1. ArchDaily
  2. favelas

favelas: O mais recente de arquitetura e notícia

"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE

Voltada para desenvolvimento de projetos de arquitetura em favelas e periferias, a atuação do Coletivo LEVANTE tem demonstrado grande sensibilidade às características e particularidades desses contextos. Segundo o grupo, "o reconhecimento do que já existe e é atribuído de valores vividos e conquistados pelos moradores das favelas — paisagem, construções, identidades e relações" é o que buscam como matéria-prima dos projetos, uma abordagem que pode ser reconhecida em projetos como o Centro Cultural Lá da Favelinha e a Casa no Pomar do Cafezal, ganhadora do Prêmio Building of the Year 2023 do ArchDaily.

"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 1 of 4"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 2 of 4"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 3 of 4"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 4 of 4Um passinho de cada vez: entrevista com o Coletivo LEVANTE - Mais Imagens+ 18

Zigurat Talks: Transformação (arquitetônica) e social com Coletivo LEVANTE

Os arquitetos e construtores podem criar ambientes e espaços que melhoram a qualidade de vida das pessoas, seguindo os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, especialmente o ODS 11. Além disso, a tecnologia pode ser uma grande aliada, com recursos inovadores como a modelagem 3D, o BIM, a realidade virtual e aumentada, o sensoriamento e a internet das coisas. Não perca a oportunidade de aprender mais sobre esse assunto em nosso evento ZIGURAT Talks sobre a arquitetura do futuro!

O Coletivo LEVANTE foi criado em 2017 a partir do encontro do artista Kdu dos Anjos (fundador do Centro Cultural Lá da

O que podemos aprender com a habitação coletiva na Índia

Em quase todas as línguas indianas, um termo coloquial para "família" (ghar wale em hindi, por exemplo) se traduz literalmente como "aqueles que estão em (minha) casa". Tradicionalmente, os lares indianos abrigavam gerações de uma família sob o mesmo teto, formando bairros próximos de parentes e amigos. A arquitetura residencial, portanto, foi influenciada pelas necessidades desse sistema familiar. Espaços de interação social são essenciais na habitação coletiva, assim como estruturas que se adaptam às necessidades de mudança de cada família. A relação matizada entre cultura, tradições e arquitetura é maravilhosamente manifestada na sintaxe espacial da habitação indiana.

O que podemos aprender com a habitação coletiva na Índia - Image 1 of 4O que podemos aprender com a habitação coletiva na Índia - Image 2 of 4O que podemos aprender com a habitação coletiva na Índia - Image 3 of 4O que podemos aprender com a habitação coletiva na Índia - Image 4 of 4O que podemos aprender com a habitação coletiva na Índia - Mais Imagens+ 9

Urbanização de Heliópolis: os desafios da intervenção na cidade informal

A configuração do bairro de Heliópolis é consequência de um histórico de ocupações irregulares e de urbanização complexa. Os enfoques do poder público na região nas últimas décadas têm sido os mais variados, sem que, tenha sido possível superar o caráter informal do território, especialmente no que diz respeito à implementação total e articulada da infraestrutura urbana. Foi para abordar esse contexto que o escritório Vigliecca & Associados foi convidado a desenhar os conjuntos habitacionais para as Glebas A e H, realizados, respectivamente, em 2004 e 2013.

Urbanização de Heliópolis: os desafios da intervenção na cidade informal - Image 1 of 4Urbanização de Heliópolis: os desafios da intervenção na cidade informal - Image 2 of 4Urbanização de Heliópolis: os desafios da intervenção na cidade informal - Image 3 of 4Urbanização de Heliópolis: os desafios da intervenção na cidade informal - Image 4 of 4Urbanização de Heliópolis: os desafios da intervenção na cidade informal - Mais Imagens+ 9

A ascensão da selva de cortiços em Nairóbi

A ascensão da selva de cortiços em Nairóbi - Imagem de Destaque
Imagem: DMCA, via Caos Planejado

Em uma tarde de domingo quente e nebulosa, os cortiços de concreto de Nairóbi se elevam sobre os barracos (ou “favelas”) da cidade. Homens e mulheres penduram roupas em telhados e varandas — fazendo com que os edifícios pareçam uma colcha de retalhos, um mosaico de tecido.

Colocando o Rio de Janeiro no mapa

O futuro do planejamento urbano pode estar na segunda maior cidade do Brasil: o Rio de Janeiro. Mas não é ao longo da brilhante orla de Ipanema, negligenciada por abrigar alguns dos imóveis mais caros da América Latina. Tampouco está no Centro, reformado para as Olimpíadas de 2016 e agora foco de um grande plano de revitalização urbana. Para vislumbrar o futuro das cidades, deve-se passar pela Lagoa Rodrigo de Freitas até chegar ao bairro do Jardim Botânico e depois olhar para os morros, onde o imenso bairro da Rocinha está perigosamente empoleirado nas encostas.

Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil

Você sabia que, em quase todo o mundo, pessoas constroem diariamente suas casas sem ajuda de arquitetos e engenheiros?

Comum nas regiões periféricas do Brasil, a autoconstrução é uma opção de quem deseja ter sua casa própria personalizada, sem enfrentar burocracias indesejadas ou dívidas de longo prazo. No entanto, a escolha por construir a própria residência sem o apoio técnico de engenheiros e arquitetos frequentemente é acompanhada pela falta de informação, o que pode acarretar em irregularidades, má qualidade da construção e riscos para os moradores.

Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil - Image 1 of 4Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil - Image 2 of 4Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil - Image 3 of 4Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil - Image 4 of 4Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil - Mais Imagens

Espaços públicos e os desafios da Covid-19: intervenções da UN-Habitat no Vietnã, Bangladesh e Índia

A Un-Habitat ou agência das Nações Unidas para o desenvolvimento urbano sustentável, cujo principal foco é encontrar soluções para os desafios impostos pelo rápido e voraz processo de crescimento e expansão urbana em países de economias emergentes, vem desenvolvendo abordagens inovadoras no campo da arquitetura e do urbanismo, centradas no usuário e nos processos participativos. Pensando nisso, o ArchDaily associou-se à UN-Habitat para trazer notícias semanais, artigos e entrevistas que se destacam neste setor, disponibilizando a nossos leitores conteúdos em primeira mão e direto da fonte.

Ao longo deste ano pandêmico, os espaços públicos desempenharam um papel fundamental para a manutenção da saúde física e mental das pessoas em diferentes comunidades urbanas no mundo todo”, afirma James Delaney, presidente da Block by Block. Na verdade, as pessoas sempre precisaram sair de casa, e agora isso se faz mais evidente que nunca. Pensando nisso, com o principal objetivo de qualificar uma série de espaços públicos para melhor enfrentar os desafios impostos pela pandemia de COVID-19, a UN-Habitat uniu forças com a Fundação Block by Block para desenvolver soluções urbanas em dez diferentes cidades do planeta para ajudá-las a voltarem com segurança à normalidade. Desenvolvidas em parceira com as autoridades e governos locais além de contar com a ativa participação das comunidades envolvidas, estas iniciativas ajudaram a estabelecer espaços públicos seguros e saudáveis, especialmente em bairros pobres, onde historicamente há uma carência de áreas verdes e espaços de convívio. Embora estas sejam soluções imediatas para um problema recente, elas são também uma oportunidade para resolvermos problemas históricos, como a desigualdade, a falta de oportunidades e infra-estrutura pública nos bairros mais pobres das grandes cidades. Pensando nisso, a UN-Habitat lançou-se em uma empreitada que abrangeu desde a instalação de playgrounds móveis para as crianças de Hanói, no Vietnã, passando pela construção de estruturas temporárias para vendedores ambulantes nas cidades de Dhaka e Khulna, em Bangladesh, até a introdução de espaços públicos seguros em assentamentos informais de Bhopal, na Índia.

Espaços públicos e os desafios da Covid-19: intervenções da UN-Habitat no Vietnã, Bangladesh e Índia - Image 1 of 4Espaços públicos e os desafios da Covid-19: intervenções da UN-Habitat no Vietnã, Bangladesh e Índia - Image 2 of 4Espaços públicos e os desafios da Covid-19: intervenções da UN-Habitat no Vietnã, Bangladesh e Índia - Image 3 of 4Espaços públicos e os desafios da Covid-19: intervenções da UN-Habitat no Vietnã, Bangladesh e Índia - Image 4 of 4Espaços públicos e os desafios da Covid-19: intervenções da UN-Habitat no Vietnã, Bangladesh e Índia - Mais Imagens+ 13

Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat

A Un-Habitat ou agência das Nações Unidas para assentamentos humanos e desenvolvimento urbano sustentável, cujo foco principal é lidar com os desafios da rápida urbanização, vem desenvolvendo abordagens inovadoras no campo do desenho urbano, com projetos centrados na participação ativa da comunidade. O ArchDaily se associou ao UN-Habitat para trazer notícias semanais, artigos e entrevistas que destacam este trabalho, com conteúdo direto da fonte, desenvolvido por nossos editores.

Associada ao crime, ao desperdício e ao lixo, Dandora, nos limites de Nairóbi, é o lar de cerca de 140.000 habitantes. Em uma colaboração contínua, entre moradores e grupos de jovens, a UN-Habitat, a coalizão Making Cities Together e a “Liga de Transformação de Dandora”, foi criado o projeto "Rua Modelo", que vem transformando os espaços comunitários repletos de lixo em espaços livres de resíduos, atraentes e envolventes. Com foco na melhoria dos espaços compartilhados de conjuntos residenciais, uma competição anual liderada pelos jovens do bairro, o Changing Faces Challenge, tornou-se uma iniciativa para mobilizar cidadãos em Nairóbi.

Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat - Image 1 of 4Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat - Image 2 of 4Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat - Image 3 of 4Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat - Image 4 of 4Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat - Mais Imagens+ 16

Criando governanças na cidade informal: o caso do Jardim Colombo

O cenário das cidades brasileiras se alterna em duas realidades marcantes: de um lado temos a cidade formal, onde a lei é vigente, onde o direito à cidade é exercido, onde existem infra-estruturas de qualidade e investimentos públicos e privados. É também a realidade usada como base para a formulação de leis e diretrizes de planejamento urbano, e onde podemos ver a presença do Estado.

Por outro, temos a cidade informal. Aquela que ocupa as periferias e favelas, com uma identidade marcada por blocos cerâmicos e um adensamento descomedido. Nela, o que domina são as autoconstruções, independentes da propriedade do terreno, a ocupação ilegal e a falta de políticas públicas e infra-estruturas básicas. Faltam espaços de lazer, de cultura e áreas verdes.

Criando governanças na cidade informal: o caso do Jardim Colombo - Image 5 of 4Criando governanças na cidade informal: o caso do Jardim Colombo - Image 1 of 4Criando governanças na cidade informal: o caso do Jardim Colombo - Image 4 of 4Criando governanças na cidade informal: o caso do Jardim Colombo - Image 7 of 4Criando governanças na cidade informal: o caso do Jardim Colombo - Mais Imagens+ 6

Angola informal: um olhar sobre os musseques de Luanda

Este artigo é um exercício de observação e análise das diferentes formas de ocupação e uso do solo em tecidos urbanos informais ou autoproduzidos nos arredores de Luanda, e sua relação com o centro urbano consolidado da capital angolana.

10 Ideias utópicas de planejamento urbano

Construir cidades nos terrenos que ficaram destruídos na Primeira Guerra Mundial foi uma proposta anunciada como a cidade do futuro por Le Corbusier sob o título de Ville Radieuse que contribuiria com a criação de uma sociedade melhor. Embora este master plan tenha sido apresentado pela primeira vez em 1924, nunca chegou a ser concretizado, mas influenciou a construção de habitação de alta densidade.

Guia de arquitetura do Rio de Janeiro: 21 lugares para conhecer na cidade maravilhosa

Rio de Janeiro dispensa apresentações. Uma cidade de contrastes, tão diversa nas suas pessoas, natureza e arquitetura. Seus edifícios históricos de influência europeia, os ícones modernos do século XX e as recentes obras assinadas por arquitetos internacionais garantem um lugar no mapa da arquitetura mundial e pontuam a paisagem urbana da segunda maior cidade do Brasil.

Cortiços eram melhores que as favelas

No imaginário popular, cortiços eram o que existia de pior como moradia nas cidades brasileiras. Enraizado na nossa cultura e registrado no clássico de Aluísio Azevedo, cortiços eram moradias insalubres e dilapidadas, onde doenças se proliferavam, onde habitava a escória da sociedade e onde proprietários exploravam os moradores com aluguéis abusivos.