Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Modernism

Modernism: O mais recente de arquitetura e notícia

O que é desconstrutivismo?

Desconstrutivismo” (embora a palavra não conste no dicionário da língua portuguesa), poderia ser entendido como a desmontagem ou demolição de uma estrutura construída, seja por razões estruturais ou como um ato subversivo. Muito além do significado literal da palavra, o fato é que a grande maioria das pessoas, inclusive os arquitetos, mal sabem o que é realmente o desconstrutivismo.

Efetivamente, desconstrutivismo não foi um estilo de arquitetura. Muitos menos pode ser considerado um movimento de vanguarda. Não possui um conjunto de “regras” específicas ou uma estética consensual e também não foi um movimento de revolta contra os paradigmas da arquitetura moderna. Desconstrutivismo poderia ser traduzido como uma provocação, uma incitação à explorar diferentes possibilidades e uma liberdade formal ilimitada.

The City of Culture in Santiago de Compostela, Spain. Imagem Cortesia de Eisenman Architects Frank Gehry House. Imagem © Liao Yusheng Port offices of Antwerp, Zaha Hadid Architects. Imagem © Helene Binet Eisenman's The Memorial to the Murdered Jews of Europe. Image Cortesia de Flickr user dalbera licensed under CC BY 2.0 + 15

Fotógrafa registra o modernismo híbrido das igrejas de Kerala, no sul da Índia

© Stefanie Zoche
© Stefanie Zoche

A fotógrafa Stefanie Zoche, do Haubitz-Zoche, registrou uma série de imagens vibrantes das igrejas do "modernismo híbrido" da região de Kerala, ao sul da Índia. As imagens a seguir, também disponíveis no site do artista, retratam a mistura de influências modernistas e elementos arquitetônicos locais que definiram muitas igrejas indianas após a independência do país em 1947.

Segundo Zoche, o estabelecimento da igreja indiana pós-independência procurou se diferenciar do estilo histórico de construção colonial e, portanto, inspirou-se no ícone modernista de Le Corbusier. Os edifícios registrados por Zoche geralmente exibem uma “linguagem formal efusivamente escultural e um uso de cores intensas” com símbolos cristãos “diretamente transpostos para um projeto tridimensional e monumental”.

© Stefanie Zoche © Stefanie Zoche © Stefanie Zoche © Stefanie Zoche + 29

Casa dos Sovietes: por que devemos preservar este símbolo do brutalismo soviético?

© Maria Gonzalez
© Maria Gonzalez

© Maria Gonzalez © Maria Gonzalez © Maria Gonzalez © Maria Gonzalez + 20

A Casa dos Sovietes é um enorme edifício brutalista russo projetado pelo arquiteto Yulian L. Shvartsbreim. Localizado no centro de Kaliningrado, o edifício está abandonado desde a época de sua construção. Mesmo assim, os habitantes o reconhecem como o marco urbano mais importante da cidade. Eles costumam se referir ao edifício como "o rosto do robô", já que sua forma estranha os faz imaginar um robô enterrado até o pescoço que mostra apenas o rosto acima da superfície.

Archasm promove concurso para a conclusão do Capitólio de Chandigarh, projetado por Le Corbusier

A Archasm, uma organização online de concursos internacionais de arquitetura, lançou recentemente a competição “Chandigarh Unbuilt: Completing the Capitol”, que busca ideias para concluir e complementar o complexo do Capitólio em Chandigarh, Índia, projetado por Le Corbusier.

Três edifícios do complexo foram construídos segundo o projeto de Le Corbusier - o Secretariado, a Assembleia Municipal, e a Suprema Corte - mas o quarto e último edifício, chamado de Museu do Conhecimento, ainda não foi iniciado.

A Archasm busca propostas para um museu do conhecimento que se enquadrem no contexto do século XXI e, ao mesmo tempo, considerem a importância da arquitetura de Le Corbusier, o uso do espaço público e seu impacto na comunidade.

Cidades invisíveis e o pano de vidro: o último remanescente do modernismo

Poucos dos princípios arquitetônicos desenvolvidos no século XX foram tão amplamente aceitos como o pano de vidro, com a tecnologia que vai de uma característica implícita dos Cinco Pontos de Arquitetura de Le Corbusier ao tratamento de fachada em todo o mundo. Neste artigo, originalmente publicado no Australian Design Review como "Invisible Cities - The Last Remnant of Modernism", Annabel Koeck argumenta que o pano de vidro, inicialmente apreciado por sua transparência, está agora fazendo edifícios e até cidades inteiras invisíveis devido à sua ubiquidade diáfana - às custas da expressão arquitetônica.

Os arquitetos noruegueses do Snøhetta projetaram a estrutura de vidro para o Pavilhão de entrada do Memorial Nacional 11 de Setembro, que parece se camuflar com o fundo composto por panos de vidro que definem o skyline de Nova Iorque. É certo que o pavilhão de Snøhetta foi concebido por um programa muito diferente, definido pela timidez e sutileza; ainda que paradoxalmente, foi o pano de vidro que facilitou isso. Com vista para a Piscina Sul em direção a uma série de fachadas envidraçadas que dominam o horizonte, é irônico que uma técnica modernista – o pano de vidro – poderia agora significar o fim para a diversidade arquitetônica nas cidades.

Como a vandalização de um clássico expõe a hipocrisia em relação ao modernismo

Essas imagens do artista Xavier Delory mostram a famosa Villa Sovoye de Le Corbusier em terrível estado de deterioração. Através dos vidros quebrados e das pichações os vândalos desfiguraram tragicamente suas paredes e janelas intocáveis. Mas não entre em pânico: as imagens apresentadas foram manipuladas no photoshop. Mas, e se não tivessem sido? Neste artigo, publicado originalmente pela Metropolis Magazine como "Modernism in Ruins: Artist "Vandalizes" a Le Corbusier Masterpiece", AJ Artemel explora como nossa comoção e espanto causados por estas imagens expõe uma hipocrisia subjacente na nossa reverência pelas famosas obras modernistas e propõe que talvez o modernismo e o vandalismo estejam mais conectados do que podemos imaginar.

© Xavier Delory © Xavier Delory © Xavier Delory © Xavier Delory + 5

David Chipperfield inagura exposição na Neue Nationalgalerie em Berlim

© Gili Merin
© Gili Merin

A Neue Nationalgalerie de Mies van der Rohe, em Berlim, entrou recentemente em uma nova fase com a abertura da intervenção de David Chipperfield - um prólogo ao iminente restauro da obra de Mies que o renomado arquiteto britânico está prestes a realizar. Concluída em 1968, a galeria foi o último projeto de Mies e sua obra prima final; por quase cinquenta anos ninguém ousou tocá-la - até agora. Para marcar esse acontecimento, uma grande instalação site-specific foi criada por Chipperfield numa tentativa de envolver Mies numa experiência espacial (ou talvez um último e apologético tributo ao mestre do século XX) momentos antes de embarcar numa missão que, em última instância, transformará o legado do arquiteto modernista.

© Gili Merin © David von Becker © David von Becker © David von Becker + 13

Um novo estilo arquitetônico para a era do individual

Ao passo que os arquitetos modernistas romperam com a arquitetura vernacular e desenvolveram um estilo internacional homogeneizado, muitos criaram espaços estéreis e lugares distantes do calor das formas históricas do habitar humano. Reações negativas à brutalidade dos espaços modernistas encorajaram movimentos arquitetônicas como o pós-modernismo e o desconstrutivismo, mas estes nunca chegaram a subverter a caixa racionalista moderna como paradigma arquitetônico dominante. 

Contudo, a almejada precisão mecânica desses edifícios em alguns casos se tornou, com o passar do tempo, acidentalmente humanizada através do acréscimo de cortinas, pinturas coloridas, ou mesmo alterações e reparos imperfeitos. Acredito que os sucessos e fracassos do modernismo geraram um novo tipo de estilo arquitetônico previamente não classificado: o Pixelismo. Saiba mais sobre esse fenômeno, a seguir.

O que podemos aprender com o "novo brutalismo" dos Smithsons em 2014?

Alison Gill, posteriormente conhecida como Alison Smithson, foi uma das arquitetas brutalistas mais influentes da história. No ano em que completaria 86 anos, investigaremos como o impacto de sua arquitetura, produzida em parceria com Peter Smithson, ainda ressoa no século XXI, sobretudo no Pavilhão Britânico da Bienal de Veneza deste ano. Com o edifício Robin Hood Gardens, em Londres - um de seus mais famosos projetos de habitação social em grande escala - ameaçado de demolição, como pode seu estilo - aclamado por Reyner Banham em 1955 de "novo brutalismo", influenciar futuros projetos de habitação?

Robin Hood Gardens, Londres. Cortesia de John Levett - http://www.flickr.com/photos/joseph_beuys_hat/ Robin Hood Gardens, Londres. Cortesia de Amanda Vincent-Rous - http://www.flickr.com/photos/51746218@N03/ Desenho exposto na Bienal de Veneza deste ano, Alison & Peter Smithson (1963). Imagem © James Taylor-Foster Robin Hood Gardens, Alison e Peter Smithson + 8

Bienal de Veneza 2014: NRJA cria primeiro banco de dados sobre a arquitetura modernista da Letônia

Os arquitetos do escritório NRJA foram selecionados como curadores da participação da Letônia na Bienal de Veneza 2014. Baseada na afirmação de que "(não) há modernismo na Letônia", a exposição Unwritten confrontará a falta de pesquisa e avaliação da arquitetura moderna letã do pós-guerra.

Reiach and Hall representarão a Escócia na Bienal de Veneza

O escritório de Edimburgo Reiach and Hall representará a Escócia na Bienal de Veneza 2014. A exposição mostrará o rico patrimônio modernista escocês através de edifícios como o Seminário St. Peter em Cardross, de Gillespie, Kidd & Coia e os projetos de igrejas do fundador do escritório Reiach and Hall, Alan Reiach, focando nos aspectos positivos destes edifícios que são frequentemente mal vistos pelo público escocês. "Certos edifícios daquela época receberam uma publicidade negativa - as estórias dos flats Red Road e assim por diante também não ajudam nisso - mas esperamos explicar e examinar o real otimismo daquele período", disse Neil Gillespie, Diretor do Reiach and Hall.

A contribuição da Escócia na bienal acontecerá através do pavilhão do Reino Unido, num período de residência de um mês, além de apresentações e exposições em outros locais de Veneza.

Cinema e Arquitetura: Modern Tide - Midcentury Architecture on Long Island