Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Paisagismo

Paisagismo: O mais recente de arquitetura e notícia

Elementos chave de Paisagismo: planos, clareiras e disposição de árvores

Assim como os elementos arquitetônicos que compõe e conformam o espaço construído – piso, paredes e teto, os elementos vegetais também são capazes de conformar espaços livres em áreas de grande, média e pequena escala, de parques a jardins residenciais, atuando como estruturadores espaciais. Segundo Benedito Abbud, “O paisagismo é a única expressão artística em que participam os cinco sentidos do ser humano. Enquanto a arquitetura, a pintura, a escultura e as demais artes plásticas usam e abusam apenas da visão, o paisagismo envolve também o olfato, a audição, o paladar e o tato, o que proporciona uma rica vivência sensorial, ao somar as mais diversas e completas experiências perceptivas. Quanto mais um jardim consegue aguçar todos os sentidos, melhor cumpre seu papel”. [1]

De maneira prática, faremos alguns posts mostrando a conceituação e utilização dos componentes vegetais – árvores, arbustos, grama e forrações nos espaços livres. Neste artigo abordaremos os planos, maciços vegetais e a disposição de árvores.

Elementos chave de paisagismo: marcos visuais, eixos, escalas, visadas e sensorialidade

Assim como os elementos arquitetônicos que compõem e conformam o espaço construído – piso, paredes e teto, os elementos vegetais também são capazes de conformar os espaços livres em áreas de grande, média e pequena escala, de parques a jardins residenciais, atuando como estruturadores espaciais. Segundo Benedito Abbud, “O paisagismo é a única expressão artística em que participam os cinco sentidos do ser humano. Enquanto a arquitetura, a pintura, a escultura e as demais artes plásticas usam e abusam apenas da visão, o paisagismo envolve também o olfato, a audição, o paladar e o tato, o que proporciona uma rica vivência sensorial, ao somar as mais diversas e completas experiências perceptivas. Quanto mais um jardim consegue aguçar todos os sentidos, melhor cumpre seu papel” [1],

Nesta segunda parte de nossa série buscaremos exemplificar de maneira prática a conceituação e utilização dos marcos visuais, eixos, escalas, visadas e sensorialidade em um projeto paisagístico.

Paisagismo em interiores: 30 projetos que trazem o verde para dentro do edifício

Trazer elementos da natureza - como água, vegetação, luz natural, pedras ou, até mesmo, o uso da madeira - para o projeto de interiores pode proporcionar composições mais ricas e complexas no ambiente construído. Nestes projetos de paisagismo, as texturas, silhuetas e, principalmente, as sensações geradas, podem estabelecer novas relações de bem-estar e conforto para o usuário. 

Paisagismo Clube Náutico Araraquara / Licuri Paisagismo

© Bruna Moreschi © Cauê Martins © Bruna Moreschi © Bruna Moreschi + 16

Américo Brasiliense, Brasil

Arquitetura residencial argentina: 15 casas organizadas por pátios internos

Pátios internos se caracterizam por serem áreas descobertas, localizadas no interior dos edifícios e com seus perímetros delimitados por paredes ou galerias. Esses espaços exteriores, mas contidos, em muitos casos cumprem um papel crucial na configuração e organização da planta. Em certos casos, podem funcionar como um pulmão central, organizando os espaços ao longo de seu perímetro. Também podem ser concebidos como elementos organizadores de fluxos ou como espaços articulados, conectando e, ao mesmo tempo, dividindo diferentes setores do projeto.

20 espécies nativas para arborização urbana

Não há dúvidas que as árvores são essenciais para a qualidade de vida. Têm impacto na sustentabilidade econômica, social e ambiental das cidades e suas vantagens são muitas: contribuem para o conforto visual e ambiental, ajudam a reduzir a poluição do ar e sonora, servem de refúgio e alimento para animais, criando ambientes mais verdes e mais agradáveis. Além disto, tem papel fundamental na redução do efeito das ilhas de calor em centros urbanos. É considerado arborização urbana as árvores que compõem o cenário urbano, e podem estar não apenas plantadas nas calçadas das cidades, mas inclui também praças, parques, canteiros e demais logradouros públicos, e além dos jardins privados. No entanto, existe uma série de recomendações que os projetistas devem seguir na ocasião da escolha da espécie de árvore para sua utilização em ambientes urbanos, como já publicamos por aqui as 25 espécies de árvores adequadas para calçadas urbanas.

Centro de Suporte Acadêmico da Miami Dade College / Perkins+Will

© Robin Hill © Robin Hill © Robin Hill © Robin Hill + 49

  • Arquitetos: Perkins+Will
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  12500.0
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2012
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Lutron, Alumiglass, Cooper Lighting, HUFCOR, Leland +4

Herzog & de Meuron apresenta novas imagens de seu projeto para o Museu do Grande Canal em Hangzhou

Projetado pela Herzog & de Meuron, o Complexo do Museu do Grande Canal, em Hangzhou, China, propõe uma reflexão sobre a importância desta paisagem natural para a cultura chinesa como um todo. A proposta desenvolvida pela dupla de arquitetos suíços narra a história do Grande Canal da China, propondo um diálogo entre arquitetura e natureza através da paisagem fluvial da região de Hangzhou.

Casas brasileiras: 9 residências com jardim interno

O paisagismo é um componente fundamental em diversos tipos de projeto, sobretudo para pensar a integração das edificações com seus entornos e estabelecer articulações entre ambientes. O uso da vegetação confere diversas qualidades aos espaços, e apesar de figurar mais usualmente nas partes externas, o uso de jardins internos pode ser um fator de transformação total na atmosfera dos projetos.

Encontros de Arquitetura: debate sobre desenho urbano e arquitetura da paisagem no IABsp

Quando se fala de projetos de urbanismo logo se imagina os grandes planos urbanos, planos diretores e as grandes cidades planejadas, como Brasília. No entanto, existe uma escala que contempla o desenho da paisagem urbana ou rural, com dimensões mais acessíveis para as pessoas.

11 Conselhos para projetar espaços públicos vibrantes

A 3ª Semana Internacional “Placemaking”, realizada anualmente pela organização filantrópica Project for Public Spaces (PPS), teve lugar entre os dias 1º a 4 de outubro de 2019 na cidade de Chattanooga, Tennessee. Anteriormente organizado nas cidades de Amsterdã (2017) e Vancouver (2016), este inspirador e envolvente evento é um espaço de encontro e intercâmbio de ideias entre, pessoas, profissionais e organizações comprometidas com a construção de “lugares”, promovendo a difusão deste conceito tanto no contexto local da cidade sede quanto no nível internacional.

A PPS, responsável pela criação da Placemaking Week, é uma organização focada em promover a cultura, a construção e a manutenção de “lugares”, ou seja, espaços públicos capazes de construir comunidades mais inclusivas e sustentáveis. Em 1999, a Project for Public Spaces publicou o livro “How to turn a place around”, definindo as bases do movimento “placemaking” e fornecendo diretrizes e princípios a serem seguidos para se construir lugares capazes de gerar comunidades mais vibrantes e inclusivas.

Abaixo, compilamos uma lista com onze projetos construídos que ilustram os onze princípios enumerados no livro:

Green Cloud / ZHUBO-AAO. Image © Yang Xu Red Ribbon Park / Turenscape. Image Courtesy of Turenscape Green Cloud / ZHUBO-AAO. Image © John Siu Superkilen / Topotek 1 + BIG Architects + Superflex. Image © Torben Eskerod + 19

Pavilhão e Jardim São Geraldo / SAINZ arquitetura + Marina Pimentel Paisagismo

© Haruo Mikami © Haruo Mikami © Jomar Brangança © Jomar Brangança + 18

Setor de Industrias Graficas, Brasil

Chamada de projetos de paisagismo para o International Garden Festival 2020

O Festival Internacional de Jardins, apresentado nos Jardins de Métis / Reford Gardens, na região de Gaspésie, em Quebec, Canadá, está preparando sua 21ª edição e lançou uma chamada internacional de propostas para selecionar profissionais que criarão os novos jardins temporários que serão apresentados a partir de 19 de junho de 2020. Para esta edição, o Festival escolheu Métissages (mestiçagem) como tema. Continuando a exploração de novas ideias e novos domínios, o Festival procura conectar profissionais de várias áreas para favorecer um cruzamento de práticas e profissões.