1. ArchDaily
  2. Biomimética

Biomimética: O mais recente de arquitetura e notícia

O que é arquitetura biomimética?

The Living, com sede em Nova York, colaborou com a Ecovative Design, uma empresa que produz tijolos de micélio para substituir o plástico; juntos, eles construíram uma torre de 13 metros de altura no pátio do MoMA. Imagem © Andrew NunesJean Nouvel e OXO Architectes projetam conjunto de uso misto inspirado na forma de uma montanha. Imagem via Compagnie de PhalsbourgJohnson Wax de  Frank Lloyd Wright apresenta colunas que se expandem à medida que sobem, semelhante a folhas de vitória régia que flutuam na superfície da água. Imagem © Wikipedia. Licensed under Public DomainCentro Aquático Nacional de Beijing / PTW Arquitectos. Image © David Gray/Reuters /Landov+ 8

Em 1941, o engenheiro suíço George de Mestral, acompanhado de seu cão, fazia uma das suas caminhadas recorrentes pelos Alpes quando observou que as sementes de uma determinada espécie dotada de espinhos e ganchos colavam constantemente na sua roupa e no pelo de seu cachorro. Foi a partir dessa observação e do estudo de tal planta que, sete anos mais tarde, ele criou o conhecido velcro, um tecido repleto de minúsculos ganchos que possibilitam a sua fixação em determinadas superfícies.

Repensando recifes artificiais através de impressão 3D de argila

© Vriko Yu© Christian J. Lange© AFCD© AFCD+ 22

Corais são fundamentais à vida marinha. Às vezes chamados de florestas tropicais do mar, formam alguns dos ecossistemas mais diversos da Terra. Eles servem como área de refúgio, reprodução e alimentação de dezenas de espécies no mar, e sua ausência afeta a biodiversidade local. Da mesma forma que a humanidade polui e destrói, também pode remediar e incentivar a criação de mais vida. É por isso que, frequentemente, são noticiados naufrágios de embarcações antigas ou o afundamento de estruturas de concreto para a criação de recifes artificiais. Em Hong Kong, pesquisadores vêm  desenvolvendo estruturas impressas em 3D com materiais orgânicos que podem favorecer a criação de novas oportunidades no fundo do mar.   

Como viveremos juntos com todas as outras espécies?

Hashim Sarkis, curador da 17ª Exposição Internacional de Arquitetura, organizada pela La Biennale di Venezia, lançou um impressionante tema visionário no início deste ano: “Como viveremos juntos?”. Esta questão fundamental finalmente transcende todas as disciplinas e abre um portal existencial para a humanidade. Não se refere apenas aos seres humanos, mas a todas as espécies - os organismos não humanos também.

Biomimicry Institute lança novos cursos online de biomimética para arquitetos

O Instituto de Biomimética e a Biomimética da África do Sul lançaram um novo curso que aborda os fundamentos da biomimética. Chamado "Aprenda Biomimética", o curso on-line foi lançado como apoio à chamada da Earth Day Network por soluções criativas, inovadoras e corajosas necessárias para regenerar e reparar os danos causados ao planeta.

© Hirouyki OkiCortesia de Biomimicry Institute© Ferdinand LudwigCortesia de Biomimicry Institute+ 7

Bio-urbanismo: cidades do futuro inspiradas na natureza

© Andrew Nunes. Hi-Fi
© Andrew Nunes. Hi-Fi

Se pensarmos em uma cidade como um organismo vivo, o que podemos aprender da natureza sobre como gerenciar um sistema tão complexo? Podemos aplicar ideias da biologia para construir cidades melhores e mais sustentáveis? E se sim - quais poderiam ser essas ideias?

O emocionante campo do bio-urbanismo tenta responder a essas perguntas explorando a interseção entre as cidades e o mundo natural ao nosso redor.

© Andrew Nunes. Hi-Fi© Steven Keating. Silk Pavilion© Steven Keating. Silk Pavilion© Andrew Nunes. Hi-Fi+ 9

Imersão em Biomimética

Se inspirar na natureza para criar projetos inovadores é o principal conceito da Biomimética. Esta é uma ciência que estuda como a natureza desempenha uma grande quantidade de estratégias para que os seres vivos sobrevivam e se reproduzam no planeta. Através do conhecimento destas estratégias que é possível gerar inovação em todas formas de design. Usamos a jornada criativa chamada Biomimicry Thinking , que torna possível a criação inspirada na natureza mesmo para as pessoas que não tem familiaridade com ciência.

Serão três dias em um parque de Mata Atlântica, o Legado das Águas, com extensas áreas de mata preservada

Jean Nouvel e OXO Architectes projetam conjunto de uso misto inspirado na forma de uma montanha

Os arquitetos do Ateliers Jean Nouvel trabalharam em conjunto com o escritório francês OXO Architectes na elaboração de um conjunto de uso misto localizado no Parque Tecnológico Sophia Antipolis, em Antibes, na França. Nomeado Ecotone Antibes, o projeto será a porta de entrada do parque tecnológico onde estão instaladas mais de duas mil empresas.

Descrita como um campus ecológico do século XIX para a França, a estrutura de  mais de 40 mil metros quadrados é coberta por vegetação e abrigará escritórios, comércios, serviços e espaços de coworking. O projeto busca refletir o rico entorno da região, trazendo uma atmosfera natural para este campus de tecnologia.

via Compagnie de Phalsbourgvia Compagnie de Phalsbourgvia Compagnie de Phalsbourgvia Compagnie de Phalsbourg+ 12

Semaphore: uma utopia ecológica proposta por Vincent Callebaut

Em seu mais recente projeto de arquitetura, a Vincent Callebaut Architectures desenvolveu uma espécie de utopia ecológica, um edifício de 8.225 metros quadrados destinado a abrigar a sede da Soprema na cidade de Estrasburgo, na França. O edifício, chamado de Semaphore, é descrito pelos arquitetos como um “amplo espaço verde e flexível para o trabalho em equipe”, voltado especialmente ao bem-estar dos funcionários e à agricultura urbana.

Através de sua arquitetura eco-futurista, os arquitetos buscaram inspiração na biomimética com o principal objetivo de transformar o edifício do Semaphore em um ícone da arquitetura eco-futurista, além de servir como uma vitrine para a empresa e toda a sua linha de produtos de isolamento, impermeabilização e tecnologias voltadas à sustentabilidade na construção civil. O projeto desenvolvido pela equipe de Vincent Callebaut será um protótipo ecológico da cidade verde do futuro a medida que busca encontrar o equilíbrio perfeito entre o homem e a natureza.

Cortesia de Vincent Callebaut ArchitecturesCortesia de Vincent Callebaut ArchitecturesCortesia de Vincent Callebaut ArchitecturesCortesia de Vincent Callebaut Architectures+ 23

Inspiração na natureza muito além da forma: a biomimética na arquitetura

A biomimética na arquitetura não define a forma ou busca que seja parecido com isso ou com aquilo. O objetivo é que tenha na arquitetura uma solução que desempenhe a estratégia que foi observada na natureza. Não é exatamente a forma pela forma, não se pretende copiar formas, e sim uma razão mais profunda das formas. E vai muito além de se inspirar somente em formas. Se observa contexto, sistemas, inter-relações e  é nestas associações que está a verdadeira beleza da biomimética. A criação arquitetônica é livre pois está apenas sendo inspirada por um design principle, que é a estratégia de como a natureza faz o que o projeto busca como desempenho para uma determinada demanda. É um processo de co-criação entre a biologia e a arquitetura, é de fato transdisciplinar.

As cidades no fim do mundo

Caminhar por São Paulo sem ver carros e caminhões me deixa com uma felicidade quase real, imaginando por um instante que a cidade deu certo, que o sonho de Jane Jacobs se realizou. E, com sincronia, um outro sentimento estético aflora inevitavelmente, uma sensação de “fim do mundo”. Este segundo impulso, se materializa num pensamento construtivo que não tem nada a ver com o fatalismo moral ou ainda menos a tragédia. Simplesmente é o fim de um mundo no qual a revolução industrial junto ao capitalismo liberal nos “educou” por dois séculos a aceitar. Este foi o mundo dos “recursos” naturais infinitos, do sonho da fartura energética e desejos de consumo voraz. Sonhos que nem eram nossos.

Aprendendo com a natureza: conheça o projeto do Votu Hotel

Através da biomimética, GCP Arquitetura & Urbanismo, criou o projeto de um hotel no sul da Bahia que se inspira em soluções da fauna e flora para promover melhor conforto térmico nos edifícios e menor impacto ambiental para sua operação.

Workshop "Maya para Arquitetos: Projeto Digital"

O curso, inédito no Brasil, tem como objetivo fornecer instrumentação e apresentar novas metodologias para o desenvolvimento de projetos de arquitetura, urbanismo e design. Utilizaremos as tecnologias mais recentes, tendo como base fundamental o Autodesk Maya e também as suas interseções com outros softwares de modelagem tridimensional e pós-produção.

O curso oferecerá aos participantes as ferramentas necessárias para desenvolver novas metodologias de projeto e fluxos de trabalho utilizando o Autodesk Maya como software principal de modelagem. Serão abordados os conceitos sobre as formas de projetar na Era Digital, incluindo as principais correntes, como o Parametricismo e o Design Biodigital. Os participantes

O que o arquiteto pode aprender com a natureza para enfrentar os desafios do futuro?

© Mert Kilcioglu and Cenk Gencer. ImageProjeto realizado por Mert Kilcioglu e Cenk Gencer durante AA VISITING SCHOOL AMAZONAS
© Mert Kilcioglu and Cenk Gencer. ImageProjeto realizado por Mert Kilcioglu e Cenk Gencer durante AA VISITING SCHOOL AMAZONAS

A partir de 25 de agosto, a floresta amazônica mais uma vez será anfitriã de um workshop de Arquitetura Flutuante liderado por especialistas em biomimética e ex-alunos do WDCD, Marko Brajovic e Nacho Marti, professor da AA. Desta vez, o curso também estabeleceu um objetivo novo e emocionante: gerar ideias para o WDCD Climate Action Challenge.

Projeto inspirado em asa de insetos vence o Concurso para Escola de Circo de Moscou

A equipe de arquitetos Maryam Fazel e Belinda Ercan, do Irã e da Alemanha, respectivamente, venceu o concurso para o projeto da Escola de Circo de Moscou, lançado pela Architectural Competition Concours d’Architecture (AC-CA).

A proposta vencedora, intitulada Elytra, é um projeto "atraente, de vanguarda, [e] não convencional" que se elevará sobre o distrito de Tverskoy em Moscou, área que apresenta uma cena artística emergente.

Inspirado pelos antepassados dos insetos - chamados elytra - o projeto abre-se para cima como uma concha protetora, e contará com espaços públicos e privados.

Cortesia de Maryam Fazel and Belinda ErcanCortesia de Maryam Fazel and Belinda ErcanCortesia de Maryam Fazel and Belinda ErcanCortesia de Maryam Fazel and Belinda Ercan+ 12

Deixe o edifício "respirar" com este novo sistema de fachadas pneumáticas

Você já viu algum edifício que respira através de milhares de poros? Isso pode se tornar realidade graças ao projeto Breathing Skins de Tobias Becker. Baseada na ideia de biomimese, a tecnologia é inspirada em peles orgânicas que ajustam sua permeabilidade para controlar a iluminação e temperatura interna e externa. Além desses benefícios de desempenho, a aparência em constante mudança dessas fachadas proporcionam uma rica interação entre o ambiente externo natural e os espaços internos habitáveis.

Cortesia de Breathing Skins ProjectCortesia de Breathing Skins ProjectCortesia de Breathing Skins ProjectCortesia de Breathing Skins Project+ 8

Nova instalação do Victoria and Albert Museum explora a biomimese na arquitetura

O Victoria and Albert Museum divulgou sua mais recente instalação: o Elytra Filament Pavilion,um projeto que apresenta o resultado de quatro anos de pesquisa sobre a integração da arquitetura, engenharia e princípios de biomimética através de experimentações de como sistemas de fibras biológicas podem ser transferidos à arquitetura.

A estrutura de 200 metros quadrados é inspirada em princípios de construção leve encontrados na natureza, precisamente,  "as estruturas fibrosas das conchas das asas anteriores dos besouros voadores conhecidos como elytra", afirma o comunicado de imprensa. 

Como a biomimética pode ser aplicada à arquitetura

© Flickr CC User kudumomo
© Flickr CC User kudumomo

Em um recente artigo publicado pelo Financial Times, o arquiteto Michael Pawlyn mergulha na questão de como a biomimética pode ser aplicada à arquitetura para resolver problemas de design e criar um futuro mais sustentável. Mesmo em exemplos muito primordiais, a biomimética desempenhou um papel importante no desenvolvimento da arquitetura; por exemplo, quando Filippo Brunelleschi estudou cascas de ovos para criar um domo mais fino e leve para sua catedral em Florença. Em um exemplo mais moderno, a biomimética tem sido usada - através da observação de cupinzeiros - para criar ambientes climaticamente confortáveis em locais quentes, como o Zimbábue, sem a necessidade de sistemas de ar-condicionado.