1. ArchDaily
  2. Projetos Para A Saúde

Projetos Para A Saúde: O mais recente de arquitetura e notícia

Cortinas como divisórias para uma arquitetura fluida e adaptável

Durante as últimas décadas, os espaços interiores tornaram-se cada vez mais abertos e versáteis. Desde as paredes grossas e múltiplas subdivisões das villas paladianas, por exemplo, às plantas livres e multifuncionais de hoje, a arquitetura tenta combater a obsolescência, fornecendo ambientes mais eficientes para a vida transcorrer, facilitando as experiências cotidianas de pessoas no presente e futuro. E enquanto as antigas vilas de Palladio ainda podem acomodar uma variedade de recursos e estilos de vida, reajustando seus usos sem alterar um centímetro de sua simetria e modulação originais, hoje a flexibilidade parece ser a receita para prolongar a vida dos edifícios tanto quanto possível.

Como projetar espaços neutros e flexíveis o suficiente para se adaptar ao ser humano em evolução, oferecendo as soluções que cada pessoa demanda hoje em dia? Um elemento antigo pode ajudar a redefinir a maneira como concebemos e habitamos o espaço: cortinas.

Emperor Qianmen Hotel / asap. Image © Jonathan LeijonhufvudReady-made Apartment / azab. Image © Luis Diaz DiazPURE / Sílvia Rocio + Mariana Póvoa + esse studio. Image © Francisco NogueiraJL Madeira Office / Metro Arquitetos Associados. Image © Ilana Bessler+ 48

O que é design de interiores (e por que ele realmente pode fazer você se sentir melhor)?

Se um estilo de música não lhe agrada, você fica entediado no teatro ou não se sente atraído por obras de arte, você quase sempre pode evitá-los. Com arquitetura é diferente. Um projeto mal pensado afetará a vida de muitas pessoas e por muito tempo. Nos interiores isso é ainda mais amplificado, uma vez que a humanidade tem passado cada vez mais tempo em ambientes internos e isso impacta diretamente no nosso bem-estar e saúde. Em períodos de recolhimento obrigatório, como na pandemia atual da Covid-19, temos a noção do quão importantes são os espaços interiores para o nosso bem-estar e, até mesmo, para a prevenção de doenças. Projetar um ambiente interno é de uma responsabilidade enorme para um profissional. Um designer de interiores é alguém que planeja, pesquisa, coordena e gerencia esses projetos de aprimoramento do interior de um edifício para obter um ambiente mais saudável e esteticamente agradável para as pessoas que usam o espaço. Mas o que é, de fato, Design de Interiores?

Appartement Spectral / BETILLON / DORVAL‐BORY. Image Courtesy of BETILLON / DORVAL‐BORYThe Enchanted Shed & Leopold House / Franz&Sue. Image © Andreas BuchbergerOficina do Arquiteto / Ruetemple. Image Courtesy of RuetempleHey! A Lovely Tiny Space / A'Lentil Design. Image Courtesy of A'Lentil Design+ 19

O design estratégico deve refletir uma nova cultura de trabalho pós-pandemia

Após mais de um ano nesta experiência mundial de trabalhar em casa, ainda não encontramos a fórmula perfeita para que a força de trabalho retorne aos respectivos escritórios. Além disso, não apenas a situação do "trabalhar em casa" - Working From Home (WFH) durou mais do que o previsto, mas também se incorporou à maneira como trabalharemos para sempre. À medida que as vacinas são lançadas, os líderes de diversas organizações devem agora considerar seriamente como lidar com o retorno de seus funcionários ao escritório físico.

Precisamos da psicologia para construir espaços saudáveis e agradáveis de viver

O que faz de um projeto de interiores um espaço saudável tanto para a nossa mente quanto para o nosso corpo? Essa foi a questão central do nosso tópico do mês de março “Interiores e bem estar”.

Edifício biofílico de Kengo Kuma em Milão começa a ser construído

Foram iniciadas as obras do escritório biofílico projetado por Kengo Kuma na cidade de Milão. Conhecido como “Welcome, feel at work” e com data prevista de conclusão para 2024, o edifício desenvolvido pela Kengo Kuma & Associates para a Europa Risorse é um empreendimento concebido para disponibilizar espaços de trabalho centrados na saúde e no bem-estar de seus funcionários. Além disso, o edifício de escritórios já está sendo considerado uma das obras de arquitetura mais sustentáveis de toda a Europa.

Cortesia de Kengo Kuma and AssociatesCortesia de Kengo Kuma and AssociatesCortesia de Kengo Kuma and AssociatesCortesia de Kengo Kuma and Associates+ 12

Devemos nos preocupar mais com os trabalhadores e menos com os espaços de trabalho

“As mudanças estimulam a inovação e por isso, devemos repensar e transformar sempre os nossos espaços de trabalho”, disse Nicole Senior, diretora dos escritórios do Tinder. Mudança, inovação e engajamento no ambiente de trabalho foram alguns dos tópicos abordados em um recente Think Tank que foi ao ar no último dia 17 de dezembro, apresentado pelo Rapt Studio e intitulado “Observando o passado e pensando no futuro: lições para serem aprendidas em 2021”.

Carlo Ratti projeta novos espaços de trabalho para lidar com desafios pós-pandemia

O escritório CRA-Carlo Ratti Associati desenvolveu um projeto piloto para o Centro de Inovação Aberta do Sella Group em Turim, Itália, abordando os desafios pós-pandemia. O projeto de espaço de trabalho conta com higienização automatizada das mesas, plataformas digitais colaborativas e janelas inteligentes para garantir saúde, segurança e sociabilidade.

Como podemos transformar nossas cidades com o uso da tecnologia?

Segundo estimativas das Nações Unidas, atualmente mais de 55% da população mundial vive em cidades ou áreas urbanizadas, com uma forte probabilidade de este numero aumentar para quase 70% ao longo das próximas décadas. Apesar deste previsível e vertiginoso crescimento populacional urbano, muitas das grandes cidades do mundo têm feito pouco ou quase nada para qualificar suas infraestruturas já muito precárias e insuficientes. De fato, o que se desenha a nossa frente é o grande desafio da vez, talvez um dos maiores que a humanidade já enfrentou. Se a solução dos problemas de grande escala parece algo impraticável ou até impossível, talvez devêssemos buscar resolver os pequenos problemas, um de cada vez.

UN-Habitat divulga relatório sobre o valor da urbanização sustentável

Em todo o mundo, desde 2014, todos os anos, no dia 31 de outubro, é comemorado o Dia Mundial das Cidades. Para marcar este evento, a UN-Habitat lançou o Relatório Mundial das Cidades 2020 sobre o valor da urbanização sustentável, com foco nos temas mais atuais e urgentes. Analisando o valor intrínseco das cidades na geração de prosperidade econômica, mitigação da degradação ambiental, redução da desigualdade social e construção de instituições mais fortes, o relatório destaca como, juntos, esses fatores podem gerar mudanças transformadoras.

Kenya, Nairobi,Mathare_Prevenção do COVID19 em favelas. Imagem Cortesia de UN-HabitatVista aérea de São Paulo, Brasil. Imagem Cortesia de UN-HabitatKenya, Nairobi,Mathare_Prevenção do COVID19 em favelas. Imagem Cortesia de UN-HabitatCortesia de UN-Habitat+ 12

A história dos espaços de cura e suas arquiteturas

Assim como nós, as palavras têm uma história. Cura vem do latim e está ligada ao ato de cuidar. Esse mesmo radical dá origem da palavra curador, como aquele que é responsável por um acervo ou instituição, por exemplo e cuidado. Talvez descrito no sentido médico pela primeira vez por CelsusIn hoc casu medici cura esse debet, ut morbum mutet (Neste caso o cuidado médico é indicado para mudar o curso da doença) [1]. Hoje quando pensamos em curas parece que falamos de um ato isolado dentro de um tratamento qualquer. A cura da gripe. A cura do câncer. A cura do novo coronavírus. Porém é importante pensar na cura como um processo que depende de múltiplos fatores.

Fachada do recém-inaugurado Hospital de Urgências de São Bernardo do Campo projetado por SPBR Arquitetos. Aqui texto do Francesco Perrota-Bosch sobre o projeto. Imagem © Nelson Kon Interior de uma das suítes do Hospital Sírio Libanês. Imagem: Hospital Sírio LibanêsHôpital de la Salpêtrière parte do Hospital Geral de Paris. Muitos dos habitantes submetidos ao rigor disciplinar da instituição tinham problemas de saúde e ficavam em alas reservadas para que não contaminassem os demais. Assim como as hospedarias dos mosteiros e conventos da Idade Média, o hospital não era concebido para a cura e o tratamento dos doentes era algo secundário, muito mais ligado às obras de caridade do que o cuidado com a pessoa em sofrimento. Note a Cruz Latina no frontão. Imagem: Wikimedia Commons, licença CCEnfermaria do Hôpital Necker, 1918. O hospital moderno vai herdar o caráter disciplinar de instituições de suas instituições antecessoras. Seja no universo correcional do Hospital Geral, do tratamento caritativo-espiritual do Hôtel-Dieu ambos na França, da experiência do Hospital Betheleem na Inglaterra ou mesmo o espaço de cuidado dos soldados, cada vez mais treinados e especializados, na volta dos combates. A lógica da vigilância (posto de enfermagem), monitoramento e registro de atividades (prontuário), identificação das pessoas mesmo que venham a óbito (pulseira de identificação) está muito mais ligada ao universo militar/disciplinar do que aos espaços de cura da antiguidade. Imagem: Archives de l’AP-HP, usado sob termos de Fair Use+ 20

Repensando os espaços de ensino: soluções e estratégias para os desafios do futuro

Como resposta às medidas de distanciamento social e o consequente fechamento das escolas, arquitetos e arquitetas do mundo todo estão se mobilizando, desenvolvendo e propondo soluções práticas que possam permitir um retorno às salas de aula de forma tranquila e segura. Escritórios como o CetraRuddy, Cooper Robertson e WXY estão entre aqueles que propõem um considerável aumento das atividades ao ar livre além de uma reorganização dos espaços didáticos como estratégias para mitigar as chances de contágio entre os alunos quando chegar a hora de voltar para a escola.

Ainda que a busca por construir melhores relações entre espaços interiores e exterior esteja na natureza da própria arquitetura, este importante fundamento nunca esteve tão em moda como agora. A seguir apresentaremos três projetos de intervenções que nos fará repensar os nossos atuais espaços de ensino, propondo soluções e estratégias para os desafios do futuro.

Back to School Facilities Tool Kit. Image © LAB Tool KitEdible Academy at the New York Botanical Garden — The Bronx, New York . Image Courtesy of Cooper RobertsonLyford Cay international Baccalaureate School - Nassau, Bahamas . Image Courtesy of Cooper RobertsonThe Choice School - Calicut, India. Image Courtesy of CetraRuddy+ 7

Como transformar um ambiente interno poluído em um lar saudável

Com a maior parte do mundo vivendo em cidades e comunidades em crescimento, as pessoas tendem a passar a maior parte do tempo em ambientes internos. Quando não estamos em casa, estamos trabalhando, aprendendo ou até participando de atividades divertidas em ambientes fechados e construídos. Ao todo, 90% do nosso tempo é ocupado em interiores. É essencial garantir uma qualidade ambiental interna confortável, produtiva e saudável, seguindo parâmetros e práticas de projeto bem regulados que considerem temperatura, iluminação, poluição sonora, ventilação adequada e a qualidade do ar que respiramos. Este último é especialmente importante, pois, ao contrário do que podemos pensar, a poluição do ar é muito maior no interior do que no exterior.

CLTH propõe adaptação para escolas após pandemia de COVID-19

Os arquitetos da Curl la Tourelle Head Architecture (CLTH) imaginaram uma nova abordagem para as salas de aula britânicas quando as escolas reabrirem ao fim do isolamento social decretado em decorrência da pandemia de COVID-19. O escritório de arquitetura, sediado em Londres, apresentou uma proposta inovadora "para ajudar a mitigar rotas de circulação restritas nas escolas e manter o distanciamento social necessário entre alunos e funcionários".

© Darc Studio© Darc Studio© Curl la Tourelle Head© Curl la Tourelle Head+ 13

Nossa cobertura completa sobre o coronavírus, a arquitetura e as cidades

Em meio a uma pandemia que já atingiu 184 países e contagiou mais de um milhão pessoas ao redor do mundo, buscamos cobrir todos os temas que relacionem o cononavírus com a arquitetura e o espaço - e maneiras de tornar o distanciamento social menos penoso.

Distanciamento social em comunidade: o que o co-living está nos ensinando em tempos de pandemia

Muitos de nós já vivemos, ou estamos vivendo atualmente, em algum tipo de moradia comunitária compartilhada. Seja por uma necessidade, durante a faculdade e os primeiros anos depois de formado, ou por uma escolha, em uma comunidade de amigos ou aposentados, compartilhar o espaço da vida cotidiana está se tornando cada dia mais comum, a ponto de se transformar em um mercado muito explorado e porque não, lucrativo. As empresas especializadas em co-living, incluindo a WeLive, a Common, e a Ollie, têm explorado as vantagens da chamada economia compartilhada, oferecendo soluções de moradia acessíveis, e promovendo a diversidade sociais em determinados contextos. Enquanto continuamos a lutar contra o avanço da disseminação da pandemia da COVID-19, procurando nos adaptar as novas regras de distanciamento social, as pessoas que vivem em casas e apartamentos compartilhados passaram a explorar diferentes possibilidades impulsionadas por este estilo de vida, descobrindo novas formas de viver em comunidade, ao mesmo tempo que, procuram minimizar os riscos de contágio. De fato, o que se percebe é que estas comunidades podem estar ainda melhor preparadas para lidar com uma pandemia ao mesmo tempo que proporcionam uma sensação de normalidade, algo tão distante daquelas pessoas que, antes mesmo do início da pandemia, já viviam em uma espécie de isolamento domiciliar.

13 Soluções espaciais para organizar seu treino em casa

À medida que as cidades crescem e as realidades diárias modificam-se, as pessoas recorrem a novas maneiras de manter seu bem-estar. Embora o incentivo de estilos de vida ativos tenha sido o foco de muitos arquitetos e urbanistas, com o intuito de estimular o conforto e a saúde humana, os últimos tempos mostraram que essas instalações cobiçadas publicamente, nem sempre são acessíveis

Como projetar escolas e interiores baseados na pedagogia Waldorf

Introduzida por Rudolf Steiner, a pedagogia Waldorf é alimentada por princípios da filosofia antroposófica. Uma das principais características de sua abordagem pedagógica é a suposição de que a formação de um ser humano deve ser holística: seus sentimentos, sua imaginação, seu espírito e seu intelecto como uma composição única, visando uma completa integração entre o pensamento, o sentimento e a ação (o pensar, o sentir e o agir estão sempre ligados).

O foco da filosofia é desenvolver indivíduos capazes de se relacionar com si mesmos e com a sociedade (inteligência inter e intrapessoal), habilidades que são fundamentais para os desafios que o século XXI desenhou. Esse aprendizado ocorre, em grande parte, devido à força característica das escolas que seguem esse método de introduzir famílias no ambiente escolar, transformando-as em uma comunidade. Abordaremos como isso é feito, a seguir.

Yellow Train School / Biome Environmental Solutions. Image © Vivek MuthuramalingamAfter-School Care Centre Waldorf School / MONO Architekten. Image © Gregor SchmidtMarecollege / 24H Architecture. Image Cortesia de Boris ZeisserEscola El Til·ler / Eduard Balcells + Tigges Architekt + Ignasi Rius Architecture. Image © Adrià Goula+ 19