Como viveremos juntos com todas as outras espécies?

Como viveremos juntos com todas as outras espécies?

Hashim Sarkis, curador da 17ª Exposição Internacional de Arquitetura, organizada pela La Biennale di Venezia, lançou um impressionante tema visionário no início deste ano: “Como viveremos juntos?”. Esta questão fundamental finalmente transcende todas as disciplinas e abre um portal existencial para a humanidade. Não se refere apenas aos seres humanos, mas a todas as espécies - os organismos não humanos também.

Vivemos um modelo de existência insustentável para a espécie humana neste planeta. A percepção antropocêntrica do mundo, que opera com base na monetização de qualquer coisa viva, nos levou a esse ponto muito crítico. Viemos de uma narrativa da realidade intersubjetiva, um determinismo estetizado pelo existencialismo romântico de uma dialética binária “humana” (nós) e “natureza” (eles).

Depois de viver um período dentro da nova realidade que o Covid-19 impôs, o ponto de vista dos humanos parece entender a necessidade fundamental e existencial de solidariedade e, eventualmente, perceber uma “solidariedade com populações não-humanas” (Timothy Morton). A partir dessa fricção da quimera do sistema financeiro global, podemos finalmente imaginar um novo mundo. Como Charles Eisenstein apontou: "A Covid-19 é como uma medida de reabilitação que quebra o domínio viciante da normalidade". Normalidade que envolve normas e comportamentos produtivos a serviço de sistemas não regenerativos.

O colapso iminente de nossa civilização mecanicista está abrindo o começo de algo que precisamos ser corajosos para imaginar. Um futuro que não é o cenário do Espelho Negro ou uma distopia catastrófica e, sim, mais uma oportunidade iluminada de superar as relações destrutivas que criamos conosco e com todas as outras espécies. Um futuro a ser projetado agora com novas posições que abrangem todas as espécies: uma panarquia.

Durante esses dias de isolamento, novas conexões sutis se abrem e notícias encorajadoras são publicadas todos os dias. Virtualmente, pude ler sobre histórias de animais silvestres que conquistaram a área urbana (uma vez cobertas por florestas), queda dramática na poluição, consumo reduzido, uma solidariedade internacional invisível, pesquisas médicas colaborativas. E, honestamente, este é um futuro em que quero viver.

As imagens da água cristalina de Veneza e até mesmo do turismo predatório são muito tocantes. E elas são ainda mais surpreendentes por serem reais - de uma maneira diferente do que pensávamos ser real, que já não existe mais.

Portanto, para coexistir com os animais que estão chegando ao centro das cidades para viver conosco e abraçar uma nova realidade, precisamos mudar nossa percepção de um mundo feito apenas para nós, para uma rede de vida inter-relacionada. As cidades ocupadas por não humanos, à primeira vista, cria essa sensação estranha, pois não é um lugar para eles, uma vez que nossa separação romântica da natureza e da cultura posiciona os artefatos como artificiais em um ambiente natural. Essa dialética obsoleta, reminiscente da Era do Iluminismo, ainda está conduzindo principalmente nosso processo de fazer arquitetura e projetar nossas cidades.

Os últimos grandes movimentos arquitetônicos do século XX foram conduzidos à mentalidade mecânica e de separação, onde as casas são "máquinas para viver" e nossas cidades devem funcionar como sistemas fechados de ciclos com entradas e saídas controladas. De fato, o espaço urbano é projetado apenas para seres humanos e eventualmente animais domesticados.

Ocasionalmente, as megalópoles estão entrando em colapso e cada crise nesse sistema frágil e centralizado reforça isso - ficou claro durante alguns dias de greve de caminhoneiros em São Paulo e em muitos outros casos em que as cidades ficaram paralisadas por vetores internos ou externos.

De fato, eventos imprevisíveis também perturbariam qualquer sistema estrutural, como qualquer cidade, mas como podemos projetar cidades e edifícios que estão mais bem preparados para absorver esses choques no sistema e, posteriormente, poder curá-los? Estamos falando aqui da resiliência, que sustenta os ecossistemas e suas conexões e operações após tensões estruturais. Todos somos organismos vivos em escalas sincrônicas, como singular, simbiótica, colonial ou outros tipos de organizações colaborativas.

Uma cidade pode aprender muito com a floresta e com a mais avançada tecnologia de cooperação, diversidade, redundância, auto-organização, trabalho em rede e alta tecnologia que produz energia através da fotossíntese, distribuição de água, comunicação eficiente, sem gerar desperdícios. Um sistema regenerativo em todas as dimensões. A "lei da selva" é a parceria.

2030 - Sao Paulo, rio Pinheiros limpo, respeitado e integrado à vida urbana com todas as espécies. © Atelier Marko Brajovic
2030 - Sao Paulo, rio Pinheiros limpo, respeitado e integrado à vida urbana com todas as espécies. © Atelier Marko Brajovic

Edifícios como árvores e cidades como florestas propõem uma evolução dos paradigmas da arquitetura modernista do mecânico para o orgânico e isso muda tudo. Onde a arquitetura é projetada através de processos regenerativos que imitam a inter-relação ecológica.

Deveríamos pelo menos imaginar essas cidades cooperativas, imaginá-las como os sonhos mais loucos, onde o ambiente urbano opera “como” e “junto” com outros organismos. Nesse exato momento, precisamos urgentemente que os arquitetos se projetem no tempo e imaginem um futuro brilhante, produtos, edifícios e cidades projetados para todas as espécies.

Afinal, os espaços urbanos são salvos pelos manguezais dos furacões devastadores, os microorganismos limpam o ar, as árvores produzem oxigênio, os peixes e as algas limpam os rios e muitas outras espécies colaboram para melhorar nossas cidades. Isso acontece o tempo todo, estamos vivos graças a outros organismos, nossos parceiros invisíveis, não apreciados por sua contribuição, tentando manter a rede da vida em funcionamento.

Nosso planeta é um organismo vivo, feito de um todo interdependente infinito. De fato, isso não é novidade para o conhecimento ancestral. Durante muito tempo, essas informações foram claramente expressas por norte-americanos nativos, indígenas brasileiros, sabedoria desde os tempos antigos, até os contemporâneos Krenak, Kopenawa e muitos outros libertados de nossa Matrix. Vivemos uma multiplicidade, na qual a “individualidade” e interconectividade com todas as outras espécies criam condições para a vida.

E aqui vem o Covid-19, outro organismo, tão pequeno e tão grande. Tão grande que, de fato, pode abranger o planeta inteiro em apenas alguns meses, proliferando através de nossas relações sociais até como um meme, como vírus de computador graças à nossa rede global. Estamos assistindo a um filme apocalíptico de ficção científica de terror, potencializado pela mídia voraz, expandindo nosso medo e raiva para um novo inimigo. E novamente a história da separação: “nós” (humanos) e “eles” (vírus).

Essa narrativa militar pode ser vista agora em toda parte; “Combater o Coronavírus” ou “Guerra contra o Coronavírus”. De fato, você não pode combater um vírus como causalidade linear, e menos bem-sucedida é essa estratégia, quando estiver lidando com um vírus de rede profundamente enraizada em nossa logística global. O mesmo problema surge da “luta” contra a crise climática, cortando apenas combustíveis fósseis, “combatendo” o terrorismo com a guerra ou “combatendo” a imigração ao fechar fronteiras e assim por diante, sem resultados efetivos. Porque todos esses problemas estão enraizados em nossas relações, em como vivemos junto com outras espécies, como um todo.

O coronavírus é, acima de tudo, uma crise ecológica, concebida como nossa capacidade de entender e sentir que tudo está interconectado. A “guerra” indiscriminada contra o mundo microbiano com esterilizações obsessivas de tudo o que está vivo, eliminou a microbiodiversidade e, com isso, nossa resiliência bacteriana cooperativa e resistência a patógenos também.

Desmatamento, extinção maciça, esgotamento da biodiversidade, poluição do ar e da água, domesticação de animais, agricultura industrial, pesticidas e toda a violência que estamos proporcionando à Terra são as causas para esta e outras pandemias por vir. Uma guerra devastadora antropocêntrica contra a vida. Não podemos resolver o terrorismo, a fome, a pandemia ou o aquecimento global se não retomarmos nossa inter-relação ecológica.

Hoje estamos vivendo uma mudança de percepção única, um momento crítico e privilegiado da história humana e uma eventual oportunidade evolutiva da consciência ecológica. Não precisamos salvar nosso mundo em colapso e nosso modelo insustentável de habitar este planeta, nem nossa economia globalizada. Hoje, precisamos ser corajosos e sonhar com lucidez, precisamos agora visualizar a evolução ecológica de nossa espécie em coexistência com todas as espécies em um novo ser.

Como Nick Cave disse recentemente em seu diário on-line: "Talvez veremos o mundo através de olhos diferentes, com uma reverência despertada pela coisa maravilhosa que é".

Esta é uma versão editada do artigo de Marko Brajovic, para ver o texto completo, em inglês, clique aqui.

__________
Este é um artigo enviado por um colaborador externo. Todos os nossos leitores têm a oportunidade de compartilhar seus conhecimentos e opiniões, enviando seu trabalho para revisão por nossa equipe de editores e curadores.

Convidamos você a conferir a cobertura do ArchDaily relacionada ao COVID-19, ler nossas dicas e artigos sobre produtividade ao trabalhar em casa e aprender sobre recomendações técnicas de projetos para a saúde. Lembre-se também de checar os conselhos e informações mais recentes sobre o COVID-19 no site da Organização Pan-Americana da Saúde OPAS/OMS Brasil.

Sobre este autor
Cita: Brajovic, Marko. "Como viveremos juntos com todas as outras espécies?" [How Will We Live Together With All Other Species? ] 16 Abr 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Delaqua, Victor) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/937781/como-viveremos-juntos-com-todas-as-outras-especies> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.