Alice Bucknell

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Tocar, sentir, cheirar: desenvolvendo arquitetura para os sentidos

Arakawa + Gins 'Bioscleave House, em East Hampton, Nova York, usou geometrias não ortogonais, pisos ondulados e até mesmo casulos de isolamento em seus experimentos para criar arquiteturas que "parassem de envelhecer". Imagem via Revista Metropolis. Imagem Cortesia de Dimitris Yeros, © 2008 Propriedade de Madeline Gins, Reproduzido com permissão do espólio de Madeline Gins
Arakawa + Gins 'Bioscleave House, em East Hampton, Nova York, usou geometrias não ortogonais, pisos ondulados e até mesmo casulos de isolamento em seus experimentos para criar arquiteturas que "parassem de envelhecer". Imagem via Revista Metropolis. Imagem Cortesia de Dimitris Yeros, © 2008 Propriedade de Madeline Gins, Reproduzido com permissão do espólio de Madeline Gins

Esse artigo foi publicado originalmente na Metropolis Magazine como "Architecture You Can Smell? A Brief History of Multisensory Design."

O que vem à mente quando você se depara com o termo “design sensorial”? As chances são de que seja uma imagem: uma sala onde chove, um utensílio engraçado para comer, uma cadeira visivelmente texturizada. Mas as sensações, cheiros e gostos são coisas muito mais difíceis de capturar. Essa dificuldade aponta para quão profundamente arraigada é a tirania da visão. Os outros sentidos podem ser as chaves para desvendar verdades empíricas mais amplas? O viés da arte, da arquitetura e do design centrado no ocular realmente impede uma experiência coletiva mais profunda?

Uma breve história arquitetônica das casas noturnas

Os ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. Teatros formaram os interiores da Discoteca Flash Back em Borgo San Dalmazzo. Imagem Cortesia de Paolo Mussat Sartor
Os ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. Teatros formaram os interiores da Discoteca Flash Back em Borgo San Dalmazzo. Imagem Cortesia de Paolo Mussat Sartor

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "The Designers Who Made Disco."

O que não pode ser feito na pista de dança? Não muito, disse o Gruppo 9999 do Radical Design dos anos 1960, argumentando que as boates deveriam ser “um lar para tudo, do rock ao teatro e artes visuais”. Outros artistas e designers - incluindo o pintor Jean- Michel Basquiat, o arquiteto Peter Cook, do Archigram, e o criador da "catedral da rave" de Manchester, Ben Kelly - viam a pista de dança como um ambiente mais subversivo: onde os limites podiam ser confusos e limiares cruzados, onde festas e política podiam ser entrelaçadas no escuro para canalizar uma revolução cultural. A exposição Night Fever no Vitra Design Museum apresenta esta concepção da boate como uma Gesamtkunstwerk social.

Em geral, os arquitetos de clubes noturnos se destacam ao brincar com questões de escala, como atesta a equipe de DJ móvel da Mothership 2014 da Akoaki. Imagem Cortesia de AkoakiO Palladium projetado por Arata Isozaki em Nova York, com mural de Keith Haring. Imagem Cortesia de Timothy Hursley/Garvey|Simon Gallery New YorkOs ambientes das casas noturnas mudaram de acordo com as tendências de arquitetura e design. O flerte dos arquitetos com estruturas pneumáticas no final dos anos 60 e início dos anos 70 refletiu-se no projeto de Florence, a Space Electronic da Itália. Imagem Cortesia de Carlo Caldini, Gruppo 9999Les Bains Douches em Paris, 1990, projetado por Philippe Starck. Imagem Cortesia de Foc Kan+ 12

Por que "Uma casa para morrer" de Snøhetta é um dos projetos mais controversos da Noruega

Este artigo foi originalmente publicado pela Revista Metropolis como "Inside the Design of Norway’s Most Controversial Building."

O sol está se pondo rapidamente sobre uma colina quase congelada a cerca de cinco milhas (oito quilômetros) a oeste de Oslo. Nomeado Kikkut por conta de uma vila agora demolida, o vizinho Ekely, a antiga propriedade de Edvard Munch (agora degradada), e salvo por alguns detritos cobertos de grafite junto a algumas flores silvestres de primavera, o pico é totalmente árido. Olhando ao norte, para o Atelier de inverno de Munch, a cerca de 500 pés (150 metros de distância), é difícil acreditar que este seja o local proposto a Uma casa para morrer: uma das propostas de construção mais controversas da história recente da Noruega.

A ideia do artista norueguês Bjarne Melgaard, a proposta de “Uma Casa para Morrer” é uma escultura viva, parecida com um OVNI, luminescente que funciona como residência e estúdio para Melgaard e seus pais. Com o apoio financeiro de dois dos mais poderosos empreendedores imobiliários do país, Selvaags e Sealbay A/S - amigos de longa data do artista que também forneceram o terreno na periferia da cidade, Melgaard aproximou-se do escritório norueguês Snøhetta em 2011, com sua ideia para uma obra de arte combinada, estúdio e local do descanso final.