O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Uma breve história arquitetônica das casas noturnas

Uma breve história arquitetônica das casas noturnas

  • 10:00 - 18 Junho, 2018
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Uma breve história arquitetônica das casas noturnas
Os ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. Teatros formaram os interiores da Discoteca Flash Back em Borgo San Dalmazzo. Imagem Cortesia de Paolo Mussat Sartor
Os ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. Teatros formaram os interiores da Discoteca Flash Back em Borgo San Dalmazzo. Imagem Cortesia de Paolo Mussat Sartor

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "The Designers Who Made Disco."

O que não pode ser feito na pista de dança? Não muito, disse o Gruppo 9999 do Radical Design dos anos 1960, argumentando que as boates deveriam ser “um lar para tudo, do rock ao teatro e artes visuais”. Outros artistas e designers - incluindo o pintor Jean- Michel Basquiat, o arquiteto Peter Cook, do Archigram, e o criador da "catedral da rave" de Manchester, Ben Kelly - viam a pista de dança como um ambiente mais subversivo: onde os limites podiam ser confusos e limiares cruzados, onde festas e política podiam ser entrelaçadas no escuro para canalizar uma revolução cultural. A exposição Night Fever no Vitra Design Museum apresenta esta concepção da boate como uma Gesamtkunstwerk social.

Em geral, os arquitetos de clubes noturnos se destacam ao brincar com questões de escala, como atesta a equipe de DJ móvel da Mothership 2014 da Akoaki. Imagem Cortesia de Akoaki O Palladium projetado por Arata Isozaki em Nova York, com mural de Keith Haring. Imagem Cortesia de Timothy Hursley/Garvey|Simon Gallery New York Os ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. O flerte dos arquitetos com estruturas pneumáticas no final dos anos 60 e início dos anos 70 refletiu-se no projeto de Florence, a Space Electronic da Itália. Imagem Cortesia de Carlo Caldini, Gruppo 9999 Les Bains Douches em Paris, 1990, projetado por Philippe Starck. Imagem Cortesia de Foc Kan + 12

Em geral, os arquitetos de clubes noturnos se destacam ao brincar com questões de escala, como atesta a equipe de DJ móvel da Mothership 2014 da Akoaki. Imagem Cortesia de Akoaki
Em geral, os arquitetos de clubes noturnos se destacam ao brincar com questões de escala, como atesta a equipe de DJ móvel da Mothership 2014 da Akoaki. Imagem Cortesia de Akoaki

Embora organizada em quatro salas de exposição correspondentes a uma narrativa cronológica ao longo de cinco décadas, a Night Fever evita cronogramas rigorosos para se concentrar em ângulos temáticos mais amplos que permitem que as várias fases e tendências da cultura das casas noturnas se espalhem no escuro. Moda, pop e subculturas, progresso social e comercialização desenfreada entram e saem por todo a exposição. A Night Fever primeiro teleporta os visitantes para o mundo em êxtase e hipnótico dos anos 60 da Italian Radical Design através de um corredor brilhante e futurista. Uma flecha vermelha fluorescente eletrifica uma estrutura de alumínio lisa que se expande em uma sala escura cavernosa na qual sinais de néon, música pulsante, móveis de design e parafernália de casas noturnas convergem sob o brilho de vitrines de vidro.

A premissa desta primeira sala, chamada “Começando a Ver a Luz” acena para as divindades do rock 'n' roll do Velvet Underground, é simples: pop e rock aceleraram uma cultura jovem emergente em toda a Europa e EUA, traduzindo a boate como uma fábrica social. "Os anos 60 foram os primeiros - e, realmente, os únicos - tempos em que boates serviram como espaço para jovens se encontrarem e compartilharem ideias", sugere o co-curador Jochen Eisenbrand em pé diante de uma unidade de andaimes modular que emerge de um canto da galeria. (Eisenbrand organizou o show com Catharine Rossi e Nina Serulus.) A reluzente estrutura metálica - conhecida como sistema de moldura espacial, foi inventada pela empresa de engenharia alemã MERO na década de 1940 e cria uma ilusão de ótica contra um pano de fundo do chão ao teto em uma noite passada icônico clube italiano L'Altro Mondo.

Os ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. O flerte dos arquitetos com estruturas pneumáticas no final dos anos 60 e início dos anos 70 refletiu-se no projeto de Florence, a Space Electronic da Itália. Imagem Cortesia de Carlo Caldini, Gruppo 9999
Os ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. O flerte dos arquitetos com estruturas pneumáticas no final dos anos 60 e início dos anos 70 refletiu-se no projeto de Florence, a Space Electronic da Itália. Imagem Cortesia de Carlo Caldini, Gruppo 9999

Enquanto começa na Itália, a Night Fever rapidamente estende seu olhar pelas cidades e continentes para examinar como arquitetos e designers de Nova York a Paris responderam ao chamado da noite. Lendo a boate como uma nova tipologia de edificação, a primeira sala examina a ascensão de interiores modulares e móveis de design personalizado que responderam aos ambientes alucinatórios criados por máquinas de iluminação de alta tecnologia. Abaixo da instalação de estrutura espacial semelhante à uma geodésica está um exemplo colorido de Cesare Casati e o mobiliário translúcido e iluminado de Emanuele Ponzio, projetado em Bolzano, Itália, em 1968. Ele acomoda todos os envoltórios, sem romper com o módulo de cadeira giratória de Roger Tallon 400 n° 3 (1965), cujos elementos pontiagudos são de fato feitos de espuma de câmara anecóica.

Com um assunto super-sensível na mão, a Night Fever não economiza em entretenimento. Para audiófilos, o claro destaque da exposição é Konstantin Grcic, a instalação interativa de Matthias Singer que utiliza o Hall 2. É como entrar em uma bola de discoteca gigante, abaixando-se sob as paredes suspensas e subindo para a pista de dança visitando sua própria boate privada. Os fones de ouvido pendurados no teto espelhado com iluminação refletem uma história sonora de quatro épocas da música - pré-disco, discoteca, house e techno - habilmente compiladas pelo músico e consultor de exposições Steffen Irlinger. O objetivo aqui é trazer os visitantes em contato íntimo com a energia contagiante da música, enquanto também desvenda sua evolução estilística através das décadas. É obviamente um grande sucesso: eu vi vários visitantes se soltarem na pista de dança iluminada, incluindo um septuagenário bastante recatado com uma aparente propensão para house music. (Tímidos, não tenham medo: Dançar é opcional.)

O Palladium projetado por Arata Isozaki em Nova York, com mural de Keith Haring. Imagem Cortesia de Timothy Hursley/Garvey|Simon Gallery New York
O Palladium projetado por Arata Isozaki em Nova York, com mural de Keith Haring. Imagem Cortesia de Timothy Hursley/Garvey|Simon Gallery New York

A festa fica um pouco mais sombria na terceira sala, intitulada "Slave to the Rhythm", com a hipercomercialização da boate. Um trecho digno do filme de 1977, Saturday Night Fever, ilustra como a discoteca foi direto do santuário subcultural para o elegante cenário de Hollywood. Em uma morte cruel para o devaneio radical dos anos 60, a extinta boate subterrânea se tornou mais enxuta em um impulso para o ganho capitalista. Mas a Night Fever não se perde no obituário, forçando-se a progredir com o rápido aumento da house music, em que vibrantes cenas de clubes surgiram em momentos de convulsão política, da Berlim pós-muro à perturbação econômica de Detroit, e à gentrificação de Nova York York nos anos 80 e 90, explica Eisenbrand. Em certo sentido, a cultura de clubes noturnos nos anos 90 tornou-se um modo de se considerar a política de memória fragmentada das cidades em declínio; Além disso, era uma oportunidade para aqueles que habitam esses espaços de transição redefinirem sua cultura - e da cidade -. Naturalmente, a arquitetura anônima dessas casas noturnas tornou-os uma marca em si - com Tresor (est. 1991) e Berghain (est. 2004) de Berlim contribuindo para promover o techno como parte de uma economia turística viável.

Les Bains Douches em Paris, 1990, projetado por Philippe Starck. Imagem Cortesia de Foc Kan
Les Bains Douches em Paris, 1990, projetado por Philippe Starck. Imagem Cortesia de Foc Kan

A relação entre a hipercomercialização, a fidelidade à marca, a consciência da imagem e a cultura das casas noturnas leva a Night Fever ao presente pós-globalizado, onde o quarto e último corredor aborda os clubes no século XXI como um fenômeno mundial. O DJ foi canonizado como uma figura de culto - frequentemente usando sua própria linha de moda, ou patrocinado por marcas de tendência - assim como a boate funciona como um nó econômico em cidades globais competitivas, incluindo Amsterdã, Londres e Nova York, que nomearam seus próprios "prefeitos noturnos" para promover a vida noturna urbana.

Mais fascinante ainda, Night Fever aponta o paradoxo da influência da mídia digital na vitalidade da cultura do clube noturno. A partir do Boiler Room, o DJ YouTube se transforma em festivais de música on-line, as redes sociais oferecem um espaço alternativo que é rápido e fácil de acessar, e de graça. Enquanto isso, os IRL, que já enfrentam aluguéis cada vez mais caros, estão sendo forçados a inovar - uma nova pressão que, segundo Night Fever, astutamente reavivou o interesse nas visões precisas da arquitetura futurista e do design da cultura club dos anos 60, incluindo o uso misto, devaneio do produtor teatral Joan Littlewood e do arquiteto Cedric Price do Fun Palace (1964). Locais pop-up e híbridos foram combinados com um foco renovado em festivais de música e artes, enfatizando a criação de um lugar em meio a um não-lugar, como as festas no deserto de Burning Man e Coachella. Trabalha-se agora com arquitetos contemporâneos como o OMA e o coletivo de artistas e arquitetos ganhadores do Prêmio Turner, Assemble, juntamente com a capital cultural de Miu Miu, Prada e Gucci, cujas coleções recentes adotaram a estética da cultura de clubes noturnos.

O cancelado projeto do OMA para Ministério do Som em Londres. Imagem Cortesia de OMA
O cancelado projeto do OMA para Ministério do Som em Londres. Imagem Cortesia de OMA

Da política ao design, um fervor contracultural que reflete a revolução social dos anos 60 e 70 está varrendo a cena contemporânea. Na arquitetura e no design, os movimentos pop e transparentes de Pomo e de alta tecnologia são ressuscitados e deificados; do padrão esquizofrênico, ao confronto da Gucci com a onipresença dos iPhones de ouro rosa, o brilho da cultura material e a extravagância vistosa estão de volta aos negócios. A cultura de clubes noturnos sempre habitou esse espaço intermediário: como é provável que surja na passarela ou em feiras de móveis o ambiente sujo da cena techno de Berlim, ou em casa, nos canais do YouTube de celebridades e nos concursos de arquitetura regenerativa patrocinados pelo governo, a boate sempre influenciou a alta costura e a cultura pop em igual medida. Perpetuamente à beira da extinção, é uma tipologia ferozmente resiliente e radical. Night Fever nos pede para ficarmos até um pouco mais tarde, para absorver esses excessos e tolices da noite um pouco mais - porque, quem sabe como será o mundo na manhã seguinte.

Night Fever está em exibição no Vitra Design Museum até 9 de setembro de 2018.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Alice Bucknell
Autor
Cita: Bucknell, Alice. "Uma breve história arquitetônica das casas noturnas" [A Brief Architectural History of Nightclubs] 18 Jun 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/896449/uma-breve-historia-arquitetonica-das-casas-noturnas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.