1. ArchDaily
  2. Autoconstrução

Autoconstrução: O mais recente de arquitetura e notícia

O que é um mutirão?

Este artigo tem como objetivo explorar um termo que é amplamente utilizado para descrever a prática de trabalho coletivo auto organizada, mas que, ao mesmo tempo, carrega um significado de luta anti-hegemônica ao ser empregado como sinônimo de projetos autogestionários. Os mutirões remetem à uma reflexão da importância do trabalho coletivo, e da luta popular, e de como a prática arquitetônica, e a construção civil se relaciona com esses temas.

Cortesia de Rafael Porto Via Ciclo VivoMutirantes do Novo Horizonte - Cooperativa de Catadores COOPAMARE e Usina CTAH.. Image © Isac MarcelinoImagem dos Mutirões Florestan Fernandes e José Maria Amaral. Image Cortesia de Escola da CidadeVista do Mutirão União da Juta. Image © Nelson Kon+ 11

Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil

Você sabia que, em quase todo o mundo, pessoas constroem diariamente suas casas sem ajuda de arquitetos e engenheiros?

Comum nas regiões periféricas do Brasil, a autoconstrução é uma opção de quem deseja ter sua casa própria personalizada, sem enfrentar burocracias indesejadas ou dívidas de longo prazo. No entanto, a escolha por construir a própria residência sem o apoio técnico de engenheiros e arquitetos frequentemente é acompanhada pela falta de informação, o que pode acarretar em irregularidades, má qualidade da construção e riscos para os moradores.

Há cerca de 2.700 assentamentos informais em toda a África do Sul. O projeto Empower Shack, da U-TT, no município de Khayelitsha, perto da Cidade do Cabo, visa melhorar esses assentamentos por meio de uma metodologia inovadora e inclusiva para a distribuição justa do espaço público, prestação de serviços básicos e um esquema de urbanização que combina melhorias habitacionais com um ambiente urbano mais seguro e novas possibilidades econômicas e sociais . A abordagem concentra-se na construção de ambientes vivos que abrangem microfinanciamento, energia renovável, gestão da água e desenvolvimento de habilidades. Cortesia de O Futuro das CoisasLiving Board na India. Fonte: Carlo Ratti Associatti. Cortesia de O Futuro das CoisasMódulo de madeira autoconstruída. Crédito: Studio Bark. Cortesia de O Futuro das CoisasAntiga Kowloon em Hong Kong. Foto: © Greg Girard. Cortesia de O Futuro das Coisas+ 5

Mulheres e a luta por moradia: trajetórias de empoderamento e autonomia na experiência do MST-Leste 1

O acesso à moradia adequada é difícil em um país como o Brasil, que possui um déficit habitacional de 6,3 milhões de moradias (FUNDO FICA, 2019). A lógica perversa do mercado imobiliário – em que os custos de compra de terras e imóveis e mesmo de aluguel são altíssimos –, associada à carência de políticas públicas de provisão habitacional – em um contexto social em que famílias com renda de até dois salários mínimos residentes em áreas urbanas gastam 41,2% da renda familiar em despesas de consumo com à habitação (GUERREIRO; MARINO; ROLNIK, 2019) –, fazem com que a aquisição da casa própria seja extremamente difícil para as camadas mais pobres da população.

Instalação Arquitetura na Periferia. Foto © Thiago SilvaApresentação do projeto para as famílias. Image © USINA CTAHFoto © Carina Guedes e Pedro ThiagoProcesso de projeto junto aos moradores: estudo das unidades habitacionais. Image © USINA CTAH+ 6

Arquitetura Livre: a autoconstrução no México pelas lentes de Adam Wiseman

© Adam Wiseman© Adam Wiseman© Adam Wiseman© Adam Wiseman+ 34

No México, a prática da autoconstrução ainda é um assunto que divide opiniões entre a comunidade de arquitetos, com adeptos tanto à favor quanto em contra a esta prática extremamente convencional e difusa por todo território. Entretanto, ainda que longe de ser um consenso entre os profissionais da construção civil, os processos autônomos de construção são uma realidade inegável e que se impõe sobre condições econômicas, culturais e sociais — não apenas no México, mas como um fenômeno que desconhece quaisquer tipo de fronteiras. Pensando nisso, ao longo dos últimos anos, arquitetos e arquitetas deram início à uma série de iniciativas com o principal objetivo de desenvolver e disponibilizar materiais informativos, guias de apoio e manuais de acompanhamento aos processos de autoconstrução, abordando temas de segurança, bem estar e em última instância, colocando em evidência uma prática que a cada dia se torna mais difícil de omitir.

Protótipos de residências em madeira: soluções pré-fabricadas como alternativa ao déficit habitacional

Prototipo Tapebicua (Virasoro). Image Cortesía de CAUH
Prototipo Tapebicua (Virasoro). Image Cortesía de CAUH

Prototipo Tapebicua (Virasoro). Image Cortesía de CAUHPrototipo Tapebicua (Virasoro). Image Cortesía de CAUHPrototipo Tapebicua (Virasoro). Image Cortesía de CAUHPrototipo Mesopotámico 2.0 Pilar. Image Cortesía de CAUH+ 97

Os protótipos de residências unifamiliares aqui apresentados surgiram da necessidade de validar o sistema construtivo desenvolvido pelo CAUH. Como todos os sistemas pré-fabricados e industrializados que não são considerados sistemas construtivos tradicionais, é necessário passar por um processo de certificações e validações empíricas. Este processo permite adquirir o CAT (Certificado de Aptidão Técnica) fornecido pela Subsecretaria de Habitação da Argentina. Para isso não apenas são feitos testes das partes do sistema, mas também se constrói um protótipo em escala real ou residência tipo que possa passar duas temporadas para que então seja verificado seu desempenho no local.

Seminário Nacional de Escritórios Modelos de Arquitetura e Urbanismo - SeNEMAU

O Seminário Nacional de Escritórios Modelo de Arquitetura e Urbanismo (SeNEMAU) é o momento onde membros dos EMAUs de todo o país discutem, trocam experiências e aprimoram o modelo de ensino e a extensão universitária onde a produção é voltada prioritariamente para os assuntos que envolvam a democratização da Arquitetura. O SeNEMAU, assim como o EMAU, é um encontro idealizado e promovido pela FeNEA e vem ocorrendo de forma anual, desde 1997, sendo organizado por estudantes envolvidos com os EMAUs, juntamente com os professores orientadores. A programação dos seminários é composta por atividades que promovem uma experiência coletiva de troca

Arquitetura que transcende barreiras de linguagem: Casas de Parto no México

Até alguns anos atrás, a maior causa de mortes no município de Tenejapa, localizado na região de Los Altos de Chiapas, era por problemas relacionados ao trabalho de parto. Ante esse panorama, e aliado à falta de serviços médicos na região, as parteiras tradicionais de 22 comunidades agruparam-se para combater o problema e formaram a Rede de Parteiras “Un solo corazón A.C.”, organização que conseguiu reduzir a zero a taxa de mortalidade materna e infantil atendendo 98% dos partos na área.

Uma linguagem padrão da autoconstrução: ferramenta para compreender os espaços e as práticas sociais das favelas brasileiras

<<Architects themselves build a very,
very small part of the world.
Most of the physical world is built by just
all kinds of people. It is built by it is built
by do-it-yourselvers in Latin America(..)>>
Cristopher Alexander, The origins of the Pattern Theory, 1999:74[1].

A linguagem de padrões proposta por Christopher Alexander é um método de planejamento universal baseado no humanismo e um estudo crucial no campo da arquitetura e do design urbano, que tem sido amplamente aplicado na educação tradicional da arquitetura. Os padrões de Alexander são usados como diretrizes ou parâmetros de projeto. Eles dependem de uma gama complexa de aspectos relevantes do ambiente construído e têm um papel fundamental na discussão do projeto de arquitetura e do comportamento humano. 

Casa da Arquitectura cria um "lugar de partilha" através de um laboratório de autoconstrução

O Lugar de Partilha é um laboratório em regime de autoconstrução para a realização de uma infraestrutura ao serviço da comunidade do Bairro de Campinas, na cidade do Porto, em Portugal, organizada pela Casa da Arquitectura em colaboração com a Domus Social, Porto Academy e Junta de Freguesia de Ramalde.

Este é o primeiro ato do programa inaugural da Casa da Arquitectura, intitulado Please Share!, comissariado pelo arquiteto Roberto Cremascoli que celebra a abertura das novas instalações da Casa da Arquitectura no Quarteirão da Real Vinícola, em Matosinhos, agendada para o dia 18 de novembro próximo.

Os coordenadores da esquerda para a direita: Ivo Poças Martins, Roberto Cremascoli e Nicolò Galeazzi. Image © Casa da ArquitecturaRevisão por parte de Roberto Cremascoli, Nicolò Galeazzi e Ivo Poças Martins dos trabalhos dos estudantes do estúdio de Pedro Bandeira (Porto Academy 2017). Image © Casa da ArquitecturaÁrea de projeto - Bairro das Campinas. Image © Casa da ArquitecturaÁrea de projeto - Bairro das Campinas. Image © Casa da Arquitectura+ 10

MUTUO: um projeto colaborativo para o sonho da moradia digna no Peru

MUTUO é uma plataforma online que reúne profissionais em arquitetura e pessoas que necessitam construir uma habitação, garantindo, assim, que esses projeto sejam realizados por pessoas capacitadas.

Cortesía de MUTUO
Cortesía de MUTUO

IN.FORMAL: Workshop de autoconstrução com Estúdio Cruz e Seu Design

Dos arquitetos: A construção civil é um dos mais amplos setores no Brasil, com altos índices de trabalhadores não profissionalizados, assim abrangendo uma grande porcentagem de construções irregulares concebidas sem a supervisão de um técnico da área: seja um arquiteto ou engenheiro. Os altos custos associados à construção civil posiciona uma ampla parcela da sociedade a buscarem alternativas para construírem suas casas.

10 projetos de arquitetura leve, modular e adaptável na Colômbia

Os conceitos específicos de leveza, adaptabilidade e modularidade são a essência desta seleção. Os exemplos referenciados incluem todas ou algumas destas características e cada intervenção se destaca através de características particulares, as quais representam um código singular em resposta aos seus contextos: alto impacto social, espaço de construção mínimo, orçamentos reduzidos, trabalho colaborativo com comunidade e intervenções em áreas rurais, são algumas das condicionantes desses projetos.

Com esta recopilação de obras construídas pretende-se evidenciar os alcances e habilidades que dividem os autores quando seu trabalho está centrado em mediações restritivas, fazendo das limitações uma oportunidade para entregar aos habitantes alternativas assertivas além de uma resposta funcional ao programa que abrigam. 

A seguir, apresentaremos uma seleção de projetos que, por suas condições compositivas, estruturais e sociais, representam um grupo de intervenções que diante de contextos geográficos diferentes criam a tensão adequada para transformar um espaço em lugar. 

Pavilhão Desconectado / Plan:b arquitectos. Imagem © Sergio Gómez VIMOB / Colectivo Creativo Arquitectos. Imagem © Felipe OrviPoliedro Habitável / Manuel Villa Arquitectos. Imagem © Manuel Villa arquitectos Casa do Vento / Arquitectura Expandida. Imagem Cortesia de Arquitectura Expandida + 11

"Armando Casas": um jogo educativo que introduz estratégias para a autoconstrução de moradias

No último final de semana foi encerrada a Mostra Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, e após 6 meses da exposição mais importante de arquitetura onde o México teve uma extensa representação, compilamos uma série de artigos que nos aproximam da arquitetura social realizada no país e queremos apresentar uma das equipes selecionadas que fizeram parte do pavilhão mexicano. Armando Casas é dirigido pelos arquitetos Roberto Rodríguez e Ximena Davis, que trabalham com famílias em bairros marginalizados de Cuernavaca. Seu trabalho é uma estratégia efetiva de comunicação de conhecimentos especializados para que famílias possam construir suas próprias casas.

© Pamela Daryl Hernández​© Pamela Daryl Hernández​© Pamela Daryl Hernández​© Pamela Daryl Hernández​+ 11