1. ArchDaily
  2. Vernacular

Vernacular: O mais recente de arquitetura e notícia

A arquitetura vernacular pode se tornar um fetiche?

Quando falamos de arquitetura vernacular, na maioria dos casos, estamos nos referindo a uma forma de se construir específica de uma determinada região—ou uma arquitetura que incorpora sistemas construtivos e materiais locais. As características que definem a arquitetura vernacular, portanto, variam enormemente de lugar para lugar, compreendendo exemplos que vão desde as Casas Colmeias de Harran, na Turquia, às tradicionais casas malaias encontradas em todo o sudeste da Ásia. Dito isso, a arquitetura vernácula continua sendo hoje uma das principais fontes de inspiração para muitos arquitetos e arquitetas ao redor do mundo.

Tulou dwellings, China. Image © Flickr user Slices of Light licensed under CC BY-NC-ND 2.0Reed Houses in Ma'dan, Iraq. Image © Flickr user davidstanleytravel licensed under CC BY 2.0Putucos. Image © Nicolás ValenciaWarka Village, Cameroon. Image © WarkaWater, via CicloVivo+ 9

Arquitetura híbrida: entre o digital e o vernáculo

Em Mendoza, na Argentina, o laboratório de pesquisas em fabricação digital Nodo 39 FabLab criou uma estrutura-bastidor de tecido feita em madeira cortada digitalmente com telas e pontos para facilitar o processo de tecelagem e composição iconográfica dos indígenas da região central do país. No interior do Ceará, Brasil, por meio de uma pesquisa intitulada “Artificies Digitais” da Universidade Federal do Estado, fez-se o uso de ferramentas de fabricação digital, mais especificamente a impressão 3D, para a obtenção de modelos digitais das partes danificadas do retábulo do altar-mor da Igreja Matriz da cidade de Russas, sendo possível a produção de próteses digitais para sua restauração.

Aquahoja. Imagem Cortesia de MIT Media LabFundindo artesanato e fabricação digital: pavilhão experimental de blocos cerâmicos na China. © Christian J. LangeFundindo artesanato e fabricação digital: pavilhão experimental de blocos cerâmicos na China. © Christian J. LangeRobotic Collaboration. Imagem Cortesia de ETH Zurich+ 11

UFMT lança livro sobre tecnologias e arquiteturas indígenas em Mato Grosso

O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Tecnologias Indígenas, o Tecnoíndia, criado pelo professor da UFMT, José Afonso Botura Portocarrero, arquiteto com doutorado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, e pela antropóloga aposentada pela UFMT, Maria Fátima Roberto Machado, doutora pelo Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, está lançando uma nova obra, reunindo artigos produzidos ao longo de 20 anos de pesquisa e ensino sobre tecnologias e arquitetura indígenas em Mato Grosso.

Arquiteturas originais brasileiras

Em vidas passadas eu fiz um mestrado em semiótica e aprendi a prestar atenção nas palavras que escolhemos. Por exemplo, abra qualquer livro de arquitetura brasileira e você lerá alguns subtítulos que ajudam a organizar cronologicamente nosso espaço construído: Arquitetura Indígena, Arquitetura do Brasil Colônia, Arquitetura do Brasil Imperial, Arquitetura Moderna Brasileira, Arquitetura Contemporânea no Brasil. Notaram a sutil diferença, a palavra Brasil que dá nome a esta terra aparece em todos os períodos pós colonização mas não naquele que é justamente o modo de construir original deste lugar.

Barraca do Bem Viver. Image © Wanny MeloBarraca do Bem Viver. Image © Wanny MeloBarraca do Bem Viver. Image © Wanny MeloBarraca do Bem Viver. Image © Wanny Melo+ 17

Marrocos Moderno: uma nova arquitetura vernacular

© Fernando Guerra, FG+SG© Luc Boegly© Fernando Guerra, FG+SG© Doublespace Photography+ 12

A arquitetura moderna do Marrocos, a qual tem se desenvolvido rapidamente ao longo das últimas décadas devido ao recente desenvolvimento econômico do país, encontra-se profundamente enraizada nas tradições construtivas locais. Tendo o vernacular como principal fonte de inspiração, a arquitetura moderna marroquina assume a origem de seu próprio nome árabe al-maġhrib, ou seja “lugar onde o sol se põe; o oeste”. O Marrocos é um estado soberano com uma rica cultura arquitetônica e uma vasta história, contando com inúmeros e excepcionais exemplos de arquitetura tradicional islâmica.

Centro comunitário de bambu e barro construído por mulheres é premiado em Bangladesh

Uma construção impressionante foi erguida em Rudrapur, um vilarejo no norte de Bangladesh. Foram usadas técnicas e materiais locais para dar forma ao espaço que surgiu para suprir uma importante demanda. Batizado de Centro Anandaloy, o primeiro andar funciona como um centro de atendimento a pessoas com deficiência.

O projeto venceu o Prêmio OBEL 2020, uma premiação internacional que homenageia as contribuições arquitetônicas notáveis para o desenvolvimento humano em todo o mundo.

© Kurt Hoerbst© Kurt Hoerbst© Kurt Hoerbst© Stefano Mori+ 10

O que é arquitetura vernacular?

A arquitetura vernacular pode ser definida como uma tipologia de caráter local ou regional, na qual são empregados materiais e recursos do próprio ambiente onde a edificação está inserida. São, portanto, arquiteturas diretamente relacionadas ao contexto, influenciadas e atentas às condições geográficas e aspectos culturais específicos da sua inserção e, por esse motivo, surgem de modo singular nas diversas partes do mundo, sendo consideradas, inclusive, um dispositivo de afirmação de identidades.

A Grande Mesquita de Djenné, Mali. Imagem © Wikimedia user Ruud Zwart licensed under CC BY-SA 2.5 NLAldeia Warka, Camarões. © WarkaWater, via CicloVivoCasas Tulou, China. © Usuário Flickr Slices of Light licença CC BY-NC-ND 2.0Ruanda - interior da construção. Imagem © Larsen Payá+ 9

Criando projetos a partir de um olhar decolonial

Descolonizar. Provavelmente você já ouviu essa palavra, mas se não fizer ideia do que se trata, talvez possa imaginar que tem a ver com colonização. Nós brasileiros, conhecemos bastante o que é colonização: fomos colônia de Portugal por muito anos, falamos português, comemos bacalhau na Páscoa e somos em grande maioria católicos por conta disso.

Já entender a palavra descolonizar é compreender que a colonização não trouxe só heranças linguísticas, religiosas e culinárias, mas também envolveu muita exploração: culturas foram apagadas, líderes locais foram mortos, riquezas foram roubadas e memórias destruídas.

Projeto do escritório mexicano Roth Architecture que utiliza os princípios do Bem Viver. Imagem: IK LAB. Cortesia de O Futuro das CoisasIntervenção do Black Lives Matter, na icônica Quinta Avenida, em frente à Trump Tower. Imagem: The New Tork Times. Cortesia de O Futuro das CoisasEdifício de Freddy Mamani em El Alto na Bolívia. Foto © Alfredo ZeballosCentro do Rio de Janeiro e suas bases neoclássicas no final do século XIX. A foto mostra o Teatro Municipal, por volta de 1910. Foto: Marc Ferrez | Acervo IMS. Cortesia de O Futuro das Coisas+ 5

Saberes construtivos indígenas revelam soluções para edificações contemporâneas

O estigma de arquitetura rudimentar somado aos ideais de tecnologia enquanto high tech relegam os saberes construtivos indígenas a um imaginário pré-histórico. Esse padrão, o qual aponta para uma direção inequívoca do progresso, revela a chamada colonialidade do saber, conceito do sociólogo peruano Aníbal Quijano que escancara o lado oculto da modernidade: produzir hierarquias entre povos, o que mantém a América Latina, em especial seus povos originários, como subalterna. Em outras palavras, tendemos a pensar que o conhecimento que representa o futuro é produzido em outras terras, localizadas no Norte Global.

As tecnologias construtivas indígenas garantiram ao Centro Sebrae de Sustentabilidade o prêmio de edificação em uso mais sustentável da América Latina em 2018. Foto: Centro Sebrae de Sustentabilidade/Wander LimaA estrutura da construção dentro do Ekôa Park, em Morretes, é composta por bambu em feixes e treliças, materiais abundantes na região. Foto: Tomaz LotufoBeiral das moradias Xerente. O detalhe arquitetônico será preservado e valorizado no projeto do Centro de Fortalecimento da Cultura Xerente, que foi desenvolvido com a participação da comunidade. Foto: Tomaz LotufoApesar das paredes em vidro, o edifício tem beirais que mantém a temperatura interna, inspirado nas construções Yawalapit que são exemplares na arquitetura bioclimática. Foto: Centro Sebrae de Sustentabilidade/Wander Lima+ 5

Casas brasileiras: 9 exemplos da arquitetura residencial vernacular

Casa de pau a pique. Imagem © Pedro Levorin
Casa de pau a pique. Imagem © Pedro Levorin

As expressões regionais da cultura de um país representam um dado significativo que ajuda a entender a relação do contexto e das condições específicas com as mais diversas formas de manifestação social. Essas nuances e singularidades dentro do âmbito da construção se traduzem no que pode ser entendido como arquitetura vernacular. Apesar de sempre ter existido, esse universo dos exemplares locais de arquitetura a partir de materiais, técnicas e soluções construtivas regionais veio a ser bastante estudado no Brasil na segunda metade do século XX, em um projeto de traçado da história arquitetônica nacional encabeçado por Lucio Costa.

Angola contemporânea: tecnologia e identidade em 4 obras de arquitetura

Angola, como muitos países da África, apresenta acelerado processo de urbanização. Um processo em grande medida desregulado que está conformando grandes cidades repletas de espaços que não atendem aos níveis mínimos de qualidade de vida para sua população. Não obstante, é notável a qualidade da arquitetura contemporânea produzida no segundo maior país de língua portuguesa, onde projetos de inspiração vernacular e forte identidade local coexistem com materiais e tecnologias atuais.

A seguir, reunimos quatro projetos contemporâneos construídos em Angola. Trata-se de uma pequena amostra da produção recente não apenas de Luanda, mas de localidades menores, que confirma a riqueza da arquitetura local - uma arquitetura que merece amplo reconhecimento internacional.

A cidade fantasma mais bela do mundo: vídeo aéreo registra a atmosfera de Houtouwan na China

Enquanto as sombras do passado pairam em torno do que restou das casas e das estradas, o cinegrafista Joe Nafis captou perfeitamente o raro charme da vila de pescadores abandonada de Houtouwan usando seu drone. De cima, pode-se apreciar a extensão da folhagem tapetes nas paredes, telhados e aberturas. Foi a promessa deste cenário improvável que levou Nafis a visitar a vila como parte de um ensaio de moda.

© Joe Nafis© Joe Nafis© Joe Nafis© Joe Nafis+ 26

Como escolas na África podem se beneficiar com um projeto inteligente e vegetação abundante

Muitas crianças na África são obrigadas a suportar estudar em escolas com pouca ventilação, que podem superaquecer facilmente sob o sol africano. A proposta de WAYAiR para uma nova escola em Ulyankulu aborda a questão do clima e fornece uma "vila educacional" respeitando o patrimônio local e a identidade da cidade. WAYAiR é um grupo de educadores com ideias semelhantes que, nos últimos 25 anos, desenvolveram seu singular programa educacional em Poznan, na Polônia, usando uma abordagem baseada na arte e agora desejam compartilhar seus conhecimentos em todo o mundo.

Cortesia de WAYAiR FoundationCortesia de WAYAiR FoundationCortesia de WAYAiR FoundationCortesia de WAYAiR Foundation+ 16

Quando telhados tornam-se ruas: vila histórica de Masuleh, no Irã

Mais de mil metros acima do nível do mar nas encostas da serra de Alborz em Gilan, no norte do Irã, uma vila que remonta a 1006 DC agita-se com a vida. As estruturas castanho-ocre de Masuleh seguem o declive da montanha em que a vila se implanta - ou melhor, brota - dando à aldeia a sua qualidade mais incomum: os telhados de muitas casas se conectam diretamente ou formam parte da rua servindo às casas acima.

© <a href='http://www.panoramio.com/photo/106899133'>Panoramio user alireza javaheri</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/deed.en'>CC BY 3.0</a>© <a href='https://www.flickr.com/photos/mehrab1131/5793306272/'>Wikimedia user Mehrab Pourfaraj</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/deed.en'>CC BY-SA 2.0</a>© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Masouleh.jpg'>Wikimedia user Hoomanb</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.5/deed.en'>CC BY 2.5</a>© <a href='https://www.flickr.com/photos/sunriseodyssey/16441070029/'>Flickr user sunriseodyssey</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>+ 13

11 Técnicas vernaculares de construção que estão desaparecendo

"Arquitetura vernacular pode ser dito àquela linguagem arquitetônica das pessoas' com seus 'dialetos' étnicos, regionais e locais,'" escreve Paul Oliver, autor da Enciclopédia da Arquitetura Vernacular do Mundo’. Infelizmente, tem havido um crescente desprezo pela linguagem arquitetônica tradicional ao redor do mundo devido à modernas tecnologias construtivas que tem rapidamente espalhando a 'perda de identidade e apelo cultural' através do que a Architectural Review recentemente descreveu como "uma pandemia global de edifícios genéricos." As pessoas vieram para ver o aço, concreto e vidro como uma arquitetura de alta qualidade, enquanto o leque de métodos vernaculares incluem adobe, junco ou esfagno (tipo de musgo) que são frequentemente associados com subdesenvolvimento. Ironicamente, estes métodos locais são muito mais sustentáveis e contextualmente conscientes que muita arquitetura contemporânea vista hoje em dia, apesar do grande discurso sobre a importância da sustentabilidade. Como resultado desta tendência, uma grande quantidade de conhecimento cultural e arquitetônico está sendo perdida.

© <a href='https://www.flickr.com/photos/34501870@N00/7344205654'>Flickr user Ashwin Kumar</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>© <a href='https://www.flickr.com/photos/seier/2849255440'>Flickr user seier</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>© <a href='https://www.flickr.com/photos/chrispark1957/4858624932/'>Flickr user chrispark1957</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/'>CC BY-NC-SA 2.0</a>© <a href='https://www.flickr.com/photos/sarah_c_murray/4846710439'>Flickr user sarah_c_murray</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>+ 12

Construção de presépios em Burkina Faso: uma tradição natalina que ensina arquitetura às crianças

Em Burkina Faso, a fabricação de presépios natalinos é uma importante tradição que tem como protagonistas as crianças. Todos os anos elas formam equipes para construir estes modelos em grande escala, alcançando quase a própria altura, em uma espécie de competição sadia que estimula a criatividade através do desenho e construção colaborativa.

Como resposta a esta iniciativa, o espanhol Albert Faus liderou um grupo de arquitetos para criar o Kamba Zaka, um projeto que pretende levar este interesse arquitetônico um passo adiante. Em seus ateliês, os arquitetos não apenas ensinam conceitos relacionados à disciplina, mas também apresentam às crianças materiais e técnicas construtivas vernaculares para que elas possam valorizá-las e praticá-las em construções reais no futuro.

Saiba mais sobre esta incrível experiência, a seguir.

Cortesia de Albert FausCortesia de Albert FausCortesia de Albert FausCortesia de Albert Faus+ 30