1. ArchDaily
  2. Metropolis Magazine

Metropolis Magazine: O mais recente de arquitetura e notícia

Mario Botta projeta edifício para um "zoológico reverso" na Bélgica

Em breve o público terá a oportunidade de experimentar a vulnerabilidade e o temor de habitar, mesmo que brevemente, o reino animal. O “Reverse Zoo”, LABIOMISTA, uma espécie de zoológico reverso, é um projeto de 60 acres encabeçado pelo artista belga Koen Vanmechelen e deve ser inaugurado em 2019.

Água potável deve ser um desafio para os arquitetos? Dutch Studio Ooze tem apostado nisso

Em uma pequena faixa de terra entre o rio Emscher e o canal Rhine Herne, na Alemanha, há um ponto de parada cuja aparência colorida desmente seu propósito radical. O projeto engenhoso da estrutura consiste em tubos condutores de dois banheiros e do Emscher (o rio mais poluído da Alemanha) e que convergem em um pequeno jardim comunitário e fonte. O jardim é, na verdade, um pântano artificial que recolhe, trata e limpa a efluência dos sanitários e do rio - tornando potável.

Sou Fujimoto: "O futuro é uma matriz que se espalha e não uma linha reta"

Essa entrevista foi publicada originalmente em Metropolis Magazine como "Inside the Mind of Sou Fujimoto."

O Pavilhão Serpentine de 2013, a famosa obra-prima do arquiteto Sou Fujimoto, nascido em Hokkaido, diz muito sobre quem ele é e o que ele pensa sobre arquitetura. Mas, mais que isso, são as mais de 100 maquetes de estudos, às vezes meticulosamente refinados, outras rudemente executadas, que pontilham o espaço de galeria minimalista da Japan House Los Angeles. Essa exposição retrospectiva, Futures of the Future, reflete nitidamente a carreira de Fujimoto, que começou no ano 2000, quando ele abriu seu próprio escritório baseado em Tóquio e Paris.

© MIR© Varosliget Zrt© Laurian Ghinitiou© Hufton + Crow+ 10

Os desafios de preservar um patrimônio local, mas mundialmente famoso

Em sua periferia, a cidade de Columbus, no estado de Indiana, é uma cidade suburbana como qualquer outra dos Estados Unidos. Mas passeie pelo centro da cidade e você verá uma inesperada variedade de arquitetura moderna. Esta pequena cidade foi, nos últimos cinquenta anos, uma espécie de laboratório para a arquitetura, atraindo arquitetos tão diversos quanto Kevin Roche e IM Pei. As crianças frequentam a escola em um edifício projetado por Richard Meier, os fiéis frequentam uma igreja projetada por Eliel Saarinen.

A conturbada história do Parque Bicentenário de Bogotá

O renascimento de Medellín é um dos marcos na histórias da arquitetura. Após décadas de violência urbana, a cidade hoje não é apenas (comparativamente) pacífica, mas um centro arquitetônico de nível mundial. De fato, muitos citam o desenvolvimento urbano da cidade como principal fator de seu renascimento. Mas o sucesso de Medellín às vezes obscurece o da cidade vizinha, a capital colombiana, Bogotá.

Destaques da semana: o que os olhos não veem

Arquitetura é uma prática profundamente dependente do visual. É concebida, comercializada, criticada e consumida quase que inteiramente através daquilo que é capaz (ou não é capaz) de comunicar visualmente. Selecionamos e produzimos imagens o tempo todo, ângulos impossíveis e perspectivas inexistentes somente para admirar as qualidades arquitetônicas de objetos que nunca verão a luz do dia.

Tocar, sentir, cheirar: desenvolvendo arquitetura para os sentidos

Arakawa + Gins 'Bioscleave House, em East Hampton, Nova York, usou geometrias não ortogonais, pisos ondulados e até mesmo casulos de isolamento em seus experimentos para criar arquiteturas que "parassem de envelhecer". Imagem via Revista Metropolis. Imagem Cortesia de Dimitris Yeros, © 2008 Propriedade de Madeline Gins, Reproduzido com permissão do espólio de Madeline Gins
Arakawa + Gins 'Bioscleave House, em East Hampton, Nova York, usou geometrias não ortogonais, pisos ondulados e até mesmo casulos de isolamento em seus experimentos para criar arquiteturas que "parassem de envelhecer". Imagem via Revista Metropolis. Imagem Cortesia de Dimitris Yeros, © 2008 Propriedade de Madeline Gins, Reproduzido com permissão do espólio de Madeline Gins

Esse artigo foi publicado originalmente na Metropolis Magazine como "Architecture You Can Smell? A Brief History of Multisensory Design."

O que vem à mente quando você se depara com o termo “design sensorial”? As chances são de que seja uma imagem: uma sala onde chove, um utensílio engraçado para comer, uma cadeira visivelmente texturizada. Mas as sensações, cheiros e gostos são coisas muito mais difíceis de capturar. Essa dificuldade aponta para quão profundamente arraigada é a tirania da visão. Os outros sentidos podem ser as chaves para desvendar verdades empíricas mais amplas? O viés da arte, da arquitetura e do design centrado no ocular realmente impede uma experiência coletiva mais profunda?

Como a universidade flutuante de Berlim pode alterar o futuro da educação na arquitetura

No lado norte do Tempelhofer Feld, um aeroporto que virou parque no sul de Berlim, há uma grande bacia. Cercada por lotes e bangalôs e percebida apenas para aqueles que a conhecem, essa depressão que remonta ao século XIX mantém a água da chuva drenada das pistas desativadas do aeroporto antes de entrar na rede de canais de Berlim.

“Sabíamos que era uma espécie de local secreto no centro da cidade que ninguém tinha no mapa”, explica Benjamin Foerster-Baldenius, da Raumlabor Architects. Ou melhor, até este verão.

© Victoria Tomaschko© Victoria Tomaschko© Victoria Tomaschko© Daniel Seiffert+ 16

Eileen Grey, Le Corbusier e a Casa E-1027: uma história de arquitetura e escândalos

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "A Saga Sórdida da Icônica Casa E-1027 de Eileen Gray".

É justo dizer que a casa francesa E-1027 de Eileen Gray não viveu uma vida encantadora: ela sobreviveu à profanação de Le Corbusier, foi alvo dos nazistas, por um período foi destino de orgias e drogas, e esteve perto do abandono. No entanto, ultimamente, o futuro da infame casa parece mais otimista: a Cap Moderne, uma organização sem fins lucrativos dedicada a reabilitar e abrir o edifício como um destino cultural, lançou recentemente uma campanha de financiamento coletivo para continuar a restauração da edificação. Nos últimos anos, o trabalho dos restauradores concentrou-se na recriação dos móveis projetados por Eileen Gray e os últimos esforços concentram-se na sala de jantar. Como esse ambiente - e toda a casa - perdeu seus móveis e entrou em ruínas é uma longa história, com muitas reviravoltas.

As 10 cidades mais inspiradoras do design em 2018, segundo a Metropolis Magazine

Na mais recente e última lista da revista Metropolis Magazine feita a partir da análise das cidades do design, o foco não está na produção ou mesmo na cultura, mas nas próprias cidades enquanto focos de inspiração. Para os designers entrevistados, as cidades listadas foram aquelas que fizeram seus corações baterem mais forte.

Como (não) projetar uma Bienal: "Freespace" é realmente um espaço livre?

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine sob o título "Taking a Second Look at This Year's Nebulous Venice Architecture Biennale."

Uma das poucas verdades incontestáveis que emergiram durante a 16ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza, inaugurada no último dia 26 de maio e aberta ao público até o próximo dia 25 de novembro, é que a sensibilidade e habilidade em projetar não necessariamente fazem de um arquiteto um bom curador de uma bienal.

Nossa fé no projeto: dos arcos dourados do McDonalds às igrejas em Kerala

Quando agosto chega ao fim e nossas férias - seja do trabalho ou da escola - já começam a parecer lembranças distantes, talvez seja um bom momento para refletir sobre nossa fé no que fazemos. Às vezes, a arquitetura nos proporciona a possibilidade de supervisionar mudanças maciças e empolgantes. Às vezes os projetos não funcionam, apesar dos nossos melhores esforços. E às vezes, eles não são tão capazes de gerar mudanças quanto acreditamos que sejam. As histórias desta semana tocaram em nossa fé na arquitetura de várias formas, desde as literais (como as igrejas brilhantes de Kerala) até as mais abstratas (como quanto o bom gosto num projeto de fast-food pode resultar em verdadeiros bons sabores). Leia a seguir a revisão desta semana.

Cortesia de Foster + Partners© Jeroen Musch, Mei Architects and PlannersCortesia de Ennead Architects© DBOX for Foster + Partners+ 9

As dez cidades mais surpreendentes no campo do design em 2018, segundo a Metropolis Magazine

Na continuação da lista das Dez cidades mais proeminentes no design, a Metropolis Magazine divulgou sua lista das cidades mais "movimentadas" no campo do design em 2018. Ao contrário dos grandes centros urbanos na lista anterior, elas são um pouco menores - mas surpreendem por serem tão vibrantes.

As dez cidades mais proeminentes no design, segundo a Metropolis Magazine

Para suas tradicionais listas de cidades, este ano a Metropolis Magazine adotou uma abordagem incomum: uma pesquisa de campo, perguntando para cerca de 100 profissionais do campo do design de todo o mundo suas opiniões e palpites. O resultado? Uma lista que apresenta não apenas as cidades que você esperaria (Milão, Londres, Berlim), mas algumas potências que podem não ter sido notadas até agora.

Requalificar sem gentrificar, o exemplo de Seul

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "A Once-Maligned Concrete Megastructure in Seoul is Revitalized - Sans Gentrification".

Concluído em 1966, o Sewoon Sangga é uma megaestrutura residencial construída no coração de Seul. Projetado pelo proeminente arquiteto sul-coreano Kim Swoo-geun, este enorme edifício de uso misto é composto por oito blocos em altura cobrindo uma faixa de um quilômetro de extensão em pleno centro da cidade. Como um projeto extremamente inovador para a época, ele foi concebido como uma pequena cidade independente, contando com todas as comodidades necessárias para a vida de seus moradores além de um parque, um grande átrio de acesso e um deck para pedestres. Infelizmente, durante a execução muitas das ideias utópicas de Kim foram por água abaixo devido às limitações dos sistemas construtivos. Já no final da década de 1970, o Sewoon Sangga passou por um voraz processo de abandono, deixando centenas de unidades residenciais vazias assim como a grande maioria dos espaços comerciais, que se deslocaram para o outro lado do rio no novo distrito de Gangnam, em rápida expansão e desenvolvimento. Devido a sua localização central e a queda vertiginosa dos preços dos aluguéis, a megaestrutura foi sendo ocupada pelo comércio informal e abrigando uma série de atividades ilícitas.

Representações "pós digitais": a fetichização do retrô

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "Can’t Be Bothered: The Chic Indifference of Post-Digital Drawing."

No universo da arquitetura, o termo “pós-digital” pode ser usado com diferentes significados. Alguns o utilizam para referir-se a um estilo de renderização que se tornou popular entre estudantes, e cada vez mais, também entre os escritórios de arquitetura. Outros emprestam o seu significado para definir objetos arquitetônicos construídos, assim como tudo aquilo que tange a onipresença da esfera “digital” em nossa vida contemporânea.

DOGMA’s Stop City (2007) polemically juxtaposed massive monoliths against traditional urban forms. Imagem Cortesia de DOGMAGarage House. Imagem Cortesia de Fala AtelierChiado Apartment. Imagem Cortesia de Fala AtelierGraça Apartment. Imagem Cortesia de Fala Atelier+ 7

Metropolis Magazine divulga lista de jovens talentos da arquitetura e design de 2018

A arquitetura sempre foi multidisciplinar, exigindo novos conhecimentos para cada projeto e desafiando os profissionais a manterem sua mente e a curiosidade aguçadas. Esta noção parece fazer mais sentido do que nunca, com arquitetos voltando sua atenção para novas tecnologias, agricultura, ciência de dados... e até mesmo para Marte.

Conheça as mulheres pioneiras da arquitetura socialista iugoslava

Projeto da arquiteta Svetlana Kana Radević para o Hotel Podgorica (1967) na capital montenegrina pode ser descrito como um exemplo de brutalismo. Image © Valentin Jeck, 2016, comissionado pelo Museum of Modern Art
Projeto da arquiteta Svetlana Kana Radević para o Hotel Podgorica (1967) na capital montenegrina pode ser descrito como um exemplo de brutalismo. Image © Valentin Jeck, 2016, comissionado pelo Museum of Modern Art

O tema da diversidade na arquitetura tem se mantido relevante e aquecido nos últimos anos - no entanto, um artigo recente publicado pela Metropolis Magazine oferece um relato que é, de algum modo, surpreendente: uma celebração das contribuições únicas de mulheres arquitetas no antigo estado socialista da Iugoslávia. De acordo com o artigo, as mulheres destacadas deixaram sua marca na história da Iugoslávia "apesar, não do desmantelamento do estado, mas daquela cultura regional e profissional dominada por homens."