seus projetos colaborativos, além de discutirmos sobre sua carreira ascendente, seus próximos projetos e prospecções para o futuro da arquitetura do Chile. 

Por que paisagens projetadas para inundar são consideradas ecológicas?

Uma “paisagem inundada” pode ser vista como uma contradição em termos: a inundação se espalha para onde a gravidade levar, cobrindo a topografia usual com um manto escuro, cinza e uniforme. Nesse sentido, a inundação é amorfa, pois pode distorcer e ocultar temporariamente formas e características da paisagem visível - nada que pudesse ser descrito como uma “fuga” no sentido de um cenário articulado e significativo.

Mas quando os limites de uma enchente não são definidos apenas pela quantidade ou velocidade da água, mas também por formas de relevo e estruturas cuidadosamente projetadas e colocadas para influenciar e moldar o "desastre", o resultado pode ser considerado como uma paisagem, física e culturalmente definida pela inundação.

Casas do Equador: 10 residências organizadas em torno de um pátio

Casas do Equador: 10 residências organizadas em torno de um pátioCasas do Equador: 10 residências organizadas em torno de um pátioCasas do Equador: 10 residências organizadas em torno de um pátioCasas do Equador: 10 residências organizadas em torno de um pátio+ 21

A entrada de luz natural, a melhoria das condições de ventilação e a possibilidade de aumentar o contato com a natureza sem que isso implique a perda de privacidade são algumas das vantagens associadas aos jardins e pátios internos. 

Paisagens críticas e educadoras: a obra de Mathur & Da Cunha

Qual a sua ideia de paisagem? Arquitetura da Paisagem – tradução literal do inglês “Landscape Architecture” – é um campo de conhecimento adjacente à arquitetura e ao urbanismo que muitos relutam em traduzir para o português como Paisagismo, mas que não abrange as complexidades da arquitetura da paisagem. Suspeitamos que a razão por trás do desconforto com a tradução pode ser entendida como o resultado de uma tradição arquitetônica comum no Brasil de entender a paisagem como um ente puramente projetado e estático.

Paisagens críticas e educadoras: a obra de Mathur & Da CunhaPaisagens críticas e educadoras: a obra de Mathur & Da CunhaPaisagens críticas e educadoras: a obra de Mathur & Da CunhaPaisagens críticas e educadoras: a obra de Mathur & Da Cunha+ 13

BIM para paisagismo: cenários, possibilidades e avanços

Caminhamos para um cenário onde a tecnologia BIM irá nos ajudar amplamente a maximizar as funções e habilidades dos profissionais da construção civil, abrindo espaço para que possamos planejar, projetar, construir e gerenciar edificações e infraestruturas com muito mais eficiência, integrando todos os sistemas estruturais, mecânicos, elétricos e hidráulicos de maneira responsável, econômica e sustentável.

Varandas com vegetação: detalhes e cortes de jardins em altura

Varandas com vegetação: detalhes e cortes de jardins em alturaVarandas com vegetação: detalhes e cortes de jardins em alturaVarandas com vegetação: detalhes e cortes de jardins em alturaVarandas com vegetação: detalhes e cortes de jardins em altura+ 22

Agora que as varandas adquiriram uma grande relevância em todo mundo ao serem oficializadas como plataformas para a dispersão e a interação social em regiões onde a quarentena obrigatória - medida importa em um grande número de países para frear o contágio do COVID-19 - que não permitem que os habitantes saiam de seus apartamentos, é um momento oportuno para pensar nas ferramentas que temos para desenhar e qualificar esses espaços.

Arquitetura residencial argentina: 15 casas organizadas por pátios internos

Pátios internos se caracterizam por serem áreas descobertas, localizadas no interior dos edifícios e com seus perímetros delimitados por paredes ou galerias. Esses espaços exteriores, mas contidos, em muitos casos cumprem um papel crucial na configuração e organização da planta. Em certos casos, podem funcionar como um pulmão central, organizando os espaços ao longo de seu perímetro. Também podem ser concebidos como elementos organizadores de fluxos ou como espaços articulados, conectando e, ao mesmo tempo, dividindo diferentes setores do projeto.

Finalistas da III Bienal Latino-Americana de Arquitetura da Paisagem (BLAP)

A III Bienal Latino-Americana de Arquitetura da Paisagem apresentou na segunda-feira (10 de setembro) os finalistas do concurso que será realizado na Cidade do México nos dias 26 e 27 deste mês. A bienal organizada pela Sociedade de Arquitetos Paisagistas do México (SAPM) desde 2014 busca ressaltar o papel que a arquitetura paisagística desempenha na construção do habitat na América Latina, com particular ênfase nos problemas ambientais e sociais que esta região.

"Buscamos incentivar a participação na construção da paisagem para mostrar o panorama amplo e diversificado das intervenções que emergem do local, mas que possibilitam a identificação de uma região que compartilha desafios e soluções", propõem os organizadores nas bases da bienal .

As 19 obras, projetos não construídos e pesquisa cobrem os critérios da bienal, que apontam para obras que respeitam a paisagem e seus valores; demonstrar comprometimento com critérios de sustentabilidade; e integrar e resolver problemas sociais, entre outras variáveis.

Conheça os finalistas abaixo:

ABAP promove palestra "A Vegetação na Infraestrutura Verde"

A Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP) convida para palestra A Vegetação na Infraestrutura Verde, ´ministrada por Maitê Pinheiro. O evento é a 3ª edição das Sessões Temáticas de 2017 promovidas pela associação.

ABAP promove palestra com Luiz Henrique Zanetta

A Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP) promove nesta sexta-feira, dia 22, mais uma de suas seções técnicas, com uma palestra de Luiz Henrique Zanetta. Intitulada 'Planejando e Projetando com a Paisagem - percursos e experiências', a palestra trará uma reflexão da trajetória de Zanetta e sua carreira pública.

Concurso Internacional Place des Montréalaises - Montreal, Canadá

A Prefeitura Municipal de Montreal promove o Concurso Internacional multidisciplinar de Arquitetura de Paisagem para a nova Place des Montréalaises, um novo espaço público de alta qualidade projetado junto à estação de metrô Champ-de-Mars, na cidade de Montreal (Québec, Canadá). O objetivo do concurso inclui a requalificação das áreas anexas à Via expressa Ville-Marie, e inclui uma passagem para pedestres reconectando o tecido urbano do centro histórico e suas áreas anteriormente periféricas, os chamados faubourgs, potencializando a rede de espaços públicos de qualidade entre Praça Victoria e Praça Viger, num orçamento total de $34,080,000.

Arquitetura em Machu Picchu, três projetos na paisagem

Preservação de patrimônio e integração com a paisagem são dois temas cruciais no desenvolvimento da arquitetura peruana cujo território é uma síntese de paisagens com memórias. O projeto vencedor do concurso de Ideias para intervenções no Parque Arqueológico Nacional de Machupicchu (Cusco), não somente alcança ambas relações, mas as entrelaça, adapta e propõe. Mimetiza-se respeitando a tradição arquitetônica do lugar, emergindo com sua própria linguagem contemporânea. Cria pontes de novas relações respeitando as preexistentes, continuando assim, com a natureza do lugar onde há harmonia entre a paisagem e a história. Naturalmente, integra os visitantes a ser parte dessa experiência.

A seguir, conheça mais detalhes deste projeto arquitetônico e, sobretudo, uma aproximação ao que vem sendo o desenvolvimento de exteriores e paisagismo do masterplan proposto ao Parque Arqueológico.

Arquitetura em Machu Picchu, três projetos na paisagemArquitetura em Machu Picchu, três projetos na paisagemArquitetura em Machu Picchu, três projetos na paisagemArquitetura em Machu Picchu, três projetos na paisagem+ 22

Paisagem não se encontra, se cria

Neste artigo publicado originalmente na coluna Paisajes Tejidos de LOFscapes, sua autora nos introduz ao, agora popular, conceito de paisagens criadas. Aqui, a paisagem como resultado da necessidade de articular processos de organização urbana e sistemas naturais é, portanto, uma aproximação a paisagem como a inter-relação entre a geografia e os processos históricos e socioculturais.

A autora nos relata como, através de projetos estratégicos, produziu-se uma mudança no antigo paradigma da paisagem como uma cena bucólica e estética por sistemas complexos, performativos, multifuncionais e de larga duração. Então, se a paisagem não pode ser capturada em só momento, por que continuamos acreditando que é um meio de sublimação geográfica que pousa no território?

Se quiser saber mais sobre LOFscapes e ler os demais artigos , inscreva-se na Newsletter aqui.

Solar Loop / MenoMenoPiu Architects + Paolo Venturella

© +imgs

¡VALLA FARO! / Desenfreno

Arboretum / Rintala Eggertsson Architects