1. ArchDaily
  2. Fotografia & Arquitetura

Fotografia & Arquitetura: O mais recente de arquitetura e notícia

Fazer a América: Sameer Makarius e suas fotografias da Feira da América de 1954 em Mendoza

Sameer Makarius nasceu no Cairo em 1924. Em 1933, emigrou com sua família para Berlim. Aos dez anos, seu pai lhe deu uma câmera com a qual ele iniciou sua história na fotografia. Após o início da Segunda Guerra Mundial, em 1940, eles se mudaram para Budapeste, onde ele completou seus estudos secundários, começou sua formação artística e estabeleceu uma relação com os protagonistas da vanguarda local. Em 1946, ele retornou ao Egito, passando por Zurique. Lá, ele organizou uma exposição de arte moderna húngara com o apoio de Max Bill. De volta ao Cairo, trabalhou com arte para publicidade e também para um escritório de arquitetura e construção.

Sua obra plástica chegou ao Rio da Prata alguns anos antes dele, por meio de sua companheira Eva Reiner, que já vivia na Argentina com sua família. Em 1948, ela emprestou uma de suas obras para a exposição de arte MADI, organizada no estúdio do escultor alemão Martin Blaszko. Depois de se casar com Eva no Egito, em 1952, eles viajaram juntos para Paris, onde trabalharam como designers de estampas. Finalmente chegaram a Buenos Aires em abril de 1953, a cidade que se tornaria seu local de residência permanente. Sua jornada migratória foi marcada pelo drama da guerra e, ao mesmo tempo, durante esses deslocamentos, Makarius construiu uma rede de relacionamentos em torno da fotografia, das artes visuais e da arquitetura, o que lhe permitiu projetar seu trabalho em diferentes territórios e formatos.

Um santuário contemporâneo projetado por Mario Botta, pelas lentes de Paul Clemence

O Fortyseven é um novo spa termal projetado pelo arquiteto Mario Botta, situado ao lado do rio Limmat em Baden, na Suíça. Baden, conhecida por seus ricos atrativos culturais e de bem-estar, tem uma herança centenária ligada aos spas. O Fortyseven Thermal Wellness Spa revive esse legado histórico ao apresentar a cultura do bem-estar por meio de uma abordagem moderna. O projeto oferece um encontro imersivo para o corpo, mente e alma — aspectos capturados pelas lentes do fotógrafo Paul Clemence.

Um santuário contemporâneo projetado por Mario Botta, pelas lentes de Paul Clemence - Image 1 of 4Um santuário contemporâneo projetado por Mario Botta, pelas lentes de Paul Clemence - Image 2 of 4Um santuário contemporâneo projetado por Mario Botta, pelas lentes de Paul Clemence - Image 3 of 4Um santuário contemporâneo projetado por Mario Botta, pelas lentes de Paul Clemence - Image 5 of 4Um santuário contemporâneo projetado por Mario Botta, pelas lentes de Paul Clemence - Mais Imagens+ 13

Conheça os finalistas do prêmio de fotografia URBAN Photo Awards 2023

O URBAN Photo Awards 2023 anunciou a lista de finalistas, marcando a penúltima etapa do concurso internacional. Divididos por seção e área temática, os finalistas foram apresentados em uma lista sem ordem classificatória que contém mais de 70 fotografias individuais, 20 séries e cinco volumes escolhidos pelo júri para o Prêmio de Melhor Livro.

Conheça os finalistas do prêmio de fotografia URBAN Photo Awards 2023 - Image 1 of 4Conheça os finalistas do prêmio de fotografia URBAN Photo Awards 2023 - Image 2 of 4Conheça os finalistas do prêmio de fotografia URBAN Photo Awards 2023 - Image 3 of 4Conheça os finalistas do prêmio de fotografia URBAN Photo Awards 2023 - Image 4 of 4Conheça os finalistas do prêmio de fotografia URBAN Photo Awards 2023 - Mais Imagens+ 24

Fondazione Prada do OMA, pelas lentes de Bahaa Ghoussainy

Em 2018, o OMA inaugurou a Fondazione Prada em Milão, Itália, localizada em uma antiga destilaria de gin construída em 1910. O projeto, que inclui uma fachada revestida com folha de ouro 24 quilates e espelhos camuflados, compreende a reabilitação de sete edifícios no complexo industrial Largo Isarco, na zona sul de Milão, fazendo da fundação algo que não é nem um projeto de preservação histórica nem uma arquitetura completamente nova. Recentemente, o fotógrafo Bahaa Ghoussainy registrou o projeto em sua série de fotografias.

Fondazione Prada do OMA, pelas lentes de Bahaa Ghoussainy - Image 1 of 4Fondazione Prada do OMA, pelas lentes de Bahaa Ghoussainy - Image 2 of 4Fondazione Prada do OMA, pelas lentes de Bahaa Ghoussainy - Image 3 of 4Fondazione Prada do OMA, pelas lentes de Bahaa Ghoussainy - Image 4 of 4Fondazione Prada do OMA, pelas lentes de Bahaa Ghoussainy - Mais Imagens+ 54

"Diário de Praga" de Iwan Baan apresenta uma versão crua e não editada da cidade

No verão de 2022, Iwan Baan completou uma peregrinação urbana pelas ruas de Praga, na República Tcheca. Durante sete dias, o fotógrafo registrou a cidade a pé, de bicicleta e de helicóptero, capturando a essência do tecido urbano, desde o centro até a periferia, além da paisagem ao longo do rio Vltava. Apresentando a cidade como uma entidade crua e muitas vezes negligenciada, Baan exibiu suas fotografias na exposição Iwan Baan: Prague Diary, realizada no ano passado no CAMP.

"Diário de Praga" de Iwan Baan apresenta uma versão crua e não editada da cidade - Image 1 of 4"Diário de Praga" de Iwan Baan apresenta uma versão crua e não editada da cidade - Image 2 of 4"Diário de Praga" de Iwan Baan apresenta uma versão crua e não editada da cidade - Image 3 of 4"Diário de Praga" de Iwan Baan apresenta uma versão crua e não editada da cidade - Image 4 of 4Diário de Praga de Iwan Baan apresenta uma versão crua e não editada da cidade - Mais Imagens+ 13

O icônico complexo Gallaratese em Milão, pelas lentes de Kane Hulse

Após a Segunda Guerra Mundial, a falta de moradia se espalhou por grande parte da Europa e Milão não foi uma exceção. Vários planos e soluções foram concebidos para enfrentar essa crise, e comunidades satélites para acomodar entre 50.000 e 130.000 residentes foram erguidas. A primeira dessas comunidades começou a ser construída em 1946, apenas um ano após o fim da guerra: o projeto Gallaratese.

No final de 1967, o renomado Studio Ayde, liderado por Carlo Aymonino, foi escolhido para projetar o Gallaratese 2. Aymonino convidou Aldo Rossi para contribuir com suas visões singulares para uma comunidade microcósmica ideal. Juntos, os dois arquitetos italianos começaram uma jornada para moldar um ícone habitacional inovador e historicamente significativo para Milão. Registrada pelas lentes de Kane Hulse, a obra e sua importância para a arquitetura são revisitadas nesta série de fotografias.

O icônico complexo Gallaratese em Milão, pelas lentes de Kane Hulse - Imagem 1 de 4O icônico complexo Gallaratese em Milão, pelas lentes de Kane Hulse - Imagem 2 de 4O icônico complexo Gallaratese em Milão, pelas lentes de Kane Hulse - Imagem 3 de 4O icônico complexo Gallaratese em Milão, pelas lentes de Kane Hulse - Imagem 4 de 4O icônico complexo Gallaratese em Milão, pelas lentes de Kane Hulse - Mais Imagens+ 3

“Quero ir além do que está diante dos meus olhos": entrevista com o fotógrafo Roland Halbe

Roland Halbe entrou na fotografia por completo acidente, descobrindo-a aos 15 anos em uma aula de ótica. Seu professor de física apresentou os efeitos da câmara escura, o que imediatamente despertou sua fascinação. Ele começou então a pegar emprestada a antiga câmera de seu pai para fotografar. Ainda no ensino médio, Halbe trabalhava meio período em uma loja de câmeras, onde se envolveu de vez com a fotografia. Essas foram as circunstâncias que acenderam sua paixão profissional, primeiro em preto e branco, depois em cores com foco na arquitetura e no ambiente construído.

“Quero ir além do que está diante dos meus olhos": entrevista com o fotógrafo Roland Halbe - Imagen 1 de 4“Quero ir além do que está diante dos meus olhos": entrevista com o fotógrafo Roland Halbe - Imagen 2 de 4“Quero ir além do que está diante dos meus olhos": entrevista com o fotógrafo Roland Halbe - Imagen 3 de 4“Quero ir além do que está diante dos meus olhos": entrevista com o fotógrafo Roland Halbe - Imagen 4 de 4“Quero ir além do que está diante dos meus olhos: entrevista com o fotógrafo Roland Halbe - Mais Imagens+ 30

70 Anos da Unité d'Habitation, pelas lentes de Paul Clemence

A icônica Unité d'Habitation, a primeira da nova série de projetos de habitação de Le Corbusier que enfatizava a vida em comunidade para todos os habitantes, foi concluída em 1952. Para o seu 70º aniversário, o fotógrafo Paul Clemence compartilhou conosco uma série de fotos exclusivas do edifício tal como se encontra atualmente.

70 Anos da Unité d'Habitation,  pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 1 de 470 Anos da Unité d'Habitation,  pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 2 de 470 Anos da Unité d'Habitation,  pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 3 de 470 Anos da Unité d'Habitation,  pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 4 de 470 Anos da Unité d'Habitation,  pelas lentes de Paul Clemence - Mais Imagens+ 43

Edifício Amaris de Rafael Viñoly em Washington DC, pelas lentes de Paul Clemence

Em 2 de março de 2023, Rafael Viñoly faleceu aos 78 anos, deixando para trás um legado de projetos arrojados e imponentes que moldaram o horizonte de cidades em todo o mundo. Ele é reconhecido internacionalmente por obras como o Boston Convention Center, que redefiniu o espaço urbano na cidade americana, o novo Aeroporto de Carrasco, em Montevidéu, e a polêmica 20 Fenchurch Tower, em Londres.

Paul Clemence compartilhou conosco imagens do empreendimento de uso misto Amaris em Washington D.C., uma das últimas obras concluídas pelo renomado arquiteto uruguaio-americano Rafael Viñoly. A série fotográfica revela um edifício curvilíneo de formato distinto que se abre para espaços públicos ao longo do rio Potomac. O volume é criado para acomodar unidades residenciais com vistas generosas para a paisagem circundante, marcando o ponto final de uma fileira de novos edifícios no empreendimento The Wharf.

Edifício Amaris de Rafael Viñoly em Washington DC, pelas lentes de Paul Clemence - Image 1 of 4Edifício Amaris de Rafael Viñoly em Washington DC, pelas lentes de Paul Clemence - Image 2 of 4Edifício Amaris de Rafael Viñoly em Washington DC, pelas lentes de Paul Clemence - Image 3 of 4Edifício Amaris de Rafael Viñoly em Washington DC, pelas lentes de Paul Clemence - Image 4 of 4Edifício Amaris de Rafael Viñoly em Washington DC, pelas lentes de Paul Clemence - Mais Imagens+ 23

Cor, composição e escala: analisando a fotografia de arquitetura brutalista

Ora escultural e expressivo, ora monolítico e monótono, o estilo arquitetônico brutalista é igualmente diverso e polêmico. Desde suas origens como subproduto do movimento modernista na década de 1950 até hoje, os edifícios brutalistas continuam sendo um ponto de discussão popular no debate arquitetônico. Uma possível explicação para isso é que estes edifícios brutalistas geralmente são muito fotogênicos; suas texturas e sombras dramáticas criam imagens apelativas.

Cor, composição e escala: analisando a fotografia de arquitetura brutalista - Image 1 of 4Cor, composição e escala: analisando a fotografia de arquitetura brutalista - Image 2 of 4Cor, composição e escala: analisando a fotografia de arquitetura brutalista - Image 3 of 4Cor, composição e escala: analisando a fotografia de arquitetura brutalista - Image 4 of 4Cor, composição e escala: analisando a fotografia de arquitetura brutalista - Mais Imagens+ 17

Fotógrafo registra arquiteturas inacabadas de Niemeyer no Líbano

No terreno designado para a Feira Internacional Rashid Karami em Trípoli, segunda maior cidade do Líbano, encontram-se os restos de um vislumbre arquitetônico. Estruturas desenhadas por Oscar Niemeyer em 1963 para a feira, o projeto foi brutalmente interrompido devido à guerra civil que irrompeu no país em 1975. O conjunto foi inscrito nas listas de Patrimônio Mundial e Patrimônio Ameaçado da UNESCO em 25 de janeiro de 2023.

Fotógrafo registra arquiteturas inacabadas de Niemeyer no Líbano - Image 1 of 4Fotógrafo registra arquiteturas inacabadas de Niemeyer no Líbano - Image 2 of 4Fotógrafo registra arquiteturas inacabadas de Niemeyer no Líbano - Image 3 of 4Fotógrafo registra arquiteturas inacabadas de Niemeyer no Líbano - Image 4 of 4Fotógrafo registra arquiteturas inacabadas de Niemeyer no Líbano - Mais Imagens+ 19

Escalas de Brasília, pelas lentes de Joana França

“É o jogo de três escalas que vai caracterizar e dar sentido a Brasília... a escala residencial ou quotidiana... a dita escala monumental, em que o homem adquire dimensão coletiva; a expressão urbanística desse novo conceito de nobreza... Finalmente a escala gregária, onde as dimensões e o espaço são deliberadamente reduzidos e concentrados a fim de criar clima propício ao agrupamento... Poderemos ainda acrescentar mais uma quarta escala, a escala bucólica das áreas abertas destinadas a fins-de-semana lacustres ou campestres”. - Lucio Costa em entrevista ao Jornal do Brasil, 8 de novembro 1961.

A fotógrafa Joana França compartilhou uma impressionante série de fotografias aéreas da capital nacional dividida em quatro subséries, cada qual apresentando uma escala de Brasília: residencial, monumental, gregária e bucólica. Veja cada uma delas, a seguir.

Architectural Photography Awards anuncia lista de finalistas de 2022

A décima edição do Architectural Photography Awards anunciou sua lista de finalistas selecionados a partir das inscrições de 64 países diferentes. As fotografias estão divididas em seis categorias: Exterior, Interior, Senso de Lugar, Edifício em Uso, fotos tiradas com Dispositivo Móvel, com "Pontes" sendo o tema deste ano, e Portfólio, sob o tema "Centros de Transporte". As fotografias serão exibidas no World Architecture Festival (WAF) Lisboa, em Portugal, de 30 de novembro a 2 de dezembro. Os vencedores, dois por categoria, serão anunciados até o final do festival.

Architectural Photography Awards anuncia lista de finalistas de 2022 - Image 1 of 4Architectural Photography Awards anuncia lista de finalistas de 2022 - Image 2 of 4Architectural Photography Awards anuncia lista de finalistas de 2022 - Image 3 of 4Architectural Photography Awards anuncia lista de finalistas de 2022 - Image 4 of 4Architectural Photography Awards anuncia lista de finalistas de 2022 - Mais Imagens+ 32

BIG divulga primeiras fotos da Vancouver House e da Telus Sky, no Canadá

Bjarke Ingels Group - BIG divulgou uma série de fotos da Vancouver House e da torreA torre Telus Sky, de 220 metros de altura, e a Vancouver House, de 149 metros de altura, acomodam escritórios de uso misto e espaços residenciais, com conexões para ciclovias e vias de pedestres em suas plataformas. Além disso, ambos possuem o mais alto nível de Design Energético e Ambiental. A Vancouver House é o primeiro edifício LEED Platinum da cidade, e a TELUS em Calgary agora tem a maior planta LEED Platinum na América do Norte, com 70.725 metros quadrados. Telus Sky, feitas pela primeira vez desde sua inauguração em 2020, durante a pandemia. Numa espécie de "yin e yang", ambos os arranha-céus são moldados por uma silhueta curvilínea que envolve o entorno como uma cortina gigante que revela o edifício para o horizonte.

A torre Telus Sky, de 220 metros de altura, e a Vancouver House, de 149 metros de altura, acomodam escritórios de uso misto e espaços residenciais, com conexões para ciclovias e vias de pedestres em suas plataformas. Além disso, ambos possuem o mais alto nível de Design Energético e Ambiental. A Vancouver House é o primeiro edifício LEED Platinum da cidade, e a TELUS em Calgary agora tem a maior planta LEED Platinum na América do Norte, com 70.725 metros quadrados.

BIG divulga primeiras fotos da Vancouver House e da Telus Sky, no Canadá - Image 1 of 4BIG divulga primeiras fotos da Vancouver House e da Telus Sky, no Canadá - Image 2 of 4BIG divulga primeiras fotos da Vancouver House e da Telus Sky, no Canadá - Image 3 of 4BIG divulga primeiras fotos da Vancouver House e da Telus Sky, no Canadá - Image 4 of 4BIG divulga primeiras fotos da Vancouver House e da Telus Sky, no Canadá - Mais Imagens+ 40

LINIA: instalação fotográfica aborda comunidades que vivem perto das fronteiras geopolíticas da OTAN

LINIA, um projeto assinado pela Associação VICE VERSA, é uma instalação fotográfica que explora e documenta as histórias e a mentalidade coletiva dos territórios próximos a uma das linhas geopolíticas mais frágeis e rígidas do contexto atual: a linha que separa a OTAN das nações que não fazem parte do tratado. O projeto, iniciado por Dorin Ștefan Adam e Laurian Ghinițoiu, está em exibição na estação de trem de Timișoara, na Romênia, e foi uma das principais exposições da Bienal de Arquitetura de Timișoara 2022, que ocorreu de 23 de setembro a 23 de outubro de 2022. A programação de LINIA foi prorrogada, no entanto, para permanecer aberta ao público até 23 de abril.

LINIA: instalação fotográfica aborda comunidades que vivem perto das fronteiras geopolíticas da OTAN - Image 1 of 4LINIA: instalação fotográfica aborda comunidades que vivem perto das fronteiras geopolíticas da OTAN - Image 2 of 4LINIA: instalação fotográfica aborda comunidades que vivem perto das fronteiras geopolíticas da OTAN - Image 3 of 4LINIA: instalação fotográfica aborda comunidades que vivem perto das fronteiras geopolíticas da OTAN - Image 4 of 4LINIA: instalação fotográfica aborda comunidades que vivem perto das fronteiras geopolíticas da OTAN - Mais Imagens+ 6

Fotografias de Gregor Sailer exploram as implicações políticas, militares e econômicas da arquitetura

Em uma nova exposição na Kunst Haus Wien em Viena, o artista austríaco continua sua investigação na arquitetura onde poucos civis pisam.

A busca de Gregor Sailer por estruturas e edifícios incomuns o leva a alguns dos lugares mais extremos da civilização humana – de centros de exercícios militares nos EUA e Europa, a um centro de mineração perto de Chuquicamata, no deserto do Atacama, até campos de neve no Ártico.

Fotografias de Gregor Sailer exploram as implicações políticas, militares e econômicas da arquitetura - Image 1 of 4Fotografias de Gregor Sailer exploram as implicações políticas, militares e econômicas da arquitetura - Image 2 of 4Fotografias de Gregor Sailer exploram as implicações políticas, militares e econômicas da arquitetura - Image 3 of 4Fotografias de Gregor Sailer exploram as implicações políticas, militares e econômicas da arquitetura - Image 4 of 4Fotografias de Gregor Sailer exploram as implicações políticas, militares e econômicas da arquitetura - Mais Imagens+ 2

Hôtel des Horlogers do BIG na Suíça, pelas lentes de Paul Clemence

Em uma recente série de fotos, Paul Clemence volta suas lentes para o Hôtel des Horlogers, projeto do Bjarke Ingels Group (BIG) em Le Brassus, na Suíça. BIG, um escritório internacional conhecido pela pela experimentação formal, desenhou uma estrutura compacta de cinco pavimentos com os quartos conectados por um percurso em zigue-zague. O projeto foi realizado em colaboração com a empresa de design suíça CCHE.

Hôtel des Horlogers do BIG na Suíça, pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 1 de 4Hôtel des Horlogers do BIG na Suíça, pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 2 de 4Hôtel des Horlogers do BIG na Suíça, pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 3 de 4Hôtel des Horlogers do BIG na Suíça, pelas lentes de Paul Clemence - Imagem 4 de 4Hôtel des Horlogers do BIG na Suíça, pelas lentes de Paul Clemence - Mais Imagens+ 48