O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Eileen Grey, Le Corbusier e a Casa E-1027: uma história de arquitetura e escândalos

Eileen Grey, Le Corbusier e a Casa E-1027: uma história de arquitetura e escândalos

  • 10:00 - 29 Setembro, 2018
  • por
  • Traduzido por Lis Moreira Cavalcante
Eileen Grey, Le Corbusier e a Casa E-1027: uma história de arquitetura e escândalos
Eileen Grey, Le Corbusier e a Casa E-1027: uma história de arquitetura e escândalos, © Manuel Bougot
© Manuel Bougot

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "A Saga Sórdida da Icônica Casa E-1027 de Eileen Gray".

É justo dizer que a casa francesa E-1027 de Eileen Gray não viveu uma vida encantadora: ela sobreviveu à profanação de Le Corbusier, foi alvo dos nazistas, por um período foi destino de orgias e drogas, e esteve perto do abandono. No entanto, ultimamente, o futuro da infame casa parece mais otimista: a Cap Moderne, uma organização sem fins lucrativos dedicada a reabilitar e abrir o edifício como um destino cultural, lançou recentemente uma campanha de financiamento coletivo para continuar a restauração da edificação. Nos últimos anos, o trabalho dos restauradores concentrou-se na recriação dos móveis projetados por Eileen Gray e os últimos esforços concentram-se na sala de jantar. Como esse ambiente - e toda a casa - perdeu seus móveis e entrou em ruínas é uma longa história, com muitas reviravoltas.

© Manuel Bougot
© Manuel Bougot

A casa certamente teve um começo otimista - e idealista. “É preciso construir para o ser humano, para que ele possa redescobrir na arquitetura as alegrias da auto-realização em um todo que o amplia e o completa”, escreveu Gray na edição de 1929 da L'Architecture Vivante. "Até mesmo os móveis deveriam perder sua individualidade misturando-se ao conjunto arquitetônico". A casa foi planejada como um refúgio tranquilo para Gray e seu então amante, o arquiteto, crítico e editor romeno da L'Architecture Vivante, Jean Badovici, que contribuiu parcialmente para o desenho do projeto.

A casa — essencialmente um retângulo branco situado no penhasco de Cap-Martin — é claramente um edifício modernista. Ela adota alguns aspectos dos cinco pontos da nova arquitetura de Le Corbusier (pilares de concreto, salas de planta livre, um jardim no terraço, janelas horizontais e uma fachada "livre") que o arquiteto suíço-francês havia publicado em seu influente livro Vers Une Architecture, de 1923.

No entanto, apesar da característica de espaços internos e externos abertos de Corbusier, a privacidade é um dos principais objetivos da E-1027. No exterior, janelas bi-dobráveis do chão ao teto se abrem para o Mar Mediterrâneo, trazendo luz e acesso visual, mas persianas e duas faixas de tela protegem os interiores da casa,bloqueando a incidência da luz forte do sol da tarde e emoldurando a vista para o mar.

© Manuel Bougot
© Manuel Bougot

No interior, a casa se abstém de usar uma planta livre. Seus espaços internos não são revelados imediatamente: os quartos são lugares privados esperando para serem descobertos. Entrar no quarto ou na sala de estar, por exemplo, requer andar em torno de uma série de cantos. Além disso, dado o tamanho compacto da casa (130 metros quadrados) e a quantidade de quartos, Gray foi meticulosamente eficiente com o espaço. Tais restrições, como é comumente o caso, levaram a soluções alternativas inovadoras: os guarda-roupas abrem-se para se tornarem paredes, o sofá da sala se transforma em uma cama e uma série de armários e outros móveis sob medida estão embutidos ou intrinsecamente em sintonia com o resto da casa.

O exemplo mais proeminente dessa engenhosidade é a “mesa E-1027”. Projetada para a irmã de Gray para que ela pudesse tomar o café da manhã na cama sem deixar farelos nos lençóis, é uma peça clássica de mobília modernista. A mesa é composta por dois tubos circulares de aço cuja base aberta se encaixa em torno de um poste; a altura da mesa também é ajustável para que ela possa pairar sobre a cama.

Mesmo com toda a obra de Gray, no entanto, foi necessário um ensaio de Joseph Rykwert em 1967 para trazer seu merecido reconhecimento.Naquela época, a casa tinha sido creditada como sendo inteiramente projeto de Badovici e até de Le Corbusier.

© Manuel Bougot
© Manuel Bougot

Na verdade, Le Corbusier era um bom amigo de Badovici e estava obcecado pela E-1027. Depois que Gray e Badovici se separaram em 1932, Badovici herdou a casa e muitas vezes ficou lá com sua esposa. Contra os desejos de Gray, Le Corbusier, como convidado de Bodovici, pintou murais nas paredes. O arquiteto franco-suíço chegou a tentar comprar a casa, mas não conseguiu e, em vez disso, comprou uma propriedade nas proximidades, onde construiu uma pequena cabana, a Cabanon de vacances.

A degradação continuou durante a Segunda Guerra Mundial quando soldados alemães praticaram suas habilidades com armas nas paredes da E-1027.A morte real veio em seguida. Em 27 de agosto de 1965, o corpo de Le Corbusier apareceu nas margens abaixo, por ter se afogado após nadar contra as ordens de seu médico.Depois disso, a casa e a área circundante foram declaradas “Site Moderne”devido ao seu significado internacional. Mesmo assim, no entanto, a situação da vila não parou de piorar.

Mais mortes viriam a seguir. Em 1980, a então proprietária da E-1027, Marie-Louise Schelbert, foi encontrada morta em seu apartamento em Zurique. Três dias antes, seu médico, o Dr. Peter Kagi, secretamente roubou quase todos os móveis originais de Gray e os leiloou em Zurique. Quando Schelbert morreu, Kägi herdou a casa, usando-a para hospedar uma série de atividades hedonistas, notadamente orgias movidas a drogas. Em 1996, isso chegou ao fim quando ele foi assassinado na sala de estar.

Agora, finalmente, a casa está sendo cuidada. Em 1999, a casa foi comprada pelo Conservatoire du littoral (um conservatório cultural) e desde então vários esforços vêm sendo feitos para restaurar a casa. O mais recente é da Cap Moderne, que foi criada em 2014 para gerenciar a E-1027, bem como a cabine adjacente de Le Corbusier. "Nós tomamos a decisão, que não é comum em muitos cursos de conservação, de reconstruir [o que] havia sido destruído como mais ou menos era a situação de 1929", diz Tim Benton, curador do Cap Moderne e professor de história da arte especializado em arquitetura do século XX. Recentemente, em 2006, a casa estava em um estado degradado, a parede da sala de estar/boudoir estava em frangalhos.

© Manuel Bougot
© Manuel Bougot

"Quase tudo foi, ou está sendo, ou será refeito", acrescenta Benton, apontando para o mobiliário. A Cap Moderne pretende levantar até US$ 50.000, com o governo francês oferecendo a mesma quantia que for levantada. O dinheiro irá para remobiliar a sala de jantar da casa, incluindo uma mesa de jantar com uma luz elétrica embutida e tampo de cortiça projetado para proteger os pratos e copos, e um recipiente para limões feito sob medida (limões Menton já foram uma especialidade regional). Além disso, a associação está de olho na recriação da cadeira Non Conformist de Gray e de uma mesa dobrável dentro da sala de jantar que se abre para transformar o corredor em um bar.

"Deixada vazia, esta é uma das 100 casas mais importantes do final do período moderno", diz Benton. “Mas o projeto de interiores moderno é um dos quatro mais importantes do mundo. É por isso que estamos refazendo a mobília com as mesmas ferramentas, os mesmos materiais, os mesmos processos que os originais".

Sobre este autor
Cita: Sayer, Jason. "Eileen Grey, Le Corbusier e a Casa E-1027: uma história de arquitetura e escândalos" [Eileen Grey, Le Corbusier, and the E-1027 House: A Tale of Architecture and Scandal] 29 Set 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/902227/eileen-grey-le-corbusier-e-a-casa-e-1027-uma-historia-de-arquitetura-e-escandalos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.